segunda-feira, 11 de julho de 2011

Louis entre os cronópios





Há um conto de Cortázar, publicado em “Valise de Cronópio”, editado em 1993 pela Perspectiva, em que o narrador está em um concerto de Pops em Paris, em 1952. Tudo é normalidade e expectativas, mas quando o artista surge no palco, o fabuloso se instala, multiplicado em risos, pausas, canções, gestos mirabolantes.

A história de Pops é a história do blues e do jazz desde o começo do século 20. Nascido no primeiro ano do século, em Nova Orleans, ele é um daqueles artistas que superaram a infância miserável e uma condenação penal como menor infrator para ganhar o mundo como incontestável e incontestado porta-bandeira do gênero que ajudou a criar e do qual permanece como maior protagonista.

Pops, o apelido, veio dos amigos. Para os fãs, ele era Satchmo (em inglês, forma reduzida de “satchelmouth”, boca de saco), por conta de sua expressão facial nos solos prolongados de voz e trompete. Quatro décadas depois de sua morte, o trompetista, cantor, compositor, ator e chefe de orquestra Louis Armstrong (1901-1971) encontrou no jornalista Terry Teachout um biógrafo que não se opõe à mitologia criada em torno do artista. Tampouco a repete.






No alto, Louis Daniel Armstrong 
em 1970, fotografado durante
seu último show, na Sala Imperial
do Waldorf Astoria, Nova York.
Acima, Louis aos 17 anos, em
março de 1918, quando se casou
com Daisy Parker. Louis trabalhava
carregando carvão em uma fábrica
em Nova Orleans e, à noite,
frequentava os bares de Storyville,
na zona da prostituição da cidade,
para ouvir os músicos. Em 1922,
com o fechamento de Storyville,
decidiu tentar a sorte como tocador
de trompete em Chicago, a convite
de Joe "King" Oliver. Em pouco
tempo se tornaria referência no
 mundo do jazz e do blues. Abaixo,
três retratos de Louis na célebre
sessão de fotos realizada em 1966
por Philippe Halsman, e Louis em
1956, em cenas do documentário
Satchmo the Great, com narração
e direção de Edward R. Murrow,
que foi lançado nos cinemas
brasileiros com o título
O Embaixador do Jazz







Em “Pops: A Vida de Louis Armstrong”, lançamento Larousse do Brasil, o biógrafo vai além do lugar-comum. Repórter de cultura do “Wall Street Journal” antes de seu livro virar best-seller internacional, Teachout é conhecido do público de jazz como produtor e autor dos textos de encartes de CDs recentes de nomes de prestígio como Karrin Allyson, Diana Krall e a brasileira Luciana Souza, entre outros.

Em 2009, Teachout recebeu prêmios e seu livro "Pops" entrou nas listas de melhores do ano do “Washington Post”, “The New York Times” e “The Economist”. Louis Armstrong era um homem muito consciente da importância que tinha na história da arte americana”, registra Teachout, que não poupa o leitor de revelações surpreendentes, além de enumerar dos primeiros tempos do artista tocando corneta e trompete à trajetória do sucesso, destacando o poder de Louis como protagonista maior do jazz clássico.










Munido de um arsenal de entrevistas, publicações de época, fotos inéditas e registros audiovisuais, o biógrafo reconstitui o entorno no qual a presença calorosa do mito, seu “swing”, sua voz grave e rouca, suas improvisações geniais confrontavam a tradicional submissão do negro na cena cultural e política dos Estados Unidos – e do mundo inteiro, por extensão.

Em “Pops”, Louis surge introspectivo, contraditório, quase sempre muito amável. Durante mais de meio século inventou canções que se tornariam standards, tocou inúmeros solos com inúmeras bandas, fez parcerias antológicas com outros gigantes do jazz como Billie Holiday, Ella Fitzgerald e Duke Ellington, participou de filmes, programas de rádio e TV e enfrentou críticas de ativistas negros por não militar no movimento dos direitos civis. “Ele trabalhou muito e morreu feliz, dormindo em casa, em Nova York”, destaca Teachout.







Fruto da miséria social, mas também de um fervilhante caldeirão musical, a saga do genial Louis Armstrong se espraia em detalhes minuciosos em “Pops”, biografia assinada por Terry Teachout. Infância miserável, adolescência difícil como cantor de rua, depois trompetista de cabaré. Com o fechamento do “bairro de tolerância” Storyville, em 1917, Louis fica sem emprego e segue à deriva para Chicago com outros negros adeptos da novidade do jazz. Acaba fazendo história.

