quinta-feira, 13 de setembro de 2012

Revistinha de vovô







Uma notícia policial trouxe “O Tico-Tico” de volta no tempo. As duas primeiras edições da primeira revista em quadrinhos do Brasil, publicadas em 1905, foram furtadas da Fundação Biblioteca Nacional, no Rio de Janeiro. O crime ocorreu em 2011, mas não foi divulgado para não atrapalhar as investigações. Até hoje as revistas, extremamente raras e consideradas preciosidades do acervo da FBN, não foram recuperadas. A suspeita da Polícia Federal é de que o furto tenha sido ação de criminosos que se passaram por pesquisadores na seção de periódicos da instituição e simplesmente guardaram as duas edições da publicação em bolsas ou casacos, saindo sem serem notados.

Marco inicial das publicações dedicadas às crianças e fetiche confesso, com suas páginas coloridas, na infância de uma lista interminável de personalidades da cultura brasileira, a revista que o poeta Carlos Drummond de Andrade definiu como “a segunda vida dos meninos do começo do século” também havia sido notícia em 2005, ano do seu centenário, quando “O Tico-Tico” reapareceu, depois de décadas de esquecimento, nas páginas de dois livros especialíssimos.

A duas publicações, com títulos muito parecidos e muito diferentes no formato, resgatam uma amostragem do trabalho magistral de pioneiros das histórias em quadrinhos e das artes gráficas no Brasil: “O Tico-Tico, Cem Anos de Revista” (Editora Via Lettera) e “O Tico-Tico: Centenário da Primeira Revista em Quadrinhos do Brasil” (Opera Graphica). Escrito pelo colecionador de quadrinhos Ezequiel de Azevedo, mineiro de Juiz de Fora e formado em Física pela Universidade de São Paulo (USP), “Cem Anos de Revista” apresenta e analisa, em 64 páginas com ilustrações coloridas, as galerias de imagens dos principais quadrinhos, colunas, adivinhações, páginas para recortar e armar e personagens que tiveram seu auge de popularidade nas primeiras décadas do século 20, antes de serem defenestrados pela invasão norte-americana do império Disney e dos super-heróis da Marvel.





Revistinha de vovô: no alto, ilustração
da capa do álbum de luxo O Tico-Tico:
Centenário da Primeira Revista em

Quadrinhos do Brasil. Acima, fac-símile
da primeira edição da revista, com data
de 11 de outubro de 1905, e outras três
capas de sucesso da publicação pioneira
na primeira década do século 20


Entre estes personagens que passaram de sucesso no imaginário nacional ao mais completo esquecimento, um dos destaques é o loiro Chiquinho, sucesso absoluto de popularidade em histórias inéditas publicadas até o fim das edições semanais, em 1957. Principal chamariz desde o primeiro número de “O Tico-Tico”, Chiquinho ainda viveria a maior polêmica na trajetória da revista. Depois de décadas ficaria provado que o Chiquinho, tão brasileirinho, era na verdade um decalque, copiado por Luís Gomes Loureiro e outros desenhistas, a partir das histórias de um outro personagem criado pelo norte-americano Richard Fenton Outcault (1863-1928). As histórias inéditas terminaram em 1957, mas Chiquinho ainda retornaria com algum sucesso nas décadas seguintes, nas compilações do "Almanaque O Tico-Tico".
 
Chiquinho, destaca Ezequiel de Azevedo, tem comprovadamente sua matriz original em “Buster Brown” (1902), do mesmo Outcault que passou à história como criador de “Yellow Kid” (1895), que rivaliza na disputa pelo título de primeiro personagem de histórias em quadrinhos com o "Nhô-Quim", criado no Brasil em 1869 pelo italiano naturalizado brasileiro Angelo Agostini (1843-1906). O argumento dos defensores de "Yellow Kid" é que ele foi o primeiro personagem com histórias narradas com o texto em balões, enquanto o "Nhô-Quim" de Agostini trazia o texto em legendas abaixo de cada quadro das ilustrações. 





A polêmica sobre a "adaptação" do personagem de Outcault nas páginas de "O Tico-Tico", aponta Azevedo, só veio à tona depois da Segunda Guerra. Mas o argumento é indefensável: Chiquinho, seu cãozinho Jagunço e a garota Lili têm, no traço dos personagens e nas tramas das aventuras, as mesmas características dos personagens criados por Outcault, batizados pelo autor como Buster Brown, Tige e Mary-Jane. Acontece que o Buster original parou de ser publicado em 1910, enquanto Chiquinho sobreviveu bravamente até dezembro de 1957, recriado em aventuras inéditas pela criatividade dos artistas nacionais de “O Tico-Tico”.



