sábado, 3 de dezembro de 2011

O animal humano





Nem tudo são flores para a “prova de verdade” que a fotografia sempre pode representar. Desde a primeira metade do século 19, os pioneiros do registro fotográfico usaram a pretensa “verdade” da imagem fotográfica para ganhar fortunas reproduzindo, especialmente, os seres humanos considerados “exóticos, selvagens ou monstros” – muitos deles capturados como animais em seus países de origem e depois exibidos em feiras, circos e zoológicos das maiores e mais “civilizadas” capitais da Europa e Estados Unidos.

Por incrível que pareça, a última dessas grandes e populares exposições em zoológicos de “humanos exóticos, quase animais” foi realizada há pouco mais de 50 anos. Em 1958, em Bruxelas, Bélgica, a apresentação em uma jaula de uma “autêntica família de um vilarejo do Congo” foi interrompida antes da data prevista. Apesar do estrondoso sucesso popular que levava todos os dias multidões ao “espetáculo”, críticas na imprensa e pressão dos países vizinhos provocaram o fechamento do negócio. Não há registro sobre o destino da “autêntica família”.

Presentes em todos os manuais de história da fotografia, as cenas registradas em daguerreótipos, dioramas, cartões postais, filmes de curta duração e outras técnicas pioneiras dos tristes espetáculos de “humanos exóticos, quase animais” foram reunidas pela primeira vez em uma impressionante exposição aberta nesta semana no museu Quai Branly, em Paris. Antes da exposição, as imagens haviam sido publicadas em 2008 no catálogo “Human Zoos – Science and Spectacle in the Age of Empire” (Liverpool University Press), resultado da pesquisa feita durante décadas pelo historiador francês Pascal Blanchard.




    O animal humano: índios Galibi, que
    viviam no Oiapoque (entre o Brasil e a
    Guiana Francesa), são exibidos na jaula em
    espetáculo etnológico no jardim zoológico 
    da Acclimatation, em Paris, em 1893. No alto
    da página, o italiano apresentador de shows
    “excêntricos” Guillermo Antonio Farini
     posa com pigmeus no Royal Aquarium
    de Londres, em 1888. Abaixo, menina
    capturada nas tribos da África e exibida
    em Zoológico na Bélgica em 1958;
    e Ota Benga, nascido no Congo,
    África, sucesso de público durante
    exibição nos EUA em 1904 no
    Louisiana Zoo, Missouri, e em
     1906 no Bronx Zoo, em Nova York 









No catálogo, que traz mais de 600 cartazes, fotografias e fotogramas de época, Pascal Blanchard defende a tese de que o desumano e popular espetáculo tinha um objetivo político: justificar e fazer propaganda das missões de guerra e de ocupações ao sul da linha do Equador nas Américas, África e Ásia pelos países da Europa. Segundo Blanchard, que assina como curador científico da exposição no Quai Branly, os espetáculos de “zoológicos humanos” legitimaram a colonização e influenciaram o desenvolvimento de ideias racistas que perduram até nossos dias.



Hierarquia racial



Pascal Blanchard explica que durante o século 19 se desenvolveram noções sobre a raça e o conceito de hierarquia racial, com teses absurdas como aquela que defende que os negros africanos seriam o elo que faltava entre o macaco e os homens brancos ocidentais, ou o "homem normal", como consideravam os cientistas. Seguindo a cronologia das imagens do catálogo publicado por Blanchard, a exposição começa com as primeiras chegadas de povos "exóticos" à Europa, trazidos pelos exploradores, como o caso da família de índios tupinambá, do Brasil, que desfilaram, em 1550, para o rei Henrique 2º e a nobreza em Rouen, na França.





