quarta-feira, 18 de abril de 2012

Certas canções







Do Leme ao Pontal, não há nada igual – anuncia a canção de Tim Maia. Purgatório da beleza e do caos – completa o samba-funk “Rio, 40°”, de Fernanda Abreu, Laufer e Fausto Fawcett. A lista de canções que rendem tributo à Cidade Maravilhosa é quase interminável. Batizada de São Sebastião do Rio de Janeiro, quando foi fundada pelo português Estácio de Sá, em 1° de março de 1565, a cidade aparece como tema de canções que incluem de tudo, em todos os gêneros. Do mais antigo, até onde os registros da historiografia oficial alcançam, ao mais recente, são muitas as canções em homenagem ao Rio.

Há os clássicos do choro e as marchinhas de Chiquinha Gonzaga, os sambas de Noel Rosa, Cartola, Billy Blanco e dona Ivone Lara, a Bossa Nova de Tom Jobim e Vinícius de Moraes, a Tropicália de Gilberto Gil e Caetano Veloso, o rock Brasil de Raul Seixas, Rita Lee, Blitz, Cazuza e Barão Vermelho, o rap e o funk de Claudinho e Bochecha a MV Bill e muito mais. Para contar esta história, um time de bambas foi convidado a percorrer e analisar a trajetória da música popular no Brasil.

A proposta para a viagem pelas canções foi um projeto organizado pelo jornalista Marcelo Moutinho. A investigação, que teve início na segunda metade do século 19 e chegou aos nossos dias, resultou num inventário minucioso sobre a presença da Cidade Maravilhosa no repertório dos nossos principais compositores. O projeto de Moutinho deu origem ao livro "Canções do Rio – A Cidade em Letra e Música", que reúne os ensaios assinados por Ruy Castro, Sérgio Cabral, João Máximo, Hugo Sukman, Nei Lopes e Sílvio Essinger – todos críticos de música com atuação em jornais e revistas e com livros publicados sobre a música popular.





Certas canções: no alto, detalhe da ilustração
na capa do livro Canções do Rio; nas imagens
acima, o Cristo Redentor em dois postais com
registros de 40 anos de diferença: fotografado
do avião, em 2010; e visto a partir de um dos
Belvederes da Floresta da Tijuca em fotografia
de 1970. Abaixo, duas vistas panorâmicas do
Pão de Açúcar: em fotografia de 1885 de
Marc Ferrez (1843-1923) e em fotografia
de um cartão postal da década de 1970



A ideia foi, no mínimo, original: destacar que o Rio de Janeiro  sempre esteve presente como uma inequívoca fonte de inspiração musical. "O objetivo do livro foi justamente demonstrar como nossos compositores cantaram o Rio em diferente épocas e gêneros. Do samba ao rock, da Bossa Nova ao funk, da marchinha ao rap", explica Marcelo Moutinho, que na apresentação ao projeto também confessa sua condição de apaixonado pelas diversas sonoridades da alma carioca.

"Faltava contar a história do Rio na música, do Rio idílico, cuja exuberante paisagem é capaz de arrebentar as retinas. Do Rio de valas negras e favelas no coração. Do Rio que foi, sempre, a cidade-musa”, destaca. Moutinho também recorda que  a antiga capital do Brasil também tem seu destaque no cinema, no teatro e na literatura. Entre as citações, ele lembra, entre outros, o cronista Marques Rebello – para quem o Rio de Janeiro podia ser definido como uma cidade com muitas cidades dentro, porque cada bairro carioca identifica uma personalidade muito própria. 








"Acredito que esta observação do Marques Rebello fica evidente nas canções que retratam o Rio. Muitos compositores perceberam estas muitas cidades dentro da cidade e isso foi traduzido na música”. Um marco importante entre todas as coisas foi registrado em 1935, destaca Moutinho, quando o compositor carioca André Filho, ao tomar de empréstimo uma expressão criada por volta de 1900 pelo escritor maranhense Coelho Neto, saudou pela primeira vez o Rio com o título de “Cidade Maravilhosa”. 


