sexta-feira, 29 de julho de 2011

A fala da moda









Moda é vestir os nus? Depende. Madonna e outros dos grandes artistas populares de nossa época demonstram que provocar, e não vestir, pode ser sempre o melhor negócio. Já Simone de Beauvoir, que escreveu e publicou algumas das linhas definitivas sobre o assunto, costumava dizer com propriedade – “visto para quem me dispo”.

Pois é o aforismo da musa existencialista, aplicado aos processos midiáticos que sustentam (e por vezes subvertem) atitudes psicossociais e sexuais dominantes, que fornece a moldura para as reflexões reunidas por Shari Benstock e Suzanne Ferriss em “Por Dentro da Moda” (Editora Rocco), coletânea especialíssima de 16 ensaios sobre esse fluido, instável e implacável fenômeno tão difícil de definir, situado nas fronteiras movediças entre erotismo, arte, economia e política.

On Fashion”, título do original em inglês, é considerado referência obrigatória em estudos sobre o ato de vestir desde a primeira edição na Europa e nos Estados Unidos, em 1994. Coube a Benstock & Ferriss, professoras de Literatura e História da Arte na Universidade de Miami, mapear os contornos da edição e juntar a equipe de especialistas em abordagens abrangentes e ambiciosas sobre as interfaces do mundo da moda.






No alto, David Hemmings e Veruschka 
em cena de "Blow Up" (1967): flagrantes
do mundo da moda em adaptação do conto
"Las Babas del Diablo", de Julio Cortázar,
por Michelangelo Antonioni. Acima, Mario
Testino faz uma releitura do filme e fotografa
Kate Moss em Londres, em 2006; e as cenas
de Veruschka no estúdio, em "Blow Up"




Consumo, visual e política são os três blocos que dividem o estudo de Benstock & Ferriss em capítulos, todos eles fartamente ilustrados em preto-e-branco e referenciados na filosofia de Freud, Roland Barthes e Michel Foucault, entre outros. Moda é o que faz o que é fantástico se transformar, por um momento, no que é universal – como professa a citação de Oscar Wilde reproduzida na contracapa.

O gênio e a vocação para a polêmica de Oscar Wilde são as deixas para situar a diversidade e o caráter interdisciplinar para os ensaios que vão da exploração teórica à identidade sexual, e daí à expressão política e às atitudes tanto intempestivas quanto ideológicas de diversas personalidades das vanguardas desde o começo do século 20.





Quando a televisão ainda não era um item obrigatório nas casas, os desfiles de moda também não eram tão populares, e o famoso tapete vermelho do Oscar nem existia, as referências para as roupas saíam do cinema, que desde as primeiras décadas do século 20 e cada vez mais exibe modelos desenhados pelos mais festejados nomes da alta costura

A lista do leque investigativo organizado por Benstock e Ferriss é extenso e abrangente, incluindo, entre muitos outros grandes estilistas do último século, de Gabrielle Coco Chanel e Christian Dior a Giorgio Armani, Jean Paul Gaultier, Calvin Klein, Versace e Yohji Yamamoto – todos com presença em destaque na galeria de medalhões celebrados, ou criticados, comparados, nos ensaios.







A fala da moda: acima, momentos
de Gloria Swanson (1899-1983) em
flagrantes de moda e erotismo que
escandalizou as plateias puritanas no
filme mudo "Beyond the Rocks" (1922)
e fotografada por Edward Steichen em
1924. Abaixo, duas imagens do filme
"Cleópatra" (1917), tendo como
protagonista Theda Bara (1885-1955),
outra diva a conjugar moda e erotismo
na primeira década de Hollywood







Fiéis à abrangência dos signos da moda, Benstock & Ferriss abordam os clássicos da vanguarda modernista, estampas da Pop Art e da contracultura que ganharam força nos anos 1960, do tribalismo urbano e da tecnocultura globalizada que tomou de assalto o novo milênio. Tudo isso e mais Gloria Swanson, Theda Bara, Louise Brooks, Crawford, Dietrich, Carmen Miranda, Marilyn Monroe, Audrey Hepburn, Anais Nïn, Gloria Vanderbilt, Vivienne Westwood, Twiggy, Veruschka, Barbie, Naomi Campbell, Kate Moss, Gisele Bündchen e outras divas de estilo e grandeza variados, algumas delas com lugar cativo nos catálogos de imagens memoráveis do último século...

