quinta-feira, 27 de dezembro de 2012

Inventando a Abstração











Não devemos então renunciar
ao objeto completamente, jogá-lo
aos ventos, desnudar o abstrato?

(Wassilly Kandinsky em 1911)



Qual foi a grande revolução da arte no último século? Provavelmente a resposta vai apontar para a ruptura nos padrões artísticos inaugurada pelas vanguardas europeias na passagem do século 19 para o século 20. Os Impressionistas, Paul Cézanne, Claude Monet, Édouard Manet, entre outros, vêm à frente, nas artes plásticas, tornando a percepção do espaço pictórico um contraponto ao realismo da imagem que a evolução das novas técnicas da fotografia proporcionava.

No Impressionismo, paisagem e figuras nítidas, realistas, aos poucos cedem espaço a novas experiências: com a luz, com a cor, com a perspectiva. A obra de arte passa a expressar a imaginação, o mundo interior do artista, a distorção, a metalinguagem, o conceito abstrato. É o nascimento da Arte Moderna. O Impressionismo daria origem a séries de movimentos similares, nos anos seguintes e décadas, incluindo o Fauvismo, o Expressionismo, o Cubismo, o Futurismo, o Suprematismo, o Dadaísmo, o Surrealismo e suas variantes.

Para celebrar um século das grandes revoluções das vanguardas na arte, o MoMA, Museu de Arte Moderna de Nova York, reuniu uma centena de artistas e 350 obras-primas que têm em comum um conceito multidisciplinar que perpassa as vanguardas: a Abstração. São as obras-primas de um tipo novo e ousado de arte, que há 100 anos chocava os conservadores e o senso comum, habituados ao estilo realista e renascentista que perpetuava como única possível a arte greco-romana. 




Três trabalhos de Kandinsky, pioneiro
da Abstração, em exibição no MoMA:
no alto, "Impression III (Konzert)",
de 1911, e dois estudos que precederam
a aquarela final. Todas as imagens abaixo
foram extraídas do catálogo da exposição
"Inventing Abstraction, 1910-1925"

 
Ao reunir os primeiros passos da novidade radical, a mostra “Inventing Abstraction, 1910–1925” (Inventando a abstração) apresenta um roteiro diferente para a trajetória das vanguardas, fugindo ao lugar comum de selecionar certas obras como as mais representativas de cada movimento. No roteiro, a invenção da Arte Abstrata surge como uma rede que se move através de artistas e experiências, de Pablo Picasso e Georges Braque a Wassily Kandinsky, Duchamp, Mondrian, Malevich, Picabia, Kupka, Artaud, Man Ray e Georgia O'Keefe, entre outros, em várias áreas de atuação e em nações diferentes. A rede converge para Paris no início do século 20.



Novo capítulo na História da Arte



Como o acervo de obras-primas, cedidas por diferentes museus e coleções de vários países, nunca havia sido antes reunido, a exposição representa um novo capítulo na História da Arte, no que se refere à Abstração – apontada como característica comum a todos os movimentos de vanguarda, mas nunca antes investigada como uma tendência singular a reunir esforços coletivos e experiências fundamentais à construção do que conhecemos por Arte Moderna. Muitos destes marcos estão no acervo que o MoMA apresenta ao público a partir de hoje (27 de dezembro) e até 15 de abril de 2013.





A arte de Kandinsky: no alto,
"Komposition V" (1911), seguida
de "Aquarell No. 13" e "Quadrate
mit konzentrischen Ringen" (Estudo
de cores em quadrados com anéis
concêntricos), ambas de 1913


O museu também oferece uma visita virtual à exposição e o catálogo completo que inclui reprodução das obras e ensaios de críticos e historiadores (veja o link no final deste texto). Além da visita on-line e do catálogo completo, também está disponível no portal do MoMA um aplicativo inovador: o mapa tridimensional da Abstração como trajetória dentro dos vários movimentos de vanguarda. Possível somente em suportes eletrônicos, o diagrama é móvel e, a cada passo ou a cada clique, oferece cadeias paralelas de links simultâneos para mapear as relações entre os artistas e suas principais obras.

