terça-feira, 8 de novembro de 2011

Momo do Brasil









O Carnaval do Brasil encontrou na arte da fotógrafa Catherine Krulik registros que alcançam uma síntese da variedade e da beleza que a maior das festas nacionais representam. A aproximação da fotógrafa com o Carnaval das ruas do Brasil surgiu de uma série de coincidências. Ela é o que se pode chamar de cidadã do mundo. Nasceu em Paris, na década de 1960, foi estudar em Madri na década seguinte e depois seguiu para a Inglaterra, para se dedicar à fotografia. Nos anos 1980, em Londres, conviveu com gente do mundo inteiro e conquistou grandes amigos na comunidade local de brasileiros.

Do Brasil, naquela época, Catherine confessa que conhecia apenas Carmen Miranda. Com os brasileiros, aprendeu a falar português e começou a se interessar pelas histórias que ouvia sobre o Carnaval. Em 1992, veio de mudança para o Brasil. Objetivo: trabalhar como fotógrafa. Desde então, Catherine vem publicando fotografias em jornais e revistas brasileiras e do exterior, além de participar de importantes festivais de fotografia e de diversas exposições individuais e coletivas na Inglaterra, na França e no Brasil. 











Conheci Catherine Krulik na década de 1990, em Ouro Preto. Eu fazia cobertura do Carnaval para um jornal de Belo Horizonte e ela para um jornal de São Paulo. Agora, duas décadas depois, recebo o belíssimo livro com uma seleção de fotografias de Catherine Krulik, que depois da temporada em Ouro Preto continuou por anos e anos na estrada, registrando a variedade da festa em outras cidades e estados do país inteiro. Trata-se de uma amostra sofisticada do trabalho da fotojornalista na verdade, mais que um livro, é um álbum de fotografias em edição de luxo, endereçado a fãs da fotografia e do Carnaval no Brasil e no exterior.

"Carnavais do Brasil", lançamento da Grão Editora, além da seleção de fotos dos reinados de Momo de Norte a Sul do Brasil, traz breves e precisos textos em português, francês e inglês. "Comecei a fotografar o Carnaval brasileiro naquele ano de 1995, quando fui para a cidade de Ouro Preto", explica Catherine na entrevista por telefone, de Fortaleza, no Ceará, onde mora atualmente.

"Você sabe que aquela viagem a uma das cidades mais antigas de Minas Gerais e do Brasil também foi meu primeiro Carnaval ao vivo e a primeira impressão que tive foi algo fulminante", recorda Catherine, lembrando a surpresa que foi descobrir a energia e a criatividade dos foliões brasileiros e também a beleza dos cenários barrocos das mais antigas cidades de Minas Gerais. "Fiquei imediatamente fascinada, porque tudo o que encontrei, naquela bela cidade que é Ouro Preto, era autêntico, espontâneo, tanto a cidade quanto a música e as pessoas, tudo tinha aquela ironia tão típica dos brasileiros, tudo com muito bom humor, da gente mais simples nas ruas à folia dos estudantes e dos turistas."











Inventário brasileiro



Catherine Krulik destaca que foi lá, nas ladeiras de Ouro Preto, cumprindo pautas de trabalho como repórter fotográfica para o jornal "Folha de S. Paulo", que surgiu a ideia de um projeto mais amplo: fazer um inventário de imagens de Norte a Sul sobre os mais diversos tipos da mais brasileira das festas populares. Quando ela soube que o Carnaval tinha características muito diferentes em cada região do Brasil, o projeto tomou outra dimensão.

"Na verdade, o primeiro Carnaval que passei no Brasil foi em 1992, mas aquela experiência em Ouro Preto foi diferente porque foi real, sem filtros, ao vivo", explica Catherine, pelo telefone. "Em 1992 eu estava no Rio de Janeiro, que tem aquela energia carnavalesca que todo mundo conhece. Mas naquele meu primeiro ano no Brasil, por uma série de motivos, só pude acompanhar o Carnaval pela televisão, que não é nunca a mesma coisa de estar ao vivo, no meio do povo". 








