segunda-feira, 7 de maio de 2012

Saudades da Amélia







Meses antes do centenário, foram anunciados projetos milionários e ambiciosos, com captação de recursos através das leis de incentivo, para a realização de exposições multimídia que viajariam pelas capitais, documentários de longa-metragem, musicais reunindo elenco de estrelas. Mas passou o tempo, quase nada se concretizou e o centenário do cantor e compositor Ataulfo Alves (1909-1969) passou em brancas nuvens.

De concreto houve apenas o lançamento de um CD pela Lua Music, com novas versões de seus grandes sucessos, um programa da TV Globo exibido de madrugada, a biografia escrita pelo jornalista Sérgio Cabral e uma ou outra matéria em jornais e revistas. Na pequena Miraí, na Zona da Mata de Minas Gerais, terra natal de Ataulfo, imortalizada nos versos de “Meus tempos de criança”, a instalação de uma estátua, uma missa e um mausoléu humilde aberto no cemitério foram as homenagens que a cidade prestou a seu filho mais ilustre.

Os tímidos tributos foram muito pouco diante da importância de Ataulfo – personalidade que o compositor e historiador do samba Nei Lopes, autor de “Zé Kéti: O Samba sem Senhor” (Relume Dumará, 2000) e “Partido-Alto, Samba de Bamba” (editora Pallas, 2005), classifica como “um dos pilares sobre os quais se ergueu a música popular brasileira”. Nascido no dia 2 de maio de 1909, Ataulfo escreveu 320 canções e foi gravado pelos grandes da música no Brasil desde a década de 1930.






No alto, Ataulfo Alves e suas pastoras em
foto promocional da década de 1940; acima,
estátua em homenagem ao compositor na praça
central da cidade de Miraí, em Minas Gerais


Um dos raros contratados pela Rádio Nacional durante 30 anos, até sua morte em 20 de maio de 1969, Ataulfo também foi um dos fundadores e principais expoentes da União Brasileira de Compositores (UBC), forte sociedade de direitos autorais, precursora do famigerado ECAD. Sérgio Cabral, que no final do ano do centenário lançou a biografia intitulada "Ataulfo Alves – Vida e Obra" (Editora Lazuli), destaca que ele foi o primeiro negro a fazer sucesso como cantor no Brasil, com a gravação de “Leva meu samba”, lançada em 1941.

Ataulfo foi um dos maiores colecionadores de sucessos que marcaram época na música brasileira e que sobrevivem até hoje no imaginário popular”, apontou Cabral na entrevista que fiz com ele por telefone, em março de 2010. “Acho importante reconhecer que Ataulfo foi um pioneiro em várias frentes. Basta dizer que, com 'Leva meu samba' e principalmente com 'Amélia', parceria com Mário Lago, ele foi o primeiro negro a fazer sucesso como cantor no Brasil. Conheci bem o Ataulfo, convivi com ele. Era um sujeito consciente do que representava ser negro e fazer sucesso e administrava muito bem o ranço racista que era muito forte”. 
 






O mais elegante


Cabral também lembrou que Ataulfo fazia questão de se destacar pela elegância e prezava a amizade de políticos. “Ele causou frisson quando apareceu pela primeira vez na lista dos mais elegantes da coluna do Ibrahim Sued. E mais ainda quando foi eleito o mais elegante, em 1961. Um destaque merecido. Ataulfo era a elegância em pessoa. Foi difícil chegar onde ele chegou, mas ele enfrentou e venceu. No começo da carreira ele tinha apenas um terno, que sua esposa, Dona Judite, lavava de noite para ele usar novamente no dia seguinte”.

A trajetória de Ataulfo ajudou muitos outros a superar muitas barreiras, segundo Cabral. “Mas no fundo ele era um ingênuo, que não tirava proveito das situações e que sempre preferia a conciliação. Ele tinha muito orgulho de ser um artista que prezava da amizade de políticos do primeiro escalão, gente poderosa como Getúlio Vargas e mais tarde Juscelino Kubitschek, entre muitos outros”. Pergunto sobre os motivos da demora do livro, que só foi publicado 40 anos depois da morte do compositor.




