11 de outubro de 2020

Guimarães Rosa encontra Aracy


 





O sertão é do tamanho do mundo.   


–– João Guimarães Rosa.    




A história de amor de João Guimarães Rosa e Aracy Moebius de Carvalho até parece uma história imaginada pela ficção – tanto que está sendo adaptada como roteiro para uma série de TV baseada nos fatos reais. Aracy e o escritor se conheceram às vésperas da Segunda Guerra Mundial, na Alemanha, quando começaram a trabalhar juntos no consulado brasileiro em Hamburgo, e viveram juntos até a morte do escritor em 1967. Depois daquele encontro, Guimarães Rosa, com apoio de Aracy, publicaria livros de ficção que se tornariam um cânone da literatura brasileira. Ela, por sua vez, teria notável importância como funcionária do setor de vistos do consulado brasileiro, salvando muitas vidas ao ajudar judeus que fugiam da perseguição nazista a imigrarem para o Brasil e para outros países, driblando o regime nazista e as regras do governo de Getúlio Vargas que proibia a concessão a “semitas e outros indesejáveis”.


Conhecida no Brasil e no exterior com reverência pela designação “Anjo de Hamburgo”, depois do fim da guerra Aracy seria homenageada pelo Museu do Holocausto de Washington, nos EUA, e também receberia a honraria de ter seu nome destacado no Jardim dos Justos entre as Nações no Yad Vashem, o Memorial do Holocausto no Estado de Israel – um título reservado a um pequeno número de não judeus que se arriscaram para salvar judeus da perseguição nazista e que inclui apenas mais um brasileiro, o diplomata Luiz Martins de Souza Dantas, que atuava na França durante a Segunda Guerra. Filha de pai português e de mãe alemã, Aracy viveu em São Paulo desde a infância, mas nasceu em Rio Negro, pequena cidade do Paraná onde sua família estava de passagem, em 1908, o mesmo ano em que nasceu Guimarães Rosa em Minas Gerais.







Guimarães Rosa encontra Aracy: no alto e acima,
o casal em viagem à Itália, em 1950. Abaixo,
Aracy (à direita) e Guimarães Rosa (à esquerda)
com diplomatas na sede do consulado do Brasil
em Hamburgo, Alemanha. Também abaixo,
a capa da biografia de Aracy, publicada em 2011
e escrita por Mônica Raisa Schpun, e a capa e
contracapa de Ave, Palavra, livro com uma
miscelânea de textos que Guimarães Rosa
escreveu na época em que foi cônsul-adjunto
em Hamburgo, na Alemanha, durante a
Segunda Guerra Mundial
















Em 1930, aos 22 anos, Aracy Moebius de Carvalho se casou com o alemão Johann Eduard Ludwig Tess e teve um filho, Eduardo Carvalho Tess. O casamento enfrentou dificuldades e teve curta duração, chegando ao fim em menos de cinco anos. Em seguida, Aracy partiu para viver na Alemanha com o filho, a mãe e uma irmã, com a intenção de evitar o assédio e o preconceito que as mulheres separadas do marido sofriam no Brasil. Por sua fluência em português, inglês, francês e alemão, em pouco tempo ela conseguiu uma nomeação para trabalhar no consulado brasileiro em Hamburgo, onde atuava na chefia da seção de passaportes.



Temporada na Alemanha



Aracy também não foi a primeira esposa de Guimarães Rosa. Nascido em 1908 na pequena cidade mineira de Cordisburgo, ainda na infância Rosa foi morar com os avós em Belo Horizonte para continuar os estudos e mais tarde formou-se na Faculdade de Medicina da Universidade de Minas Gerais. Em 1930, seis meses antes da formatura, casou-se no dia em que completou 22 anos com uma vizinha que conhecia desde os tempos de infância, Lygia Cabral Penna, na época com apenas 16 anos. Depois de formado, Rosa perambulou a trabalho como médico com a esposa pelo interior de Minas Gerais e teve duas filhas, das quais ele mesmo fez o parto: Vilma, que nasceu em 1931 em Itaguara; e Agnes, que nasceu em 1933 em Barbacena.