"Carnavais do Brasil", o livro de Catherine Krulik, reúne um total de 152 imagens belas e impressionantes, de uma diversidade de tirar o fôlego. Ela explica que a edição final foi um trabalho árduo, selecionando apenas uma pequena amostra de um arquivo de milhares de fotos produzidas sempre no Carnaval, de Norte a Sul do Brasil, desde aquela primeira experiência nos cenários barrocos de Ouro Preto.

"Eu fui para Olinda e Recife a trabalho, para cobrir a festa, em 1997. Foi lá que meu projeto tomou fôlego e tiveram início os primeiros passos para que eu pudesse colocar em prática a ideia ambiciosa de produzir um livro exclusivamente sobre o Carnaval brasileiro e também uma grande exposição com as fotografias. Foi lá em Olinda e Recife que tudo isso começou finalmente a deixar de ser apenas um projeto vagamente pensado e foi ganhando forma", lembra Catherine.

Ela também faz questão de destacar, entre tantas belas imagens, que a diversidade é o que mais a impressiona no Carnaval brasileiro e em toda a cultura popular que encontrou e encontra no Brasil. "As únicas coisas que a festa do Carnaval tem em comum, em cada canto do Brasil, é essa reunião de alegria, de cores, de música. É sempre um espetáculo lindo, sempre diferente, que impressiona e faz cair o queixo", completa. 




































Foliões inusitados



A capital pernambucana, tida como um dos cenários mais importantes das folias de Momo em território nacional, foi o cenário escolhido por Catherine Krulik para lançar seu "Carnavais do Brasil". Recife e Olinda, com suas tradições carnavalescas, surgem em destaque no livro, assim como os outros palcos principais da festa – do Rio de Janeiro a Salvador, de São Paulo a São Luís do Maranhão, entre outros roteiros, passando por escolas de samba, blocos, desfiles tradicionais e bailes com personagens anônimos e coloridos.

No livro, belíssimas imagens que nunca se repetem retratam os cenários e os foliões inusitados, misturados nas multidões das metrópoles, ou isolados, em personagens anônimas de pequenos lugarejos sumidos no mapa. "Nunca consegui saber qual a porcentagem da população de 190 milhões de pessoas que participa ativamente do Carnaval brasileiro", ela diz. "Mas basta ir às ruas nesse período para constatar que as festas contagiam quase a totalidade do povo do Brasil".













Durante a entrevista pelo telefone, Catherine Krulik enumera as fotos do livro que têm, para ela, maior valor afetivo. "O impacto maior que tive foi em Ouro Preto, em 1995. O que no fundo é uma falha do meu livro, porque acabei não incluindo imagens de Minas, nem de Ouro Preto nem de Diamantina, que ficaram lindas e estão no começo de tudo. Esqueci delas, por engano. Agora a publicação daquelas fotografias de Minas ficou adiada para um próximo projeto", reconhece.

"Mas não posso desprezar também a emoção que tive no Sambódromo, quando estive lá pela primeira vez, em 1997. Também foi uma experiência muito forte, bastante diferente da impressão que a gente tem quando assiste aos desfiles transmitidos pela televisão. Tanto que a partir dali não parei mais", recorda. Em 1998, Catherine retornou ao Rio de Janeiro em fevereiro para registrar os desfiles das escolas do grupo especial, já com o aprendizado depois da surpresa da primeira experiência. Muitas das fotografias daquela cobertura estão reunidas no livro e nas imagens que ilustram esta página. 











Muito além do Rio de Janeiro



Depois da experiência no Sambódromo, Catherine Krulik seguiu adiante com o projeto acalentado e, durante 12 anos, teve dedicação especial para registrar os mais variados e inusitados festejos de Momo no Brasil. Percorreu uma trajetória de viagens pelas mais diversas regiões do Brasil e só concluiu o projeto em 2010, fotografando os desfiles da folia paulistana. "O que se vende do Carnaval do Brasil para o exterior e aqui, pela TV, é principalmente o espetáculo das escolas de samba do Rio e, mais recentemente, de São Paulo. Mas o Carnaval dos brasileiros vai muito, muito além dos desfiles das escolas de samba do Rio de Janeiro”, destaca.

