quarta-feira, 11 de julho de 2012

Gênesis por Sebastião Salgado














Tive a sorte de entrevistar Sebastião Salgado para um jornal de Belo Horizonte quando uma exposição com as primeiras imagens que ele havia produzido para o projeto Gênesis iria ser aberta no Museu de Artes e Ofícios. Era outubro de 2006 e comemorei a oportunidade de falar com o fotógrafo que sempre admirei. Os primeiros contatos com as assessorias, entretanto, não foram nada animadores: informaram que ele estava de passagem pelo Brasil, mas que não estava disponível para entrevistas, que estava com a agenda completa e que não viria a BH para a abertura da exposição.

Depois de várias tentativas sem resultado, tentei um caminho dos mais prosaicos. Naquela época eu também trabalhava como professor em uma faculdade na cidade de Congonhas e tinha uma aluna que dizia ser afilhada de batismo de Lélia Wanick Salgado, esposa do fotógrafo. Comentei com a aluna sobre a dificuldade para conseguir a entrevista e dias depois ela me passou um telefone de contato em São Paulo. Liguei e falei com uma secretária sobre o pedido de entrevista, expliquei que poderia ser por e-mail.

Para minha surpresa, a secretária pediu que eu aguardasse na linha e em poucos minutos o próprio Sebastião Salgado estava ao telefone. Ele atendeu e foi muito gentil, mas com uma ressalva: a entrevista teria que ser breve, brevíssima, porque ele estava esperando o carro que o levaria ao aeroporto. Conversamos durante mais ou menos 15 minutos. Confira um trecho da entrevista:






Pergunta – Como foi que Sebastião Salgado descobriu a fotografia?

Sebastião Salgado –
Foi completamente por acaso. Na época, no final da década de 1960, eu e minha esposa, que é arquiteta, vivíamos em Paris e estávamos impedidos de retornar ao Brasil por muitos anos por razões políticas, porque participávamos do movimento de esquerda contra a ditadura militar. Minha esposa comprou uma câmera Leica para tirar fotos de edifícios e, como eu sempre acompanhava o trabalho dela, comecei a olhar através da lente. Foi aí que a fotografia começou a invadir minha vida. Quando terminei meu doutorado em Economia, abandonei tudo para dedicar mais tempo a meu filho, que tem Síndrome de Down, e comecei uma nova vida como fotógrafo. Isso ainda é minha vida hoje.

Nossa época testemunha a passagem do equipamento analógico para as mídias digitais. As novas tecnologias da imagem, na sua avaliação, trouxeram mais qualidade para a fotografia?
 

Eu fotografei com rolos de filme por muitos anos, mas agora que estou começando a trabalhar com equipamento digital, percebo que a diferença é enorme. A qualidade é inacreditável: eu não uso flash e com o equipamento digital posso até mesmo trabalhar em condições de luz muito ruins. Além disso, é um alívio não perder mais as fotografias para máquinas de Raio-X nos aeroportos.


 

Imagens de Sebastião Salgado para
o projeto Gênesis: no alto, pescaria da
tribo Waurá na laguna chamada Piulaga,
na Amazônia. Acima, ritual dos Waurá
durante o Kuarup. Abaixo, uma índia
da tribo dos Waurá amamenta a filha







Qual dos mestres da fotografia mais influencia seu trabalho?

Todos eles (risos). Mas quando eu estava começando, tive a incrível sorte de conhecer Henri Cartier-Bresson em Paris. Lembro até hoje das palavras dele, quando o encontrei, já muito velhinho, dizendo que era preciso confiar nos meus instintos mais sutis para fazer um trabalho que tivesse algum valor além do registro banal. Acho que foi a principal lição que já ouvi em toda a minha vida.

Tem algum projeto agendado para depois da série Gênesis?

