segunda-feira, 2 de abril de 2012

Na trilha do Led Zeppelin






Os fãs de rock conhecem de cor e salteado a história e as lendas em torno do Led Zeppelin: as viagens alucinantes de seus quatro grandes músicos, cada um dos riffs em progressão de guitarra repetidos e copiados por meio mundo, “Stairway to heaven" e os muitos clássicos que ainda emocionam, mais alguns ingredientes cifrados de magia negra, muito sexo, drogas, a morte do baterista por excesso de vodka e sufocado pelo próprio vômito e a separação do grupo em 1980. Mas nem tudo está dito.

Prova disso são duas biografias do grupo que chegaram às livrarias com novidades e detalhes surpreendentes até para os ledmaníacos mais dedicados ao culto da banda no panteão da história do rock. Ao contrário da maioria das biografias de bandas e estrelas do rock – que costuma ser um amontoado de casos picantes e uma sequência de escândalos produzidos sob medida para reforçar o mito e arrecadar direitos autorais, custe o que custar – os dois novos livros podem ser considerados exceções.









As duas biografias merecem destaque por motivos distintos. São elas “Whole lotta Led Zeppelin” e "Led Zeppelin – Quando os gigantes caminhavam sobre a Terra". As duas foram escritas por jornalistas veteranos. A primeira, lançamento da editora Agir, foi escrita por um norte-americano, Jon Bream. A segunda, publicada pela editora Larousse do Brasil, foi escrita pelo inglês Mick Wall. Enquanto a primeira vê a trajetória da banda pelo lado de fora, reunindo opiniões e depoimentos diversos, a segunda vê a história do Led Zeppelin segundo a versão dos próprios músicos da banda.

Jon Bream, do jornal "Minneapolis Star Tribune", fã de longa data da banda, investiu numa forma original para contar a saga muito conhecida de outra forma. Em "Whole lotta Led Zeppelin", que tem por subtítulo “A história ilustrada da banda mais pesada de todos os tempos”, Bream reuniu textos e depoimentos de artistas do rock e de profissionais da imprensa norte-americana que acompanharam a trajetória desde o começo ou que entrevistaram os músicos da banda em algum momento. 
 






O resultado é uma sequência de histórias saborosas sobre os quatro integrantes e sobre o rock desde a década de 1960, incluindo uma coleção impressionante de imagens de todas as fases da banda, com fotos dos grupos anteriores à formação do Led Zeppelin que tiveram a participação dos quatro integrantes, além da reunião dos músicos, de cabelos brancos, em 2007, passando por todas as capas e fotos de encartes dos nove discos originais e das coletâneas, lançamentos em CDs e DVDs, pôsteres, cartazes, ingressos, livros, capas de revistas, camisetas e outros colírios que fazem a festa da memorabilia dos ledmaníacos.


Trajetória lendária


Através dos depoimentos e textos de época reunidos em seu relato, dividido em 10 capítulos, Jon Bream vai reconstituindo cada uma das fases da banda, apontando quando e como ela surgiu e de que modo seus integrantes revolucionaram e criaram novos gêneros para o rock'n'roll – o heavy metal e o hard rock. As histórias reunidas por Bream retornam ao começo, quando o grupo ainda se chamava New Yardbirds, passa pela explosão lisérgica dos primeiros tempos do Led Zeppelin e pelo auge da banda até chegar aos dias atuais, com a eterna ida e vinda dos zeppelins aos palcos.








 

Se o livro de Bream é tão abrangente quanto saboroso, em outro registro Mick Wall faz um percurso paralelo, mas bastante diferente do relato do norte-americano. Com "Led Zeppelin - Quando os gigantes caminhavam sobre a Terra", o jornalista inglês constrói um relato impressionante sobre a trajetória conjunta de muitos sucessos e outros tantos dramas vividos por Jimmy Page (guitarra), Robert Plant (vocais, harmônica, gaita), John Bonham (bateria) e John Paul Jones (baixo, bandolim, teclados).