Pela primeira vez, estão reunidos em uma única exposição os trabalhos mais antigos e mais influentes do abstracionismo e da não-figuração, incluindo pinturas, desenhos, livros, esculturas, filmes, fotografias, poemas sonoros, música atonal e apresentações ao vivo de dança e orquestra. Ao visitante está proposta uma imersão em imagens e sons de 350 obras monumentais e instalações originais em mídias simultâneas.




 


Um Kandinsky e dois Mondrian:
no alto, "Farbstudie mit Rauten"
(Estudo de cores com losangos),
de Kandinsky, 1913, seguido de
"Compositie" (1916) e "Lozenge
Composition with Yellow, Black, Blue,
Red and Gray" (1921), de Piet Mondrian.
Abaixo, uma performance libertária de
Isadora Duncan fotografada por
Eadweard Muybridge






 

A Abstração a partir dos primeiros registros em suportes e expressões das mais diversas: pinturas de Kandinsky e Picabia, esculturas de Vladimir Tatlin, gravuras de Mondrian e Malevich, os “ready made” (objetos relidos) de Duchamp, os móbiles, textos impressos e a reprodução do som, poemas de Guillaume Apollinaire rabiscados nas trincheiras da Primeira Guerra Mundial, o espontâneo nas performances libertárias de pés descalços de Isadora Duncan, experiências musicais ainda radicais de Debussy, Satie, Schoenberg e Stravinsky, o lirismo das manipulações e sobreposições da novidade das imagens em fotografia e cinema. 

 

A maior das inovações do Modernismo



Observando esta seleção de obras-primas que nunca havia sido reunida, percebemos que o conceito de Abstração pode ser de fato a maior das inovações do Modernismo. É o que defende a curadora do MoMA, Leah Dickerman, no ensaio que abre o catálogo da exposição. O argumento faz todo sentido, mesmo que hoje seja tão cotidiano e permanente nosso convívio com as imagens abstratas: chega a ser difícil conceber um momento em que uma obra de arte não-figurativa era inimaginável ao ponto de se tornar alvo de protestos e ofensas.





Duas obras-primas de 1912: no alto,
"Study for Le Modèle nu dans l'atelier",
de Fernand Léger. Acima, "Danses à la
source II" (Danças da primavera),
das obras-primas de Francis Picabia


No entanto, quando essas obras apareceram pela primeira vez, de repente, há cerca de 100 anos, levantaram muita surpresa e espalharam polêmicas. A obra mais antiga na exposição é de Picasso: “Trois femmes”, tela de 1908. Mas aqui ainda há o apelo da figura, mesmo que diluído por Picasso nas distorções e perspectivas intrigantes que ele mesmo levaria a extremos nas décadas seguintes.

O conceito inaugural da Abstração é atribuído aos estudos e aquarelas que Kandinsky desenvolveu em 1910. Pela primeira vez, intencionalmente, a arte dispensava um assunto reconhecível aos padrões realistas. Em 1911 e 1912, aconteceriam exposições em Paris em que a Abstração virou objeto de escândalo: Kandinsky, Léger, Picabia e outros lançaram obras que marcaram o início de algo radicalmente novo.







No alto, “Mare = Ballerina” (1913),
de Gino Severini. Acima, arte de
Sonia Delaunay para a capa da primeira
 edição de “Poèmes, 1898-1913”,
de Guillaume Apollinaire, seguida
de fac-símile de “Lettre-Océan”,
poema visual de Apollinaire publicado
no “Les Soirée de Paris” (1914). Abaixo,
uma obra de Francis Picabia, "Je
revois en souvenir ma chère Udnie",
pintura em óleo sobre tela de 1914

Mesmo radicais em suas concepções, sem nenhum paralelo nos séculos anteriores de História da Arte, as implicações da ruptura das primeiras obras de tema abstrato se propagaram com uma rapidez surpreendente: em cinco anos, praticantes de Abstração podiam ser contados às dezenas, nas capitais da Europa e em diversos outros países – inclusive no Brasil, onde o amazonense Manuel Santiago (1897–1997), orientado por seus primeiros mestres em Belém do Pará, produziria séries de telas de inspiração abstrata a partir de 1916.