Lançado por King Oliver em 1922, Louis foi contratado por Fletcher Henderson em 1924. Em 1925 funda seu próprio conjunto, o Hot Five, passa a gravar discos e, a partir daí, sua fama não parou de crescer. Na biografia, Teachout destaca que Louis Armstrong cresceu e chegou à juventude ao mesmo tempo em que o jazz começava a ganhar forma.





Armstrong não inventou o jazz, não foi sua primeira figura importante, e não é correto afirmar que foi o primeiro grande solista do gênero”, decreta no prólogo o autor, sem ignorar que Louis foi o mais popular e influente dos primeiros solistas de jazz. As inovações rítmicas e melódicas, a voz granulada e repleta de modulações, assim como o expressivo sorriso e o impagável senso de humor também têm destaque no livro.

Teachout lembra que, no auge da forma, em 1950, as performances de Louis tomam a forma do virtuosismo dos músicos eruditos, mas transformadas por largos vibratos de complexas passagens de conjunto, mudanças súbitas de tempo, alterações harmônicas inesperadas, um senso de ritmo irresistível.












Louis Armstrong e suas célebres
parcerias com outros gigantes do
jazz: acima, com Billie Holiday,
com Ella Fitzgerald, e com
Duke Ellington em Paris, em 1960.
Abaixo, no camarim em Nova York,
em 1958, fotografado pelo amigo
Dennis Stock; e em 1961, em
visita ao Vale das Pirâmides, no
Egito, tocando trompete para
sua quarta esposa, Lucille












Os dotes literários do músico também são destacados: na sala de casa ou nos camarins, ele batucou em sua máquina de escrever dois livros de memórias, vários manuscritos biográficos, artigos para revistas e jornais e extensas cartas, além de 650 fitas com seus próprios depoimentos — gravações a que Teachout teve acesso e usadas pela primeira vez por um biógrafo.

Pops” também revela casos hilariantes e outros dramáticos – quiproquós decorrentes do apreço de Louis por marijuana, os impedimentos do preconceito racial, empresários metidos com a máfia negociando seus contratos, represálias de gângsteres, embates públicos com jazzistas como Dizzie Gillespie e Miles Davis e com autoridades como o então presidente dos EUA Dwight Eisenhower, num caso que marcou época e mostrou um Louis Armstrong corajoso, libertário e consciente de seus direitos. 

Teachout investiga os motivos de cada atitude arriscada de Louis – que fez da música sua tábua de salvação, capaz de tirá-lo da sarjeta onde nasceu, em Nova Orleans, e fazer dele uma celebridade mundial que na última década de vida bateu todos os recordes de vendagem de discos e viajou pelos cinco continentes em shows que arrastavam multidões e eram celebrados pelos críticos mais renitentes.








Armstrong preferiu a arte à política


Diversas biografias de Louis Armstrong já foram escritas, motivo pelo qual o esforço de Teachout correria o risco de cair em redundância. Correria, não fosse o pulo do gato: jornalista dos bons e músico treinado, ele dedicou anos às pesquisas sobre o mestre do jazz e cita passagens sobre Louis em uma centena de livros e de entrevistas. Diz que ouviu e ouviu de novo todas as 650 fitas gravadas pelo próprio músico, nas quais Louis se revela por inteiro.

Louis gravou todas estas fitas justamente para salvar para a posteridade tudo o que podia de si”, destaca Teachout, que fez uma decupagem inspirada da enorme quantidade de material que dispunha para escrever o que seria recebido como um dos melhores livros de 2009. 

O biógrafo também aponta o orgulho que o músico sentia por ter visitado todos os continentes e chega a listar algumas das performances memoráveis ou inusitadas que ele realizou em palcos célebres e quadras de esportes pelos quatro cantos do planeta. Mas não menciona o Brasil entre os roteiros de shows de Louis.















Louis Armstrong em terras
brasileiras: no alto, ao lado
do mestre do choro Pixinguinha;
no encontro com o presidente
Juscelino Kubitschek e, entre
outros, Dorival Caymmi, Herivelto
Martins, Fernando Lobo, Lamartine
Babo, Pixinguinha, Benedicto Lacerda
e Ataulpho Alves; e com Ângela
Maria, coroada "rainha do rádio"
em 1957. Abaixo, com Grande Otelo,
JK, Pixinguinha e outros músicos




Em sua viagem em 1957 às terras brasileiras, ele fez questão de encontrar alguns dos nossos mais importantes compositores e posou para fotos ao lado de nomes como Pixinguinha, Ataulfo Alves, Ângela Maria (que tinha acabado de ser eleita “rainha do rádio”) e até do presidente Juscelino Kubitschek. No Brasil, Louis se apresentou em uma série de shows com sua banda All Stars. Sua apresentação em São Paulo, que reuniu uma multidão no ginásio do Ibirapuera, fez história: foi um dos primeiros shows transmitidos ao vivo pela TV Record.