O animal humano: acima, fotografia
para anúncio publicitário do grande
"espetáculo" de Guillermo Antonio
Farini: adultos e crianças da tribo
Boschiman (de Botswana, Namíbia
 e África do Sul) são exibidos em
Paris entre 1898 e 1905. Abaixo,
casal de noivos da tribo Zulu,
levados da África para exibição em
um parque em Londres. A fotografia,
atribuída à equipe da revista norte-
americana National Geographic,
foi a primeira imagem de uma
mulher de seios nus publicada
pela revista e provocou grande
escândalo em 1896







Londres, que foi a pioneira ao apresentar uma exposição de índios brasileiros Botocudos em 1817, iria transformar-se na "capital dos espetáculos étnicos", seguida pela França, Alemanha, Bélgica e Estados Unidos. A exibição em Londres, em 1810, e em Paris, em 1815, da sul-africana Saartje Baartman, conhecida como "Vênus Hottentot". Hottentot era o nome pelo qual sua tribo era conhecida à época.

Saartje Baartman, exibida como atração numa jaula para plateias incrédulas e ávidas por aberrações e monstruosidades, tinha nádegas muito proeminentes e marcou, segundo Blanchard, uma reviravolta nesse tipo de apresentação. Depois do sucesso popular da negra nua de nádegas exageradas, pessoas com deformações físicas e mentais também passariam a servir de atração para as cortes europeias na época.





O animal humano: negras sul-africanas
da tribo Khoisa (ou Hottentot, como
era conhecida) como Strinée (acima, em
fotografia de Louis Rousseau), com
nádegas extremamente proeminentes,
eram exibidas como atrações na Europa
 no fim do século 19. A mais famosa negra
Hottentot nos zoológicos das capitais
europeias foi Saartje Baartman 
(fotografia abaixo), conhecida como
Vênus Hottentot, que foi exibida pela
primeira vez em Londres, em 1810









Esses "shows" nas capitais da Europa e nos Estados Unidos se profissionalizaram e renderiam fortunas, com interesse cada vez maior do público, tornando-se uma indústria de espetáculos de massa. Os “animais humanos em jaulas” atraíam multidões em suas extensas turnês internacionais - e geravam fortunas.



Shows étnicos



Um dos “espetáculos” que percorreriam durante anos e anos as capitais e maiores cidades da Europa foi aberto em Paris, em 1895, quando um "vilarejo" africano foi montado em jaulas próximo à Torre Eiffel. Um sucesso que marcou época, destaca Blanchard sobre a “aldeia dos animais humanos”, com apresentações sensacionalistas de mulheres quase nuas e homens furiosos, tidos como canibais.





Duas imagens dos "animais humanos":
acima, guerreiros da tribo Nyambi, da
África) são exibidos no jardim zoológico
da Acclimation de Paris, em 1937. Abaixo,
fotografia das jaulas da exposição no
Champs de Mars, também em Paris, em
1895, com mais de 300 nativos da África
capturados no Senegal e no Sudão









"É em um contexto expansionista e colonialista das grandes potências ocidentais e de pesquisa desenfreada dos cientistas da época com suas teses bizarras que essas exibições vão ganhar legitimidade necessária para existir e para atrair o interesse popular", afirma Pascal Blanchard no catálogo da mostra (clique aqui para acessar o catálogo). O apogeu das exibições de “zoológicos humanos” nas capitais da Europa e em outros países, explica o curador, ocorreu entre 1890 e a década de 1930.









O animal humano: no alto, cartão-postal
apresenta javanesas Kapong exibidas na
jaula durante a Exposição Universal de
Paris de 1889, que marcou a inauguração
da Torre Eiffel. Acima, mulher da etnia 
Ashanti, de Gana, é exibida no jardim
zoológico da Acclimation de Paris, no
ano de 1903. Abaixo, casal de uma etnia
da Índia, exibido em jaula, na década
de 1920, também no zoo da Acclimation;
a "instalação" com selvagens das tribos do
Senegal, em 1905, também na Acclimation;
e uma seleção de pôsteres de época,
incluindo o cartaz da exposição
realizada no Museu de Quai Branly









Depois da década de 1930, os "shows étnicos" deixaram de existir por razões diversas: falta de interesse do público, surgimento do cinema falado e desejo das potências de excluir o "selvagem" da propaganda de colonização. Segundo Blanchard, um percentual considerável da população das maiores cidades da Europa daquela época pagou para ver os humanos de lugares exóticos exibidos em jaulas: somente pelos registros oficiais, mais de 1 bilhão de pessoas assistiram aos espetáculos exóticos realizados entre 1800 e 1958.