Quando foi publicado na Inglaterra e nos Estados Unidos em 2008 – mesmo ano em que Jon Bream publicou “Whole lotta Led Zeppelin" – o livro de Mick Wall foi saudado na imprensa como uma das raras exceções entre biografias de bandas e estrelas de rock. Discípulo do jornalismo literário de Gay Talese e Tom Wolfe, Wall desenvolveu durante décadas sua extensa pesquisa e brinda o leitor com um texto apurado, analítico e também saboroso, que também persegue a trajetória da banda que se tornou uma lenda e mudou os rumos do rock'n'roll na década de 1970.



Wall percorre a história do Led Zeppelin a partir de uma situação de privilégio: sua convivência com os integrantes do grupo. O resultado de anos de pesquisa é um livro que vê a banda por dentro ao reunir, à análise da trajetória e do contexto internacional do rock, as inúmeras entrevistas individuais e coletivas que ele realizou com todos os músicos da banda. O diferencial, em relação às outras biografias do Led Zeppelin, e ao livro de Jon Bream em particular, é a condição de testemunha ocular que Wall foi adquirindo sobre a trajetória da banda que ele pôde acompanhar durante mais de três décadas.

"Você é Jimmy Page", propõe Mick Wall ao leitor, no primeiro capítulo. "Estamos no verão e você é um dos mais conhecidos guitarristas de Londres no meio musical – e um dos menos famosos junto ao grande público. Mesmo os dois últimos anos com os Yardbirds não lhe trouxeram o reconhecimento que você sabe que merece. Parecia um presságio quando você viu que estava para aparecer no filme de Michelangelo Antonioni, 'Blow Up'. Tudo que você precisava era fazer de conta que estava tocando em um clube, descarregar a energia e destruir a guitarra no palco. E teve de fazer isso seis vezes antes de o velho italiano ficar feliz". Foi o começo de tudo.









Na trilha do Led Zeppelin: no alto,
Jimmy Page, futuro guitarrista,
fotografado aos 17 anos, em 1961,
quando fez sua primeira gravação em
estúdio. Naquele ano, Jimmy Page
participou em Londres de um concurso
para descoberta de talentos na TV,
não venceu, mas foi convidado por
Neil Christian, do The Crusaders, para
se juntar à banda. Cinco anos depois,
tocando com os Yardbirds, Jimmy
passaria a ser considerado entre os
maiores guitarristas de todos os
tempos. Acima, John Bonham,
Robert Plant, John Paul Jones
e Jimmy Page fotografados no
intervalo da turnê do Led Zeppelin
em Los Angeles, Califórnia, em
1968, hospedados no lendário
Chateau Marmont. Abaixo,
Robert Plant fotografado no palco
com o Led Zeppelin, em 1973, por
James Fortune, durante o lendário
show realizado no San Francisco
Kezar Stadium, Califórnia






O quinto elemento



Wall acompanhou as decisões que mudaram a história da banda e relata cada hesitação e cada passo decisivo. Decidido a criar um grupo que conciliasse popularidade, performances vigorosas e experimentalismo, o guitarrista Jimmy Page testou diversos instrumentistas antes da formação definitiva da banda com Robert Plant, John Bonham e John Paul Jones. Há também a eminência parda chamada Peter Grant – como destaca o biógrafo sobre o empresário do grupo, que era chamado de "o quinto elemento" pelos integrantes da banda.

A convivência de décadas de Wall com os músicos é determinante para a veracidade e a credibilidade de seu relato historiográfico – que vai fundo nas ideias e experimentações musicais, nas fronteiras entre o blues, o rock e o folk, expondo excessos, fraquezas e dramas obscuros até para o fã mais exaltado. Depois da experiência explosiva com o “Blow-Up” de Antonioni, a banda surgiria no ano seguinte, 1968, como resultado do aprendizado de Jimmy Page com os Yardbirds, grupo pioneiro do rock inglês na mesma época de Beatles e Rolling Stones. 

 





Da primeira formação dos Yardbirds também sairiam dois outros "deuses" da guitarra, além de Page: Jeff Beck e Eric Clapton. Depois das filmagens com Antonioni em "Blow Up" (tido por unanimidade como capítulo memorável do cinema, baseado em conto do argentino Julio Cortázar em que um fotógrafo de moda tenta entender em tempo real um mistério criminal envolvendo fotos que tirou em um parque de Londres – e a partir daí segue numa jornada de 24 horas que tem um dos momentos marcantes no show "underground" dos Yardbirds), Page formaria o New Yardbirds e depois partiria para a empreitada de algo novo – e chegou ao Led Zeppelin.