No repertório dos estudos, o leitor atento vai perceber extremos apenas aparentes, como as referências a Jackie Kennedy, as estratégias da Maison Chanel, a arte do fotógrafo Man Ray ou as mutações da estrela Madonna – reverenciada com exemplos e conceitos da alta cultura por Douglas Kellner, num dos ensaios sobre moda e identidade.




Acima, Nancy Carroll (1903-1965):
modelo das revistas de moda que fez
sucesso nas primeiras comédias do
cinema sonoro, na década de 1930.
Abaixo, a grande estrela alemã,
Marlene Dietrich (1901-1992),
"a mulher que inventou o glamour",
que chegaria a Hollywood no final
da década de 1930 para mudar em
definitivo os padrões de comportamento
com um estilo mais sedutor e ousado





Máscaras cotidianas



Filosofia, desfiles nas passarelas e a vida nas ruas: a tese que conduz a maioria dos ensaios destaca a sexualidade e os hábitos comportamentais como motor dos grandes movimentos sociais. Segundo destacam as organizadoras no ensaio de apresentação a “On Fashion”, o ato de vestir é dos mais privilegiados, porque é ele que determina e relaciona, às máscaras da vida cotidiana, o imaginário coletivo e os projetos autobiográficos de todos nós e de cada um em particular.





Joan Crawford (1905-1977), uma
das poderosas estrelas de cinema
que ditaram moda na alta costura
da década de 1920 aos anos 1970.
Abaixo, a Brazilian Bombshell,
 lançada em Hollywood em 1941,
no começo da Segunda Guerra:
Carmen Miranda, uma exceção
em Hollywood porque produzia
seus próprios figurinos e que
provocou outra revolução no
mundo da moda com apoio de
nomes veteranos nos figurinos de
cinema como Travis Banton, seu
"assessor" de imagem na estreia
em Hollywood com a comédia
musical Uma noite no Rio (1941),
filme de Irving Cummings








O corpo humano, apontam Benstock & Ferriss, está sujeito a forças econômicas e sexuais, por isso reivindica direitos e prazeres: como forma de sublimar essas pressões. Entre os ensaios incluídos na coletâneas, muitas e muitas proposições de Foucault, Barthes, Baudrillard, entre outros pensadores franceses que fizeram o "corpus" da moda entrar para a academia. Cada um deles é devidamente reverenciado em diferentes contextos, através de citações e análises por vezes polêmicas, explosivas, por vezes apenas irônicas.

Longe do senso comum, que segue tendências à deriva, mas também ela feita de tendências e de releituras permanentes, a moda é um simulacro – destacam as organizadoras na apresentação. Hiperconectividade e imprevisibilidade. Os signos da moda flutuam livremente e não estão assentados em apenas um referencial. Mas a moda é sempre política: seja quando não nos preocupamos com a moda, seja quando nos preocupamos de fato com ela – alertam Benstock e Ferriss, em elogio ao elegante intelectualismo francês – estamos nos domínios das relações de poder e sua articulação com o corpo.






Marilyn Monroe (1926-1962) posando
de modelo antes de alcançar o estrelato
em Hollywood. Abaixo, o clássico
new look de Christian Dior, design
revolucionário quando surgiu nas
passarelas, em 1947; e o fim de uma
época, com o surgimento de um novo
padrão de beleza, nos anos 1960,
quando Audrey Hepburn surgiu em
cena vestindo Givenchy no filme
"Bonequinha de Luxo", em papel
que foi planejado para Marilyn
e terminou recusado por ela





Ensaio sobre a Modernidade



A ligação da moda com a mercantilização – que outro francês, Charles Baudelaire, revelou em meados do século 19, em seus “Ensaios sobre a Modernidade” (lançado no Brasil pela Paz e Terra) – vai coincidir com o surgimento do capitalismo industrial e da economia de mercado. Nas últimas décadas, impulsionado especialmente pelas imagens da fotografia, do cinema e do internet, como destacam os teóricos citados, o poder repressivo dos modismos exerce cada vez mais sua tirania sobre os consumidores de todas as idades.

Movido pela obrigação do consumo efêmero, o corpo sujeito à moda mantém-se cativo do desejo mutante de adorno, além de dependente das forças econômicas do mercado. “A moda contemporânea pode estar em frangalhos”, destacam as organizadoras. “Não mais enquadrada num único padrão dominante, numa mesma altura de bainha, mas seu olhar sequioso perscruta o mundo em busca de 'looks' originais para deles se apropriar”.





