sexta-feira, 11 de novembro de 2011

Desobedeça!







Tempos de proliferação dos mais diversos aparatos de controle na vida cotidiana – com aprovação de leis controversas e tantas proibições que, para alguns, ferem as liberdades individuais, além de outros problemas que para outros são segurança e vão da instalação indiscriminada de câmeras de vigilância, invasões rituais de privacidade e denúncias intermináveis de corrupção envolvendo o poder público. Tempos em que é bem-vinda a lembrança de ensinamentos marcantes e questionadores sobre o estabelecido e o melhor que poderia vir a ser, entre eles os escritos do pensador Henry David Thoreau (1817-1862).
O texto mais conhecido do autor norte-americano, "A Desobediência Civil", mais de 160 anos depois da data de publicação permanece extremamente atual e, por certo, mais polêmico e explosivo do que na data de sua primeira edição. Trata-se de uma das defesas da transgressão mais célebre dos últimos séculos: no argumento brilhante de Thoreau, a desobediência individual surge como forma de oposição legítima frente ao que seja injusto.
Nada mal para um ensaio de ocasião em que o autor queria tão somente explicitar suas razões para se recusar a pagar seus impostos: Thoreau, escritor e filósofo que passaria à posteridade como pioneiro na teoria relativa à desobediência civil, fazia um ato de protesto contra a escravidão e contra a guerra de seu país contra o México.
 

Um pensador muito à frente de seu
tempo: o escritor norte-americano
Henry David Thoreau retratado
em daguerreótipo datado de 1856
e atribuído ao pioneiro fotografia
Benjamin Maxham (1810-1895)



Sem negar que as formas republicanas e democráticas de governo sejam um avanço político, a obra de Thoreau (traduzida pela primeira vez no Brasil em 1984, pela Rocco, com o título "Desobedecendo - A Desobediência Civil & Outros Escritos") critica a aplicação indiscriminada do princípio do poder da maioria e defende a rebeldia de indivíduos e minorias contra padrões majoritariamente instituídos.
 


A lei e o cumprimento da lei



Thoreau interroga o senso comum: se toda pessoa é dotada de uma consciência, por que deve prevalecer sempre a consciência do legislador ou do aplicador da lei? Para o filósofo, o argumento que alega serem os legisladores ou os "fiscais" do cumprimento da lei os representantes legítimos da coletividade, eleitos por uma maioria, não surge como resposta convincente. 




De acordo com Thoreau, a tirania de uma lei não é abrandada por sua origem majoritária. Tal defesa da rebeldia como forma efetiva de ação política teve interpretações radicais, no decorrer do último século, e influenciou a política e as artes. A lição ideológica de Thoreau alcançou consciências iluminadas em 160 anos de história – abarcando pensadores, escritores, artistas, poucos políticos e heróis pacifistas como Mahatma Gandhi (1869-1948), líder da libertação da Índia da condição de colônia da Inglaterra, até as sociedades alternativas do movimento hippie, as contestações estudantis e as revoluções comportamentais que proliferaram desde a década de 1960.

Com o passar do tempo, a arte do pensamento e das palavras de Thoreau projetou utopias de liberdade e participação social, presentes ainda hoje na mobilização popular que cada vez mais volta às ruas, no mundo inteiro, pelos direitos das minorias e contra a discriminação racial e sexual, na luta pela preservação do meio ambiente e na resistência contra leis autoritárias e opressoras, da recente primavera dos países do mundo árabe ao vazamento explosivo de informações confidenciais dos governos de países do primeiro mundo no WikiLeaks, passando pelas manifestações crescentes nas ruas de países da Europa, Estados Unidos, Brasil...



Um protesto que entrou para a história:
milhares de estudantes em greve tomam
as ruas de Paris no mês de maio de 1968;
abaixo, o momento histórico recriado no
cinema em 2003 por Bernardo Bertolucci
em Os Sonhadores (The Dreamers)







Para a artista plástica Teresinha Soares, que na década de 1970, no auge da ditadura militar, apresentou instalações ousadas que fizeram história, a contestação sempre será a palavra de ordem. "O mundo está aí, cheio de problemas. Nesse sentido, é preciso ver a questão do feminino diretamente ligada à arte do contestar", argumenta, lembrando muitos episódios recentes que foram notícia e causam repulsa e indignação. "Para quem lutou contra os desmandos da ditadura no Brasil, é difícil demais ver a maioria silenciar diante de paradoxos absurdos", protesta a artista. "Não dá para ficar calada diante de tanta arbitrariedade". 



