sábado, 4 de fevereiro de 2017

Cenas de Sinequismo










Eu tenho pouco a dizer sobre magia.  
Na verdade eu acho que nosso contato  
com o sobrenatural deve ser feito em  
silêncio e numa profunda meditação  
solitária. A inspiração, em todas as  
formas de arte, tem um toque de  
magia porque a criação é uma  
coisa absolutamente inexplicável.  


Clarice Lispector  ––  trecho extraído   
do discurso que Clarice preparou para o   
Primeiro Congresso Mundial de Bruxaria   
realizado em 1975, em Bogotá, Colômbia;   
Clarice escreveu várias versões do discurso,   
mas decidiu não ler nenhuma delas no evento.   
  
 

 
Há algumas fotografias, bem como grafites e outras expressões da chamada “arte de rua”, que podem ser destacados como modelos exemplares para aqueles fenômenos que o principal teórico da Semiótica, Charles Sanders Peirce (1839-1914), define com o conceito de “sinequismo” –– ou seja, a representação do “continuum” que produz o sentido. Nos termos descritos e desenvolvidos por Peirce, o sinequismo indica a formulação de hipóteses ou interpretações que envolvam a ideia de continuidade tanto para a produção como para a potencialização de sentido em determinados aspectos e circunstâncias de espaço, tempo, sentimento e/ou percepção.

O conceito de sinequismo vai encontrar, nos pressupostos da semiótica de Peirce, uma complexa rede de argumentos sobre a lógica dos procedimentos de raciocínio ou dos significados pragmáticos da mente. Sobre tal complexidade vale reproduzir aqui alguns trechos brevíssimos extraídos do seu imenso arcabouço teórico. Em primeiro lugar, segundo Peirce, “assim como afirmamos que um corpo está em movimento, e não que o movimento está em um corpo, do mesmo modo devemos dizer que nós estamos no pensamento, e não que os pensamentos estão em nós” (in “Collected Papers” 5.289, 1868). 



 



Cenas de Sinequismo: no alto, “Afro Taino”,
grafite assinado pelo artista Gabriel Abreu
em San Cristóbal, província da República
Dominicana, na América Central. Acima,
grafite anônimo na cidade de São Paulo
fotografado em 22 de janeiro, data em que
o prefeito recém-eleito, João Dória (PSDB),
tomou a decisão criminosa de mandar cobrir
com tinta cinza todos os grafites, incluindo o
maior mural de arte urbana da América Latina
que estava localizado na Avenida 23 de maio e
foi inaugurado no início de 2015, com 15 mil
metros e com obras de mais de 200 artistas,
entre eles OsGêmeos, Nina Pandolfo, Nunca,
Finok e Zefix. Também acima, grafite anônimo
nas ruas de Londres, datado de 2013, cria uma
sugestão erótica a partir da vegetação sobre
o muro. Abaixo, a recriação de Vik Muniz 
para a clássica personagem da mitologia grega,
com molho de tomate e espaguete,
Medusa Marinara, obra e fotografia de 1999




 
O mesmo conceito de sinequismo vai representar a expressão de continuidade entre o mundo representado pelos signos da cultura humana em sua equivalência com os signos da natureza, ou seja, aqueles objetos ou relações materiais que, na sua origem, independem do princípio gerativo da intervenção humana. Nas palavras de Peirce: “Tudo o que está presente a nós é uma manifestação fenomenológica de nós mesmos. Isso não impede que seja também um fenômeno de algo fora de nós, assim como o arco-íris é ao mesmo tempo uma manifestação do sol e da chuva. Quando pensamos, então, nós mesmos, como somos naquele momento, aparecemos como signo” (CP 5.283).



Relações de causa e efeito



Na sua origem, a palavra “sinequismo” vem da Grécia da Antiguidade e significa “continuidade”, podendo também ser considerada como o contrário de “tiquismo”, que poderíamos, seguindo as formulações de Peirce, traduzir por “acaso”. O sinequismo estabelece relações de causa e efeito para produzir ou potencializar o sentido, enquanto o acaso seria aquele resultado não provocado ou que tenha surgido por processos indeterminados de geração espontânea. Assim como as hipóteses e as interpretações são ideias ou ações que operam em sinequismo, também o acaso pode ser considerado como a manifestação de algo cuja ocorrência tenha formas ou consequências injustificáveis.