O ataque a Anita Malfatti



Entre nós, há também o escândalo provocado pela crítica demolidora de Monteiro Lobato à pintura de Anita Malfatti. Recém-chegada de temporada de estudos em artes plásticas na Europa e nos Estados Unidos, em 1917, Anita organiza uma exposição com seus trabalhos inspirados nas novas tendências, em oposição à arte tradicional. Logo na abertura do evento, trava contato com um grupo de amigos vanguardistas de São Paulo, entre os quais estavam Mario de Andrade e Oswald de Andrade, mas poucos dias depois é surpreendida com um escândalo: um artigo virulento e retrógrado, assinado por Monteiro Lobato, publicado em dezembro de 1917 no jornal "O Estado de S.Paulo”, ultrapassou os limites do bom-senso e provocou reações apaixonadas do público, favoráveis e contrárias ao seu veredito, apontado como estopim para a Semana de Arte Moderna de 1922. O resultado foi traumático para Anita, que ficou durante anos isolada de todos e demorou décadas a retornar aos trabalhos em artes plásticas.




Denominado “Paranoia ou Mistificação?”, o artigo de Monteiro Lobato sobre a exposição de Anita Malfatti destaca que a obra de Anita é “produto dos tempos decadentes, de cérebros deformados”, e que a única diferença entre sua pintura e aquela feita nos manicômios, como terapia, é que a dos loucos era "arte sincera". Confira um trecho da argumentação equivocada e raivosa de Monteiro Lobato:

Há duas espécies de artistas. Uma composta dos que veem normalmente as coisas. A outra espécie é formada pelos que veem anormalmente a natureza e interpretam-na à luz de teorias efêmeras, sob a sugestão estrábica de escolas rebeldes, surgidas cá e lá como furúnculos da cultura excessiva. Embora eles se deem como novos, precursores de uma arte a vir, nada é mais velho do que a arte anormal ou teratológica: nasceu com a paranoia e com a mistificação. Essas considerações são provocadas pela exposição da senhora Malfatti, onde se notam acentuadíssimas tendências para uma atitude estética forçada no sentido das extravagâncias de Picasso e companhia”. 





No alto, “Synchrony in Orange,
To Form” (Sincronia em laranja,
para formar), de 1913-1914, por
Morgan Russell. Acima,
“Mariage comique” (Comédia
de casamento), de 1914,
obra de Francis Picabia

 
Além de Anita Malfatti, há também a presença marcante da arte de Tarsila do Amaral como representante brasileira nas frentes de vanguarda. Tarsila frequentou ateliês de mestres em Paris, travou amizade com Fernand Léger, Pablo Picasso e Blaise Cendrars, entre outros, e também flertou em diversos momentos com a arte abstrata, mas jamais abandonaria definitivamente na pintura suas figuras de moldes personalíssimos. No Brasil, a Abstração só faria escola a partir do final da década de 1940, quando se destacam trabalhos de pioneiros do não-figurativismo como Antônio Bandeira e Cícero Dias, além do Ateliê Abstração (1951), tendo à frente Samson Flexor. 

 

Do convívio à influência



A curadora da exposição do MoMA explica que o surgimento das primeiras imagens abstratas foi resultado da combinação de esforços pessoais de grandes gênios e dos avanços tecnológicos extraordinários que aquela época testemunhava. É o auge da Belle Époque, da popularização da fotografia e do cinema, dos novos meios de poesia sonora com a gravação do som e de uma profusão de imagens impressas em jornais, revistas, histórias em quadrinhos e anúncios publicitários. Neste cenário, a novidade da Abstração revolucionou o antigo conceito de arte baseado exclusivamente na imitação figurativa da realidade. 