 
Do samba ao rock



Parceiro de Noel Rosa na antológica “Filosofia” e um dos preferidos da estrela Carmen Miranda (que gravaria na década de 1930 suas canções “Alô, Alô” e “Mulato de Qualidade”, entre outras), André Filho teve a honra de transformar a citação “Cidade Maravilhosa” na marchinha que chegaria à condição de uma das mais tocada em todos os tempos no carnaval do Brasil. A partir de 1935 estava instituído, pela canção, o título pelo qual o Rio de Janeiro passaria a ser identificado e consagrado.






Cenas do Rio de Janeiro: duas imagens do
fotógrafo Augusto Malta (1864-1957) que
registram o Rio Antigo: no alto, o Largo da
Carioca; acima, uma vista da Enseada de
Botafogo em 1900. Abaixo, a praia do Leme,
na Zona Sul da cidade, em cartão postal de 1950



 
Em entrevista por telefone, Marcelo Moutinho explica que o livro, editado pela Casa da Palavra, apenas reuniu as histórias e canções que sempre estiveram no imaginário popular do carioca e de todos os brasileiros. Ele lembra que o Rio, com suas ruas, bairros e personagens, já aparecia no cancioneiro popular desde o século 19, em versos e canções que descortinavam a dor e a delícia de se viver num dos mais belos cenários do Brasil e do mundo.

"O objetivo foi investigar a presença marcante do Rio na música brasileira”, completa Moutinho, que nasceu em 1972 em Madureira, subúrbio do Rio, e tem outros livros publicados, como as prosas de ficção “A Palavra Ausente” (Rocco, 2011) e “Somos Todos Iguais nesta Noite” (Rocco, 2006). Colaborador das revistas “Bravo!” e “Cinemais” e do jornal “O Globo”, também organizou uma série de antologias que inclui "Prosas Cariocas – Uma Nova Cartografia do Rio" (Casa da Palavra, 2004), "Dicionário Amoroso da Língua Portuguesa" (Casa da Palavra, 2009) e “Manual de Sobrevivência nos Butiquins mais Vagabundos” (Senac Rio, 2005).





Em “Canções do Rio”, o time de especialistas não apenas registra as canções de cada época que tiveram a Cidade Maravilhosa como personagem ou cenário, mas também analisa a formação da identidade carioca. No capítulo "A canção moderna", Hugo Sukman descreve: "O que a cidade do Rio de Janeiro tem de belo tem de complexidade e de declarações de amor incondicional. Lá do fundo do Rio, escapando das balas perdidas e franzindo o cenho para poder suportar tanta luz e tanta beleza, a música brasileira manda seu recado mais atual".

Autor do livro "Heranças do Samba" (2004) e das biografias de Moacir Santos (2006) e Djavan (2008), Sukman destaca como a música muitas vezes ressoou o processo permanente de brutalização da cidade. A palavra "arrastão" e seus dois sentidos direcionam a análise de Sukman – da rede que há séculos colhe no mar os peixes, tema da canção de Edu Lobo e Vinicius de Moraes, ao recente e violento significado registrado pela população em pânico diante da ação das gangues nas avenidas e areias das praias da Zona Sul.








Três cenas da Cidade Maravilhosa:
no alto, Sebastião Rodrigues Maia,
que ficaria conhecido como Tim Maia
depois do primeiro disco, gravado em
1970, em foto aos 20 anos, em 1962,
ao lado de Erasmo Carlos, no bairro
da Tijuca, zona norte do Rio de Janeiro
(Tim, Erasmo e Jorge Ben Jor eram amigos
e vizinhos desde a infância); acima, Tim
passeando do Leme ao Pontal, durante
entrevista para o curta-metragem realizado
por Flávio Tambellini em 1987, e um
flagrante do funk nos morros cariocas
em 2010. Abaixo, três mestres da
Velha Guarda do samba carioca,
Cartola, Ismael Silva e Mano Décio
da Viola celebrando a amizade em
uma mesa de bar no morro da
Mangueira, em 1976; e Paulo César
Batista de Faria, mais conhecido
como Paulinho da Viola, cantor
e compositor de clássicos do
samba como Foi um Rio que
passou em minha vida, na capa
do LP lançado em 1971







 






Princesinha do mar




Outro panorama contemporâneo é traçado por Silvio Essinger, autor dos livros "Punk: Anarquia Planetária e a Cena Brasileira" (1999), "Batidão: Uma História do Funk" (2005) e "Almanaque Anos 90" (2008), além de ter organizado a edição de "Baú do Raul Revirado" (2005). Essinger localiza o Rio como porto de desembarque e primeiro ponto de ocupação do rock'n'roll no Brasil – desde a primeira gravação realizada em Copacabana, em 1957, por um improvável Cauby Peixoto.