Cenas de Sinequismo: acima, uma das
gravuras mais conhecidas de Mondrian,
pioneiro da Abstração, Composition
with Yellow, Black, Blue, Red and Gray,
de 1921, foi adaptada por um artista
anônimo na Venezuela, na favela de
Petare – que conta com mais de 800 mil
moradores e é considerada a maior favela da
América, ocupando um território três vezes
maior que a favela da Rocinha, no Rio de
Janeiro. Abaixo, menina em coreografia de
torcida representada em grafite anônimo
no chão da praça Marília de Dirceu, em
Belo Horizonte, em fotografia de 2010;
e Resistance, grafite também anônimo
fotografado em 2010 em Paris, França


 





Sinequismo e tiquismo engendram um terceiro sistema: o “agapismo”, também referido por Peirce como “lei do amor evolutivo”, “busca de um interpretante final” ou “lógica da investigação conscientemente aplicada”. Em consonância com as categorias definidas com as tríades de Primeiridade, Secundidade e Terceiridade, no complexo arcabouço teórico que Peirce apresenta, os termos sinequismo, tiquismo e agapismo fundamentam o crescimento contínuo, a variedade e a diversificação entre nossos conhecimentos em relação às leis universais da natureza.

O sinequismo, nos pressupostos da semiótica formulados por Peirce, também vem a ser considerado como uma ocorrência de “abdução”: uma hipótese extremamente criativa, ou um tipo de raciocínio, instintivo e intuitivo, baseado na afinidade de nossa mente com a natureza e capaz de proporcionar, até mesmo de forma não consciente ou não racional, um conhecimento realmente novo –– identificado, portanto, como “invenção” ou “descoberta”. Para Peirce, assim como para Platão e outros sábios desde a Antiguidade Clássica, a natureza deve ser sempre tomada como parâmetro para o pensamento porque é a mais perfeita entre todas as obras de arte.




Cenas de Sinequismo: acima, Ballerina, arte
pintada delicadamente em 2012 pelo misterioso
artista do grafite Banksy, com spray, a percorrer
a parte de trás de um quadro não identificado do
Museu Britânico, em Londres, sobre o fio que
surge como se fosse uma corda bamba. Abaixo,
o esqueleto em rosa choque criado em uma
grade de esgoto de rua no bairro de Trastevere,
em Roma, Itália, em fotografia de 2012; e Alien,
arte e fotografia de 2009 nas ruas de Nova York
em criação do grafiteiro e designer Joe Baran













Cruzamentos entre vários códigos



Sobre este aspecto da cultura humana coexistir em relação permanente, e sempre dependente, ao grau de perfeição das leis da natureza, Peirce escreveu: “O universo como um argumento é por força uma grande obra de arte, um grande poema – pois um belo argumento é sempre um poema, uma sinfonia – da mesma forma que o verdadeiro poema é sempre um argumento significativo. Comparemo-lo antes com uma pintura – com uma marinha impressionista” (CP 5.119).

Nas imagens de grafites e fotografias reproduzidas e apresentadas como exemplificação neste artigo, destacamos a presença do sinequismo nas relações de sentido e de representação que são produzidas por meio dos cruzamentos entre vários códigos. Tais cruzamentos, conforme as sínteses dos conceitos e teorias de Peirce apresentadas por Umberto Eco em obras fundamentais como “Tratado Geral de Semiótica” (1976), “Semiótica e Filosofia da Linguagem” (1984) e “Os Limites da Interpretação” (1990), entre outras, podem ser verificados no processo de generalização das sensações particulares, vividas por cada um de nós, quando estamos em busca pelo significado de uma determinada obra.






Cenas de Sinequismo: acima, arte e instalação
de 2013 de Angela Milton em um parque de
Detroit, nos EUA; e Caravane, grafite de 2011
do artista conhecido como OakOak nas ruas
de Paris. Abaixo, grafite anônimo no bairro
Floresta, em Belo Horizonte, em fotografia
de 2013; e o mural batizado de Tanuasú,
Tierra y Nobleza, criado por Matías Mata,
membro do coletivo Sabotaje al Montaje,
em julho de 2016, durante o Festival de
El Paso en La Palma, nas Ilhas Canárias,
arquipélago espanhol situado no Oceano
Atlântico, ao leste da costa do Marrocos







O significado, entre signos, objetos e interpretantes, vai brotar da percepção de um plural de possibilidades e, por meio da comunicação, poderá produzir o fundamento comum de sentimentos compartilhados em uma mentalidade coletiva, contínua, tanto na experiência científica como na formulação filosófica e artística. Exatamente porque depende de vários, e não apenas de um único código, o significado só pode ser representado como um sistema dinâmico: está sempre em movimento, em toda e qualquer circunstância, sob todos os aspectos.