Abstrações de Georgia O'keefe:
a partir do alto, “Blue II” (1916),
“Music – Pink and Blue N° 2” (1918)
“Grey Line with Lavender
and Yellow”, pintura de 1923
 

A trajetória da Abstração se confunde com a própria Arte Moderna, como comprova o diagrama apresentado pelo MoMA. É, também, uma trajetória de grandes amizades. Do convívio à influência: amigos apresentavam novos amigos por afinidades e a ideia do novo se propagava. Cada um apresenta contribuições da maior importância, mas o centro eram os nomes mais populares entre o grupo de amigos – caso do poeta Apollinaire, apontado pela curadora do MoMA como "o mais social, o mais conhecido, o homem de mais longo alcance em seu tempo".

Amigo “de todo mundo em Paris”, Apollinaire também travou relações com muitos para além das fronteiras da França. Ele está na origem de tudo: foi quem apresentou Picasso a Georges Braque – e, daquela nova amizade, surgiriam as bases e as obras-primas do Cubismo, que assombraram os amigos artistas e motivaram novas experiências radicais do grupo que incluía Duchamp, Picabia, Léger, Kupka, Kandinsky e vários outros.





No alto, “Spielende Formen”
 (Jogando formas), de 1914, por
Franz Marc. Acima, ilustração de
Sonia Delaunay para “La Prose
du Transsibérien et de la petite
Jehanne de France” (Prosa do
Transsiberiano e a Pequena Joana
da França), publicado em 1913
pelo poeta Blaise Cendrars


Autor da primeira obra definida como abstrata (“Impression III, Konzert”, de 1911, exibida no MoMA com dois estudos que a precederam), Kandinsky tornou-se uma força na criação e na promoção da arte da Abstração. Entre os ensaios do catálogo, há quem o aponte como mentor da nova experiência, através de seus esforços ousados como pintor, teórico, editor, organizador de exposições, professor e anfitrião generoso para dezenas de artistas e escritores que viajaram, muitas vezes a grandes distâncias, para conhecê-lo, nas temporadas que viveu em Munique, Alemanha, e em Moscou, Rússia. Mas Kandinsky recusou o emblema de pioneiro e atribuía a outro mestre, o músico Arnold Schoenberg, a concepção do abstrato na arte. 

 

Coleção de obras-primas




 
Entre 1910 e 1925, Kandinsky produziria uma sucessão de obras-primas em Abstração e influentes tratados teóricos que levaram a ideia da abstração à formação de gerações de artistas em diversos países, entre eles “Über das Geistige in der Kunst” (Sobre o espiritual na arte), de 1910. O caminho inicial de Kandinsky, seu estilo festivo muito pessoal de linhas e cores, ganharia derivações que ampliaram o conceito de abstrato, entre elas as figuras em decomposição de Picasso e as construções geométricas de Malevitch e Mondrian.






No alto, “Les Disques” (1918), de
Fernand Léger. Acima, “Zhivopisnye
massy v dvizhenii” (Massa pintada em
movimento), de 1915, pintura em óleo
sobre tela de Kazimir Malevich


Em seu papel de professor, Kandinsky propagou uma ideia muito particular da Abstração e da Arte Moderna, atuando como coordenador de programas de arte e design na Rússia, depois da Revolução de 1917, e posteriormente na Escola Bauhaus, na Alemanha. No círculo de amigos que gerou a Abstração e todos os grandes movimentos de vanguarda, no período anterior à Segunda Guerra Mundial, há ainda o centro que se estabeleceu a partir de Picasso e Braque, depois da invenção do Cubismo.

Genial e contraditório, Picasso também sempre recusou o emblema de inventor da arte abstrata. Contudo, seu papel na origem da concepção da Abstração na arte é, por certo, anterior às experiências de Kandinsky e outros pioneiros. Vem dos estudos e experiências que o artista espanhol arriscou desde 1900, ainda na Espanha, antes de seguir para tentar a sorte em Paris. Curiosamente, o flerte de Picasso com a Abstração esteve mais intenso em 1910 (mesma época das primeiras experiências abstratas de Kandinsky), durante a temporada de verão que ele passou em Cadaqués, na Catalunha.