Não, não foi uma demora. Na verdade o Ataulfo não precisava de mim”, ironizou Cabral. “Ele foi bem-sucedido, desfilava de Cadillac, teve seu merecido destaque. E eu desde aquela época dei mais importância aos sambistas mais marginalizados, Ismael Silva, Cartola, Nelson Cavaquinho, Zé Keti. Hoje a coisa se inverteu e todos comemoram os sambas de Cartola e Nelson Cavaquinho. O que estas poucas homenagens no centenário do Ataulfo provaram é que ele está injustamente esquecido”, completou.

No livro, Cabral resgata histórias saborosas – entre elas a gênese de “Amélia”: o que se sabe é que Mário Lago (foto abaixo) ficou irritado porque Ataulfo mexeu muito na letra e na estrutura da canção e decidiu que não iria mais assinar a autorização para que ela fosse gravada. Depois da insistência, Lago pediu um adiantamento no pagamento do direito autoral e Ataulfo, para conseguir o dinheiro e a autorização, transferiu os direitos sobre “Amélia” para a gravadora Vitale. Resultado: sua música de maior sucesso foi a que lhe rendeu os menores direitos autorais.




E mais: às vésperas do carnaval de 1942, os três cantores convidados, Cyro Monteiro, Orlando Silva e Moreira da Silva, se recusaram a gravar. Moreira da Silva chegou a declarar que “Amélia” não era um samba, que parecia mais com uma marcha fúnebre. Ataulfo enfrentou o desafio e gravou ele mesmo a canção – que emplacou como o grande sucesso daquele carnaval e permanece até hoje em destaque no cancioneiro da MPB. Tanto que o nome Amélia foi registrado no dicionário “Aurélio” como sinônimo de "mulher que aceita toda sorte de privações e vexames sem reclamar, por amor a seu homem".


Batucada de bamba


Ataulfo morreu em 1969, mas as novas versões para seus antigos sucessos retornam sempre na voz dos mais variados intérpretes, de Beth Carvalho e Martinho da Vila a Maria Bethânia, Gilberto Gil e Jorge Ben Jor, passando por Novos Baianos e Cássia Eller – sem contar Itamar Assumpção e a banda Isca de Polícia, que fizeram em 1995 um dos mais inspirados tributos a Ataulfo: o CD e a série de shows intitulados “Pra Sempre Agora”. Lançado pela Paradoxx, o CD recriou 20 canções de Ataulfo e conquistou o prêmio de melhor do ano pela APCA.
 




Foi ouvindo “Ai, que saudade da Amélia” e outras releituras do repertório do mestre da velha guarda, no carnaval de 2009, que o produtor musical Thiago Marques Luiz tomou a decisão de abraçar um projeto que acabaria por consumir meses de trabalho exaustivo: produzir um disco que reunisse, em gravações inéditas, artistas de diferentes gerações e estilos para novas versões em homenagem a Ataulfo Alves.

O projeto idealizado por Thiago buscava, principalmente, novas abordagens para os sucessos do compositor – clássicos tantas vezes regravados como “Na cadência do samba”, “Pois é”, “Meus tempos de criança”, “Laranja madura”, “Mulata assanhada” e “Você passa, eu acho graça”, entre muitos outros, que marcaram época, desde a década de 1930, na voz de reis e rainhas do rádio e nas releituras mais recentes.




Com ajuda do também produtor e pesquisador Marcelo Fróes, que cedeu a maior parte da extensa discografia de Ataulfo, incluindo uma coleção de antigos LPs, Thiago mergulhou na pesquisa sobre a trajetória das cerca de 320 composições do criador de “Ai, que saudades da Amélia”. Em seguida, iniciou uma investida por e-mail para pedir sugestões a jornalistas e críticos de música sobre o repertório e os artistas que pudessem gravar as novas versões.