Nos próximos anos, pretendo me dedicar a este projeto para que ele esteja completo e tenha um certo alcance. O que está agora em exposição é apenas uma pequena parte dele, uma prévia, com as fotografias que eu tinha feito em Galápagos, no Virunga, que é um parque nacional entre o Congo, Uganda e Ruanda, e a Península Valdes, na Argentina. O Gênesis surgiu há dois anos e tem como objetivo despertar a atenção das pessoas para conceitos de biodiversidade, de sociodiversidade e do papel que todos nós devemos ter na conservação ambiental. Metade do planeta Terra ainda está intacta e pretendo me dedicar através da fotografia para mostrar a parte que a ação do homem ainda não destruiu. Acredito que podemos compreender o que ainda é possível preservar.

O que Sebastião Salgado ainda não fez, mas pretende fazer? 
 
Pretendo continuar o trabalho que venho desenvolvendo. Devemos estar todos cientes de que o planeta está passando por uma situação limite, uma situação muito grave que ninguém pode ignorar. O homem já destruiu mais da metade do nosso planeta e não pode seguir nesta depredação brutal. Se eu puder contribuir com uma pequena parte para a preservação, se eu puder tocar o coração das pessoas, meu objetivo terá sido alcançado. Talvez este seja meu último longo projeto, mas não tenho do que reclamar. Muito pelo contrário. Tenho vivido uma vida extremamente privilegiada. Visitei mais de 120 países, vi muitas pessoas diferentes, vi coisas maravilhosas e coisas terríveis. 








Gênesis por Sebastião Salgado:
no alto, o fotógrafo em ação na
África, fotografado por seu filho,
Juliano Salgado. Acima, campo
de gado da tribo Dinka, no sul do
Sudão; e guerreiro Dinka com a
pele coberta de cinzas para proteção
contra os insetos e parasitas. Abaixo,
mulher da tribo Himba, na Namíbia,
África; e Salgado fotografado por sua
esposa, Lélia Wanick, em 2005,
também na Namíbia, durante as
expedições do projeto Gênesis







 

Próxima exposição


Hoje, seis anos depois daquela entrevista por telefone, encontro uma notícia publicada no jornal inglês “The Guardian” sobre a próxima exposição de Sebastião Salgado. Será uma seleção de imagens inéditas registradas desde o início do projeto Gênesis, em 2004, no qual o fotógrafo desvia seu olhar da temática que o consagrou – a condição humana em meio às desigualdades sociais – para apresentar lugares e comunidades que ainda não foram tocadas pela mão do homem ocidental. A exposição está agendada para o início de 2013 no Museu de História Natural de Londres.

Segundo a reportagem do “The Guardian”, além da abertura da exposição em Londres, também está previsto para 2013 o lançamento do catálogo da Taschen sobre o trabalho de Sebastião Salgado, com os registros fotográficos do projeto Gênesis, e ainda o começo da produção do documentário “O Sal da Terra" (The Salt of Earth), filme dirigido pelo alemão Wim Wenders que contará com a colaboração de Juliano Salgado, filho do fotógrafo. O documentário de Wenders sobre Sebastião Salgado deve chegar aos cinemas em 2014.





Gênesis por Sebastião Salgado:
no alto, imagens do Alto Xingu, na
Amazônia, com chefe guerreiro da
tribo Kuikuro; e a família do xamã
Takara Kamayura. Abaixo, menina
no ritual da oca: depois de um ano
em reclusão, por causa da primeira
menstruação, ela se prepara para
entrar no mundo e casar; e Sebastião
Salgado na abertura da exposição
do projeto Gênesis em Londres,
em frente à fotografia dos xamãs
do Alto Xingu, fotografado
por Don Wong








Dividido em quatro blocos, intitulados “Criação”, “Arca de Noé”, “Homem Antigo” e “Sociedade Antiga", o projeto Gênesis, que tem financiamento da Unesco, apresenta para o mundo as paisagens naturais mais preservadas e distantes da interferência humana. O objetivo, anunciado por Sebastião Salgado já naquela entrevista em 2006, é registrar os últimos cenários intocados do planeta Terra e o modo de vida de tribos e comunidades que preservam suas tradições ancestrais.