Inventando a Abstração: no alto,
Rodchenko, “Bespredmetnaia
zhivopis No. 80” (Pintura não
objetiva N° 80), de 1918, seguida
de duas obras-primas de Hans Arp,
“Dada” (1920) e “Untitled” (1917)



Mulher com bandolim



Femme à la mandoline” (Mulher com bandolim), presente na exposição do MoMA, e outras obras-primas que Picasso criou naquele verão de 1910 em Cadaqués, não deixam dúvidas sobre a autoria da novidade da Abstração: há traços, cores, formas em perspectiva, mas somente sobrevive na atenção do observador uma ideia, sua qualidade, que não confere nenhuma certeza de interpretação ou de realismo figurativo. No entanto, depois destas obras radicais, Picasso seguiria em outras experiências, outras direções. Mais tarde, declarou que a abstração era impossível.

"Não há arte abstrata, nunca houve”, registrou Picasso em célebre entrevista à revista “Time”, publicada no final da década de 1930, que rendeu legiões de desafetos ao artista espanhol. “Você sempre tem que começar com alguma coisa. Depois, você pode remover todas as aparências da realidade, mas não há perigo, então, de qualquer maneira, porque a ideia do objeto terá deixado uma marca indelével". 




Três imagens de Picasso na mostra
do MoMA: em autorretrato de 1910, em
seu estúdio no Boulevard de Clichy, Paris,
tendo ao fundo o desenho “Femme nue
debout”, seguido de “Trois Femmes” 
(Três mulheres), de 1908, e “Femme à la
mandoline” (Mulher com bandolim), de 1910
 

As palavras radicais de Picasso, entretanto, não renderam indignação de outros mestres, como Kandinsky, Duchamp ou Mondrian. Muito pelo contrário. Como destaca a conclusão da curadora Leah Dickerman, na apresentação à exposição, entre os grandes nomes das vanguardas, Picasso talvez seja o que manteve as amizades mais duradouras ao longo da vida – e também quem levou a arte mais longe e antes de todos os outros, em experiências radicais e pioneiras, sempre revelando novidades sobre os caminhos a seguir.



por José Antônio Orlando.



Para uma visita à exposição "Inventing Abstraction 1910-1925", clique aqui.








16 comentários:

  1. Verdade seja dita: este site Semióticas merece três palavras: incrível, excelente, incomparável.

    Desde que cheguei aqui, hoje pela manhã, estou viajando em páginas fantásticas, assuntos dos mais sofisticados, longe do lugar comum. Gostei tanto que tomei coragem e enviei uma cópia da monografia que apresentei na Guignard para seu e-mail semioticas@hotmail.com

    Espero pela sua resposta. E agradeço muito por tudo que estou aprendendo por aqui. De novo, parabéns! Esta sua página sobre a Arte Abstrata (e muitas outras) vale por um mestrado.

    Carlos Portugal

    ResponderExcluir
  2. Mas que beleza é este Semióticas. Fica melhor a cada nova publicação. Impressionante. Sou aluno da UFMG e conheço muita gente que teve você como professor. Inveja. Aproveito esta mensagem para resolver uma dúvida sobre o abstracionismo, professor: aquelas volutas e arabescos da arte barroca e do rococó podem ser consideradas formas abstratas? Aguardo sua resposta e desejo toda a boa sorte do mundo para você e para este seu site maravilhoso. Parabéns!

    ResponderExcluir
  3. Alice de Gusmán Lytton10 de janeiro de 2013 16:38

    Esta página do seu blog chamada Inventando a Abstração vale por uma aula. Ou melhor, por um curso inteiro. Maravilhoso o seu ensaio e todas as imagens tão exatas. Amei também muitos dos outros textos e fotos que encontrei por aqui. Parabéns demais. Deixo para você, em agradecimento, um aforismo atribuído a Aristóteles que confirma todo o raciocínio que você expôs tão bem. A citação de Aristóteles foi a epígrafe de minha monografia sobre o Barroco Mineiro apresentada na UFOP.