O nome da banda, que em português significa "Zeppelin de chumbo", teria sido sugerido por Keith Moon, baterista do The Who – aponta Wall, enquanto aborda sem cerimônia e com conhecimento de causa cada obra e cada show do Led Zeppelin das origens ao primeiro disco, lançado em 1969, passando pela extensa lista de supostos plágios praticados pela banda. A soturna "Dazed and confused", por exemplo – na qual Jimmy Page produz ruídos fantasmagóricos na guitarra com arco de violino – teria sido usurpada do cantor e compositor Jake Holmes. Já "Communication breakdown" foi reescrita, segundo Wall, a partir de "Nervous Breakdown", de Eddie Cochran.





Na trilha do Led Zeppelin: acima e
abaixo, Led Zeppelin live at Madison
Square Garden, Nova York, em 1973










Mas o relato de Mick Wall é, antes de tudo, amoroso – tanto que ele faz questão de destacar que os plágios, mesmo comprovados, não impediram o Led Zeppelin de vender milhões nem de criar sua identidade musical e influenciar gerações posteriores, inclusive pelas loucuras que cometia. As histórias bizarras pontuam cada capítulo – como no caso da velha senhora inglesa contratada no auge do sucesso da banda, em 1973, sob a tutela de Peter Grant, cuja única função era fornecer cocaína à vontade para os músicos.



Uma groupie e um peixe vivo



Se a popularidade nos palcos e na vendagem de discos era impressionante, a fama propagada pelos excessos e pelos escândalos era ainda maior. Eles viajavam num jato particular, alugavam pisos inteiros dos hotéis mais caros e tornaram-se objeto de algumas das histórias mais estranhas do universo do rock. Entretanto, no quesito autodestruição nenhum dos integrantes da banda superava o baterista Bonham – que morreu em 1980, após consumir, entre outras, uma infinidade de enroladinhos de presunto e exatas 40 doses de vodca com suco de laranja. 
 



Segundo Wall, a rotina de Bonham incluía rasgar as roupas dos assistentes em público, fazer quebradeiras aleatórias e sem motivo aparente e andar de moto em alta velocidade nos corredores de hotéis. O caso mais lembrado aconteceu no lendário Chateau Marmont, em Los Angeles, Califórnia. Bonham comprou uma moto e seguiu com ela pelo saguão do hotel, pelo restaurante, escadas e corredores, até chegar à sua suíte. Os hotéis, aliás, eram o cenário preferido dos escândalos: o livro descreve as orgias ritualísticas e enumera episódios incríveis – entre eles o pânico de todos quando alguém anunciou aos gritos que Bonham havia introduzido de repente, durante uma brincadeira erótica, um peixe vivo em uma groupie.

As preferências sadomasoquistas mais esdrúxulas de Page, bem como o interesse do guitarrista pelo ocultismo e o fascínio que tinha pelo polêmico mago Alester Crowley, também são descritos e analisados com atenção por Wall, que não dispensa os detalhes mais horripilantes e até improváveis. O relato dos percalços da banda narrado pelos depoimentos de seus integrantes também deixa à mostra que as várias tendências musicais do grupo foram fundidas apenas no seu quarto álbum, sem título, que é usualmente chamado de "Zoso", "Four Symbols" ou simplesmente "Led Zeppelin IV".




Aquele disco permanece como uma obra radical, destaca Wall, apontando questões de forma e conteúdo: o quarto álbum não tinha nome e o nome da banda também não aparecia na capa. O disco incluía temas que dariam origem ao chamado heavy metal, como "Black dog", o misticismo folk de "The battle of evermore" (cuja letra foi inspirada nos livros da saga "O Senhor Dos Anéis") e a inacreditável "Stairway to heaven", sucesso estrondoso e imediato em vários países, aclamada por muitos críticos e pesquisadores como o maior clássico do rock de todos os tempos.



