sábado, 20 de fevereiro de 2016

Umberto Eco e Mafalda








A condição mínima para uma interpretação
é substituir um signo por outro signo que,
sob certo ponto de vista, possa ser julgado
equivalente – sejam eles pertencentes
a um mesmo sistema semiótico ou
a sistemas semióticos diferentes.

Umberto Eco, “O Código do Mundo”
(Il Codice del Mondo, 1987)




O italiano Umberto Eco (1932-2016), mestre da Semiótica e um dos principais pensadores e escritores de nossa época, foi também um dos pioneiros a destacar o valor e a importância da Mafalda, a garotinha contestadora inventada pelo cartunista argentino Joaquín Salvador Lavado Tejón, mais conhecido como Quino. Com o crescente sucesso de público da pequena Mafalda em seu país de origem, desde 1964, as tirinhas não demoraram a ser reunidas em livros que logo cruzaram as fronteiras da Argentina e passaram a ser conhecidos no Brasil e em outros países da América Latina e também de outros continentes.

Na Europa, Mafalda desembarcou primeiro na Itália, por influência direta de Umberto Eco. Os direitos de publicação foram comprados pela Casa Editrice Valentino Bompiani, que também editava os livros de Eco desde 1962, quando foi publicado seu primeiro grande sucesso editoral, “A Obra Aberta” – o quarto livro que publicou, depois de “O Problema Estético em Santo Tomás de Aquino” (“Il Problema Estetico in San Tommaso”, Torino: Edizioni di Filosofia, 1956), “Filosofia na Liberdade” (“Filosofia in Libertà”, Torino: Edizioni Taylor, 1958) e “Arte e Beleza na Estética Medieval” (“Sviluppo dell'Estetica Medievale”, Milano: Edizioni Marzorati, 1959).

Eco permaneceu publicando seus livros pela Bompiani até 2015, quando foi lançado seu último romance, “Número Zero” – uma crítica feroz ao mau jornalismo e à manipulação de notícias apresentada através de um jornal fictício criado para mentir, distorcer, caluniar e chantagear autoridades e pessoas comuns. Na editora Bompiani, Eco publicou cerca de 50 livros de ensaios e estudos teóricos que são considerados obras de referência, três livros de literatura infanto-juvenil e sete romances. Contudo, depois da publicação de “Número Zero”, a Bompiani foi comprada pelo grupo Mondadori, controlado pela família Berlusconi. Em protesto, Eco e outros grandes nomes da literatura italiana tomaram a decisão de romper com a Bompiani e criaram uma nova editora, a La Nave di Teseo, batizada em homenagem ao mítico rei de Atenas na Antiguidade.

O primeiro livro da nova editora será também a primeira publicação póstuma de Eco, que morreu ontem, aos 84 anos, vítima de câncer:
Pape Satàn Aleppe”, que pode ser traduzido como o Papa é adversário de Satanás com o subtítulo Crônicas de uma sociedade líquida será lançado nos próximos dias, na Itália, reunindo uma coletânea de artigos que Eco publicou na revista semanal italiana L'Espresso. O enigmático título do novo livro retoma as palavras que abrem o primeiro verso do Canto VII do Inferno, da Divina Comédia, de Dante Alighieri, poeta da Idade Média e forte referência para o autor de O Nome da Rosa.  












Retratos do mestre Umberto Eco:
no alto, em sua casa em Milão, Itália, em
2013, fotografado por Andrea Frazzetta;
acima, com a trombeta que aprendeu a
tocar quando era menino, fotografado
em março de 2015, por Oliver Zehner;
aos 22 anos, em 1954, quando defendeu
sua tese sobre Santo Tomás de Aquino
na Universidade de Turim; e na infância,
em Alexandria, Itália, sua cidade natal.
Abaixo, fotografado por Annie Leibovitz
na Universidade de Bologna, em 1980, na
época do lançamento de seu primeiro
romance, O Nome da Rosa; em 1985,
no antigo mosteiro de Kloster Eberbach,
na Alemanha, durante as filmagens de
"O Nome da Rosa", com os atores
F. Murray Abraham, Michael Lonsdale,
Sean Connery e o diretor Jean-Jacques
Annaud; a capa do primeiro livro póstumo,
intitulado Pape Satàn Aleppe; e Eco
durante a última entrevista, em 19 de
dezembro de 2015, em sua casa, em Milão,
fotografado pelo jornalista português do
"Diário de Notícias", João Céu e Silva

 











A primeira edição de Mafalda em livro, no continente europeu, foi publicada pela Bompiani em 1969 com uma tarja indicando que se tratava de “história em quadrinhos para adultos”. A edição também incluiu um texto de apresentação de Umberto Eco, “Mafalda ou a recusa”, que chamou imediatamente a atenção de pesquisadores acadêmicos para a personagem criada por Quino. Não demorou muito para Mafalda também conquistar França, Espanha, Portugal e outros países, ganhando a simpatia de leitores de todas as idades e dos intelectuais ligados aos movimentos sociais e aos partidos políticos de Esquerda. Detalhe da maior importância: nos Estados Unidos, Mafalda continua ainda hoje inédita e desconhecida do grande público.
 