Contraponto ao secular antropocentrismo e acervo que provoca reflexão tanto sobre o comportamento do ser humano quanto sobre a evolução do gosto das grandes plateias, a exposição fica em cartaz no museu do Quai Branly até 3 de junho de 2012. Depois, segue para uma extensa turnê internacional que terá, por ironia do destino, o mesmo roteiro dos nativos de lugares exóticos, aprisionados e exibidos em jaulas, há até pouco mais de meio século, nos espetáculos dos “zoológicos humanos” pelas capitais e maiores cidades da Europa.


por José Antônio Orlando.

















23 comentários:

  1. Uau, Zé Orlando. Que beleza, hein? Quando eu achava que as melhores páginas do seu blog já estavam apresentadas, você surge com novidades como essa, dos "animais humanos".
    Que coisa triste e que belo texto, que belas imagens, denúncia e aula de história...
    Parabéns, meu caro. Estou a aguardar os próximos capítulos. Grande abraço e muita sorte para você.

    ResponderExcluir
  2. Excelente, José! Um trabalho de mestre. Parabéns. Lys.

    ResponderExcluir
  3. Show! José Antônio Orlando, já escrevi aqui um elogio mas vou repetir: Show! Esse seu blog Semióticas é um espetáculo. Essa matéria então, sobre "o animal humano", poderia estar no New York Times ou qualquer outro jornal e revista importante. Parabéns, José. Talento como o seu são poucos...

    Renato Amorim

    ResponderExcluir
  4. Leda Maria Resende4 de dezembro de 2011 12:12

    A história dos humanos no zoológico é horrível, mas a página do seu blog é inspirada, com texto perfeito e ideias que fazem a gente pensar, só pra variar. Parabéns por mais essa. Seu trabalho é de primeira, meu querido professor. Obra de mestre. Um beijo para você, José Orlando!

    ResponderExcluir
  5. Nossa... quanta curiosidade interessante que eu nunca ouvi falar! Isso é pérola!!!... Que misto de beleza visual com abuso social, né?!Essas imagens são lindas, porém tem uma carga de opressão histórica muito grande. É uma pena que tenham deixado de serem exibidas por falta de interesse do público ou aparição do cinema, pois deveriam ter parado por percepção de tratamento errado das classes, culturas etc. Tirando essa parte, as imagens são lindíssimas, fortes e muito expressivas. Mesmo lendo a história desconfortável do contexto delas, a gente olha e vê uma beleza incrível. Adorei! Continue postando sempre coisas maravilhosas como essas. Beijos Priscila

    ResponderExcluir
  6. Meu querido José. Dizem que o mal de quase todos nós é que preferimos ser arruinados pelo elogio a ser salvos pela crítica. Mas isso não serve para você, porque seu blog Semióticas está se mostrando com uma qualidade surpreendente e tão surpreendente que não cabem críticas...
    As lembranças que tenho de você e de suas aulas são maravilhosas. Acho que é por isso que não consigo imaginar você como jornalista. Ainda mais em BH, onde a maioria dos e das que escrevem em jornais são tão medíocres. Deve ser difícil para você conviver com tanta gente limitada que fica copiando textos dos jornais do Rio e de São Paulo (risos)...
    Beijos para você e boa sorte. Aguardo suas próximas páginas aqui no blog. Semióticas é um lugar de maravilhas...

    Juliana Damasceno

    ResponderExcluir
  7. Parabéns pelo seu trabalho sempre excelente, José. Seu blog Semióticas está D + !
    Mando boa sorte e um beijo para você.

    ResponderExcluir
  8. Excelente trabalho e belo texto. Parabéns.

    ResponderExcluir
  9. Em 2009 assisti a um documentário da National Geographic que mostrava esses circos ainda em plena atividade.Talvez o o caráter eugenista colonialista não seja mais a motivação.Não custa citar que entre nós houve e ainda há a "Casa dos artistas" e o "Big Brother". Parece que o prazer em enjaular pessoas em "habitats" ainda perdura entre nós!

    Anselmo Reys

    ResponderExcluir
  10. Muito interessante este recorte histórico cuja idéia não está tão distante do que ainda ocorre nos tempos atuais.