Desde 2004, Sebastião Salgado já percorreu lugares ermos em territórios dos cinco continentes, com especial interesse em regiões como Sudão, Namíbia, Patagônia, Antártica, Indonésia, Cazaquistão e Brasil, onde o fotógrafo passou uma temporada no Pará acompanhando a vida cotidiana da tribo Zo'e. No site do “The Guardian” estão disponíveis imagens do projeto Gênesis e um vídeo que mostra o trabalho do fotógrafo durante a temporada com os índios no Pará. Além do “The Guardian”, imagens do projeto Gênesis também foram publicadas desde 2004 na França (“Paris Match”), Estados Unidos (“Rolling Stone”), Espanha (“La Vanguardia”), Portugal (“Visão”), Itália (“La Repubblica”) e por várias agências internacionais de notícias. 








Projeto Gênesis: a partir do alto, nativo
caçando pássaros no Deserto de Kalahari,
no sul da África; moradores do Vale de
Lalibela, na Etiópia, África; e uma grande
manada de búfalos selvagens no Kafue,
território de Zâmbia, também na África.
Abaixo, o cartaz original da exposição






 
Apontado como um dos mais premiados e respeitados fotojornalistas da atualidade, Sebastião Ribeiro Salgado Júnior é mineiro da cidade de Aimorés, nascido no dia 8 de fevereiro de 1944. Formado em Economia, trabalhava na Organização Internacional do Café até 1973, quando decidiu se dedicar integralmente à fotografia. Depois da publicação de seus primeiros trabalhos, foi contratado pelas agências de fotografia Sygma e Gamma. Em 1979, entrou para a Agência Magnum e dois anos depois foi pautado para uma série de fotos nos EUA sobre os primeiros 100 dias do governo de Ronald Reagan.

Até que aconteceu o imponderável da sorte: acompanhando a comitiva do presidente em Washington, na tarde do dia 30 de março de 1981, Salgado foi o único fotógrafo a registrar o atentado a tiros sofrido por Reagan. A venda daquelas fotos para jornais e revistas do mundo inteiro permitiu ao fotógrafo financiar seus primeiros projetos pessoais de viagens pelos locais mais remotos do planeta. Em 1994, abriu sua própria agência, a Amazonas Images. 







Sebastião Salgado presenteia o
presidente Lula com o catálogo
Trabalhadores, em outubro de 2006.
No alto, as fotos de Salgado na cena
do atentado contra o então presidente
dos EUA, Ronald Reagan, publicadas
no Brasil pela extinta revista Manchete 
em 1981. Abaixo, Salgado e a esposa
Lélia Wanick em autorretrado em
Paris na década de 1970








Desde então, Sebastião Salgado tornou-se embaixador do UNICEF, criou em sua terra natal (a fazenda Bulcão, em Aimorés) uma reserva ambiental como sede do Instituto Terra, gerenciado por ele e por sua esposa, e publicou vários livros com seleções de suas fotografias, sempre com imagens em preto e branco que denunciam a violação dos direitos humanos em meio a situações de guerra, de pobreza e de outras injustiças. Entre seus livros de fotografias, sempre lançados em parcerias com instituições humanitárias e com exposições internacionais itinerantes, estão “Trabalhadores” (1996), “Terra” (1997), “Serra Pelada” (1999), “Êxodos” (2000), "O Fim da Pólio" (2003) e “África” (2007). Na introdução de “Êxodos”, Sebastião Salgado escreveu:

"Há diferenças de cores, línguas, culturas e oportunidades, mas os sentimentos e reações das pessoas são semelhantes no mundo inteiro. Pessoas fogem das guerras para escapar da morte, migram para melhorar sua sorte, constroem novas vidas em terras estrangeiras, adaptam-se a situações extremas. Mais do que nunca, sinto que a raça humana é somente uma.”


por José Antônio Orlando.


Livros de Sebastião Salgado em promoção do blog Semióticas:


Para comprar o livro em edição de luxo  GÊNESIS  (Editora Taschen),  clique aqui.




Para comprar o livro com portfólio Sebastião Salgado, OUTRAS AMÉRICAS,  clique aqui.







Para comprar o livro Da minha Terra à Terra (Entrevistas / Sebastião Salgado),  clique aqui.