Rupturas com a tradição


"A rebeldia e a contestação são os elementos comuns a todos os modernos na cultura e na arte, desde os movimentos da vanguarda do início do século 20", aponta Eneida Maria de Souza, professora da UFMG e autora do recém-lançado “Janelas Indiscretas” (Editora UFMG), que investiga cânones do Modernismo à Tropicália.

"Ainda hoje, a contestação é a condição para que a obra tenha reconhecimento como obra de vanguarda. Se pensarmos no pós-moderno, mesmo que a obra trabalhe com pastiches e citações, seu valor tem que surgir de algo novo, de original, em relação à tradição e ao lugar-comum", destaca.






Na cena política, entretanto, Eneida reconhece que o valor da rebeldia e da contestação está ausente, com poucas exceções. "No Brasil, infelizmente, a contestação na política, na maior parte das vezes, tem caído no vazio. A contestação na política sempre vem a reboque dos interesses imediatos, oportunistas, dos partidos políticos", completa, lembrando episódios do acúmulo quase diário de denúncias de corrupção e quebra de decoro que vêm se arrastando por causa da ausência de contestação popular.

Referências à desobediência civil propostas por Thoreau, um dos precursores dos movimentos libertários de nossa época, são encontradas em homens que estiveram à frente de seu tempo – numa lista em que também é preciso destacar musas que marcaram época com suas revoluções singulares, como as brasileiras Chiquinha Gonzaga, Maria Lacerda de Moura, Nísia Floresta, Pagu, Carmen Miranda, Luz del Fuego, Elvira Pagã, Anaíde Beiriz e Leila Diniz, entre muitas outras.

Há também referências às ideias de Thoreau em quase toda a bagagem de muitos rebeldes também na cultura pop, de Rita Lee e Os Mutantes com a geração tropicalista à sociedade alternativa de Raul Seixas, Novos Baianos e Secos & Molhados; de heróis da era do rock como Bob Dylan, John Lennon, Jim Morrison, Janis Joplin e Jimi Hendrix à utopia representada pelo Festival de Woodstock, em 1969, e daí à rebeldia grupal dos primeiros movimentos punks, passando por lideranças universais surpreendentes do Terceiro Mundo como Bob Marley e Che Guevara, pelas vanguardas do Modernismo e pela tradição da ruptura dos adoráveis malditos na literatura, no cinema, na música, no teatro, na dança.



Che Guevara (1928-1967), comandante
da revolução cubana, posa em 1960 para
a célebre fotografia de Alberto Korda
intitulada Guerrilheiro Heroico



Sem a influência das ideias de Thoreau seria impossível também conceber a existência de muitos clássicos da literatura e obras ideologicamente transgressoras identificadas com a cultura das mídias – a exemplo do bom e velho rock´n´roll. Entre as muitas obras derivadas de Thoreau, há algumas que preservam seu espírito libertário e contestador, ganhando uma impressionante atualidade, a exemplo de "On the road" (1957) de Jack Kerouac e outros clássicos da Geração Beatnik, que se mantêm emblemáticas depois de décadas. O mesmo valor antecipatório acontece com certos romances da ficção científica como  “Admirável Mundo Novo” e “1984”. 



Valores do "futuro"

 

Escrito pelo inglês Aldous Huxley (1884-1963) e publicado em 1932, “Admirável Mundo Novo” narra um hipotético futuro em que as pessoas são pré-condicionadas a viverem em harmonia com as leis e regras sociais, dentro de uma sociedade organizada por castas. A sociedade desse "futuro" criado por Huxley não possui a ética religiosa e valores morais que regem a sociedade atual. Qualquer dúvida e insegurança dos cidadãos era dissipada com o consumo da droga sem efeitos colaterais aparentes chamada "soma".











HERÓIS DA ERA DO ROCK:
a partir do alto, Leila Diniz, musa
libertária que quebrou tabus de
uma época em que a repressão
dominava o Brasil; a célebre reunião
dos mentores da Tropicália na
capa do disco lançado em 1968;
Raul Seixas, um dos profetas
do misticismo e da sociedade
alternativa; e Bob Dylan, o
menestrel dos anos 1960.
Abaixo, Jim Morrison, o
poeta-xamã, um dos principais
"malditos" da cena do rock, líder
da banda The Doors; John Lennon,
que passou de ex-integrante dos
Beatles a herói pacifista, assassinado
em 1980; e Bob Marley, primeiro
grande astro da cultura pop
saído do Terceiro Mundo