No alto, Jane Birkin aos 19, fazendo
teste em um estúdio fotográfico em
1965, em Londres, às vésperas de
estrear no cinema em "Blow Up",
de Michelangelo Antonioni; e a estrela
Veruschka, primeira top model e
também atriz de "Blow Up", em
fotos de Richard Avedon, em
1970 (acima) e em 1977 (abaixo)


Nada que Barthes já não tenha descoberto e anunciado nos anos 1960, no clássico “O Sistema da Moda” (publicado no Brasil pela Edusp), ao enumerar os subtextos que a linguagem da moda estabelece e transforma. Contudo, as questões que Barthes propõe, datadas na imprensa francesa dos anos rebeldes, são atualizadas em novos contextos multiculturais e tecnológicos, onipresentes em nossa época.

Por exemplo, o que quer dizer estar na moda? Questionam Benstock e Ferriss no primeiro ensaio, considerando que todo modismo configura, antes de qualquer vaidade, um apelo. Devemos considerar a moda um negócio, ligado ao desperdício e ao consumo efêmero, ou uma forma de arte? Os elegantes são aqueles que adquirem os modelos vanguardistas da alta costura ou os que fazem seus próprios modelos e combinações a partir do que observam e encontram em lojas de roupas baratas?


Ao sabor dos ventos


Revendo a história da vestimenta, “Por Dentro da Moda” toca em contradições de gênero que vão muito além das mensagens estéticas, muito além do consumismo das obsessões com compras, apontando que nas imagens da mídia contemporânea a roupa masculina se tornou fixa e estável, congelada numa “rigidez fálica”, enquanto a roupa feminina muda ao sabor dos ventos, deslocando a ênfase de uma para outra zona erógena.




A mulher abandonou os pesados e incômodos pregueados e os torturantes trajes de armações em favor de estilos mais simples e reveladores de formas”, analisa Leslie W. Rabine no ensaio sobre consumismo e feminismo nas revistas de moda. De acordo com Rabine, catedrática da Universidade da Califórnia, a “evolução” da mulher no século 20 acarretou um efeito da maior complexidade.

É quase um gene mutante que foi se tornando dominante”, adverte Rabine, “tanto melhorando o status da mulher objeto do olhar e do desejo masculino, como expressando sua nova independência de autoridade de pais e maridos, sua maior mobilidade física e econômica, sua situação de sujeito que reflete sobre si mesmo e um desligamento das restrições vitorianas da feminilidade”.





Algumas das referências permanentes
no imaginário fashion: a estrela
Rita Hayworth (1918-1987) como
"Gilda" no cinema, em 1946, e o
new look de Dior, lançado em 1947,
que atualmente integra o acervo do
Metropolitan Museum of Art.
Abaixo, as top models que mudaram
paradigmas do mundo da moda, em
fotografia polêmica de Herb Ritts
de 1989: Stephanie, Cindy,
Christy, Tatjana e Naomi



A “evolução” da mulher e do comportamento sexual nos novos tempos também são as coordenadas do ensaio de Douglas Kellner, professor da Universidade do Texas, que divide com Fredric Jameson e outros poucos o status de primeiro escalão entre os filósofos norte-americanos da atualidade. Em um dos momentos inspirados do livro organizado por Benstock e Ferriss, Kellner traduz o que um dos maiores ícones pop do passado recente representa não só para o mundo da moda, como também para a mudança de atitude de toda uma geração.




Carona no sucesso



O argumento do professor Kelner é muito atual e quase irresistível: com suas provocações permanentes, suas legiões de fãs e legiões de imitadores e seguidores de seu visual camaleônico, Madonna e as replicantes que ela própria gerou personificam, para a cultura de nossos dias, as possibilidades de manipular a auto-apresentação. Kellner passa em revista a trajetória da estrela. Lembra de suas origens humildes e das dificuldades na vida de toda garota disposta a quase tudo para chegar no topo.

O argumento ganha força quando se sabe da estreia, de quando Louise Veronica Ciccone, aos 20 anos, vai com a cara e a coragem do interior para Nova York e aparece pela primeira vez na mídia, pegando carona no sucesso do então namorado, o 'outsider' e artista genial Jean-Michel Basquiat – não por acaso revelado como sucesso por obra e graça de Andy Warhol, Midas da auto-promoção e mestre que fornece o norte à futura estrela. Warhol é a presença divisora de águas nos primeiros tempos de Madonna.