Guimarães Rosa encontra Aracy: acima,
o escritor fotografado por Eugênio Silva
para a revista O Cruzeiro durante a viagem
de 10 dias, pelo sertão de Minas Gerais,
em maio de 1952, acompanhando um
grupo de oito vaqueiros que guiava cerca
de 300 bois e vacas por um percurso de 10
fazendas em 240 quilômetros, seguindo de
Três Marias a Araçaí (veja outras fotografias
das viagens de Guimarães Rosa pelo sertão em
Semióticas - Das Minas Gerais).


As anotações de Rosa durante a travessia pelo
sertão com os vaqueiros seriam fundamentais
para a literatura que ele produziu nos anos
seguintes, incluindo Grande Sertão: Veredas
e Corpo de Baile, livros publicados em 1956,
e Tutaméia, publicado em 1967. Abaixo,
capa e contracapa do livro biográfico
Relembramentos, que a filha do escritor,
Vilma Guimarães Rosa, publicou
em 1986. Na capa, uma fotografia da autora
no colo de seu pai; na contracapa, Rosa e
a primeira esposa, Lygia, mãe de suas filhas
Vilma e Agnes, fotografados em 1930
durante a viagem de lua de mel








Em 1934, desiludido com a profissão, Guimarães Rosa seguiria com a família para o Rio de Janeiro, onde prestou concurso para o Itamaraty. Aprovado em segundo lugar, foi designado para sua primeira função no exterior no cargo de cônsul-adjunto do Brasil em Hamburgo, na Alemanha, mas viajou para a Europa sem a mulher e as filhas. Em 1938, em Hamburgo, o jovem diplomata conheceria e iria se apaixonar por Aracy, que seria sua segunda esposa. Rosa e Aracy permaneceram na Alemanha até 1942, quando o governo Vargas rompeu relações com Hitler e passou a apoiar as Forças Aliadas sob a liderança de Estados Unidos, Reino Unido e União Soviética na guerra contra as Potências do Eixo representadas por Alemanha, Itália e Japão. O desfecho da temporada na Alemanha, durante a Segunda Guerra, foi dramático: o casal ficou por cem dias sob custódia do governo alemão, até ser libertado em troca de diplomatas da Alemanha que estavam presos no Brasil sob acusação de espionagem. 



Anjo de Hamburgo



Guimarães Rosa e Aracy se casaram oficialmente por procuração em 1947 na embaixada do México no Rio de Janeiro, porque não havia ainda o divórcio no Brasil. Rosa também prestaria serviço diplomático na Colômbia e na França, nas embaixadas brasileiras em Bogotá e em Paris. De volta ao Brasil com Aracy, publicou seus livros e foi eleito em 1963 para a Academia Brasileira de Letras, mas adiou a cerimônia de posse por quatro anos por causa de um pressentimento que nunca foi esclarecido. Tomou posse somente em 1967 e morreu de ataque cardíaco três dias depois, em 19 de novembro, aos 59 anos, no ápice da carreira na literatura e no serviço diplomático. Aracy, a quem o escritor dedicou sua obra-prima “Grande Sertão: Veredas”, e que durante 30 anos foi leitora atenta e incentivadora de suas criações literárias, não se casou novamente e morreria aos 102 anos, em 28 de fevereiro de 2011. Após a morte de Rosa, ela também teve papel importante no apoio a artistas e intelectuais perseguidos pela ditadura militar que tomou o poder no Brasil em 1964.