Publicado em 1949, exatamente um século depois de "A Desobediência Civil", "1984" o romance do também inglês George Orwell (1903-1950) descreve uma sociedade totalitária do futuro (daí a data fatídica do título), na qual as mínimas ações e até a expressão facial dos indivíduos são vigiadas por aparatos tecnológicos a serviço de um suposto "Big Brother" – que tudo vê e tudo sabe, agindo com plenos poderes em nome do Estado e usando vigilância e informação para punir qualquer dissidência, mantendo no poder a estrutura do autoritarismo.
Ironia do destino e sinal dos tempos: em nossa época, a metáfora do "Big Brother" virou título para a franquia mundial do "reality show" na TV – que extrai seu apelo de audiência justamente do exibicionismo e da "invasão" da privacidade alheia. No romance, que foi adaptado para o cinema também em 1984, um humilde funcionário desobedece as leis e o senso comum ao se apaixonar. Quanto tenta enfrentar a repressão, é esmagado pelo sistema.





A capa da primeira edição do
romance de George Orwell,
publicado em 1949, e uma cena
do filme, que chegou aos cinemas
no ano de 1984, dirigido por
Michael Radford, com John Hurt,
Richard Burton e Suzanna Hamilton



Apesar do desfecho pessimista do romance, Orwell segue a cartilha de Thoreau – afinal, um cidadão solitário ou uma minoria renitente são os agentes mais prováveis de uma ação positiva e bem-sucedida de desobediência civil. A multidão e suas maiorias silenciosas podem continuar seu caminho e obedecer, conformadas. 
Mas, por outro lado, a multidão ou as minorias ou o indivíduo solitário podem ainda pressionar contra a repressão dos dissidentes – e podem, também, começar a desobedecer, descobrindo a defesa da diversidade e estabelecendo a tolerância à divergência como regra primeira de convivência. Neste caso, a lição de Thoreau terá superado as barreiras de seu tempo e fincado suas raízes libertárias no tempo presente.





A Graúna, símbolo da contestação
e da luta pela liberdade, criação de
Henfil (1944–1988), acima, em um
cartum que foi publicado no extinto
Jornal do Brasil após as eleições de 1986



Brasileiro revê esquerda dos EUA

Livros sobre a esquerda norte-americana são praticamente inexistentes no Brasil. Há quem acredite até que a esquerda nunca existiu ou nunca teve importância no país em que o capitalismo mais prosperou. Ledo engano – que começa a ser desfeito com "A Nova Esquerda Americana: de Port Huron aos Weathermen (1960-1969)", de Rodrigo Farias de Souza, lançado pela Editora FGV. 
 


Versão revista e ampliada da dissertação de mestrado do autor, premiada na Universidade Federal Fluminense (UFF), "A Nova Esquerda Americana" revela os trunfos de Rodrigo na pesquisa documental, valendo-se de depoimentos e entrevistas com lideranças políticas de uma época em que a utopia de construir um mundo melhor e mais justo pareceu bem próxima para um grande número de pessoas no mundo inteiro.

"Logo no começo da pesquisa, que conclui como tese e agora sai em livro, percebi que eu precisava seguir numa direção diferente", explica o autor, em entrevista por telefone. "Não queria ser repetitivo com um tema tão importante em nossa época. Optei pela esquerda dos Estados Unidos dos anos 1960 porque era e ainda é um tema relativamente pouco conhecido por aqui. O que há no Brasil são obras importantes falando sobre 1968 ou sobre assuntos específicos daquela época, como as barricadas de maio dos estudantes em Paris, os protestos contra a guerra do Vietnã, a revolução do rock'n'roll ou a contracultura que explodiu de repente no mundo todo".





Duas imagens do documentário
Woodstock (1969), de
Michael Wadleigh, o único
cineasta a registrar na íntegra
o evento mais mitológico
da era do rock


"Mas há também algo da maior importância que ainda hoje têm consequências que foi o movimento estudantil norte-americano naquele período. É um tema que raras vezes é divulgado na mídia e que não havia sido ainda abordado no Brasil. O que é surpreendente, considerando o papel dos EUA na história do século 20 e nos anos 1960 em particular”, destaca Rodrigo.
A lacuna sobre aquele contexto naquele momento da história é difícil de explicar, concorda o autor de "A Nova Esquerda Americana”. “Quando se fala de 1968, lembramos das barricadas estudantis do maio francês ou dos protestos dos estudantes brasileiros contra a ditadura que deram origem à luta armada. Mas poucos sabem sobre este período nos EUA, que foi terrivelmente turbulento e que pouquíssimas vezes chegou ao cinema e à mídia em geral".