Gênesis: a partir do alto, nativo da tribo
Yali em caçada nas montanhas Jayawijaya
de Irian Jaya, na Papua Ocidental, Indonésia;
o refúgio da vida selvagem no extremo norte
do Alaska; pinguins Chinstrap que vivem
sobre icebergs nas Ilhas Sandwich do Sul,
Antártica; uma menina no ritual do peixe
sagrado, no Alto Xingu, Amazônia; e o
detalhe da pata de um lagarto nas
Ilhas Galápagos, Equador



26 comentários:

  1. Puxa ! que reportagem interessante meu amigo, lidar com "celebridades" é um tanto complicado e a gente até respeita o lado "star" das pessoas... ficar famoso não deve ser fácil...Bom! parabéns pelo seu esforço e por nos colocar perto das palavras de Sebastião Salgado.\º/

    ResponderExcluir
  2. Mais um dos vários e vários momentos brilhantes que encontro neste blog Semióticas. Toda a profundidade e maestria de Sebastião Salgado e sua arte apresentados de uma forma como poucas vezes acompanhei em outras matérias de jornais e revistas. Seu blog conseguiu reproduzir todo o sentimento de melancolia e denúncia que emanam das belas imagens em preto e branco de Salgado e, de quebra, ainda traz uma aula saborosa sobre a trajetória do meu conterrâneo de Aimorés lá no Vale do Rio Doce. Fiquei emocionado de novo, José, como sempre acontece quando encontro a poesia de uma nova reportagem neste seu blog fantástico. Parabéns pra você. Sou muito grato por tanta sabedoria compartilhada.

    Gilberto Alencar

    ResponderExcluir
  3. Aline Maria de Faria11 de julho de 2012 21:02

    Encontrei agora este Semióticas muito na sorte, pesquisando no Google imagens do Sebastião Salgado para um trabalho da escola. Sorte mesmo. Amei as fotos, amei o texto, amei a história toda, amei seu blog. Virei fã de carteirinha. Agradeço sua generosidade e sua inteligência. Que beleza!!!
    Aline Maria de Faria

    ResponderExcluir
  4. Notícia de qualidade não tem preço!

    Estou me aventurando neste mundo e abandonando redes sociais vazias não faz muito tempo. Há menos de uma semana descobri este blog e posso dizer que estou fascinada, absorvendo toda a informação e encantada com cada matéria que encontro aqui!

    Parabéns pelo blog Sr. José Antônio Orlando!

    Manuela

    ResponderExcluir
  5. Só posso agradecer. Descobri seu blog tem uma semana e ele mudou completamente minha rotina na internet. Desde minha primeira visita a este paraíso já viajei com Alice, com Sebastião Salgado, com Marc Ferrez, com Woodstock, com Elvis, Beatles, Led Zeppelin, Pink Floyd, Bob Dylan, Crumb, Louis Armstrong, Frida, Machado de Assis e mais uma dúzia de seus textos e páginas fantásticas. Tem somente uma semana, mas continua me assustando como você que um dia foi um estranho, tenha se transformado em um de meus mais queridos e estimados amigos mesmo que sobre você eu só conheça os textos incríveis. Você é tão importante para mim como qualquer de meus amigos pessoais, minha família ou vizinhos. Você me faz sorrir e ficar otimista a cada visita que faço a este país das maravilhas chamado Semióticas. Que Deus e todos os anjos retribuam em dobro toda a felicidade e tudo o que aprendo aqui a cada visita. Só posso agradecer.

    Elisa Cavalcante

    ResponderExcluir
  6. Grande Zé,

    que bela surpresa encontrar seu blog. MARAVILHOSO. Oxigênio puro.

    Obrigado por compartilhar.

    Abs

    Luiz Oswaldo Abreu
    (ex aluno, Fumec / PP)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olha só que boa notícia, meu caro! Muito bom mesmo receber sua visita e seu comentário com oxigênio puro de elogios. Sou grato. Mas bons leitores é que são cada vez mais pérolas raras, raríssimas, difíceis de encontrar nestes tempos de profundidade zero. Seja sempre muito bem-vindo, Luiz Oswaldo. Boas lembranças.