Seguindo a trajetória de sucessos do artista, o livro de Teachout consegue colocar o leitor no cotidiano de Louis – percebendo e comentando, de forma sutil, por que o músico negro, embora tenha levantado a voz para o presidente Eisenhower pelo descaso em implementar medidas antirracistas, preferiu sempre a expressão artística à expressão na política.





Sua maneira de cantar era uma extensão da maneira de tocar: o fraseado é o mesmo e semelhantes são o balanço e o sentido de tempo”, conclui Teachout. O final de “Pops” é poético, feliz, com o autor recordando sua própria emoção com a notícia da morte do artista. Faz lembrar o final de “Louis, Enormíssimo Cronópio”, o conto de Cortázar, quando o narrador na plateia em Paris percebe que o concerto acabou mas a sala continua cheia – com todos perdidos no seu sonho.

O fantástico show de Satchmo, nas palavras iluminadas de Cortázar: “Montões de cronópios que procuram lentamente e sem vontade a saída, cada um com seu sonho que continua, e no centro do sonho de cada um Louis pequenininho soprando e cantando”. Louis morreu no dia 6 de julho de 1971, em Nova York.


por José Antônio Orlando.



Para comprar o livro  Pops - A vida de Louis Armstrong,  clique aqui.


Para comprar o livro de Julio Cortázar  Valise de Cronópio,  clique aqui.











Louis entre os cronópios: no alto,
Satchmo e sua Big Band com
Billie Holiday em cena do filme
New Orleans, de 1947. Acima,
o artista homenageado em pintura
fauvista do russo Leonid Afremov




25 comentários:

  1. rapaz, fiquei emocionado com seu blog. não sabia nada disso sobre o Armstrong, apesar de gostar muito dele há muito tempo. obrigado por proporcionar estas fortes emoções. seu blog agora lidera os meus favoritos. vá em frente que está bom demais!

    ResponderExcluir
  2. Meu caro anônimo. Fico feliz com tanta gentileza. Envie mensagem para o semioticas@hotmail.com. Um grande abraço para ti!

    ResponderExcluir
  3. Zé, Adorei esse texto. Lindo!! Por coincidência, eu e Flávio falávamos agora a pouco de Louis Armstrong, Miles Davis e charlie Parker... Assistíamos um vídeo de jazz... Lindo!!!

    ResponderExcluir
  4. Amei cada palavra, cada imagem!

    ResponderExcluir
  5. Parabéns, José. Seu blog, ou melhor, sua revista eletrônica chamada Semióticas tem mais qualidade e diversidade de assuntos que a maioria dos cadernos de cultura dos principais jornais... Fala sério, meu caro. Tudo nota 10, professor! Parabéns e vida longa que o seu trabalho só merece aplausos. Abraço cronópio.

    ResponderExcluir
  6. Cristina Semeraro Rito14 de dezembro de 2011 12:31

    Perfeito.

    ResponderExcluir
  7. Amo o Louis Armstrong e agora também amo o seu blog Semióticas, José Orlando. Há muito tempo eu não encontrava uma coleção de textos assim tão fantástica junto com fotos tão lindas. Repito todos os elogios que estou lendo aqui nestes comentários de leitores. Seu blog é um encanto pela inteligência e traz para a gente os melhores sentimentos e muita inspiração.
    Parabéns pra você, meu querido!

    Alice Nogueira

    ResponderExcluir
  8. Adorei todas as fotos! Belas palavras José Orlando. Louis foi um dos primeiros solistas negros a romper a barreira entre o mercado exclusivamente negro e o branco e a se tornar uma estrela do show business nos USA. Apesar de tudo o que passou ao longo da carreira e da sofrida infância, ele sempre se mostrou muito espirituoso, alegre e divertido, qualidades que contribuíram para seu sucesso. Um gênio brincalhão, um ídolo.

    ResponderExcluir
  9. Por causa desta postagem comprei e li Pops. Uns bons capítulos, por sinal, tomando uma cerveja e ouvindo as ondas quebrando no Guarujá! Agradeço pela excelente recomendação através de grande postagem, que até citei em meu blog em um post que fiz sobre o Louis. Abraço!

    ResponderExcluir
  10. Show,José Antônio. Parabéns por mais essa brilhante matéria. Um dos gênios da música, com certeza.
    Abs.

    ResponderExcluir
  11. Repito o que disse acima o Lucas: por causa desta postagem estou impaciente para ler a biografia do Louis Armstrong. Seu blog é uma beleza, José Antônio Orlando. Cada postagem melhor que a outra. O sucesso deste seu blog Semióticas é mais do que merecido. Abraço!