Em uma narrativa sedutora, que enumera eventos que fizeram história e análises por vezes poéticas, a pesquisa apresentada em seus percalços – contando na primeira pessoa a história do autor, brasileiro que estuda a história do estrangeiro no território estrangeiro – Rodrigo Farias de Souza consegue alcançar reflexos do passado no tempo presente, em especial a vitória espetacular de Barack Obama nas eleições para a sucessão do retrógrado governo de George W. Bush, além dos empreendimentos tecnológicos e visionários de protagonistas como Steve Jobs, entre outros que surgiram nas últimas décadas e foram tidos, à primeira vista, como propostas estéreis e delirantes.



Zabriskie Point: rebeldia e silêncio infinito


Como resultado, o livro de Rodrigo lança luzes sobre a complexa cena política atual e os primórdios das grandes questões contemporâneas nos anos 1960 - quando surgem nos EUA, com notável vigor, as lutas sociais das chamadas "minorias": lideranças feministas, gays, negros e outras etnias mobilizam-se, enquanto surgem inovações na arte e no movimento estudantil.




A investigação apresentada pelo autor revela o jogo de efervescência cultural e política nas universidades dos EUA, um cenário que também foi retratado em "Zabriskie Point" (1970), de Michelangelo Antonioni – uma obra-prima da contracultura e da contestação traduzidas em cinema, com os longos planos de panoramas em silêncio infinito, característicos do cineasta, e trilha sonora hipnótica que inclui Rolling Stones, The Gratful Dead, Jerry Garcia e The Youngbloods, com destaque para o até então pouco conhecido Pink Floyd.

Na trama que a câmera de Antonioni observa, dois protagonistas, os estreantes Daria Halprin e Mark Frechette, são reunidos pelas forças do acaso e da sorte e encontram o idealismo de uma revolta universitária no campus, viajam em uma mistura de fuga e aventura e terminam sozinhos no monumental deserto de Zabriskie Point, na Califórnia.




Roger Waters, Nick Mason,
Syd Barrett e Richard Wright
em Londres, em 1966, antes da
primeira apresentação com o
nome Pink Floyd - abreviação
de The Pink Floyd Sound, uma
escolha de Barrett em homenagem
aos músicos de blues Pink Anderson
e Floyd Council. O cineasta italiano
Michelangelo Antonioni assistiu a
este primeiro show em 1966, durante
um intervalo das filmagens de Blow Up,
e convidou os quatro estreantes para
compor a trilha sonora do que seria seu
próximo filme, Zabriskie Point. O
guitarrista David Gilmour juntou-se aos
integrantes da banda depois dos primeiros
discos, quando Barrett acabou se afastando


Veja mais em: Pink Floyd na lua 

 


A vida imita a arte: depois das filmagens tumultuadas, o filme de Antonioni sofreu boicote dos estúdios na distribuição e estreou em poucos cinemas nos Estados Unidos. Pelo mundo afora, em 1970, foi aplaudido pelo público e pela crítica em vários festivais, mas não conseguiu espaço nos circuitos comerciais e permaneceu fora de circulação durante décadas. A bela Daria Halprin rejeitou muitos convites em Hollywood e abandonou a carreira de atriz quando se casou com o ator e diretor Denis Hopper, de “Sem Destino / Easy Rider” (1969). 
Mark Frechette, por sua vez, protagonizou um drama que lembra muito o de seu personagem em "Zabriskie Point": não conseguiu papel em nenhum outro filme e, desempregado, acabou participando de um mal sucedido assalto a banco em 1973 no qual um de seus cúmplices foi morto. Frechette foi condenado a 15 anos e morreu na prisão.
O paralelo com "Zabriskie Point" surge no livro "A Nova Esquerda Americana" apenas de passagem, mas serve como analogia à perfeição para o relato que Rodrigo Farias de Souza apresenta. Com precisão e argumentos apresentados em narração que lembra lances de intrigas da ficção, o autor lança luzes sobre causas e consequências dos rumos dos Estados Unidos e do mundo a partir do grupo Students for a Democratic Society (SDS), que reforçou na mentalidade do cidadão mediano da América e de muitos outros países, por extensão, a partir dos idos do final dos anos de 1960, a urgência que não se pode adiar para uma mobilização de lutas pelos direitos civis e contra o que seja injusto.

por José Antônio Orlando.



Para comprar o livro de David Thoreau, A Desobediência Civil,  clique aqui.







Para comprar o livro A Nova Esquerda Americana, clique aqui.




Para comprar o livro Nos Bastidores do Pink Floyd, clique aqui. 




Para comprar o livro de Jack Kerouac,  clique aqui.