Guimarães Rosa encontra Aracy: acima,
o casal em fotografia da década de 1950.
Abaixo, fac-símile de uma reportagem
de abril de 2008 publicada no caderno
"Ideias", do Jornal do Brasil, que
anunciava o centenário de Aracy e
reproduzia uma fotografia do álbum de
família com Rosa e Aracy em Berlim
em 1939. Também abaixo, uma fotografia
de divulgação da série O Anjo de Hamburgo
que terá Sophie Charlotte no papel de Aracy
e Rodrigo Lombardi como Guimarães Rosa











A história de Aracy está registrada no livro “Justa. Aracy de Carvalho e o resgate de judeus: Trocando a Alemanha nazista pelo Brasil”, biografia escrita pela historiadora brasileira Mônica Raisa Schpun, professora do Centro de Estudos sobre o Brasil na École des Hautes Études em Sciences Sociales, na França, e publicada pela editora Civilização Brasileira em agosto de 2011. A biografia teve os direitos adquiridos pela Rede Globo logo após a publicação e foi o argumento principal para o roteiro de “O Anjo de Hamburgo”, primeira série em inglês produzida pela Globo, em parceria com a Sony Pictures Television, ainda sem data anunciada para exibição, já que a produção foi suspensa devido à pandemia do novo coronavírus. Na série, com direção de Jayme Monjardim, Aracy será interpretada pela atriz Sophie Charlotte, com Rodrigo Lombardi no papel de Guimarães Rosa.


A temporada de Guimarães Rosa e Aracy no consulado brasileiro em Hamburgo e na atuação para salvamento de judeus ameaçados pelo regime nazista também está registrada em dois documentários: “Esse viver ninguém me tira”, filme de 2014 com roteiro de Alessandra Paiva e direção de Caco Ciocler, e “Outro Sertão”, filme de 2013 de Soraia Vilela e Adriana Jacobsen que venceu o prêmio especial do júri no 46° Festival de Brasília. As diretoras de “Outro Sertão” investigaram, durante uma década, os rastros e vestígios da história em arquivos na Alemanha, Brasil, Israel e Portugal, revelando documentos e testemunhos de sobreviventes do Holocausto, além da descoberta de uma entrevista até então inédita que Rosa concedeu à TV da Alemanha.





Guimarães Rosa encontra Aracy:
 acima,
o casal e sua família de gatos no Rio de Janeiro,
em fotografia da década de 1960. Abaixo,
trailers dos documentários Outro Sertão,
de 2013, e Esse viver ninguém me tira,
de 2014. Também abaixo, Guimarães Rosa
em colagem com as capas das primeiras 
edições de seus livros e Aracy em 1939,
na época em que trabalhava em Hamburgo.
No final da página, Rosa e Aracy em
Hamburgo, na época em que se conheceram









A entrevista, concedida por Guimarães Rosa ao crítico literário Walter Höllerer, estava perdida nos arquivos da emissora alemã de TV e tem as únicas imagens conhecidas com um depoimento do escritor em movimento. Gravada em 1962, a entrevista nunca havia sido exibida porque o programa-piloto, planejado para apresentar escritores de vários países, não foi aprovado pela direção da TV e as gravações terminaram sendo enviadas para o acervo do Arquivo Radiofônico Central da Alemanha. A temporada em Hamburgo durante a Segunda Guerra também é o tema central dos fragmentos reunidos em “Ave, Palavra”, livro póstumo de Guimarães Rosa publicado em 1970 pela Nova Fronteira, com edição de Paulo Rónai que apresenta uma miscelânea de contos, memórias, trechos dos diários de Rosa, poemas e reflexões poéticas e filosóficas.



Vetado pelos herdeiros



Nas últimas décadas, chama a atenção o fato de terem sido completamente opostas as atitudes dos herdeiros de Rosa e de Aracy. Enquanto a biógrafa Mônica Schpun e os diretores dos documentários citados conseguiram autorização e apoio dos herdeiros de Aracy, do filho e de quatro netos, sem restrições para divulgação e publicação de informações pessoais e livre acesso a uma extensa documentação dos arquivos que foram doados ao Instituto de Estudos Brasileiros da Universidade de São Paulo (IEB/USP), onde também estão os arquivos de Guimarães Rosa, o posicionamento dos herdeiros do escritor é de veto irredutível. Suas duas filhas e herdeiras não autorizam a publicação de biografias, apresentam dificuldades e impedimentos para a publicação de sua correspondência ativa e passiva com outros escritores e com tradutores, e proibiram todas as iniciativas para a publicação de seus célebres diários – entre eles os cadernos que registram a longa temporada em Hamburgo, da época em que Rosa conheceu Aracy, mais os diários de Paris (escritos no final da década de 1940 e começo da década de 1950, quando Rosa atuou na embaixada brasileira) e suas anotações sobre viagens pela Europa.