A configuração do sentido-sujeito Madonna, enquanto entidade discursiva e cuja identidade afeta a nossa cultura – aponta Kellner – é perpassada pela multiplicidade. Além de ter sido precursora do estilo de uma infinidade de outras artistas que vêm repetindo ad-infinitum sua imagem, sua música e suas estratégias de marketing, Madonna não só abriu caminhos para todas elas, mas também tem se mostrado superior na característica da sobrevivência enquanto ícone popular, já que soube reinventar sua imagem no decorrer dos anos (na verdade, há décadas) e, assim, permanecer em destaque num meio que é tão perene, o da cultura pop.

Sadomasoquismo e lascívias que atualizam os pioneiros astros de rock das décadas de 1960 e 1970, de cabelos desgrenhados e vestidos fora do convencional – a identidade transgressora de Madonna, desde o início, na análise de Kellner, parte da mistura radical e premeditada de moda e sexualidade.



Paradigma pós-moderno



Ao tornar-se a artista de variedades mais conhecida de sua era (talvez de todos os tempos), Madonna também construiu a melhor tradução do paradigma pós-moderno: produziu toda uma safra de lucrativas imitações e uma obra controversa, de apelos múltiplos e massivos, que muito contribuíram para subverter nosso passado recente e toda uma leva de ideologias conservadoras não mais dominantes.



Madonna permite muitas e até contraditórias leituras, conclui Kellner. Permite leituras que podem se basear nas suas representações ou na sua música, que na verdade são textos polissêmicos e pós-modernistas, ou nos seus controversos e às vezes imprevisíveis efeitos.

Em reuniões maçantes”, ele ironiza, “é só mencionar Madonna e pode-se estar certo de que surgirá uma violenta discussão, com uns atacando e outros a defendendo apaixonadamente. Quer se goste dela ou a odeie, ela é uma constante provocação, que revela a primazia da moda e da imagem na cultura contemporânea e na construção social da identidade”.




Entre outros ícones de maior ou menor grandeza, Madonna também personifica e delimita o corpo como um território próprio – um território imaginário que entrelaça o tecido de nossas vidas entre existência e aparência, entre condições materiais, políticas, sexuais, entre o olhar (voyeurismo) e o ser olhado (exibicionismo). Ou, como defendem as editoras da coletânea: em nossa época de verdades relativas e certezas efêmeras, moda é, mais que nunca, uma questão de atitude.


Um poço de contradições


O meu argumento é que a imagem e a aceitação de Madonna colocam em evidência a construção social da identidade, da moda e da sexualidade. Ao explodir as fronteiras estabelecidas pelos códigos dominantes de gênero, sexo e moda, ela encoraja a experimentação, a mudança e a produção de uma nova identidade individual e coletiva. Madonna pressiona os mais sensíveis botões de sexualidade, gênero, raça e classe, oferecendo imagens e textos desafiadores e provocativos, assim como outros que reforçam as convenções dominantes. Madonna é a sua contradição, e terei o prazer de, nas próximas páginas, mergulhar no fenômeno Madonna, a fim de explorar os seus artefatos altamente voláteis e carregados”

(Douglas Kellner)




O olhar da moda

O olhar da moda é a mais óbvia dessas mudanças. No princípio da década de 1960, as páginas de 'Vogue', que utilizo aqui como sendo a autoridade branca, burguesa, tão influente que o seu nome é sinônimo, na moda, de 'elegância', mostravam o estilo Jackie Kennedy de conjuntos e vestidos retos, estruturados, de linha trapézio, formais e bonitos na sua elegância. Ao longo da década, esse estilo foi gradualmente cedendo lugar a outros, mais diversificados, que revelavam mais o corpo, mais apropriados a uma maior gama de atividades e mais sugestivos de costumes e fantasias audaciosas e exóticas”

(Leslie W. Rabine)





Twiggy, uma lenda


Lendo antigas entrevistas e artigos sobre Twiggy, torna-se evidente de imediato que nunca uma modelo de moda teve tanta importância. É provável que nem antes, nem depois, o público tenha tido tando conhecimento da vida atrás do rosto de uma modelo. Mas a imprensa popular norte-americana, representativa da grande classe média, claramente percebeu Twiggy como uma ameaça. Oriana Fallaci, numa extensa entrevista para o 'Saturday Evening Post' que marcou época, divertiu-se em bombardear essa desistente dos bancos escolares com perguntas sobre história e política. Fallaci: Twiggy, você sabe o que aconteceu em Hiroshima? Twiggy: Onde é que fica isso?”