    "A finalidade da arte é dar corpo à essência secreta das coisas, não é copiar sua aparência" (Aristóteles)

    Alice de Gusmán Lytton

    ResponderExcluir
  4. Amei. Tudo perfeito, tudo lindo. Nunca houve um blog como Semióticas. Só acho que a polêmica do Monteiro Lobato com os modernistas merece uma página à parte. No mais, só excelência...

    ResponderExcluir
  5. Excelente como sempre.
    Abraços
    Benilde Lustosa

    ResponderExcluir
  6. Orlando, parabéns pelo seu trabalho de pesquisa, pelo seu gosto apurado, pela combinação de sofisticação e simplicidade que os seus textos e autor deixam transparecer.

    karein Castro Reglero

    ResponderExcluir
  7. Quando li esta sua página fiquei muito irritado mesmo com Monteiro Lobato. Depois fiquei pensando, pensando... Seu blog é o máximo, porque faz a gente pensar. Não é pouco.
    Muitos parabéns.

    Ricardo Benevenuccio

    ResponderExcluir
  8. adorei esse blog!!!!parabéns pelo trabalho

    ResponderExcluir
  9. Sara Maria de Alencar5 de abril de 2013 12:17

    Encontrei aqui aulas maravilhosas sobre assuntos tão interessantes que cada página deste seu site é uma descoberta e uma aventura, meu querido José Antônio Orlando. Sou admiradora fiel do seu trabalho e cada vez que visito este Semióticas fico mais feliz. Não costumo comentar as páginas que visito, mas achei tão especial seus toques aqui, sobre a Arte Moderna e seus escândalos, que não resisti e estou aqui escrevendo e escrevendo. Era para ser um recadinho de três ou quatro palavras, mas você merece tudo isso e muito mais. Amo, amo, amo este Semióticas. Beijos.


    Sara Maria de Alencar

    ResponderExcluir
  10. Tengo que escribir un breve comentario. Trabajo maravilloso este blog Semióticas, una auténtica lección de historia del arte, con un extracto de la luz clara y brillante. También me convertí en un fan de su trabajo, José Antonio Orlando. Felicidades y buena suerte siempre! Estoy muy agradecido por todo lo que he aprendido y siempre aprendo aquí en este blog genio.

    ResponderExcluir
  11. David Henrique dos Santos12 de dezembro de 2013 10:43

    Bom demais. Valeu por um curso inteiro. Este blog Semióticas é um espetáculo!!!

    David Henrique dos Santos

    ResponderExcluir
  12. Adorei a página, aprendi muito e gosto de me informar sobre arte o mais que posso, pois sou pintor autodidata e acho importante pesquisar e aprender

    ResponderExcluir
  13. Parabéns pelo alto nível. Sou sua fã desde a primeira visita que fiz a esta maravilha chamada Semióticas.

    ResponderExcluir
  14. Que página, que blog! Valeu por um livro, ou melhor, por um curso inteiro! Parabéns, José. Este seu blog Semióticas é um luxo só!

    Alexandre Rocha

    ResponderExcluir
  15. Lúcia Andréia de Alvarenga Peixoto2 de janeiro de 2016 11:51

    Registro os parabéns a você por tudo que encontrei aqui neste maravilhoso blog Semióticas, meu querido autor José Antônio Orlando. Concordo com o que o Alexandre Rocha escreveu acima. Tudo neste blog, e mais ainda esta página sobre a Arte da Abstração, vale por um curso inteiro. Ganhou mais uma fã. Lúcia Andréia de Alvarenga Peixoto

    ResponderExcluir

( comentários anônimos não serão publicados )

Todas as páginas de Semioticas têm conteúdo protegido.

REPRODUÇÃO EXPRESSAMENTE PROIBIDA.

Contato: semioticas@hotmail.com

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Páginas recentes