Da extensa correspondência de Guimarães Rosa com seus amigos e familiares, apenas uma pequena seleção foi publicada no livro “Relembramentos: João Guimarães Rosa, meu pai”, de autoria da primogênita do escritor, Vilma Guimarães Rosa, que também escreveu e publicou oito livros de contos. “Relembramentos” teve a primeira edição em 1983 e foi relançado pela editora Nova Fronteira no ano 2000, trazendo um relato biográfico que nada acrescentou ao já dito sobre Rosa e amostras de fotografias dos álbuns de família, de algumas cartas do autor para seus parentes, de seus discursos e de entrevistas e palestras de Vilma sobre a obra e a personalidade do pai.


Além do perfil biográfico publicado por Vilma, uma exceção foi a publicação em 2006 de “Joãozito: A infância de João Guimarães Rosa”, livro escrito por Vicente Guimarães e editado pela Panda Books. O autor, que morreu em 1981 e que conviveu com Rosa na infância e juventude, revela histórias sobre os tempos de criança e sobre os moradores de Cordisburgo que se tornaram personagens dos livros, incluindo a reprodução da correspondência que os dois trocaram durante anos. Os componentes autobiográficos no livro de Vicente Guimarães foram atenuantes para contrapor qualquer impedimento pelos herdeiros de Rosa, mas outros autores não tiveram a mesma sorte. Em 2008, Vilma entrou com um processo judicial contra a publicação da biografia “Sinfonia Minas Gerais: A vida e a literatura de João Guimarães Rosa”, escrita por Alaor Barbosa e lançada pela LGE Editora. Além de ser contra a publicação da biografia não autorizada, Vilma acusava o autor de ter plagiado sua obra “Relembramentos”. O livro de Alaor Barbosa, também biógrafo de Monteiro Lobato e de outros escritores, foi recolhido em 2008 por determinação judicial e finalmente liberado em 2014, em uma decisão inédita em casos semelhantes, mas o autor preferiu que a biografia não retornasse às livrarias.


Há notícias de outras biografias, teses e pesquisas acadêmicas sobre Guimarães Rosa e sua obra que também tiveram a publicação vetada pelos herdeiros, veto que também dificultou a publicação de livros que foram organizados por pesquisadores ligados a universidades com os célebres diários do escritor e com a correspondência em cartas que ele trocou durante anos com outros escritores e com seus tradutores para francês, inglês, alemão, espanhol, italiano. Também na publicação de livros com as correspondências, há exceções, três delas editadas em 2003 e uma em 2017. A correspondência trocada de 1958 a 1967 com Curt Meyer-Clason, tradutor de Rosa para o alemão, foi publicada em edição conjunta da Academia Brasileira de Letras (ABL), Editora UFMG e editora Nova Fronteira; a correspondência com Edoardo Bizzarri, tradutor da obra para o italiano, saiu em edição conjunta da Editora UFMG e editora Nova Fronteira; e a cartas para William Angel de Mello, tradutor de Rosa para o espanhol, tiveram edição conjunta pela Ateliê Editorial e Oficina do Livro Rubens Borba de Moraes.


Em 2017 também teve publicação na Espanha, pelas Ediciones Universidad de Salamanca, o livro “João Guimarães Rosa: Un exiliado del linguage común”, apresentando uma seleção de cartas inéditas do escritor que pertencem ao acervo da Academia Brasileira de Letras. A publicação foi organizada por Ascensión Rivas Hernández e, além das cartas, inclui ensaios de Marco Lucchesi, atual presidente da ABL, e de outros pesquisadores do Brasil e da Espanha. Ainda aguardam publicação os diários de Rosa, outros textos inéditos e a maior parte das cartas, entre elas a correspondência com a norte-americana Harriet de Onís, tradutora das primeiras edições de “Grande Sertão” e “Sagarana” em inglês. Como tudo indica que ainda deverá permanecer o veto autoritário dos herdeiros à publicação de biografias de Guimarães Rosa e de documentos de seu acervo literário e biográfico, seus leitores e pesquisadores só podem esperar pela passagem do tempo sem ter pressa. Atualmente, o período determinado pelas leis que protegem os direitos autorais e a propriedade intelectual no Brasil tem validade até o dia 1° de janeiro seguinte aos 70 anos da morte do autor.


por José Antônio Orlando.