Celebridades de outras épocas



Tanto “O Tico-Tico, Cem Anos de Revista” como “O Tico-Tico: Centenário da Primeira Revista em Quadrinhos do Brasil”, apresentam a revista às novas gerações e descrevem o sucesso imediato de personagens originais do Brasil, como Zé Macaco e Faustina, Kaximbown, Jujuba, Carrapicho, a crioulinha Lamparina e o trio Reco-Reco, Bolão e Azeitona, entre muitos outros. “O Tico-Tico” também foi uma publicação pioneira ao apresentar celebridades estrangeiras que nasceram no começo do século 20 – todas com nomes abrasileirados pela revista, caso de, entre outros, Little Nemo (“O Pequeno Nemo”), Popeye (“Brocoió”), Mickey Mouse (“Ratinho Curioso”) e Felix The Cat (“Gato Maluco”).

 





A versão nacional e o personagem original:
Chiquinho, destaque na revista O Tico-Tico
 desde 1905, e Buster Brown, que foi criado e
publicado a partir de 1902 nos EUA pelo
norte-americano Richard Fenton Outcault


O principal destaque do livro de Azevedo são as ilustrações coloridas e os perfis de colaboradores que marcaram época na revista, entre eles artistas magistrais como Angelo Agostini. Coube a Agostini a honraria de ser um dos principais pioneiros dos quadrinhos no Brasil e no mundo. Seus trabalhos gráficos, que misturavam desenhos e pequenos textos, surgiram ainda nas últimas décadas do século 19 e teriam um marco com “As aventuras de Nhô-Quim”, publicadas entre 1869 e 1883.

Nhô-Quim estreou na historinha ilustrada “Impressões de uma viagem à Corte”, cujo primeiro capítulo foi publicado na revista “Vida Fluminense”, em 30 de janeiro de 1869, apresentando o personagem caipira que se muda para a cidade do Rio de Janeiro e que fica chocado com as novidades da civilização urbana. Com o sucesso de "Nhô-Quim", no mesmo ano seria publicada a primeira ilustração apresentando um outro personagem lendário criado por Agostini: o aventureiro Zé Caipora.





Um gênio da arte da ilustração:
Angelo Agostini, pioneiro na criação de
personagens e de ousadias gráficas


A importância da obra de Agostini é tão grande que, para alguns pesquisadores, Nhô-Quim e Zé Caipora foram o ponto de origem para a criação da revista “O Tico-Tico”. Nhô-Quim também passou a ser o símbolo dos quadrinhos no Brasil e comprova a surpreendente atualidade do trabalho de Agostini, que ainda tem outros méritos de pioneirismo: além de Nhô-Quim rivalizar com Yellow Kid e outros heróis estrangeiros na disputa pelo posto de primeiro dos personagens dos quadrinhos, muitos especialistas defendem que também foi ele o inventor da revista de quadrinhos, pois, em 1886, relançou as aventuras de Zé Caipora em fascículos individuais, encadernados com seis capítulos cada. 



Agostini, primeiro entre seus pares
 


Zé Caipora também consta em outra disputa como o primeiro dos heróis de aventura dos quadrinhos, décadas antes de personagens lendários como "Little Nemo" (1905), Tarzan (1912), Zorro (1920), Jim das Selvas e Flash Gordon (1934), Batman (1939) e super-heróis como Superman (1938), Capitão América e Mulher Maravilha (1941), entre outros. A lista de marcos pioneiros na trajetória de Agostini traz ainda a amada de Zé Caipora, a índia chamada Inaiá, primeira heroína do Brasil e do mundo com conotações eróticas.

Agostini foi homenageado no ano 2000, com a publicação de um catálogo ilustrado pelo Senado Federal. “Aventuras de Nhô-Quim & Zé Caipora: os primeiros quadrinhos brasileiros 1869-1883”, organizado pelo jornalista e pesquisador Athos Eichler Cardoso, traz na íntegra as histórias dos personagens criados por Angelo Agostini, reunindo o que foi publicado nas revistas “Vida Fluminense”, “O Malho” e “Don Quixote”.







Revistinha de vovô: acima, Hully Gee,
mais conhecido por Yellow Kid, criado
em 1895 por Richard Fenton Outcault.
Abaixo, uma amostra das aventuras e das
ousadias gráficas de Zé Caipora e de
Nhô-Quim, no traço de Angelo Agostini






Por conta da estreia de Nhô-Quim, o dia 30 de janeiro foi escolhido como data comemorativa das HQs nacionais. Agostini, sempre atuante na florescente imprensa brasileira, abraçou o projeto e foi um dos mais ativos mentores da novidade da primeira revista em quadrinhos: criou o projeto gráfico e o logotipo de “O Tico-Tico”, além de desenhar as primeiras capas, muitas das ilustrações e algumas histórias completas, como “História do Macaco”, “Chico Caçador” e “A História do Pai João”.