O cineasta Michelangelo Antonioni
com Daria Halprin e Mark Frechette
no deserto de Zabriskie Point, em
Death Valley (EUA), em 1969.
Abaixo, a cena final de Zabriskie Point


 


'Aqui estão os loucos. Os desajustados.
Os rebeldes. Os criadores de caso.
Os pinos redondos nos buracos
quadrados. Aqueles que veem as coisas
de forma diferente. Eles não curtem
regras. E não respeitam o status quo.
Você pode citá-los, discordar deles,
glorificá-los ou caluniá-los. Mas a única
coisa que você não pode fazer é ignorá-los.
Porque eles mudam as coisas. Empurram
a raça humana para a frente. E, enquanto
alguns os veem como loucos, nós os vemos
como geniais. Porque as pessoas loucas
o bastante para acreditar que podem mudar
o mundo, são as que o mudam.'

  Bilhete para Thoreau (1969) de Jack Kerouac (foto abaixo)





43 comentários:

  1. Brilhante. Emocionante! Thoreau é uma referencia pra minha formação. Zabriskie Point foi o filme que mais assisti na minha vida.
    Salve salve! Estas obras de arte e pensamento precisam ser vistas por estes jovens.
    Verdade a todos!
    salve!

    Gilberto Mauro

    ResponderExcluir
  2. Ótimo texto, como sempre.

    Senti falta de uma referência do movimento (social) punk, tanto o londrino quanto o norte-americano.

    ResponderExcluir
  3. Finalizou lindamente falando dos loucos! Parabéns pelo texto!
    Bárbara Pontello

    ResponderExcluir
  4. Excelente professor, mas pessimista como sou me pergunto se existe espaço para mudanças diante da massa conformista e desinformada, que insatisfeita com os três poderes do Brasil, resolveu tomar para si atitudes distantes de todo e qualquer bom senso, ignorando a história e a própria reflexão, se é que reflexão ainda existe num país cujo governo já parece cansado até de fingir democracia. Se existe esperança, ela está nos loucos que, a meu ver, devem possuir muita força de vontade para atingirem algum objetivo, suicidas da guerra de poder no caos do campo da informação.

    ResponderExcluir
  5. Nossa! Muito bom.
    sem comentários, gostaria que muitas pessoas lessem isso.

    hahah,ao Rafael totalmente apocalíptico

    ResponderExcluir
  6. Acredito que as causas das lutas dos anos 60 tinham muito de idealismo. Hoje, se há alguma contestação, aqui e ali, que confronta as leis, para poder se expressar, é, ao que infelizmente parece, em protesto pela perda de status, emprego, dinheiro, posses. Posso estar enganado, mas luta-se para tentar recuperar perdidos privilégios; um exemplo é a ocupação da reitoria da USP, por contestadores temerosos de não poder mais usar em paz as suas drogas. Será?

    ResponderExcluir
  7. Desafiar o estabelecido, mexer na zona de conforto da sociedade traz enormes desafios para quem o faz. Normalmente são rejeitados, segregados, rotulados, enfim, excluídos... exceto quando conseguem arrebatar os sentimentos de membros dessa dada sociedade, aumentando o alcance de suas idéias, fazendo que a zona de conforto tenha um contraponto significativo. Entretanto, a sociedade nos moldes atuais, individualista e isolada pela internet de contato pessoal e real, provoca uma paralisia nessa contestação, salvo exceções aqui e ali.

    ResponderExcluir
  8. Que beleza de blog, comandante! Foi o Zé Geraldo, nosso amigo em comum, quem recomendou que eu visitasse esta página sobre o Thoreau. Disse que estava muito bacana. Ele estava certo, mas não é a página que está bacana, e sim o blog inteiro, que está sensacional. Parabéns pela inteligência e pelo repertório de causar muita inveja e reflexão. Já virei fã de carteirinha. Abraço para você, José Antônio Orlando!

    ResponderExcluir
  9. Zé, enquanto lia o texto meus sentimentos se misturavam entre altos e baixos. Comemorava, mas me ressentia. No fundo, todos acreditam que fazem parte dos loucos que querem mudar o mundo, entretanto, uns loucos voltam à sanidade do capitalismo e desistem e aos que continuam, resta a tristeza atual da decepção com a nova geração. Pelo menos é assim que me sinto quando converso com a minha irmã de 17 anos, quando analiso o comportamento de seus amigos e amigas. Penso: "se é para essa geração que estamos ralando 11h por dia, para vender produtos inovadores e essa galerinha quer somente tudo rápido e tudo pronto, independente de onde veio e do que foi preciso para que aquilo ficasse pronto, o que será da próxima geração de comunicadores? Como eles conseguirão criar e acompanhar essa aceleração infundada de que tudo tem que ser pra ontem, sem pensar que é HOJE, que a vida está acontecendo?"

