sábado, 24 de setembro de 2011

Mahler em Veneza






Morto aos 51 anos, em 1911, o compositor e regente de orquestra austríaco Gustav Mahler é sempre lembrado por quem gosta de cinema por conta de uma sequência quase abstrata na abertura e no encerramento de “Morte em Veneza” (1971), do cineasta italiano Luchino Visconti, por sua vez uma adaptação do romance homônimo do alemão Thomas Mann (1875-1955). Difícil esquecer os acordes de cortar o coração do Adagietto da Quinta Sinfonia de Mahler, movimento lento e calmo, melancólico, nostálgico. Para além do filme de Visconti, o compositor se mantém como um dos grandes nomes do panteão da música erudita e teve seu prestígio em trajetória crescente no decorrer do século.

Consagradas no repertório de referência de grandes orquestras e instrumentistas por seu intenso lirismo, as 10 sinfonias do compositor, com surpreendentes efeitos de harmonia e andamento, são executadas e usadas por muitos com intenções diversas, de clássicos do cinema a anúncios publicitários de automóveis na TV. Para os amantes da música de Mahler, que seu conviva e amigo pessoal Sigmund Freud definiu como uma das manifestações mais importantes e autênticas da complexidade do humano, uma boa notícia: a edição nacional de “Gustav Mahler – Um Coração Angustiado” (Autêntica Editora), em capa dura e ilustrado.




Gustav Mahler  fotografado em 1888.
No alto, foto de Mario Tursi nas filmagens
de Morte em Veneza (1971), uma das
obras-primas de Luchino Visconti.
Abaixo, Mahler nos arredores de Viena,
ao lado da esposa, Alma Mahler


Um subtítulo destacado na capa do livro, entretanto, pode levar a um pequeno engano. “Uma biografia em quatro movimentos”, anuncia a edição nacional, traduzida por Cristina Antunes do original “Gustav Mahler o El Corazón Abrumado”. Não se trata de uma biografia, e sim de uma pesquisa sobre a obra do compositor e a história de sua época. Escrito por um argentino, o poeta, ensaísta, crítico musical e psicanalista Arnoldo Liberman, que atualmente reside na Espanha, o livro reúne quatro estudos – os quatro movimentos do subtítulo – o primeiro deles publicado em 1983.



Biografia pouco convencional



Não ser exatamente uma biografia no sentido convencional do termo, é menos um problema que uma qualidade. O próprio Liberman que define Mahler como “um homem corajoso e frágil, pleno de perplexidades, de ambivalências inevitáveis, de encontros sempre adiados, de um sim é não que procurava o absoluto no tempo religiosamente fugaz de um acorde" declara não ter intenção de rivalizar com a obra (inédita no Brasil) de Henry-Louis de La Grange tida como biografia monumental, “Gustav Mahler”, apontada por Liberman como estudo definitivo sobre o compositor.





Admirador que se confessa apaixonado pelas melodias do compositor tomado como protagonista do relato, Liberman, nos quatro estudos seguidos por um posfácio tão breve quanto esclarecedor, lança as coordenadas sobre os percalços históricos que coincidem com a trajetória das composições de Mahler. Em busca da história por um caminho não exatamente preocupado com a ordem cronológica ou a enumeração de dados biográficos, Liberman vai sutil e sistematicamente levando o leitor, seja ele conhecedor ou não de música clássica ou da obra de Mahler, a aprofundar-se no entendimento de uma personalidade fascinante.

Não pretendi esgotar o tema Mahler. Sinto até certo pudor em esclarecê-lo. Mahler é – como os fantasmas queridos que povoam nosso mundo interior – um prolongado discurso. Momentos desse discurso penetram nestas páginas”, confessa o autor, que constrói um mosaico instigante sobre o homem, o músico, seu modo de ver o mundo, seus constantes questionamentos e dúvidas, suas paixões e explosões de humor, seu processo criativo, suas sinfonias, sua vida familiar, as posições políticas e seu percurso até chegar a diretor da Ópera de Viena, cidade onde viveu boa parte de sua vida – “e lugar onde parece ter nascido todo o século XX”, aponta Liberman. 





Nomeado “Kappellmeister” da Ópera da Corte de Viena aos 37 anos, foi quando teve início a parte mais prestigiosa e mais importante da carreira de Mahler. Durante 10 anos, o compositor e regente de orquestra permaneceu em Viena e passou a ser considerado um grande perfeccionista. Os conflitos, tanto com seus chefes como com seus subalternos, surgiam da busca frenética pelos acordes perfeitos e harmoniosos. E durante os ensaios, mesmo quando os músicos tinham desempenhos brilhantes, ele exigia mais, o que muitas vezes gerava tensão entre os integrantes da orquestra. 



Tradição é desordem



Liberman destaca que Mahler costumava dizer: “Tradição é desordem… No plano humano faço todas as concessões; no plano artístico, nenhuma. Não posso suportar os que se desleixam, só os que exageram me interessam”. Tanto perfeccionismo fez que com com que o maestro ganhasse alguns admiradores, mas também muitos inimigos.