J. Carlos, meu amor, e outras tiras



Além da presença fundamental de Agostini, o livro de Azevedo também chama atenção para outros nomes da equipe de “O Tico-Tico” que estiveram entre os principais artistas nacionais do século passado, caso do carioca J. Carlos, na verdade José Carlos de Brito e Cunha (1884-1950), considerado nosso maior caricaturista e também ilustrador, designer gráfico, escultor, escritor, letrista de samba, autor de teatro de revista, inventor das melindrosas e de muitas capas, páginas e personagens de sucesso em “O Tico-Tico”.

À frente da revista com Agostini desde o primeiro número, J. Carlos foi um de seus principais ilustradores, criando e publicando a série “O talento de Juquinha” e diversos personagens de tiras e histórias completas, entre eles Jujuba e seu pai, Carrapicho, e a impagável negrinha Lamparina, que é considerada sua maior criação nas HQs. Além de Agostini e J. Carlos na linha de frente, também são surpreendentes as criações originais de Luiz Sá, Max Yantok, Alfredo e Oswaldo Storni, Leônidas Freire, Lino Borges, Theo e muitos outros.






 Revistinha de vovô: o pioneiro J. Carlos,
considerado o maior de todos os caricaturistas
brasileiros, e seu maior sucesso nas páginas de
O Tico-Tico, a negrinha Lamparina (1910)



Os saudosistas mais exigentes, entre os colecionadores e pesquisadores, por certo vão preferir a edição de luxo “O Tico-Tico 100 Anos – Centenário da Primeira Revista de Quadrinhos do Brasil”, organizada pelos professores universitários Waldomiro Vergueiro e Roberto Elísio dos Santos. O álbum conta com colaboração de especialistas como Álvaro de Moya, Antônio Luiz Cagnin, Diamantino Silva, Sérgio Augusto, Franco de Rosa, Sônia Buyten e Marco Aurélio Lucchetti, que assinam capítulos analíticos e reproduzem depoimentos de grandes nomes da literatura e da imprensa que acompanharam as edições semanais e os famosos “Almanaques Tico-Tico”.



Trajetória no século 20



O livro de Waldomiro Vergueiro e Roberto Elísio alerta sobre a fragilidade de nossa memória cultural e destaca que a pioneira entre as revistas em quadrinhos nacionais também é citada em muitos poemas, crônicas, contos e romances, contando entre seus leitores os nomes de ilustres escritores como Carlos Drummond de Andrade e toda a geração dos modernistas, mais Rui Barbosa, Érico Veríssimo, Lygia Fagundes Telles, o sociólogo Gilberto Freyre, o folclorista Luiz Câmara Cascudo, o bibliófilo José Mindlin e centenas de outros, incluindo ainda expoentes da literatura infantil, dos cartuns e do grafite, numa lista extensa de fãs que tem, entre outros, de Ruth Rocha a Jaguar e Ziraldo, de Maurício de Souza a Millôr Fernandes e Henfil.




Além de ilustrações primorosas, “O Tico-Tico, Cem Anos de Revista” traz um brinde simplesmente irresistível para os fãs de HQ: um encarte em fac-símile com a reprodução completa e colorida da raríssima primeira edição da revista, fundada no Rio de Janeiro pelo grupo editorial que também editava “O Malho” (lançada em 1902), sob comando do jornalista Luiz Bartolomeu de Souza e Silva (1866-1932). Sobre o nome da revista há duas versões: seria uma referência ao passarinho típico do Brasil ou ainda uma alusão às escolas Tico-Tico, que apareceram no final do século 19 com a novidade de receber crianças pequenas para alfabetização.

A primeira edição de “O Tico-Tico” é uma história à parte: por erro de impressão, o dia 11 de outubro de 1905, data de lançamento da revista, foi grafado como quinta, e não como quarta-feira. A nova revista – alertam os estudos de Ezequiel de Azevedo, Waldomiro Vergueiro e Roberto Elísio dos Santos – foi um sucesso imediato pelo ineditismo e pelas qualidades artísticas de seus colaboradores, mas também graças à logística do grupo “O Malho” e sua equipe de profissionais, incluindo parque gráfico e estrutura de distribuição.