"Deu muito trabalho, mas acredito que estas novas gravações conseguem dimensionar um panorama representativo do Ataulfo, tão importante e sempre esquecido quando se fala dos maiores da música popular no Brasil", aponta Thiago. O resultado do empenho do produtor e dos demais técnicos e artistas envolvidos no projeto chegou às lojas no apagar das luzes do ano do centenário: "Ataulfo Alves – 100 Anos", lançado pela Lua Music em box com dois CDs.




O projeto coordenado por Thiago reúne gravações inéditas e inspiradas de nomes tradicionais – Elza Soares, Alaíde Costa, Germano Mathias, Ângela Ro Ro, Zezé Motta, Maria Alcina, Luiz Melodia, Luiz Ayrão... – e expoentes da nova geração da MPB, incluindo as participações especiais de dois filhos do compositor, Ataulpho Alves Jr. e Adeílton Alves. Todos tiveram total liberdade para recriar as canções, garante o produtor, lembrando que interferiu o mínimo possível para preservar a interpretação de cada um.


Uma música atemporal


"Alguns convidados trouxeram sua própria banda", destaca Thiago, sem poupar elogios aos 140 músicos e artistas envolvidos na produção das 34 canções selecionadas. Desde o lançamento dos CDs, o produtor conseguiu reunir a maior parte dos artistas em alguns shows que aconteceram em São Paulo. "O público conhece de cor todas as músicas, mas sabe pouco sobre Ataulfo. A música dele é atemporal e ouso dizer que fica bem em qualquer versão", reconhece o produtor.






"Daqui a 100 anos não estaremos vivos, mas aposto que haverá novas e novas redescobertas e releituras destas canções tão especiais que emocionam todo mundo". Thiago concorda que as comemorações do centenário do compositor ficaram muito aquém do merecido. "Aconteceram os shows, lançamos os CDs, o Sérgio Cabral publicou a biografia. Mas é pouco para a importância do Ataulfo e para o valor que ele representa na música e na cultura do Brasil".

O produtor também lamenta não ter conseguido concretizar o sonho de levar a Miraí o show com os artistas reunidos nos CDs do projeto "100 Anos". Mas ele diz que ainda não descartou a possibilidade. "Levar os artistas do projeto para tocar na cidade de Miraí foi um sonho acalentado desde o começo. Seria o lugar perfeito para a homenagem, mas não conseguimos confirmar nada por enquanto. Está marcado para o futuro".




Entre as gravações reunidas em "Ataulfo 100 Anos", Thiago diz que não tem uma preferida. "Todas as canções do Ataulfo são muito interessantes, todas têm uma personalidade difícil de comparar. Todas mesmo. Talvez por ser filho de um sanfoneiro lá do interior de Minas, ele trouxe para o samba aquele tom de toada sertaneja, melancólico, indolente”, avalia. Ele também faz questão de destacar que o compositor de "Amélia" é fundamental para a música no Brasil.

Ataulfo tem o mesmo naipe de Noel, Cartola, Ary Barroso ou Tom Jobim. Ele é sensacional. Nos shows, o que mais me impressiona é que as plateias cantam todas as canções, do primeiro ao último verso. As canções do Ataulfo têm uma força que ultrapassa o tempo e comove todo mundo. O público conhece de cor todas as músicas, mas sabe pouco sobre o cantor e compositor Ataulfo", reconhece Thiago, lamentando que, na conclusão de seu projeto, uma canção tenha sido esquecida e ficado de fora dos dois CDs: "O bonde de São Januário".