(Linda Benn DeLibero)





O gênio de Man Ray



Um corpo nu é visível abaixo do lado esquerdo de um círculo de vidro... Parte da alegria de observar as imagens às vezes complicadas de Man Ray reside na percepção que, vagarosamente, vamos conseguindo ter a respeito delas. Elas se desenvolvem em nossa mente, e o seu artifício vai se tornando natural ao nosso modo de ver”

(Mary Ann Caws)





De exceção a regra


Talvez a melhor palavra para definir a grife mais famosa de todos os tempos seja "permanência". Quase um século depois que a jovem Gabrielle “Coco” Chanel (1883-1971) abraçou em Paris o sonho romântico de ficar rica e famosa produzindo um novo estilo de roupas, chapéus, sapatos e bolsas, o mito Chanel sobrevive e prospera – fazendo história e arrecadando fortunas num setor que costuma ser marcado justamente pelo consumo efêmero e pelo sucesso passageiro. A origem de tudo está retratada com estilo e elegância a toda prova no filme "Coco Antes de Chanel".

Com roteiro e direção de uma mulher, Anne Fontaine, mesma cineasta de "A Garota de Mônaco" (2008), "Coco Antes de Chanel" (2009) tem alguns trunfos para marcar época - em especial o argumento dramático oportuno que lança luzes sobre a juventude da personalidade misteriosa que sai do anonimato (e do orfanato) para fundar um império planetário, além da presença marcante de Audrey Tattoo, que já havia roubado a cena em "Código Da Vinci" (2008) e no memorável "O Fabuloso Destino de Amélie Poulain" (2001).




Simples, sem excessos e centrado na narrativa cronológica, o roteiro de Anne Fontaine respeita e valoriza o lema inventado por Coco Chanel que revolucionou o mundo da moda desde o começo do século 20: pioneira como militante feminista antes que o assunto ganhasse as multidões, a lendária estilista de alta-costura que personificou, como nenhum outro nome, o estilo e a aparência da mulher moderna, sempre defendia a elegância pelo mínimo - pela simplicidade e nunca pelos enfeites e pelo supérfluo.

De exceção destoante nos cenários e vestimentas ostensivos da "Belle Époque" (sua primeira loja, exclusivamente de chapéus, foi aberta em Paris em 1910), o estilo de Coco Chanel passa a ser a regra na segunda metade do século - quando suas criações passam a ser disputadas pelas celebridades internacionais como sinônimo atemporal de sucesso, liberdade e elegância.

"Coco Antes de Chanel" acompanha, principalmente, o olhar da protagonista - e através dele investiga a evolução de Chanel e os traços biográficos que a levaram a cristalizar seu próprio estilo. Sóbrio, repleto do silêncios e de elipses narrativas, o filme apenas sugere - o que pode ser visto como um tributo à personalidade enigmática de Mademoiselle Chanel, mas também torna a narrativa difícil para alguém pouco familiarizado com a trajetória complexa do mito, que na infância foge com a irmã de um orfanato para sobreviver como cantora de um bordel, antes de ter acesso, com a ajuda de nobres "protetores", às altas rodas parisienses e à abertura do seu primeiro ateliê de costura.






No alto, Katharine Hepburn em cena
interpretando Coco Chanel em espetáculo
apresentado na Broadway em 1969. Acima,
Audrey Tautou, protagonista do filme de
2009 "Coco antes de Chanel" (Coco Avant
Chanel), direção de Anne Fontaine, baseado
no livro "L'Irrégulière", biografia de Chanel
escrita por Edmonde Charles-Roux


A Era Chanel


Do palco dos bordéis, ela vai manter somente o apelido - Coco ("galo", em francês), palavra que vem da música que ela sempre cantava. Além do filme "Coco Antes de Chanel", há dois títulos disponíveis nas livrarias que podem fornecer pistas importantes para entender o mito: "A Era Chanel", biografia escrita por Edmonde Charles-Roux (editora Cosac&Naify), que foi usada como fonte pelo roteiro de Fontaine, e "Chanel - Seu Estilo e Sua Vida" (editora Mandarim), escrita pela editora da revista "Vogue", Janet Wallach, e recheada de fotos extraídas de jornais e revistas e do álbum de família de Coco Chanel.