    ResponderExcluir
  11. O homem nunca deixou de ser extremamente estúpido, e jamais deixará

    ResponderExcluir
  12. Belíssima edição de imagens, excelente texto!

    ResponderExcluir
  13. A cada nova página que visito por aqui fico mais impressionada com a qualidade de seu trabalho neste blog Semióticas. Textos impecáveis, edição de imagens primorosas e, principalmente, o que falta hoje aos jornais e revistas e à esmagadora maioria dos sites na internet: originalidade e boas ideias. Aqui aprendo sempre. Virei sua fã de carteirinha e desejo a você muita sorte e vida longa!

    Bianca Menezes

    ResponderExcluir
  14. excelente texto,novamente parabéns pela matéria com detalhes ricos e informações com extrema clareza sobre o tratamento errado de classes e etnias,de uma beleza incrível,novamente Parabéns!!

    ResponderExcluir
  15. Mario Celso de Miranda26 de outubro de 2012 13:26

    Poucas vezes tomei a iniciativa de deixar uma mensagem registrada nos blogs que visito, mas também poucas vezes encontrei um blog como este, tão belo e com tanta qualidade e profundidade em assuntos t~´ao diversos e tão sofisticados. Parabéns pra você, José Antonio Orlando. Esta página, seu texto e as imagens são de uma originalidade surpreendentes. Aliás, seu blog Semióticas é todo de uma originalidade surpreendente. Ganhou mais um fã de carteirinha.

    ResponderExcluir
  16. Adoro esse blog. O melhor da cultura está aqui. Parabéns!

    ResponderExcluir
  17. Tenho o privilégio de visitar seu blog Semióticas todos os dias há mais de uma semana. Ainda não consegui visitar todas as páginas, mas fico impressionado porque cada uma é melhor que a outra. Minha avó paterna, que era negra, sempre contava estas histórias horríveis do tempo da escravidão, por isso esta página me deixou emocionado. Esta e aquela chamada Imagens do Oitocentos. Neste mar de blogs e sites que é a internet, este Semióticas é um lugar diferente. Uma ilha, oásis no deserto... Iemanjá e todos os santos te protegem, não tenho dúvidas, disso eu não tenho duvida. Muitos parabéns!

    ResponderExcluir
  18. Beleza de post. Parabéns. Seu blog é um espetáculo. Vida longa!

    Carlos William

    ResponderExcluir
  19. Caro Zé. Eu tive o privilégio de assistir esta exposição quando morei na França. E foi uma das que mais impressionou de todas, que não foram poucas que pude usufruir.
    Obrigado por me fazer lembrar desse momento tão especial de minha vida.
    Abs

    ResponderExcluir
  20. Vi um filme sobre a Vênus Negra e pesquisando sobre o filme no Google encontrei este seu site maravilhoso. Parabéns pela qualidade e pela beleza. Virei fã já na primeira visita. Alto nível. Nunca tinha encontrado um site tão completo e tão inteligente em todos os assuntos.
    Laura Martins

    ResponderExcluir
  21. Impressionantes: esta história tão triste e este seu blog Semióticas que é maravilhoso em todos os artigos que publicas. Ganhou outro fã de carteirinha.

    João Pedro Costa

    ResponderExcluir
  22. Um verdadeiro show de horrores a que submetiam essas pessas. Lamentável. Esse tipo de espetáculo não acontece mais, mas nem por isso deixamos de ouvir como muitas pessoas ainda hoje são tratadas, discriminadas etc. O ser humano, quando se coloca acima do bem e do mal, é capaz de atitudes estarrecedoras. Infelizmente.
    Parabéns por mais um texto primoroso, que nos faz pensar e repensar que espécie de pessoas queremos ser.
    Muita prosperidade para seu blog Semióticas tão essencial, querido José Antônio Orlando. Beijo
    Edi Lopes

    ResponderExcluir

( comentários anônimos não serão publicados )

Todas as páginas de Semioticas têm conteúdo protegido.

REPRODUÇÃO EXPRESSAMENTE PROIBIDA.

Contato: semioticas@hotmail.com

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Páginas recentes