Nada é igual no Brasil de um estado para o outro, de uma cidade para outra", defende a fotógrafa, lembrando que assim como são diferentes entre si os carnavais de Veneza, de Nice e de Nova Orleans, entre outros, no Brasil o Carnaval tem variações quase infinitas. "Já assisti cenas também muito lindas em carnavais e festas populares em outros países. Mas o Carnaval do Brasil não tem comparação. Muitas vezes são coisas maravilhosas e radicalmente diferentes na mesma cidade ou até no mesmo bairro. Aprendo muito sobre o Carnaval e sobre os brasileiros neste período", destaca Catherine.











"Nada se repete nos carnavais do Brasil. Tudo, nos mínimos detalhes, se reveste de características próprias, de surpresas, segundo o lugar em que ocorre. Nas cidades menores é a festa quase ingênua dos batuques e dos blocos na rua. É tudo muito lindo, como tentei demonstrar nesta seleção de 152 imagens que foram transportadas para o livro", completa. A promessa de traduzir a festa em imagens belíssimas o livro de Catherine Krulik cumpre à risca, com os acréscimos de um ou outro enigma colorido na variedade que surpreende e encanta.


por José Antônio Orlando.



Para comprar o livro de Catherine Krulik, Carnavais do Brasil,  clique aqui.






7 comentários:

  1. Meu querido José. Parabéns pelo blog, pelos textos incríveis, pelas entrevistas inteligentes e essas imagens sempre espetaculares. Vou colocar uma trilha sonora de marchinhas de outros tempos para ficar viajando nestas imagens do Momo do Brasil. Brincadeira. Tudo de bom para você. Que Deus conserve e aumente tanto talento e generosidade. Um beijo!

    ResponderExcluir
  2. Postei no meu mural no facebook outro dia o link para o seu blog com muito prazer em estar difundindo esse seu trabalho.Adorei esse texto pois eu tenho uma relação de amor imenso com o carnaval desde criança.O carnaval sempre foi um incentivoe umagrande influencia para que eu me enveredasse no universo da criação.Como sempre texto e historias geniais e fotos maravilhosas.
    congratulations!

    ResponderExcluir
  3. Parabéns Zé Orlando, que linda coletânea de fotos ! Não conhecia a fotógrafa . O seu texto como sempre limpo e delicioso de ser lido. É sempre um prazer ser apresentada a novas personagens por vc !
    Obrigada,
    Kika Martins Ribeiro

    ResponderExcluir
  4. Zé Orlando, seu blog é uma festa! Assuntos variados e muitíssimo interessantes, escritos com inteligência, bom humor, leveza e elegância são sua marca. Voltarei sempre, você está de parabéns!
    Celina Beatriz Villanova

    ResponderExcluir
  5. Sempre que visito seu blog tenho a certeza de que vou encontrar imagens belíssimas e textos impecáveis. A certeza se confirmou com esta maravilhosa página sobre o carnaval e o trabalho da fotógrafa Catherine Krulik. Entrevista inteligente e show de edição, como sempre. Seu blog Semióticas é um luxo, José. Votei agora na sua indicação para o prêmio Peixe Grande e votei com muito gosto. Você merece. Abração, meu caro!

    ResponderExcluir
  6. Seu ensaio foi brilhante ao traduzir o que representa o carnaval para o Brasil. Parabéns. Este blog Semióticas é realmewnte fantástico.

    Andréa Vaz Cortez

    ResponderExcluir
  7. Lindeza de matéria. Imagens sensacionais e show de entrevista. Parabéns, autor de Semióticas. Este blog é um espetáculo!!!

    ResponderExcluir

( comentários anônimos não serão publicados )

Todas as páginas de Semioticas têm conteúdo protegido.

REPRODUÇÃO EXPRESSAMENTE PROIBIDA.

Contato: semioticas@hotmail.com

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Páginas recentes