O filme de Anne Fontaine fica nos primeiros tempos - não alcança a ascensão polêmica do mito e a transformação da Casa Chanel em um grande império, nem seus romances proibidos, nem sua união amorosa e intelectual a artistas geniais e personalidades marcantes do século 20. Nunca se casou, mas a lista de amigos e namorados é imensa: de Stravinsky e Man Ray a Picasso, de Satie a Jean Cocteau e Marcel Duchamp. 

 

Chanel também vestiu as maiores divas do cinema - de Gloria Swanson e Marlene Dietrich a Marilyn Monroe e Romy Schneider, entre tantas outras - e colaborou nas obras-primas de cineastas do primeiro time, entre eles Cecil B. DeMille, Hitchcock, George Cukor, King Vidor, Luchino Visconti, Billy Wilder, Alain Resnais...

Os números são mantidos a sete chaves, mas há quem garanta que a grife criada por Chanel responde por uma parcela considerável dos negócios do mundo da moda. Detentora de uma fortuna estimada em 10 bilhões de Euros, a Casa Chanel hoje é administrada por Alain e Gérard Wertheimer, netos de um dos sócios da estilista. 






Os Wertheimer detêm um império: roupas, acessórios e artigos originais da marca são vendidos em 170 endereços exclusivos em mais de 100 países. No Brasil, são apenas duas lojas credenciadas: a Daslu, em São Paulo, e uma perfumaria no Shopping Leblon, no Rio de Janeiro. 

O estilo da mulher inteligente e corajosa que inventou o "pretinho básico", no fim das contas, acabou virando sinônimo de corte de cabelo e símbolo de elegância. E o óbvio que todos podem constatar, nos quatro cantos do planeta: também virou uma grande e muito poderosa indústria. 


por José Antônio Orlando.



Para comprar o livro de Benstock & Ferris,  Por Dentro da Moda,  clique aqui.


Para comprar o livro O Evangelho de Coco Chanel,  clique aqui. 








Acima, imagens de Man Ray: Kiki,
fotografia de 1950 na capa do
livro Por Dentro da Moda,
e Coco Chanel em Paris, fotografada
em 1948. Abaixo, desfile da coleção
primavera-verão 2011 produzida pela
Maison Chanel em Paris











33 comentários:

  1. sensacional, como tudo que escreve!

    ResponderExcluir
  2. Congratulations!!!

    Você está agradando muitos seu público...
    Somos exigentes e sabemos que seu talento
    vai nos surpreender.

    Abraço da terrinha gelada .BQ louca


    Edu Santos

    ResponderExcluir
  3. Maravilha! O texto de um primor: sério, inteligente, claro e preciso. Ah, as fotos! Que saudades de Blow Up! Os ícones fashion... E o olhar multiculturalista, cheio de referências... Adorei, José Antônio! Parabéns!

    ResponderExcluir
  4. Belíssimas fotos, belíssimas mulheres, belíssimas referencias professor. Estamos adorando o blog, os textos como sempre, encantadores. Parabéns. Um abraço

    ResponderExcluir
  5. parabens pelo blog!!! espero continuar lendo textos fantasticos por aqui XD
    bjs

    ResponderExcluir
  6. Maravilha!!!
    adorei o blog e belissimas fotos
    parabéns pelo texto
    bjs
    Maria Braga

    ResponderExcluir
  7. Como disse anteriormente,seu blog é diversificado, bem configurado, aborda assuntos relevantes distintos e com a mesma competência e propriedade.
    Parabéns,bom demais!

    ResponderExcluir
  8. Perfeito... Adorei as contradições "Madonna" :Ame ou odeie... "Moda": efêmera e permanente, etc...
    As fotos do Blow-up trouxeram boas memórias a tona.. Todas as referências do seu texto são minhas referências também, então você sabe que eu adoro.. Talvez esse texto seja o meu predileto: completo, complexo e abrangente... AMEI MESMO!
    beijooo

    ResponderExcluir
  9. Oi Zé Orlando, mestre querido. Fala sério! Isso aqui não é só um simples post de blog. Parece mais uma tese, monografia, sei lá. A-do-rei. Amo você, sua inteligência e seu texto de poeta. Saudades...
    Enviei um e-mail para o semioticas@hotmail.com com meu projeto. Não vejo a hora de ler seu comentário ou sugestão. Ou sugestões. Beijos.