Diversidade multifacetada



O álbum mais radical do Led Zeppelin contém ainda uma memorável regravação de "When the levee breaks", de Memphis Minnie. Depois disso, no auge do sucesso, em meados dos anos 1970, foi que a banda embarcou para uma turnê pelos EUA, batendo novos recordes de audiência. Tocaram cinco noites seguidas no Earl's Court e produziram uma série de concertos que foram filmados por uma grande equipe e editados apenas 28 anos depois, para lançamento em DVD. A maior parte destas gravações ao vivo permanece inédita. A essa altura, no pico da carreira, o Led Zeppelin já era considerado a maior banda de rock de todos os tempos. 
 



Em uma ou outra passagem mais polêmica, Wall ameniza: como Page e Plant eram fanáticos do blues, "Whole lotta love" e "You shook me" eram realmente muito parecidas com alguns clássicos de Willie Dixon. A banda foi depois acusada de ter usado as letras sem as creditarem a Dixon – e só 15 anos depois, devido a um processo movido pela Chess Records, foi feito finalmente um acordo e efetuado o pagamento devido dos milionários direitos autorais aos herdeiros do bluesman norte-americano.

A biografia também destaca que a banda gostava muito do rock'n'roll norte-americano e fazia questão de tocar em todos os concertos alguma música de Elvis Presley ou de Eddie Cochran. Mas o principal, aponta o biógrafo, é que em nenhum momento o grupo parava de radicalizar ou de experimentar novas possibilidades no estúdio e nas performances ao vivo. Além disso, registra Wall, foram os músicos do Led Zeppelin os primeiros a fazer concertos que podiam durar até 3 horas e às vezes até mais.


A morte de John Bonham, em 1980, precipitou o fim da banda. O Led Zeppelin, porém, voltaria a se reunir em três ocasiões: em 1985, para o show beneficente Live Aid, com Tony Thompson na bateria; no aniversário de 40 anos da gravadora Atlantic, em 1988, com Jason Bonham na bateria e, mais recentemente, em dezembro de 2007, em uma homenagem a Ahmet Ertegun, fundador do selo americano Atlantic Records, que apostou em 1968 no potencial daqueles quatro jovens britânicos que haviam acabado de formar o Led Zeppelin.

Mais minucioso que a diversidade multifacetada de muitas imagens, textos e depoimentos reunidos no livro de Jon Bream, Mick Wall e seu "Quando os gigantes caminhavam sobre a Terra" chega a apresentar um painel que traduz, à perfeição, a trajetória da banda e a atitude rock em geral. Para o jornalista, no caso do lendário Led Zeppelin, as drogas eram o combustível, o sexo uma forma de auto-expressão e a música, simplesmente, o mapa do tesouro.


por José Antônio Orlando.


Para comprar o livro Whole lotta Led Zeppelin,  clique aqui.

Para comprar Quando os gigantes caminhavam sobre a Terra,  clique aqui. 







Sobre os símbolos de magia e ocultismo 


O quarto e mais radical disco do Led Zeppelin, lançado em 1971, não tem título, mas traz na contracapa uma sequência de símbolos manuscritos sobre os quais ainda pairam muitas dúvidas. Os biógrafos não fecham questão sobre os significados, mas concordam que cada um dos símbolos tem origem nas ciências da magia e representa um integrante da banda. Confira as versões mais conhecidas de cada símbolo.

1. Símbolo que tem semelhança alfabética e pode ser lido como “Zoso” – representa Jimmy Page a partir de um ícone reproduzido na edição de 1850 para um livro francês anônimo de 1521, “Dragon Rouge e Noire Poulet” (O dragão vermelho e a galinha preta). Uma variação do ícone também aparece no catálogo de símbolos mágicos publicado pelo matemático italiano Geronimo Cardan, em 1557, “De Rerum Varietate – Ars Magica Arteficii” (Das variedades da arte da magia), e foi apropriado pela moderna astrologia como representação de Saturno. No Zodíaco, Page é de capricórnio, signo regido por Saturno.





2. Três formas ovais que se interceptam e são circundadas no enlace por um círculo – representa John Paul Jones e foi copiado de “O Livro dos Sinais”, catálogo do alemão Rudolf Kock sobre a sabedoria oculta das Runas, publicado em 1930. Segundo Koch, o símbolo identifica a confiança e a competência.