O rock pioneiro de Cauby, lembra Essinger, é sucedido pelo Rio mais descontraído nas leituras de Raul Seixas ("Ouro de Tolo"), Tim Maia ("Do Leme ao Pontal"), Caetano Veloso ("Menino do Rio") e pelos primeiros sucessos da geração 1980, entre eles Blitz ("Volta ao Mundo") e Barão Vermelho ("Billy Negão"). Essinger também registra a novidade do funk, que deu voz a compositores das comunidades mais pobres da cidade, entre eles os pioneiros Claudinho & Buchecha.







Certas Canções: a praia de Copacabana em
1890, em fotografia de Marc Ferrez; e os
veteranos da Velha Guarda do samba
 João da Bahiana, Clementina de Jesus,
Pixinguinha e Donga participando da
Passeata dos Cem Mil contra a censura e
contra a ditadura militar, em fotografia publicada
em 1968 na revista Realidade. Abaixo, três
registros da praia de Copacabana: em
fotografia de Marc Ferrez datada de 1890, e
em cartões postais das décadas de 1940 e 1960


Em "Dos primórdios à era de ouro", que abre o volume, João Máximo, autor das biografias de Noel Rosa (em parceria com Carlos Didier, publicada em 1990 pela editora LGE) e de Paulinho da Viola (editora Relume Dumará, 2003), explica que a história do Rio de Janeiro como cenário e personagem das canções vem desde o século 19. A diferença é que, naquela época, a música popular tratava dos morros e dos subúrbios em visões idealizadas, feitas a distância.

"Pois é a favela carioca, pobre, malvestida, não raro faminta, que seria citada em canções de homens que provavelmente nunca puseram os pés lá, caso do compositor semierudito Hekel Tavares e do teatrólogo Joraci Camargo”. Dos sambistas do século 20, Noel, Orestes Barbosa, Herivelto Martins e Wilson Batista são alguns dos mestres que têm suas canções analisadas no capítulo esquadrinhado por João Máximo.


 






Sérgio Cabral, biógrafo de Pixinguinha, Ataulfo Alves, Tom Jobim, Elisete Cardoso e Nara Leão, entre outros, no capítulo “As marchinhas” investiga o mais carioquíssimo dos gêneros da música popular e destaca o bairro "campeão das citações": Copacabana, a "princesinha do mar". O gênero criado por Chiquinha Gonzaga há mais de um século, aponta Cabral, continua à disposição para deliciar os ouvintes e para atender aos interessados em conhecer melhor o Rio e os cariocas.

Em outro ensaio de “As Canções do Rio”, batizado como “O samba”, o pesquisador e compositor Nei Lopes faz um passeio pela história dos compositores do morro e do asfalto, enumerando os preconceitos e os momentos que fizeram a glória de sambistas de todas as faixas de status e poder aquisitivo. Pesquisador da cultura do negro e do samba, autor de “Zé Kéti: O Samba sem Senhor” (Relume Dumará, 2000) e “Partido-Alto, Samba de Bamba” (editora Pallas, 2005), sambista e parceiro do compositor Wilson Moreira, Nei Lopes destaca que a relação do samba com o Rio é, antes de tudo, "uterina" – o útero, na metáfora, sendo representado pela baía de Guanabara.