Relações de signos simultâneos



Ou seja: as relações permanentes entre a obra e o seu contexto histórico, social e cultural permitem a descoberta de elementos que ressignificam não apenas a leitura da própria obra, mas também o signo exterior –inscrito no âmbito do imaginário social –que passa a ter com a obra uma determinada ligação ou relação. De novo estamos diante do conceito de sinequismo: nas imagens apresentadas, o significado, ou antes a produção de sentido, está, na verdade, no cruzamento que resulta de pelos menos três signos simultâneos:

1° signo –– a vegetação, ou a estrutura física, ou o condicionante material que já existia naquele contexto antes da iniciativa da representação;

2° signo –– o ângulo da fotografia, ou a perspectiva do desenho ou da pintura, ou a intervenção artística que tomou aquele determinado material como seu objeto para a representação;

3° signo –– a obra (o 1° signo somado ao 2°) que se apropriou da vegetação, ou do espaço, ou do contexto material pré-existente para produzir ou potencializar um sentido.









Cenas de Sinequismo: dois murais de autores
diferentes, em países diferentes, compartilham
a mesma ideia –– acima, arte de novembro
de 2014 na fachada de um prédio em Estepona,
na província de Málaga, na Espanha, criação
de José Fernandez Ríos. Abaixo, arte de
setembro de 2013 Natalia Rak na fachada de
um prédio em Bialystok, cidade do nordeste
da Polônia. Também abaixo, uma seleção de
seis imagens do portfólio do fotógrafo
britânico Denis Cherim que registram
momentos decisivos” e foram premiadas
em outubro de 2016, em Londres,
durante o festival Parallax Art Fair







Esses pressupostos da semiótica da comunicação, apresentados em sua complexidade nos argumentos de Peirce, que foram tão mal recebidos e tão pouco compreendidos em seu tempo, no final do século 19 e na primeira metade do século 20, surgem, na contemporaneidade, como parâmetros transdisciplinares fundamentais nos quais o signo é definido, simultaneamente, como meio e mensagem –por onde a informação perpassa e se desenvolve. Estranhamente, são esses mesmos parâmetros transdisciplinares que ganham cada vez mais os holofotes, em destaque, com a proliferação dos sistemas de Inteligência Artificial e das mídias interativas nestas primeiras décadas do século 21.


por José Antônio Orlando.



Sobre Sinequismo e outras questões de Semiótica,
veja também Paisajes y Tendencias Semioticas.












5 comentários:

  1. Milton de Souza Lima6 de fevereiro de 2017 13:33

    Magnífico. Esse blog Semióticas é sempre surpreendente, mas desta vez fiquei encantado com o que encontrei aqui. Acho que esta é a melhor matéria que encontrei aqui, entre tantas outras tão maravilhosas. Com esse artigo chamado "Cenas de Sinequismo" você conseguiu traduzir em poucas palavras e com imagens tão belas questões teóricas que são muito complexas e que nem todos alcançam. Este artigo vale por uma aula. Ou melhor: vale por um curso inteiro. Enviei um convite para seu e-mail semioticas@hotmail.com e espero que você aceite. Parabéns de novo.

    Milton de Souza Lima

    ResponderExcluir
  2. Parabéns pelo alto nível. Artigo maravilhoso e seleção de imagens das melhores que já encontrei. Fátima Alves

    ResponderExcluir
  3. Artigo muito elucidador. Os exemplos não poderiam ter sido mais bem selecionados. Os conceitos peircianos são bastante complexos, mas vocês, do Semióticas, nos fazem ter vontade de mergulhar cada vez mais neles.

    ResponderExcluir
  4. Ana Laura de Almeida Salles21 de fevereiro de 2017 14:59

    Gostei muito e aprendi muito também. Uma aula deliciosa com texto impecável e imagens lindas. Agradeço por você compartilhar sabedoria e por tornar simples e compreensível um assunto de tanta complexidade. Parabéns pelo blog. Sensacional.

    Ana Laura de Almeida Salles

    ResponderExcluir
  5. Arthur Costa Lourenço7 de março de 2017 13:43

    Texto perfeito, impecável, e imagens lindas. Só agradeço por esta aula maravilhosa. Parabéns, José, pelo blog Semióticas que é sensacional em tudo. Cá de Lisboa envio um abraço afetuoso.

    Arthur Costa Lourenço

    ResponderExcluir

( comentários anônimos não serão publicados )

Todas as páginas de Semioticas têm conteúdo protegido.

REPRODUÇÃO EXPRESSAMENTE PROIBIDA.

Contato: semioticas@hotmail.com

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Páginas recentes