    ResponderExcluir
  12. Leda de Souza Lima30 de junho de 2012 18:06

    Bela homenagem a este grande artista. Muito bom o seu blog, com imagens que traduzem bem as palavras de seus textos inteligentes. É tudo muito bonito e faz pensar. Realmente um prazer compartilhar tudo isso. Tenho apreciado muito seu trabalho. Parabéns!

    Leda de Souza Lima

    ResponderExcluir
  13. Agora tenho que ler o livro! que texto delicioso! fotos incríveis! o que dizer... grata por este deleite!

    ResponderExcluir
  14. Edgar dos Santos Nazário11 de julho de 2012 15:00

    Maravilhoso. Esta é minha matéria preferida entre todas as fantásticas matérias do seu blog. Juntar Cortázar com os cronópios no show de Louis Armstrong é prova de gênio. Parabéns, meu caro. Muita sorte e vida longa para você e seu blog dos mais especiais que já encontrei!

    ResponderExcluir
  15. Sabe que eu comecei a tocar trompete por causa do Sr. "Boca de Sacola".... Me lembro uma vez que dormi na frente da TV em 1989 e vi, pela primeira vez, um video dele na Cultura. Até então só tinha ouvido Armstrong em discos. Ele é mágico! Vale fazer uma visita à casa dele no Queens, que hoje tornou-se um "museu" em sua homenagem.

    ResponderExcluir
  16. Seu blog é uma preciosidade. Cheguei através desta página, tributo maravilhoso ao gigante Louis, e encontrei outras 80, cada uma melhor que a outra. Se fosse só por esse "Louis entre os cronópios", que me fez viajar de novo à literatura de Cortázar, eu já tinha virado fã de carteirinha. Com tantas outras então, tenho que fazer muitas visitas diárias para colocar em dia a leitura. Parabéns!


    ResponderExcluir
  17. Que maravilha esse trabalho de pesquisa de vocês que só nos dá alegria e conhecimento.Bravo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito grato pelos altos elogios. Sua presença é muito bem-vinda. Mas é preciso assinar o comentário, caso contrário ele é excluído automaticamente. Aguardo, no próximo, sua identificação. Forte abraço!

      Excluir
  18. Aluísio Ferreira3 de agosto de 2013 09:19

    O fantástico show de Satchmo no fantástico blog Semióticas. Parabéns demais, José. Viajei para além da alegria quando cheguei neste blog.

    Aluísio Ferreira

    ResponderExcluir
  19. Louis com JK, Pixinguinha, Caymmi, Ataulpho e até Ângela Maria é novidade para mim. Cheguei no seu blog a mais de uma hora e estou navegando sem parar. Comecei por aqui, com Louis, por isto registro aqui minha mensagem. Parabéns demais. Este blog Semióticas é o melhor de todos os que já visitei, disparado! Tudo aqui é Show!!!
    Alessandro Esteves

    ResponderExcluir
  20. Parabéns por este ensaio lindo sobre Satchmo e por todo o conteúdo do blog. Lindo e de alto nível, o melhor que já encontrei em anos e anos de navegação. Virei fã.
    Leila Ribeiro

    ResponderExcluir
  21. Marco Antonio Linhares27 de março de 2015 13:07

    Que texto! Parabéns, José. Ganhou mais um fã. (e que imagens mais incríveis!)

    Marco Antonio Linhares

    ResponderExcluir
  22. Texto excelente! Armstrong merecia esse solo. Parabéns.

    ResponderExcluir
  23. Quando menininho conheci L.Armstrong num Compacto de Vinil do meu pai. Tanto pela musica quanto pela reação de meu pai ao ouvir, nunca vi L.Armstrong como músico ou sua musica como simples musica. Era mais como hino, ou prece, ou algo solene, ou um avatar, ou anjo, ou exemplo na humanidade. Nunca mais, nem nenhum outro, foi colocado por mim numa categoria parecida. Coisa de criança. Parabéns pelas matérias José Antonio Orlando!

    ResponderExcluir
  24. Que maravilha! Se você está tendo um mau dia, tudo que você tem a fazer é ouvir Louis "Satchmo" Armstrong e vai trazer um sorriso a sua cara cada vez. Este blog Semióticas é precioso. Cada página que visito aqui é melhor que a anterior. Parabéns demais, José Antônio Orlando. Ganhou outro fã de carteirinha. Só agradeço. Marcelo Ferrarez

    ResponderExcluir

( comentários anônimos não serão publicados )

Todas as páginas de Semioticas têm conteúdo protegido.

REPRODUÇÃO EXPRESSAMENTE PROIBIDA.

Contato: semioticas@hotmail.com

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Páginas recentes