    Bruna Magalhães

    ResponderExcluir
  10. Zé, parabéns pelo texto, pelas referências e pela atenção dada à moda! Adoro ver seus pensamentos e suas conexões, sempre tão relevantes. Parabéns!
    Sobre Chanel, uma explosiva biagrafia foi lançada em agosto e uma outra será lançada em outubro. Em "Sleeping With The Enemy: Coco Chanel's Secret War", o jornalista americano Han Vaughan escancara a relação da estilista com o nazismo. Chega até a afirmar que Chanel foi uma espiã do regime. Já a tb jornalista Lisa Chaney, em "Chanel: An Intimate Life", apenas confirma a sua relação amorosa com o oficial alemão Hans Günther von Dincklage. Além desse delicado romance, Chaney afirma que Chanel manteve um relacionamento com Salvador Dalí, usou drogas a rodo e era, sim, bissexual. CHANEL RENDE
    Ah, e li há pouco tempo um ótimo apanhado, com boas observações e balanços, sobre a moda e seus pensadores. Em "Moda: Uma Filosofia", o filósofo Lars Svendsen revê e reconecta Baudelaire, Benjamin, Simmel e Barthes com Chanel, Dior, Prada, Kawakubo e Margiela. Bem bom! Já leu?

    ResponderExcluir
  11. Zé, como sempre, seu blog prende a nossa atenção assim como acontecia durante suas aulas! Adoro a discussão sobre o vestir e suas diferentes manifestações.. Blow Up é um filme inesquecível! Obrigada por sempre dividir seus conhecimentos e nos presentear com ótimos textos!
    beijos

    ResponderExcluir
  12. Muito rico! a moda permite tantas abordagens que a discussão se torna interminável e é sempre gostoso de ler.
    Também me lembrei do livro "Moda: Uma Filosofia" citado em outro comentário. Vale a pena.

    Abraço!

    ResponderExcluir
  13. Espetacular!!
    Sem palavras pra expressar meu sentimento.
    Como sempre seus textos sensacionais.
    Parabéns!

    Beijos.

    ResponderExcluir
  14. Zé Orlando, estou extasiada em poder ler e discutir sobre moda e outros assuntos pertinentes, ja estava me desiludindo. Adorei a iniciativa do blog, me transportei das aulas para este meio que se tornou tão próximo quanto.
    Estarei sempre presente lendo, anotando referências e quem sabe me desafiando a escrever algumas palavras.
    Obrigada por mais esta fonte de conhecimento.

    Abraço!

    ResponderExcluir
  15. Helen Marie Coutinho20 de novembro de 2011 19:20

    Fiquei encantada e surpresa, porque há muito tempo eu não via um resumo da ópera do mundo fashion tão completa, bonita e inteligente. Parabéns, Semióticas. O futuro nos aguarda. Beijos para ti, José.

    ResponderExcluir
  16. A coisa que mais gosto neste Semióticas é, primeiro, a qualidade dos textos. Depois, a beleza e a poesia de cada imagem selecionada. E as escolhas dos temas, que comovem e fazem a gente pensar. É o caso deste ensaio sobre a moda em particular, um dos textos mais bonitos e inteligentes que já lí sobre o mundo fashion.
    Parabéns, José Antônio. Seu blog foi a melhor surpresa que encontrei na rede em 2011.
    Que Deus ilumine seu futuro!

    Carla de Lima

    ResponderExcluir
  17. Sem comentários!
    Melhor que ter sido sua aluna, é poder levar suas "aulas" para todo lugar com esse blog!
    Sucesso pra você hoje e sempre!
    Beijos

    ResponderExcluir
  18. Que maravilha de página, que maravilha de blog, mas vindo de você, José Orlando, esse Semióticas só poderia mesmo ser assim, lindo e inteligente. Tudo a ver com suas lições inesquecíveis para todos nós em sala de aula, porque, seja como for, a grandiosa Revolução Humana de uma única pessoa irá um dia impulsionar a mudança total do destino de um país e, mais que isso, será capaz de transformar o destino de toda a humanidade...
    Beijos para você e boa sorte. Você vai longe, Mestre...

    Juliana Damasceno

    ResponderExcluir
  19. Adorei descobrir seu blog, muitas leituras interessantes por aqui.