    ResponderExcluir
  10. Belo texto! Sua escritura é um tear em que as linhas se entrelaçam numa cadeia de informações.
    Abraços, Zé!
    Estou vivciada neste teu blog e meus livros reclamando a ausência.

    Benilde Lustosa

    ResponderExcluir
  11. Amei!!!!!!! Texto impecável, conteúdo fantástico!!!! Me reconheço dentro desse contexto. Abs!

    Ana Goulart

    ResponderExcluir
  12. Que postagem mais inacreditável, meu caro! Política, literatura e rock and roll em alta voltagem, como eu nunca tinha visto antes! Professor, você é de outro mundo... Saudades demais das suas aulas... Sem contar essa viagem final reunindo Pink Floyd, Zabriskie Point e Jack Kerouac... Nunca haverá outro como você, mestre. Eu sei que é pedir demais, mas que tal uma postagem aqui no blog sobre os mitos que fazem parte do “clube dos 27”? Nunca li nenhum texto sério a respeito e acho que você pode superar todas as expectativas. Que tal? Sobre o Pink Floyd: nunca ninguém que realmente gosta de música vai se cansar de ouvir os clássicos da banda e em 100 anos a partir de agora ainda haverá pessoas à escuta... Grande abraço e parabéns de novo, mestre! Orgulho de ter sido seu aluno!

    Júlio Monteiro

    ResponderExcluir
  13. O blog todo é um espetáculo! Parabéns!!

    ResponderExcluir
  14. Semana passada um amigo da escola me disse que eu precisava acessar este seu blog Semióticas e que precisava começar por esta página sobre Thoreau que tem o título de "Desobedeça". Também disse que depois eu deveria seguir para as páginas Woodstock, Led Zeppelin, Beatles, Elvis e Rita Lee. Fiquei com isto na cabeça, mas adiei a visita. Agora, lembrei da palavra "Desobedeça" e fiz uma busca no Google, porque eu não lembrava o endereço nem o nome do blog. Por sorte, foi o primeiro endereço da lista que o Google encontrou e estou em estado de graça. Esta página é uma maravilha do começo ao fim, tudo, ideia, texto, imagens, Kerouac. Meu amigo tinha toda razão. Seu blog é um acontecimento e um presente para o pensamento a cada página. Foi para minha lista de favoritos e mais visitados a partir desta primeira visita. Parabéns! Muita sorte e vida longa!!!
    William Miranda

    ResponderExcluir
  15. Parabéns pelo blog. Cada texto é melhor que o outro e as imagens são uma beleza só. Das páginas que visitei hoje por aqui, esta foi a minha preferida. Aprendi muito. Parabéns, parabéns...

    ResponderExcluir
  16. Marco Aurélio Martins11 de agosto de 2012 10:08

    Tem coisas que a gente só encontra uma vez e parece que sempre conheceu, que sempre esteve ali. É o caso do seu blog Semióticas e desta página muito especial sobre as ideias de Thoreau e outros herois libertários. Parabéns, José Antônio Orlando, que tudo aqui é bom demais. Virei sócio de carteirinha e estou aprendendo muito. Aguardo pelas próximas!

    Marco Aurélio Martins

    ResponderExcluir
  17. Que acervo... quanta riqueza de informações...sou teu fã José Antônio Orlando!!!!quero um autógrafo...

    ResponderExcluir
  18. Obrigado, Thoreau, por deixar escrita para todos nós, os leitores do futuro, uma das mais incríveis mensagens a lembrar o verdadeiro significado do que seja “liberdade”. Obrigado, José Antônio Orlando, por apresentar ideias brilhantes em textos tão bonitos e com tantas imagens de tirar o fôlego. Estou sempre aqui, visitando de graça sua fazenda de artigos fantásticos, mas é apenas meu segundo comentário em muitos meses. Eu amo este blog Semióticas porque ele é de outro mundo!

    Isabella Pompeu

    ResponderExcluir
  19. Zé, amei tudo no seu blog, mas esta página aqui e aquela outra sobre Woodstock me fizeram ir às alturas e borbulhar de ideias. Eternamente grata. Aprendi e saboreei delícias. Saudades de suas aulas. Beijos!