3. Três formas circulares entrelaçadas representa John Bonham e também foi copiado do livro de Rudolf Koch. No livro, indica a tríade que une mãe, pai e filho. Uma das leituras possíveis para a semelhança entre os símbolos de John Paul Jones e de John Bonham vem do jazz, uma das fortes influências da banda. No jazz, o baixista e o baterista sempre formam partes interligadas de uma mesma seção rítmica.





4. A pena dentro de um círculo – representa Robert Plant e está presente no livro publicado em 1933 pelo inglês James Churchward, “Os Símbolos Sagrados de Mu”. Churchward copiou o símbolo de uma das câmaras das pirâmides do Egito que homenageia a deusa Ma'at, entidade que personifica a verdade, a justiça e a lealdade, desde que a pena esteja envolta por um círculo impenetrável...






14 comentários:

  1. Maravilhosa publicação, essa foi para os meus favoritos! Conheço os livros, mês passado estava folheando o “Whole lotta Led Zeppelin” numa livraria. Ler esse post me deu mais vontade de adquiri-los. Parabéns! Como sempre ótimas informações aqui no blog.Abraço!

    ResponderExcluir
  2. Emmanuel de Alencar3 de abril de 2012 12:11

    Poucas vezes vi uma reportagem tão inteligente e coerente sobre o mundo do rock. Recebi o link de seu blog do Leonardo Spark, nosso amigo em comum, e com sua página sobre o Led ganhei o dia. Só posso dizer muito obrigado, meu querido. Sua explicação sofisticada sobre os símbolos é de arrepiar. Seu blog é de arrepiar. Virei seu fã de carteirinha e repito pra você aquele verso do encarte do Led IV: Quem de manhã compreendeu os ensinamentos da sabedoria, à noite pode morrer contente. Abraço forte!

    ResponderExcluir
  3. Esta é, em primeiro lugar, uma mensagem de agradecimento. Seu blog me deixou encantado e esta página sobre o Led Zeppelin então é para visitar todos os dias. Não sabia dos símbolos mágicos. E olha que achei que eu fazia parte da tribo dos ledmaníacos, como você diz. Fiquei pensando nestes símbolos e na beleza e inteligência das páginas que encontrei aqui. Acho que magia não é ficção e nem pressentimento: é uma habilidade.
    Parabéns pelo blog e muito obrigado por compartilhar tanta sabedoria.
    Paulo Chovin

    ResponderExcluir
  4. Na qualidade de possuidora de uma tatuagem do Ícaro "estilo Swan Song Records" nas costas; de possuidora dos álbuns, ainda em vinil, "Led Zeppelin", "Led Zeppelin II", "Led Zeppelin III", "Led Zeppelin IV", "Houses of the Holy", "Physical Graffiti", "Presence", "In Through the Out Door" e "Coda"; e de uma aspirante à cantora que busca nos vocais "hard rock" de Roberto Plant uma fonte de inspiração para incrementar cantigas de roda e outras doçuras, considero-me uma fã de Led Zepplin.

    E é na qualidade de fã de Led Zeppelin que o parabenizo pelo belo post, muito obrigada, José Orlando!

    Aproveito para compartilhar com você e os leitores de seu blog um vídeo cuja trilha sonora constitui-se da faixa de nome “Não pode parar”, do Álbum “Continental Dancing”, recém-lançado pelo baixista Ezequiel Lima, que traz imagens feitas no show ocorrido no Conexão Vivo de 2011 desse decano do baixo de Belo Horizonte - eu participei tanto do show quanto da gravação do CD como uma das backing vocals!!!

    A partir da listagem dos músicos participantes da empreitada, dá para perceber que o alto nível técnico deu a tônica desse trabalho – talvez, a menos credenciada a figurar nessa lista seja eu, que não sou pouca coisa!

    O link para o vídeo é o http://www.youtube.com/watch?v=p0_qwefXMm4

    Abraço, Carol Carolina Brauer.

    ResponderExcluir
  5. Muito louca esta história do Led e contada por você ela ganhou um sabor especial. Fiquei impaciente para ler os livros. E esses símbolos mágicos, que eu não conhecia? Esta página e as outras valem por uma aula. Ou melhor: valem por um curso inteiro. Seu blog é um show. Parabéns, mestre!