    Abraços

    Milene Rebuzzi

    ResponderExcluir
  20. José, assim já é demais, abriste as portas da moda e transformaste este mundo fashion em poesia. Um texto lindo, repleto de conexões,referências e como sempre com este teu olhar de homem multiculturalista. O que me faz acreditar que tu ,de fato, existes são esses depoimentos aí de cima, principalmente, dos privilegiados alunos.
    Abraços
    Benilde Lustosa

    ResponderExcluir
  21. Michelle Jabbour9 de julho de 2012 17:16

    Fiquei impressionada com este belo ensaio sobre a complexidade do fenômeno da moda, José Antônio Orlando. Eu amo seu blog porque seus textos são absolutamente brilhantes!
    Michelle Jabbour

    ResponderExcluir
  22. Delicioso...
    Estou de aqui de "voyer"...
    Atenta ao próximo strip-tease.
    Estupendo! Bravo!!!!
    Izabela França

    ResponderExcluir
  23. Vanessa da Silva Goesse27 de julho de 2012 13:30

    Zé, estou encantada! Seu blog Semióticas é bom demais da conta. Obrigado por continuar fazendo do nosso aprendizado não um trabalho, mas um contentamento. De todas as aulas que tive no curso, as suas são as que deixaram as melhores lembranças por fazerem com que nos sentíssemos pessoas de valor, por nos ajudarem a descobrir o que fazer de melhor e, assim, fazê-lo cada vez melhor. Obrigado por afastar o medo das coisas que pudéssemos não compreender, levando-nos, por fim, a compreendê-las... Por resolver o que achávamos complicado... Por você ser assim, alguém tão especial e digno de nossa total confiança. E obrigado por nos convencer de que éramos melhores do que suspeitávamos.
    Amei tudo por aqui e virei fã desde a primeira visita.
    Nota DEZ para o blog Semióticas, com louvor! (E esta página sobre A Fala da Moda... que beleza, que show!...)

    Vanessa da Silva Goesse

    ResponderExcluir
  24. Parabéns, professor! Seu blog Semióticas vale por muitos cursos, parece até que cada página é um curso diferente, de alto nível. Tenho aprendido muito mais aqui do que aprendi em anos na faculdade. Esta página sobre o mundo da moda, então, é sufocante de tão linda, imagens maravilhosas e este texto que é uma tese, mas de uma leveza irresistível. Adorei.
    Acho que nem precisaria comentar, meu querido, porque sua vida e a qualidade de seu trabalho falam por si sós. Mas como estou passeando por aqui há semanas, registro os elogios mais do que merecidos. Parabéns de novo e de novo!

    Juliana Marques

    ResponderExcluir
  25. para deleite dos profissionais da moda, um texto incrível!

    ResponderExcluir
  26. Aline de Sousa Nascimento16 de abril de 2013 08:35

    José, que texto mais incrível, que imagens lindas, que blog show! Cheguei aqui a horas, depois de receber um link de uma amiga do Facebook. Posso ser sócia e visitar todos os dias? Rsss. Estou falando sério: seu blog é o mais fantástico que já encontrei, inteligente demais e lindo. Beijos.

    ResponderExcluir
  27. Muito bom melhor ensaio que já vi sobre moda!! parabéns! www.estudosediscussoes.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  28. Marlene Leite Galvão26 de novembro de 2013 21:32

    Show! Ainda não encontrei nada melhor que este seu blog Semióticas. E olha que navego, navego... Parabéns demais. Sou sua fã desde a primeira visita.

    ResponderExcluir
  29. Nossa! Isso não é um post sobre Moda. Isso é uma tese completa. Sensacional! Parabéns, José. Este seu blog Semióticas é imbatível. É o melhor de Todos. A-do-ro!!!

    Luiza Rocha

    ResponderExcluir
  30. Maria Helena Guimarães10 de outubro de 2014 13:15

    Muito bom mesmo, professor. Registro elogios e parabéns pelo alto nível.

    Maria Helena Guimarães

    ResponderExcluir
  31. Graziella Canedo1 de maio de 2016 18:43

    Maravilhoso o seu artigo e que imagens mais lindas! Virei vã desde a primeira visita que fiz a este sensacional site. Parabéns pela qualidade!

    ResponderExcluir

( comentários anônimos não serão publicados )

Todas as páginas de Semioticas têm conteúdo protegido.

REPRODUÇÃO EXPRESSAMENTE PROIBIDA.

Contato: semioticas@hotmail.com

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Páginas recentes