Como citar:


ORLANDO, José Antônio. Guimarães Rosa encontra Aracy. In: _____. Blog Semióticas, 11 de outubro de 2020. Disponível no link http://semioticas1.blogspot.com/2020/10/guimaraes-rosa-encontra-aracy.html (acessado em .../.../...).



Para comprar o livro Justa, biografia de Aracy,  clique aqui.





Para comprar o livro Relembramentosclique aqui.






Para comprar o livro de Guimarães Rosa Ave, Palavraclique aqui.







Para comprar Joãozito: A infância de Guimarães Rosa,  clique aqui.


Para comprar Correspondência com Curt Meyer-Clason,  clique aqui.


Para comprar Correspondência com Edoardo Bizzarri,  clique aqui.


Para comprar o livro Cartas a William Angel de Mello,  clique aqui.


Para comprar o livro Un exiliado del lenguage común,  clique aqui.







7 comentários:

  1. Mais uma beleza de página e de texto bem escrito e bem documentado. Eu já havia lido algo a respeito dessa história de amor de Guimarães Rosa e Aracy, a Justa, mas você trouxe detalhes da maior importância que fazem muita diferença. E tudo apresentado em alto nível, como as outras publicações que já visitei aqui neste blog Semióticas. Parabéns de novo e muito obrigada. Agradeço de coração por você compartilhar beleza e sabedoria.

    Dulce Navarro

    ResponderExcluir
  2. Muito bom! Eu não sabia da série com o Rodrigo Lombardi. É uma novela esse problema com os herdeiros. Pelo visto teremos de esperar 2037...

    ResponderExcluir
  3. Carlos Gregório de Assis12 de outubro de 2020 21:08

    Bela história que eu não conhecia. Sabia que o "Grande Sertão: Veredas" é dedicado a ela, Ara, Aracy, mas não conhecia os detalhes da história de amor e da militância política pelos Direitos Humanos. Gostei de saber. Este blog Semióticas é um espetáculo. Parabéns de novo. Carlos Gregório de Assis

    ResponderExcluir
  4. Gratidão por iluminar essa linda história, que o tempo possa vencer logo as barreiras dos egos que aprisionam vidas. Histórias de pessoas tão marcantes e importantes como Rosa e Aracy merecem ser conhecidas, vividas e compartilhadas. Vida longa ao José Antonio Orlando e ao blog Semióticas que a cada página uma gratificante surpresa. Obrigada sempre!

    ResponderExcluir
  5. Que história, que personagens!!! Parabéns pelo fantástico resumo dessa belissima história, querido José Antônio Orlando. Não sabia de metade dos acontecimentos relatados. E sempre uma pena constatar a intransigência de muitos herdeiros dos nossos grandes nomes, sempre recorrente até os dias de hoje. Ainda bem que uns são taõ grandes que nada detém o reconhecimento de suas obras.

    ResponderExcluir
  6. Sou velha demais e tentei sem ajuda de minha neta falar que esse blog está salvo e sempre estarei por aqui. Tentei escrever mas nada foi enviado. Quem sabe se a resposta seguirá? Tentarei.

    ResponderExcluir
  7. Que belíssima história, parabéns, é um deleite ler esse blog

    ResponderExcluir

( comentários anônimos não serão publicados )

Todas as páginas de Semioticas têm conteúdo protegido.

REPRODUÇÃO EXPRESSAMENTE PROIBIDA.

Contato: semioticas@hotmail.com

Outras páginas de Semióticas

Páginas recentes