Mafalda leu, provavelmente, o Che Guevara” – destaca Eco no breve ensaio publicado como apresentação às tirinhas reunidas no livro de 1969, “Mafalda, La Contestataria”, comparando Mafalda com o norte-americano Charlie Brown, criação de Charles Schulz (1922-2000), e com a geração de jovens contestadores que marcou a explosiva década de 1960. Mafalda voltaria à pauta de vários outros ensaios que Eco publicou em jornais, revistas e livros, mas este primeiro ensaio que ele dedicou à personagem tem o mérito de ter sido uma carta de apresentação da garotinha zangada e inconformista para milhões de leitores – entre os quais estou incluído.







Estive uma única vez com o mestre Umberto Eco. Foi na década de 1990, durante uma visita do professor da Universidade de Bologna ao Campus da UFMG, em Belo Horizonte. Deveria ter sido uma entrevista, conforme estava marcado previamente com o cerimonial, mas um atraso levou ao cancelamento de vários compromissos agendados para aquele dia. Restou apenas a alegria de um breve encontro e da conversa rápida e emocionada que tive com o mestre, interrompidos a cada minuto pela intérprete que o acompanhava e pelos assessores do cerimonial, enquanto caminhávamos de um prédio a outro, a caminho do auditório da reitoria, onde Eco apresentaria uma conferência.

Lembro que fiquei até altas horas, na noite anterior, fazendo e refazendo o roteiro para a entrevista, folheando livros e ensaiando repetidas vezes a pronúncia de algumas frases com meu italiano mínimo e instrumental. A decepção pelo imprevisto do cancelamento da entrevista foi logo substituída pela expectativa da conversa informal na curta caminhada, com o mestre cordial e bem-humorado elogiando a música e a literatura do Brasil – especialmente os clássicos da Bossa Nova e, por recomendação de seus amigos brasileiros de longa data Haroldo de Campos, Augusto de Campos e Décio Pignatari, os escritos de Oswald de Andrade, que naquela época ele estava descobrindo, “felicíssimo”, segundo comentou.

Ele também fez elogios ao português falado pelos brasileiros, em comparação ao de Portugal, e à força criativa da cultura popular que havia encontrado de norte a sul do Brasil, nas várias viagens que fez, a passeio, e nas cidades em que esteve para compromissos acadêmicos e palestras. Já estávamos no auditório da reitoria quando arrisquei uma última pergunta sobre as suas incursões nos rituais do Candomblé em Salvador, na Bahia, que o deixaram encantado nas visitas anteriores ao Brasil, mas não houve tempo para a resposta. Em homenagem a Umberto Eco, mestre dos mestres, transcrevo a seguir o ensaio que ele dedicou a Mafalda em 1969. Fiz a tradução a partir do original em italiano que foi publicado no livro “Mafalda, La Contestataria”. 
 

 


 

Mafalda ou a recusa



Mafalda não é apenas uma nova personagem dos quadrinhos: é a personagem dos anos 1960. Se para a definir se utilizou o adjetivo “contestadora” não foi para a alinhar a qualquer preço na moda do anticonformismo. Mafalda é, de fato, zangada – e recusa o mundo tal como ele é.

Para compreender Mafalda é necessário estabelecer um paralelo com outro grande personagem: Charlie Brown. Ele é norte-americano, Mafalda é sul-americana (o seu autor, Quino, é argentino). Charlie Brown pertence a um país próspero, a uma sociedade opulenta na qual procura desesperadamente integrar-se mendigando solidariedade e felicidade. Mafalda pertence a um país cheio de contrastes sociais que, no entanto, quer fazer dela integrada e feliz, coisa que Mafalda recusa, afastando todas as tentativas. 










 
Charlie Brown vive no seu universo infantil de onde, rigorosamente, os adultos estão excluídos (apesar de as crianças aspirarem a comportar-se como adultos), enquanto Mafalda vive em contínua contradição com o mundo adulto, que não estima nem respeita, antes pelo contrário, ridiculariza e rejeita, reivindicando o seu direito a permanecer uma menina que não quer assumir o mesmo universo adulto dos pais. Charlie Brown leu, evidentemente, os “revisionistas” de Freud e busca uma harmonia perdida. Mafalda leu, provavelmente, o Che Guevara.