    ResponderExcluir
  20. Caro Zé Orlando,PARABÉNS !!!...Como bem o dizia,em conversa sertanêja,o meu bisa ,o Véi Cíço : 'em casa de ferreiro competente,os espêtos são bem aguçados!...'...
    Cumprimentos do leitor e admirador,
    prof JB

    ResponderExcluir
  21. Wellington Rodrigues1 de outubro de 2012 12:21

    Fico feliz quando encontro as ideias sobre a desobediência civil desenvolvidas de um modo tão lúcido, atual, e ao mesmo tempo tão amoroso. Porque o mundo de hoje precisa de mais amor. Gostei muito da alegoria que você foi construindo a partir de Thoreau, com os ícones da luta pela liberdade e pelos direitos civis no Brasil e no mundo, os clássicos de George Orwell e Huxley, os medalhões do rock e mais ainda esse desfecho inesperado e tão poético, no triângulo do Pink Floyd com “Zabriskie Point” e Jack Kerouac. Eu citaria algum brasileiro, talvez Torquato, talvez Caetano, mas aí já é outra história. Está excelente seu argumento. E a edição, como sempre, sofisticada e alertando para outras questões, outras referências possíveis. Que possamos ajudar uns aos outros para sempre e sempre. Amém. Parabéns! Virei fã do seu trabalho.

    ResponderExcluir
  22. Atualmente as pessoas não tem uma visão ampla do que acontece qualquer liberdade é subtraída,a população deveria evitar tais violações,porém no seu conformismo banal, nada fazem mais haverá o dia em que todos abriram a mente e sairão ás ruas exigindo seus direitos,mais enquanto não ocorre me sinto maravilhado com o texto e a narrativa excepcional de José Antônio Orlando,com detalhes ricos de cultura e informação,Parabéns!!!

    ResponderExcluir
  23. Antônio Barbieri Filho28 de outubro de 2012 09:46

    Adorei seu blog e fiquei terrivelmente apaixonado pelo texto e pelas imagens desse seu post chamado “Desobedeça”. Aprendi muito e saio feliz porque você conseguiu acender de novo, em mim, a chama das ideias que acredito e pelas quais vale a pena lutar. Como diz uma frase que tenho num pôster na parede do quarto, assinada por meu ídolo maior Raul Seixas: desobediência é uma virtude necessária à CRIATIVIDADE.
    Parabéns, José Antonio Orlando. Ganhou mais um fã.

    Antônio Barbieri Filho

    ResponderExcluir
  24. Simplesmente genial!!!

    ResponderExcluir
  25. Eu cheguei no seu blog de paraquedas numa busca no google.
    Estou aqui a +/- 2 horas, acho que esse é um dos melhores blogs que já li.
    O domínio de variados assuntos e a boa escrita é um grande diferencial seu.

    Deixo meu elogio neste post, que foi por onde o achei procurando dar continuidade a um artigo do Stanley Milgram sobre desobediência.

    Fica aqui minhas considerações, Jonatas.

    ResponderExcluir
  26. Lucília de Moura Araújo9 de dezembro de 2012 10:21

    Já escrevi outras mensagens no seu blog, mas a cada nova visita que faço fico completamente impressionada. Esta página aqui, sobre Thoreau, deveria ser leitura obrigatória em todas as escolas. A liberdade e as ideias criativas ganham terreno fértil com trabalhos assim como o seu, meu querido José Antônio Orlando. Seu site Semióticas é uma bênção no labirinto de bobagens que se multiplicam na Internet. Muito, muito, muito obrigada!

    Lucília de Moura Araújo

    ResponderExcluir
  27. quanta leveza e riqueza para abordar a 'forte' palavra revolução. eis - nos assistindo à desobediência no mundo globalizado em que a revolução não se dá apenas por 'idealismo' como foi dito acima. as utopias são necessárias para nosso avanço enquanto sociedade e indivíduo. passagem rápida, mas voltarei. ah! e a quem sentiu um ranço atual nos antigos revolucionários, agora 'acomodados', que lhes dê uma cutucada. ou o busque para discutir a questão que, parece-me, diz respeito ao brasil atual. ou não. seja lá qual o motivo da 'acomodação' que suas razões venham à tona. ótimo papo para avanços de posturas frente a vida..
    ótimo, mais uma vez, desobediente JAO. volto.

    ResponderExcluir
  28. Rapaz! Estou impressionado. Há muito tempo não via um texto político tão saboroso, com imagens lindas e raciocínio claro que fazem a gente ficar comovido e fazem a gente pensar. Agradeço. Seu blog Semióticas é Sensacional!