Dois flagrantes de João Gilberto em 1962,
na praia, em cenas do filme franco-italiano
Copacabana Palace, com Luiz Bonfá 
(à esquerda), Tom Jobim e três estrelas
do cinema europeu: Gloria Paul, Sylvia
Koscina e Mylène Demongeot. Abaixo,
o calçadão da praia de Copacabana em
1970, na época em que o design e toda a
urbanização foram reformulados com
projeto de Burle Marx; e em 2010






 



A matriz da Bossa Nova

 
E há também a Bossa Nova, apresentada no capítulo assinado por Ruy Castro. "A Bossa Nova nasceu no Rio, arquitetada por cariocas de todas as partes do país", recorda o autor, que já transformou em best-sellers as biografias de Carmen Miranda, Nelson Rodrigues e Mané Garrincha, entre outros. Para Ruy Castro, são as praias do Rio que caracterizam a matriz solar da Bossa Nova, em contraste com a música dominante na conjuntura anterior, marcada pelo samba-canção e por muita dor de cotovelo.

Com ironia e sua habitual habilidade narrativa, Ruy Castro refaz o cenário das boates que consagravam a tal dor de cotovelo: "Que fossa! Com todas as portas e janelas fechadas, não se sabia se ainda era de noite ou se já era de manhã lá fora. E também ninguém queria saber. Até que, certo dia, por volta de 1958, alguém se arrastou até a porta e a abriu. O sol entrou pela boate e quase transformou aqueles vampiros em pó". 









Certas canções: no alto, um encontro de
gerações da música carioca, com Tom Jobim,
Pixinguinha, João da Bahiana e Chico Buarque
em 1968; ao centro e acima, João Gilberto entre
amigos no Rio de Janeiro, no início dos anos
1960, na boate Au Bon Gourmet, com Vinicius
de Moraes e Tom Jobim; e com Maria Bethânia,
Caetano Veloso e Gilberto Gil, em 1981,
fotografados por Rogério Sganzerla. Abaixo,
um encontro de Pixinguinha, Dorival Caymmi,
Vinicius e Baden Powell na casa de Pixinguinha,
em 1968, fotografados por Walter Firmo; e a
praia de Copacabana em cartão postal de 2010





O mais curioso, destaca Ruy Castro, é que a Bossa Nova não nasceu na praia, mas foi na praia que suas canções germinaram. “Os grandes clássicos da Bossa Nova falam do mar o tempo todo, suas letras são suadas de verão – e seu supremo cantor é pálido como gesso, nunca pisou descalço numa onda, está há 50 anos sem tomar um raio de sol e há dúvidas até sobre se sabe nadar. João Gilberto, claro. Mas, pensando bem, que diferença faz?”

Na conclusão inspirada, Ruy Castro celebra a importância para as canções do Rio e do Brasil do cantor tido como excêntrico, com sua voz miúda e sua nunca superada batida original de violão. Nas palavras de Ruy Castro, ao inventar a Bossa Nova, com suas primeiras gravações, em 1959, João Gilberto provocou a grande revolução que abriu os portos da música brasileira para todas as nações.



por José Antônio Orlando.



Para comprar o livro "Canções do Rio",   clique aqui.








21 comentários:

  1. Que maravilha! Quando a gente pensa que este Semióticas já atingiu o auge, lá vem o José Antonio Orlando mais uma postagem de tirar o fôlego. Que coleção de cartões postais e de imagens mais lindas sobre a Cidade Maravilhosa!
    Sem contar o texto e as entrevistas, sempre impecáveis e com sua inteligência que leva a gente para dentro do texto. Um show...
    Parabéns, mestre! Os prêmios para o blog são mais do que merecidos!

    Marcela Souto

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Adorei também. O pessoal do semióticas estão de parabéns.

      Excluir
  2. Anna Clara Mariano18 de abril de 2012 19:33

    Amei o seu blog. E essa página sobre as canções do Rio é um presente sofisticado para todos que, como eu, apreciam a música brasileira e a fotografia. Comecei por esta página, mas já vi que vou ter que fazer muitas visitas diárias ao seu blog.
    Você é um artista, meu querido José Antonio Orlando.
    Gente como você é presença rara, que enobrece os caminhos da navegação pela Web. Beijos, parabéns e boa sorte.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Verdade. Presente sofisticado. Só um artista na alma para nos servir tão nobre e deliciosa iguaria. Sou grata.