      Excluir
  7. "O que Sebastião Salgado ainda não fez, mas pretende fazer?". Ta aí uma pergunta incrível feita por um incrível jornalista. Sabemos que esses questionamentos só são possíveis quando estamos humildemente a frente de personagens reais e inspiradores como Sebastião Salgado. Fui à exposição em 2006, mas me faltaram palavras tamanha grandeza de suas obras. (O que geralmente acontece quando leio seus textos, Zé!). José Antônio Orlando, sábias são as suas entrevistas, aprendo demais com elas. Muito obrigado! Abraços, Rodolpho.

    ResponderExcluir
  8. Céus! Mas o que são essas imagens dele?! Mais um artigo seu que tenho o privilégio de ler e, antes de tudo, travar conhecimento com um personagem de importância imensa. Que bom que o Semióticas entrou em minha vida, assim... sem pedir licença!
    Abraços imensos Zé Antonio.

    ResponderExcluir
  9. Muito bom!! Maravilha!! Nao entendo nada de tecnicas de fotografiaS e fotojornalismo(por enquanto)descobrir que amo fotografar, pessoas lugares, coisas, mas tenho a sensibilidade de capatar o que ela passa, a mensagem, o recado. Os desejos e indignaçoes,satisfçõesm experiencias e alegrias .

    Arnaldo Ramos

    ResponderExcluir
  10. Que beleza de reportagem. Ele é um dos meus fotógrafos favoritos de todos os tempos. Suas imagens são simplesmente encantadoras, como convém aos grandes mestres. Sebastião Salgado é um deles. A cada nova fotografia que vejo assinada por ele, sinto como é impressionante o domínio que ele tem da arte e do equipamento e, em geral, produz obras em tom hipnótico, surreal...
    Ele é o maior e este seu blog Semióticas conseguiu demonstrar isso nos textos e nas imagens. Tudo aqui é um espetáculo fantástico. Nunca tinha visto tantos trabalhos tão bons em um só blog. Parabéns!

    Edson Negreiros

    ResponderExcluir
  11. "era preciso confiar nos meus instintos mais sutis para fazer um trabalho que tivesse algum valor além do registro banal."
    Excelente matéria! Desmistifiquei alguns pensamentos sobre o fotógrafo e seu trabalho.

    ResponderExcluir
  12. É cada vez mais raro encontrar boas ideias e originalidade, por isso considero este Semióticas um oásis no deserto. Parabéns pelo blog e pelas reportagens, cada uma melhor que a outra. Esta entrevista pontuada com as imagens maravilhosas do Sebastião Salgado, então, é para ler e admirar com toda atenção e prazer. Beijo de agradecimento para você e aplausos para seu trabalho de altíssimo nível. Marcela Ferreira.

    ResponderExcluir
  13. Parabéns Sebastião, seu trabalho é altamente agregador humano :) um grande abraço. parabéns ao BLOG Semióticas.

    http://www.marcelodubai.blogspot.com.br/

    Marcelo

    ResponderExcluir
  14. Bernardo Anderson do Vale25 de setembro de 2012 12:51

    Que imagens mais encantadoras! Agradeço ao trabalho de divulgação científica que este blog apresenta. Sou grande admirador do Sebastião Salgado, mas não conhecia nenhuma imagem desta série do projeto Gênesis. Salgado, meu conterrâneo de Aimorés, continua forte no posto entre os maiores fotógrafos em atividade. E este blog Semióticas está entre os melhores que já encontrei. Tudo impecável, de primeira, com uma variedade e uma coerência surpreendentes. Só esta entrevista e perfil sobre Salgado já garantiam todos os elogios. Parabéns para você, meu caro José Antonio Orlando. Alto nível!

    Bernardo

    ResponderExcluir
  15. Meu querido amigo José, seu blog é uma beleza como poucas que já encontrei na internet. E esta entrevista com Sebastião Salgado está de tirar o fôlego, assim como cada uma das imagens que você selecionou. Parabéns e toda a boa sorte do mundo para você. Beijos.