Na verdade, Mafalda tem ideias confusas sobre política, não consegue perceber o que se passa na Guerra do Vietnã, não sabe por que existem pobres, desconfia dos governos, desconfia dos chineses. Mas de uma coisa ela tem certeza: não está satisfeita.








Ao redor de Mafalda, há um pequeno grupo de personagens mais “unidimensionais”: Manolito, o menino plenamente integrado num capitalismo de bairro, que tem a certeza absoluta de que, no mundo, o valor essencial é o dinheiro; Filipe, o sonhador tranquilo; Susaninha, a doente de amor maternal, perdida nos seus sonhos pequeno-burgueses. E, depois, os pais de Mafalda, resignados, que aceitaram a rotina diária (com o recurso ao paliativo farmacêutico de algum medicamento) e, além disso, vencidos pelo tremendo destino que fez deles os guardiões da Contestadora...

O universo de Mafalda não é apenas o de uma América Latina urbana e evoluída; é também, de um modo geral e em muitos aspectos, um universo latino, e isso faz com que ela surja mais compreensível para nós do que muitos personagens dos quadrinhos norte-americanos. Enfim: Mafalda é, em todas as situações, “um herói do nosso tempo” – e isto não parece uma qualificação exagerada para a pequena personagem de papel e tinta que Quino propõe.








Ninguém nega que histórias em quadrinhos sejam (quando atingem um certo nível de qualidade) questionadoras de hábitos e de costumes – e Mafalda reflete as tendências de uma juventude inquieta que assumem, aqui, o aspecto de uma dissidência infantil, de um esquema psicológico de reação aos meios de comunicação de massa, de uma urticária moral provocada pela lógica dos blocos, de asma intelectual provocada pelo cogumelo atômico. Já que os nossos filhos se vão tornar – por escolha nossa – outras tantas Mafaldas, será prudente tratarmos Mafalda com o respeito que merece um personagem real. (Umberto Eco)


Traduzido e editado por José Antônio Orlando.




















Na biblioteca do Mestre dos Mestres:
um passeio com Umberto Eco na biblioteca
de sua casa em Milão, Itália, em fotografias
de setembro de 2007 por Leonardo Cendamo





7 comentários:

  1. Encontrei Umberto Eco em A Obra Aberta. Depois em seus romances. Era (é) um ser enriquecedor. Eco ará sempre!...

    ResponderExcluir
  2. É um prazer conhecer novas histórias e reviver palavras tão cheias de sentidos como as suas e a de Eco q descreve tão bem um herói do nosso tempo, a Mafalda.

    ResponderExcluir
  3. Simplesmente sensacional o seu blog Semióticas e esta homenagem ao grande Eco ficou emocionante. Amo Eco, amo Mafalda, amo Semiótica e agora também amo este blog. Parabéns, José Antonio Orlando. Seus ensaios publicados aqui são maravilhosos.

    Renato Santana

    ResponderExcluir
  4. Luis Otávio Rozenfeld28 de fevereiro de 2016 21:47

    Maravilhosa homenagem ao mestre Umberto Eco. Agradeço sua gentileza em compartilhar tanta sabedoria e beleza. Sou fã deste blog Semióticas que é mesmo sensacional.

    Luis Otávio Rozenfeld

    ResponderExcluir
  5. Evandro Moreira Lima4 de abril de 2016 09:41

    Parabéns por tudo neste blog Semióticas e por este ensaio lindo dedicado ao mestre Umberto Eco. Li muita coisa publicada sobre ele na imprensa desde aquela noite de 19 de fevereiro, mas devo dizer que esta homenagem que você publicou aqui é a melhor, a mais sincera, a mais emocionante. Com ela, você ganhou mais um fã de carteirinha. Seu trabalho é invejável, José. Parabéns de novo.

    Evandro Moreira Lima

    ResponderExcluir
  6. sou fã dos 3 :) ... Eco, Mafalda e o blog!

    ResponderExcluir
  7. O mestre dos mestres, Umberto Eco, se foi, mas deixou um grande legado de ensinamentos e sua marca ficará eternizada através deles e de suas obras. E, digo sem medo de errar, nos deixou um discípulo e tanto no Brasil: José Antônio Orlando. Você não deixa nada a desejar na sua missão incansável de levar adiante as abordagens semióticas em temas variados sempre com muita competência. E, claro, enquanto exímio e eterno pesquisador.
    Umberto Eco foi o mestre dos mestres; você, o nosso grande mestre.
    Sucesso e mais sucesso para você que nos brinda com seus textos sublimes neste blog Semióticas incrível, querido José Antônio Orlando! Beijo
    Edi Lopes

    ResponderExcluir

( comentários anônimos não serão publicados )

Todas as páginas de Semioticas têm conteúdo protegido.

REPRODUÇÃO EXPRESSAMENTE PROIBIDA.

Contato: semioticas@hotmail.com

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Páginas recentes