      Excluir
  3. Vou ser repetitivo aqui neste mural, José: que maravilha! As imagens são lindas e seu texto é de uma poesia que encanta. Parabéns e parabéns. O blog está cada vez melhor e merecedor de todos os prêmios. Vida longa!

    ResponderExcluir
  4. que lindo e informativo texto, bien acompañado de bellas fotografías!
    un placer este blog, realmente interesante.
    Parabéns!

    ResponderExcluir
  5. Helenice Sanglard6 de junho de 2012 22:20

    Estou encantada com as páginas do seu blog, José Antônio Orlando. Cada uma é melhor que a outra. Comecei por esta sobre a música popular no Brasil e o Rio de Janeiro como musa e expressão e não parei mais. Vou ter que fazer muitas visitas para atualizar a pauta (risos). Beijos e parabéns. Tudo aqui neste Semióticas é um show!!!

    Helenice Sanglard

    ResponderExcluir
  6. Parabéns pelo fôlego! A matéria está linda e completa!

    abçs,
    Ana

    ResponderExcluir
  7. Maravilha.
    Precioso.
    Só um reparo (ainda não li tudo). As calçadas de Copacabana são de pedras portuguesas, não de azulejos portugueses.

    ResponderExcluir
  8. o Rio tá aí. teu texto tem essa alma. parabens.

    ResponderExcluir
  9. Eliardo Franco Garcia27 de fevereiro de 2013 10:32

    Que beleza... Encontrei este Semióticas por acaso, há poucos dias, quando um amigo meu de Facebook compartilhou algo que achei surpreendente. Cliquei no link, por curiosidade, e descobri que surpreendente não era só aquele post sobre a arte abstrata, mas cada texto e cada imagem do seu blog. Só coisa rara, sofisticada, inteligente. Virei fã. Parabéns por tanta beleza.

    Eliardo Franco

    ResponderExcluir
  10. Estou no Paraíso. Semióticas é a melhor coisa que já encontrei na internet. Parabéns. Seu blog é um encanto.

    ResponderExcluir
  11. Vou fazer mais um elogio: é o melhor de todos os blogs que já visitei. Parabéns demais.

    ResponderExcluir
  12. Gilmar Palmeira Trindade4 de novembro de 2014 15:55

    Esta sua página simplesmente conseguiu reunir grande parte da história da música brasileira e alguns dos seus monstros sagrados, sem contar esta quantidade de imagens lindas sobre eles e sobre a Cidade Maravilhosa do Rio de Janeiro. Virei seu fã, José. Este seu site Semióticas é um espetáculo que merece todos os prêmios e elogios. Agradeço sua generosidade e sua sabedoria. Parab´ens. Gilmar Palmeira Trindade

    ResponderExcluir
  13. Quisera ter uma palavra perfeita, uma palavra mágica para definir esse teu gosto pela Arte, pela Beleza, pela Literatura, por tudo que você exprime em seu blog.
    O que há por trás e por dentro de tanto talento? Alma. Claro, alma de artista, de poeta, de observador da vida.
    Sou grata, sempre.

    ResponderExcluir
  14. Sensacional! Amei esta matéria e também todas as outras que encontrei neste blog maravilhoso. Parabéns, José. Este Semióticas é um show!!!

    Helena Villegas

    ResponderExcluir
  15. Wilson de Almeida6 de março de 2015 12:52

    Show mesmo! Melhor matéria que já encontrei sobre o Rio e as canções que fazem homenagem ao Rio. Parabéns pelo blog Semióticas, José. Tudo aqui é um espetáculo. Ganhou mais um fã.

    ResponderExcluir
  16. Sensacional. A muito tempo não lua algo tão bom.

    ResponderExcluir
  17. Um blog eletrizante José Antonio Orlando, parabéns!

    ResponderExcluir
  18. "Rio de Janeiro, gosto de você. Gosto de quem gosta deste céu, deste mar, desta gente feliz!"

    ResponderExcluir

( comentários anônimos não serão publicados )

Todas as páginas de Semioticas têm conteúdo protegido.

REPRODUÇÃO EXPRESSAMENTE PROIBIDA.

Contato: semioticas@hotmail.com

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Páginas recentes