    ResponderExcluir
  6. Bacana demais. Seu blog é dos melhores que já encontrei. Se não fosse por todas as outras, só esta página com o Led Zeppelin já valeria a marcação de favoritos. Muito grato por esta beleza. Abração!

    Ricardo Couto

    ResponderExcluir
  7. Texto lindo e completo, Zé. Refinado, como sempre. Abraço!

    ResponderExcluir
  8. Marlene Saviotti24 de maio de 2012 15:17

    Estou impressionada. Sempre disse que esta era minha banda favorita e quando cheguei aqui no seu blog descobri que eu não sabia NADA sobre o Led Zeppelin. Parabéns pelo blog e muito grata por esta aula maravilhosa sobre o rock e a cultura de nossa época, professor. Acabo de virar fã de carteirinha desse Semióticas. Milhões de beijos!

    ResponderExcluir
  9. João Pedro Magalhães3 de junho de 2012 09:48

    Professor, que absurdo de página mais incrível essa. Aliás, todo o seu blog é incrível, cada página mais fantástica que a outra. Mas essa aqui, junto com aquela sobre Woodstock, aquela sobre os Beatles e a outra sobre o Elvis são as minhas preferidas, são as que estou sempre visitando no seu blog. Mas não são as únicas. Todas são impressionantes, até as que falam de assuntos que não conheço impressionantes de tão bonitas e bem escritas.
    Posso fazer um pedido? Quero ver no seu blog uma página sobre Jim Morrison e The Doors, poesia e shamanismo e rock and roll. Sei que o assunto vai render uma página maravilhosa, ainda mais com seu talento. E posso até sugerir uma entrevista: tem um cara na UFMG que defendeu uma tese de doutorado sobre o Morrison, você conhece? Acho que as bandas de hoje em dia são uma vergonha se comparadas com essas dos anos 1960 e 1970, por isso acho importante resgatar o assunto, para que os caras mais jovens tenham um ponto de comparação e não fiquem pensando que qualquer bandinha que aparece na MTV é a melhor do mundo.
    Já escrevi isso aqui antes, mas sempre é bom repetir: seu blog Semióticas é um SHOW!!! É um dos melhores que conheço. Parabéns e muito obrigado por compartilhar tudo isso!!!

    João Pedro Magalhães

    ResponderExcluir
  10. Muito grato pelos elogios, meu caro João Pedro. E sua sugestão está anotada. Conheço sim a tese defendida na UFMG sobre Morrison e também o autor, que se chama Marcel. É uma página que está no rascunho há algum tempo. E também concordo com sua avaliação sobre as bandinhas contemporâneas.
    Abraço pra você e seja sempre bem-vindo!

    ResponderExcluir
  11. Juro que fiquei encantada porque nunca tinha encontrado em lugar nenhum a história completa do Led Zeppelin contada desse jeito, bem fundamentada e com a seriedade de uma monografia universitária, mas escrita de uma forma tão saborosa como um encarte de disco. Seu blog é para marcar urgentemente como favorito, José Antônio Orlando. Tudo aqui é um show. Parabéns!!!

    Nelly de Aquino

    ResponderExcluir
  12. Estou impressionado. Não sou de comentar em blogs, mas li agora este seu texto e preciso registrar uma opinião. Você foi longe demais, até onde eu nunca tinha visto em nenhum texto sobre o Led. E essa aula sobre os símbolos de magia e ocultismo? Que beleza... Seu blog agora lidera minha lista de favoritos. Bom DEMAIS!

    ResponderExcluir
  13. Show de rock! É a melhor matéria que já encontrei sobre o Led. Ganhou mais um fã, Semióticas. Parabéns, parabéns!!!

    ResponderExcluir
  14. Carolina de Magalhães5 de dezembro de 2014 10:28

    Sensacional! Maravilhosa abordagem sobre o espírito do rock e sobre a melhor de todas as bandas. Amei tudo por aqui. Quero morar neste blog Semióticas. Amei, amei, amei!!!

    Carolina de Magalhães

    ResponderExcluir

( comentários anônimos não serão publicados )

Todas as páginas de Semioticas têm conteúdo protegido.

REPRODUÇÃO EXPRESSAMENTE PROIBIDA.

Contato: semioticas@hotmail.com

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Páginas recentes