Um capítulo da maior importância na sua trajetória aconteceria em 1901, quando Mahler conheceu a filha do pintor Emil Schindler, Alma Schindler, que era cerca de 20 anos mais nova que ele. Casaram-se em 1902 e tiveram duas filhas, Anna (1904-1988), que depois se tornou escultora, e Maria Anna (1902-1907), que morreu em 1907. Neste mesmo ano, a confirmação de uma doença cardíaca fez com que Mahler perdesse o emprego na Ópera. 




Alma Schindler Mahler e as duas filhas
do casal, Maria Anna e Anna. Abaixo,
Dirk Bogarde em Morte em Veneza” 
e o casal Mahler e Alma fotografado
em Roma, Itália, em 1907


No livro, Liberman relata as controvérsias e aponta que a demissão de Mahler foi em parte provocada pela reação da imprensa anti-semita e por seus muitos inimigos, os declarados e os não declarados, que nunca respeitaram sua música. Muitas das obras que escreveu não chegaram sequer a ser executadas em público enquanto ele esteve vivo. Depois da demissão, Mahler aceitou um convite para dirigir em Nova York a Metropolitan Opera. A estreia nos Estados Unidos aconteceu em 1908, com a regência de “Tristão e Isolda”. Mas apesar da boa recepção que teve em Nova York, em pouco tempo terminou sendo trocado por Arturo Toscanini. 

Há controvérsias também sobre esta segunda demissão, mas Liberman concorda que por certo o perfeccionismo de Mahler tenha sido o maior impedimento para sua carreira de sucesso na América. Se como maestro Mahler angariava inimigos, sua obra como compositor demorou mais ainda a ser plenamente aceita e reconhecida. “Os estudiosos da música ainda hoje são unânimes em reconhecer que sua obra é de difícil execução e uma das mais complicadas dentro do repertório erudito”, destaca Liberman. 





Há ainda o depoimento de Carlo Maria Giulini (1914-2005), um dos grandes nomes da regência do século 20. "Não se pode tocar Mahler como se toca Brahms. É uma questão, em primeiro lugar, de saber colocar notas e dedos no devido lugar e, depois, de tentar entender a concepção. Mahler exige um som especial, além de percepção especial do temperamento e da estrutura. A orquestra deve entender isso para que, na hora da apresentação, a música faça parte do corpo. Mahler exige atenção especial". 



"Meu tempo há de chegar"



Herdeiro da tradição dos músicos alemães – de Johann Sebastian Bach e da “Escola de Viena” de Haydn, Mozart, Beethoven e Schubert, além de Schumann, Mendelssohn e, especialmente, Richard Wagner – Mahler costumava confidenciar a sua esposa e aos amigos mais próximos: “Meu tempo há de chegar”.  

E de fato, seu tempo chegou, ressalta Liberman, lembrando que depois da Segunda Guerra, pelas mãos de uma geração de regentes e admiradores que o conheceram, como o norte-americano Leonard Bernstein, em pouco tempo ciclos completos das sinfonias de Mahler foram gravados e suas obras incorporadas pelas mais importantes orquestras.




Questões filosóficas, psicológicas, comportamentais, sociais e políticas do nascimento do século XX sinalizam a trajetória de vida do compositor, nas palavras de Liberman “um homenzinho de pequena estatura e vasta cabeleira negra, castigado pelo destino e duramente perseguido pelos críticos da época, em especial pelo fato de ser judeu”. Não é a toa, destaca o relato de Liberman, que Mahler chegou a declarar e indagar um dia:

Fui três vezes exilado: boêmio para os austríacos, austríaco para os alemães e judeu para todo o mundo. Em todos os lugares, um intruso”. Sigmund Freud é presença constante no livro e na vida de Mahler, mas não a única personalidade marcante nas suas relações cotidianas. Lá estão, entre outras personalidades de destaque, grandes nomes do mundo da música (Brahms, Anton Bruckner, Arnold Schönberg, Alban Berg, Bruno Walter), das artes plásticas (Gustav Klimt, Kolo Moser, Carll Moll, Egon Schiele, Oskar Kokoschka), da filosofia e da linguística (Mach, Schlick, Carnap, Wittgenstein), da literatura (Franz Kafka, Richard Dehmel, Peter Altemberg, Rainer Maria Rilke, Karl Kraus...).





No alto e acima, Mahler em fotografias
de autor desconhecido, datadas de 1892.
Abaixo, o diretor Luchino Visconti com
Dirk Bogarde durante as filmagens de
Morte em Veneza e Dirk Bogarde com
Björn Andrésen na antológica cena final









Mahler no divã



Permeiam o relato apaixonado a citação de inúmeros trechos de cartas trocadas entre Gustav Mahler e seus amigos, seus mestres e, principalmente, Alma Mahler, sua mulher e grande amor. Além do livro de Liberman, a trajetória dramática de Mahler e sua obra, seus “lieder” com orquestra e suas sinfonias, também chegaram aos cinemas com a estreia de “Mahler auf der Couch” (Mahler no Divã), do diretor Percy Adlon, conhecido no Brasil pelo cult “Bagdá Café”.