    Paloma

    ResponderExcluir
  16. Parabéns pelo seu blog! Delícia de ler.

    ResponderExcluir
  17. Seu blog é notável. Texto perfeito e imagens belíssimas em diálogo inteligente, no lugar certo. Parabéns. Concordo com as palavras da Rosana Zucolo: Delícia de ler.

    Selma Marchesan

    ResponderExcluir
  18. Telma dos Santos Nascimento24 de abril de 2014 18:07

    Parabéns pelo blog, sensacional, e pela sensibilidade de produzir estes ensaios tão inteligentes, tão críticos e tão lindos. Sou fã.

    Telma dos Santos Nascimento

    ResponderExcluir
  19. Me tornei fã de Sebastião Salgado por conta de uma professora de sala de leitura que me emprestou um livro contendo imagens deste maravilhoso homem. Nunca mais esqueci daquelas imagens que para época eram muito ,mas muito bem feitas, pareciam até de tecnologia digital. E o conteúdo das imagens já com estas mensagens e denuncias de pobreza e de amor a natureza sempre em lugares longe das cidades. Muito abrigado por essa matéria.

    ResponderExcluir
  20. Carlos Henrique Souza Lima29 de junho de 2014 20:13

    Que bela matéria! Tenho visto muitas matérias recentes sobre Sebastião Salgado, mas reconheço que esta é uma das melhores. Parabéns pelo blog. É sensacional!

    Carlos Henrique Souza Lima

    ResponderExcluir
  21. João Batista Ferreira26 de fevereiro de 2015 12:00

    Sebastião Salgado é um brasileiro que muito nos honra, não só porque é um dos grandes fotógrafos em atividade mas também porque alerta o mundo inteiro para questões sobre a sobrevivência da espécie humana no planeta Terra. Parabéns a ele, super-merecidos, e parabéns ao Blog Semióticas por mais esta matéria linda e sensacional. Sou fã dos dois.

    ResponderExcluir
  22. Patrick dos Santos14 de abril de 2015 09:09

    Linda reportagem sobre o nosso maravilhoso Sebastião Salgado, um grande homem, grande fotógrafo que apresenta com dignidade e extremo respeito o outro, o diferente, a alteridade e nos alerta para que possamos sair em defesa da natureza e do "indígena" que precisa sim ter seus costumes e valores respeitados. Parabéns pelo blog e pelos temas e abordagens sensacionais e libertários que você escolhe. Patrick dos Santos

    ResponderExcluir
  23. Cada vez aprendo mais e fico mais encantada com seu trabalho, meu querido professor José Antônio Orlando. Queria era morar neste blog Semióticas... Parabéns, parabéns, parabéns!!!...

    ResponderExcluir
  24. Rodrigo de Almeida9 de abril de 2016 12:00

    Registro aqui os parabéns pelo blog Semióticas, que é sensacional em todas as matérias, e por esta entrevista com Sebastião Salgado que consegue fugir do lugar comum e construir um perfil original e emocionante. José, você tem talento. Sou seu fã.

    Rodrigo de Almeida

    ResponderExcluir
  25. O que me faz ser cada vez mais admiradora do trabalho de Sebastião Salgado é ler e perceber em seus projetos tamanha sensibilidade no ato de fotografar. Ele consegue captar o melhor da foto e a mensagem a ser dada sempre com muito talento, sem desprezar seu talento mais precioso que é de um grande observador da alma e miséria humanas. Eu diria que ele é o fotógrafo que clica com o coração na lente.
    Sebastião Salgado só não consegue tocar o coração das pessoas que não têm coração.
    Um viva a você e a Sebastião Salgado!
    Parabéns por mais este arraso de texto e imagens aqui no blog Semióticas, querido José Antônio!
    Edi Lopes

    ResponderExcluir

( comentários anônimos não serão publicados )

Todas as páginas de Semioticas têm conteúdo protegido.

REPRODUÇÃO EXPRESSAMENTE PROIBIDA.

Contato: semioticas@hotmail.com

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Páginas recentes