Revistinha de vovô: a estreia dos heróis
estrangeiros em O Tico-Tico começa 
com Felix The Cat, rebatizado como
"Gato Maluco", e Mickey Mouse, que foi
apresentado como "Ratinho Curioso"



Disney e super-heróis: ameaça fulminante
 

Uma curiosidade: esgotado no lançamento, o primeiro número da revista rendeu um lucro que não estava previsto pelos editores, tanto que teve sucessivas reimpressões nos meses seguintes. As novas edições de “O Tico-Tico”, semanais a partir do início de 1906, atingiriam a impressionante tiragem inicial de 30 mil exemplares, chegando muitas vezes em sua trajetória ao número de 100 mil exemplares vendidos, sem contar reimpressões de exemplares antigos e reedições em formato almanaque – um sucesso que poucas vezes iria se repetir na trajetória de outras publicações, mesmo considerando as tiragens e vendagens da atualidade.

O Tico-Tico”, que custava 200 Réis, trazia o atrativo de colunas fixas e personagens variados em quatro páginas coloridas e quatro páginas impressas em vermelho, verde e azul. A partir da Segunda Guerra, a chegada dos super-heróis norte-americanos em novas revistas e formatos avançaria como uma ameaça para o sucesso das edições ingênuas de “O Tico-Tico”. O último número semanal saiu em 1957, seguido do lançamento de uma ou outra edição especial, até o final definitivo da revista, em 1977.

Sem nenhum rival à altura, O Tico-Tico” seguiria rentável e imbatível até o final da década de 1930, quando outros jornais e revistas começaram a investir em seções infantis e passaram a importar os quadrinhos produzidos em escala industrial nos Estados Unidos. O humor, a novidade dos quadrinhos, o tom brasileiro de personagens e os joguinhos para preencher ou recortar estavam entre os trunfos principais da revista, mas havia também as atividades de caráter didático, que ajudaram a dar prestígio à revista e garantir seu reconhecimento e importância no meio intelectual.






Já a partir do número 3 começaram a ser narrados em "O Tico-Tico", em forma de quadrinhos, fatos da história do Brasil como “O Descobrimento”, de Leônidas Freire, com ilustrações e legendas, como era comum aos quadrinhos da época. Leônidas também foi o autor de uma série que marcou época, “História Ilustrada – Páginas Relembradas”, publicada em 1910, que abordava o regime de escravidão que vigorou até o final do século 19.



Diversão & educação: fronteiras



Outro trabalho importante na trajetória da revista, pelo que apresentava de inovação em questões pedagógicas, é apontado por Roberto Elísio: trata-se da série em quadrinhos “A vida de Floriano Peixoto”, com texto de A. Plessen e ilustrações de Cícero Valladares. Sobre o caráter didático da revista, há também o depoimento saboroso do poeta Drummond, que em carta a Álvaro de Moya confessa a saudosa lembrança que sentia da revista que o ajudou a aprender a ler e a ver figuras, no lendário ano de 1910. 


 

Segundo Drummond, a primeira reminiscência literária que o sensibilizou não foi de um texto de literatura em verso e prosa, mas legendas e quadrinhos de um personagem de romance – uma versão infantil de “Robinson Crusoé”, de Daniel Defoe (1660–1731), que saiu na revista “O Tico-Tico”. A ilha e o náufrago, em "Infância", segundo poema do livro de estreia de Drummond (“Primeira Poesia”, 1930), fornecem um contraponto marcante à oscilação entre reminiscências da infância e isolamento existencial, temas dos mais frequentes na obra de Drummond.

O poeta, mineiro de Itabira, também declarou que devia a Robinson Crusoé sua primeira emoção literária, pois quando este “conseguiu se mandar da ilha”, o menino Carlito sentiu um nó na garganta, uma emoção produzida por uma personagem literária, um mito. Queria que o herói continuasse lá, solitário e dominador, mas não era bem a solidão da ilha que o encantava e sim a sugestão poética. Para Drummond, “O Tico-Tico” revelou a literatura.


por José Antônio Orlando.


Para comprar o livro "O Tico-Tico, Cem anos de revista", clique aqui.






Veja também "Semióticas: Criança e design em 1900"







Infância


Meu pai montava a cavalo, ia para o campo.
Minha mãe ficava sentada cosendo.
Meu irmão pequeno dormia.
Eu sozinho menino entre mangueiras
lia a história de Robinson Crusoé,
comprida história que não acaba mais.

No meio-dia branco de luz uma voz que aprendeu
a ninar nos longes da senzala - e nunca se esqueceu
chamava para o café.
Café preto que nem a preta velha
café gostoso
café bom.