    ResponderExcluir
  29. Foi tão bonito ver as relações que vc estabeleceu entre a iniciativa do pensador americano e a de todos os outros personagens reais da História, bem como os fictícios e ainda com e as outras obras que dialogam com este ideal tão salutar da renovação dos parâmetros que nos conduzem a fazer das utopias o verdadeiro destino humano. Merci! (Josafá Crisóstomo)

    ResponderExcluir
  30. Admiro muito o rock e a filosofia. Você conseguiu juntar os dois de um jeito maravilhoso que eu nem sabia que era possível. Agradeço demais. Semióticas ganhou maius um fã de carteirinha.
    Rogério Augusto

    ResponderExcluir
  31. Joana Maria de Miranda21 de maio de 2014 16:45

    Artigos como esse fazem a gente pensar que nem tudo está perdido e que é preciso estar atento e forte. Semióticas, você tem um capital simbólico que vale ouro. Sou grata por compartilhar. Adoro.

    ResponderExcluir
  32. Juliana Veras Guedes Sá19 de setembro de 2014 07:17

    Muitos foram resumidos aqui.Adorei.

    ResponderExcluir
  33. Marcos Paulo Aguiar18 de janeiro de 2015 23:19

    Melhor texto que já encontrei sobre as teorias de Thoreau. Sensacional. Parabéns por este blog dos sonhos. Virei fã. Quem dera houvesse outros com tamanha beleza e inteligência.

    Marcos Paulo Aguiar

    ResponderExcluir
  34. Formidáve!
    Perfeito, que obra prima, Professor José Antônio Orlando! Uma jóia da Cultura que temos às mãos, Sou grata.

    ResponderExcluir
  35. Seu blog é maravilhoso, meu amigo, quisera houvessem muitos outros! Um abraço...

    ResponderExcluir
  36. Jefferson Reis Sobrinho4 de dezembro de 2015 08:42

    Obrigado pela postagem sensacional. Eu nasci em 1969, agosto, junto com o Festival de Woodstock, mas só vi as primeiras imagens do festival mais de 20 anos depois. Comecei esta visita nesta beleza de site chamado Semióticas pela página "A Viagem de Woodstock" e agora estou aqui, impressionado e feliz com esta maravilha chamada "Desobedeça" com tanta informação de política e cultura que está de arrepiar. Acho que vou morar aqui, porque tem muitas outras páginas que já vi que preciso visitar. Este seu site é uma aula, aliás um curso delicioso sobre os assuntos que mais me emocionam. Desejo uma bênção para você por proporcionar tudo isso.
    É estranho o que a passagem do tempo faz com a gente, melhora, mas deixa saudades, e vendo estes seus artigos maravilhosos sobre os grandes do Rock e tantas outras coisas lindas que conheço, fico muito feliz. Acho que ganhei o dia. Ou melhor: o ano de 2015.
    Valeu, José! Parabéns e vida longa, prosperidade, para continuar este trabalho fantástico e da maior importância!!!

    Jefferson Reis Sobrinho

    ResponderExcluir
  37. Parabéns por este blog sensacional e por este estudo importantíssimo sobre a Desobediência Civil. Quem dera houvesse muitos outros blogs como este Semióticas e muitos outros autores com seu talento e seu brilhante senso de respeito e responsabilidade, professor José Antônio Orlando. Sou seu fã. Agradeço e registro aqui meus mais sinceros elogios. Muito obrigado por tanta beleza e tanta sabedoria compartilhada. Denise Laurentino

    ResponderExcluir
  38. Diante da magnitude do que acessamos aqui, fico sem palavras. É de uma riqueza, de uma profundidade, de uma abrangência que eu insisto em dizer:equivale a uma pós-graduação, a um mestrado.
    Obrigada, mestre, pelo compartilhamento de seu conhecimento, você é magnífico.
    Eu já havia lido esta página maravilhosa, mas vi o comentário de outro mestre genial, professor Nelson, nosso @Escritor4, e não resisti, vim aqui de novo saborear esse banquete que você nos preparou. Grande abraço.

    ResponderExcluir
  39. Marcos Guilherme de Almeida8 de agosto de 2016 13:41

    Maravilhoso ensaio, maravilhoso blog Semióticas. José Antonio Orlando, muito obrigado por você compartilhar sabedoria e beleza nestes tempos sombrios. Parabéns!!!

    ResponderExcluir
  40. Preciso registrar aqui meus parabéns a você por este sensacional artigo e tão lúcido. Texto perfeito e imagens maravilhosas. Este artigo e todos os outros que encontro aqui neste blog Semióticas valem por um curso completo. Só agradeço.

    Márcio Guevara

    ResponderExcluir

( comentários anônimos não serão publicados )

Todas as páginas de Semioticas têm conteúdo protegido.

REPRODUÇÃO EXPRESSAMENTE PROIBIDA.

Contato: semioticas@hotmail.com

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Páginas recentes