O filme de Percy Adlon foi lançado na Alemanha no final de 2010 para homenagear os 150 anos de nascimento do compositor e foi elogiado por unanimidade entre público e crítica. Assim como um dos “movimentos” do livro de Liberman, o cineasta aborda especificamente o lendário encontro do músico com Sigmund Freud, em Leiden, Holanda, numa sexta-feira, dia 26 de agosto de 1910. 

O encontro com Freud é dramático: Mahler havia descoberto que Alma o traía com um jovem arquiteto alemão. Atormentado, o maestro recorre a uma consulta com o médico mais famoso de sua época, que naquele momento estabelecia as bases da psicanálise. A única sessão psicanalítica que os dois protagonizaram durou quatro horas e transcorreu enquanto eles caminhavam pelas ruas da cidade. Mais importante que isso: tanto Mahler quanto Freud foram extremamente econômicos nos relatos sobre aquele dia.


por José Antônio Orlando. 



Para comprar o livro Gustav Mahler Um coração angustiado, clique aqui.

 


























9 comentários:

  1. Edson Coimbra de Sá24 de setembro de 2011 11:58

    José Orlando: certamente é bom que o mundo conheça apenas a obra bela e não as suas origens nem as condições em que foi gerada; pois o conhecimento das fontes de onde provém a inspiração para o artista causaria frequentemente perturbação e espanto, neutralizando assim os efeitos da excelência. Mahler e sua obra romântica e melancólica, como você escreve com suas belas palavras, é prova disso. Parabéns pelo blog. Encontrei seu endereço agora, por acaso, procurando no google uma imagem de Morte Em Veneza, meu filme favorito. Adorei esta página e todas as outras. Boa sorte para você e muito obrigado pela generosidade e pela excelência. Enviei para o seu e-mail um texto sobre Morte Em Veneza que publiquei há algum tempo na revista Filme Cultura. Espero pelos seus comentário. De novo, parabéns. Seu blog vai longe...

    Edson Coimbra de Sá

    ResponderExcluir
  2. Adorei esta e todas as outras páginas, Zé.
    Seu blog é um show.
    Parabéns, na expectativa pelas próximas.
    Obrigado pela generosidade e sabedoria ao infinito. Beijos!

    ResponderExcluir
  3. Seu blog é excelente, José Orlando. E o texto sobre Mahler está especialmente interessante. Descobri o autor há uns dez anos, por causa do citado Adagietto da Quinta Sinfonia, que envolve a gente e não se esquece nunca.
    Enfim, o FB às vezes é útil.
    Um abraço.

    ResponderExcluir
  4. Só este desfecho com Freud já valeria por todo o blog. Mas você ainda vai além e apresenta um espetáculo a cada página - ou melhor, vários espetáculos e surpresas inteligentes a cada página. Poucas vezes encontrei um blog tão sofisticado e grandioso como o seu. Estou impressionada. Virei fã e leitora assídua. E olha que não costumo deixar mensagens nas páginas que visito e menos ainda elogio. No seu caso, foi irresistível. Parabéns.

    ResponderExcluir
  5. Sem duvida pelo texto, belo blog. Lógico vou procurar pelo livro, espero assim escutar melhor mahler.

    ResponderExcluir
  6. Preciso agradecer, porque foi depois de ler esta página fantástica do seu blog que encontrei a biografia escrita por Arnoldo Liberman. Sempre tive um encanto pelo filme “Morte em Veneza” e pela Quinta Sinfonia de Mahler, mas foi seu blog que me levou a procurar pelo livro de Liberman. É uma biografia incrível, a do Mahler, e esta página do seu blog dá bem o tom daquela vida lancinante que justifica a paixão pela música. Um bom texto é assim, a gente nunca esquece. Por isso escrevo aqui esta mensagem: para dizer que seu blog tem um valor muito especial, muito além de qualquer outro blog ou site que já encontrei. Aqui há alta literatura e poesia em doses generosas. Muito obrigado por compartilhar páginas tão bonitas, José. Nós, leitores, somos gratos eternamente.

    Thomas Bauer

    ResponderExcluir
  7. Muito bom. Fico impressionada em toda visita que faço a este seu blog Semióticas. Adoro. Parabéns, José!

    ResponderExcluir
  8. Marcos Paulo de Alcântara15 de outubro de 2014 10:38

    Virei seu fã a partir desta primeira visita.
    Sensacional, tudo, todas as matérias e imagens lindas que encontrei.
    Parabéns, Semióticas!

    Marcos Paulo de Alcântara

    ResponderExcluir
  9. Belíssimo texto, como sempre, e ainda com o acréscimo de imagens lindas em diálogo com suas palavras preciosas. Sou fã deste seu blog Semióticas. É um prazer conhecer novas histórias e saborear seu estilo muito particular, muito literário, de contá-las. Vida longa e você e a este blog maravilhoso.

    ResponderExcluir

( comentários anônimos não serão publicados )

Todas as páginas de Semioticas têm conteúdo protegido.

REPRODUÇÃO EXPRESSAMENTE PROIBIDA.

Contato: semioticas@hotmail.com

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Páginas recentes