Minha mãe ficava sentada cosendo
olhando para mim:
- Psiu... Não acorde o menino.
Para o berço onde pousou um mosquito.
E dava um suspiro... que fundo!

Lá longe meu pai campeava
no mato sem fim da fazenda.

E eu não sabia que minha história
era mais bonita que a de Robinson Crusoé.
 



(Publicado em “Alguma Poesia”, de 1930, livro de
estreia do poeta Carlos Drummond de Andrade)



10 comentários:


  1. Que beleza de página, professor. Seu texto, como sempre, está impecável, com referências de alto nível e essa edição de imagens primorosas. Parece mais uma tese, ou uma monografia, mas com a leveza da sabedoria e a capacidade de resumir para destacar a complexidade do assunto. Ainda mais com "O Tico-Tico", este capítulo delicioso e divertido da cultura brasileira que foi injustamente para a lata do lixo do esquecimento.
    Seu belo texto confirma, nas entrelinhas, a importância do investimento principal que esse país precisa, que é a educação. A educação é a base de tudo. Você pode ver que todos os paises que investiram na educação se deram bem. Não sei se serve de exemplo para o Brasil, pelas nossas diferenças culturais, mas veja o caso do Japão, um país pequeno, praticamente sem recursos naturais, que foi devastado pela bomba atômica, superou, foi devastado outras vezes por terremotos e tsunamis e superou todas, se transformando numa grande potência.
    Espero que você tenha entendido o que eu quis passar aqui com este comentário e espero não ter fugido ao tema fantástico da primeira revista em quadrinhos do Brasil e uma das primeiras do mundo. Aprendo muito a cada visita que faço ao seu blog Semióticas. Saudades de suas aulas incríveis. Parabéns. Continuo sua fã de carteirinha.

    Helena Cavalcante

    ResponderExcluir
  2. Realmente, uma beleza de texto e de edição. Parabéns, José. Tudo excelente. Estou fazendo uma pesquisa sobre os primeiros personagens das histórias em quadrinhos e esta sua página tem pelo menos a metade das referências importantes. Prometo citar a fonte e destacar seu blog Semióticas na bibliografia.
    Aproveito para consultá-lo: tem alguma outra referência bibliográfica que você considera muito importante sobre o assunto, além de todas as apresentadas aqui na página sobre "O Tico-Tico"?
    Aguardo sua resposta e, de novo, parabéns!

    ResponderExcluir
  3. Sou muito grato pelos elogios, meu caro Gabriel Toledo. Sobre sua pergunta, creio que a melhor referência bibliográfica sobre os primeiros personagens de HQ's ainda é "História da História em Quadrinhos", de Álvaro de Moya, publicado pela editora Brasiliense em 1987. Seja sempre bem-vindo e desejo sucesso para sua pesquisa. Aguardo notícia no e-mail semioticas@hotmail.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Valeu, professor José Orlando. Referências preciosas anotadas no caderninho. Sou eternamente grato pela sabedoria e gentileza compartilhadas. De novo, parabéns e parabéns!

      Excluir
  4. Meu professor de Teoria da Comunicação recomendou esta página do blog Semióticas como leitura de referência para as aulas da semana que vem. Quando cheguei aqui, quase não acreditei. Só posso agradecer tanta beleza e sabedoria. Virei fã.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito bom receber seus elogios, meu caro Ricardo. Mas você não disse qual escola, cidade, curso. Aguardo seu contato pelo e-mail semioticas@hotmail.com
      Um forte abraço e seja sempre muito bem-vindo!

      Excluir
  5. Luis Paulo Figueiredo7 de julho de 2013 12:29

    Cheguei ao lugar das maravilhas. Seu blog é o máximo, Semióticas. Achei que fosse aula, mas é Show! Parabéns demais!!! - Luis Paulo Figueiredo

    ResponderExcluir
  6. Márcio Guimarães3 de janeiro de 2014 14:59

    Espetáculo. Parabéns pelo blog de belas matérias.

    ResponderExcluir
  7. Paulo Roberto dos Santos11 de fevereiro de 2014 08:52

    Uma matéria brilhante, como são todas as que encontrei neste blog. Aprendo muito a cada visita que faço. Parabéns, autor do blog Semióticas, tudo aqui é um espetáculo. Virei fã.

    Paulo Roberto dos Santos.

    ResponderExcluir

( comentários anônimos não serão publicados )

Todas as páginas de Semioticas têm conteúdo protegido.

REPRODUÇÃO EXPRESSAMENTE PROIBIDA.

Contato: semioticas@hotmail.com

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Páginas recentes