Parceria do compositor com Wilson Batista, "O bonde de São Januário" foi um dos primeiros sucessos e um dos poucos problemas que Ataulfo teve com a censura feroz da Era Vargas. Afinal, ele se dizia getulista e chegou a compor sambas em homenagem ao presidente. Na canção em questão, a censura obrigou Ataulfo a mudar a letra: de "o bonde de São Januário/ leva mais um otário..." para "leva mais um operário/ sou eu que vou trabalhar". A versão alterada seria o grande sucesso do carnaval em 1941.


Menino em Miraí


Um dos sete filhos do Capitão Severino, sanfoneiro, violeiro e repentista da zona rural de Miraí, desde os 8 anos de idade Ataulfo já improvisava versos e melodias. Aos 10 anos, perdeu o pai e teve que trocar a música pelo trabalho pesado. Foi leiteiro, condutor de bois e lavrador de café e milho. Até que a mãe e os irmãos foram morar em Miraí, onde Ataulfo trocou o trabalho na roça por outros ofícios: foi carregador de malas e engraxate na estação de trens e depois aprendiz de marceneiro.






Carmen Miranda, a primeira rainha do rádio, em fotografia
autografada de 1930 e em 1933 com dois futuros parceiros de
Ataulfo: os compositores Brenno Ferreira e Josué de Barros;
 abaixo, seleção de bambas em foto de 1943: Cascata, Donga,
Ataulfo, Pixinguinha, João da Baiana, Ismael Silva e Alfredinho
do Flautim; de pé, a primeira formação das pastoras de Ataulfo





Aos 17 anos, deixou Miraí para tentar a sorte no Rio de Janeiro, acompanhando o médico Afrânio Moreira Resende. No Rio, não demorou a conseguir emprego numa farmácia e conheceu Carmen Miranda, que estava estreando como cantora no rádio e o apresentaria às rodas de samba nos morros cariocas. Em 1933, Carmen gravaria a primeira canção de Ataulfo, "Tempo perdido". Foi também com apoio de Carmen que ele conseguiu emplacar seus primeiros sucessos populares, que vieram em 1936 com "Saudade dela", lançada por Sílvio Caldas, e "Quanta tristeza", gravada por Carlos Galhardo.

Desde aquela época, Ataulfo compôs em parcerias com Bide, Marçal, Josué de Barros, Roberto Martins, Assis Valente e Claudionor Cruz, entre outros. Dois de seus maiores sucessos foram parcerias com Mário Lago: "Ai, que saudade da Amélia" e "Atire a primeira pedra". Na estreia como intérprete, com “Leva Meu Samba”, em 1941, passaria a apresentar-se como Ataulfo Alves e suas Pastoras, trocando o Ataulpho de batismo por Ataulfo.






No alto, Ataulfo Alves fotografado em 1957 com o presidente
Juscelino Kubitschek e o mestre do jazz Louis Armstrong;
acima, as últimas apresentações de Ataulfo em programas de
TV, no final da década de 1960, ao lado de Roberto Carlos,
com Caçulinha ao fundo, e com a estreante Clara Nunes


Compositor de tantas canções que permanecem no imaginário coletivo, falando do preconceito de cor e fazendo o elogio da mulher submissa e do sofrimento pelo engano amoroso, Ataulfo começou a perder espaço com o surgimento da Bossa Nova. Para os jovens compositores e intérpretes do movimento, Ataulfo e suas canções eram por demais identificados com a velha guarda. Avesso às polêmicas, Ataulfo foi aos poucos saindo de cena.

No final da década de 1960, ainda teria destaque em 1967, quando “Amélia” ganhou a versão de Roberto Carlos, ídolo da Jovem Guarda, e em 1968, quando o samba “Você passa, eu acho graça”, parceria de Ataulfo e Carlos Imperial, lançou ao sucesso a estreante Clara Nunes. Nas duas ocasiões, o sambista veterano recebeu homenagens nos programas de TV e seria festejado por Chacrinha, o Velho Guerreiro. Foi uma despedida. Em 20 de abril de 1969, depois da cirurgia motivada pelo agravamento de uma úlcera, Ataulfo morreu. Faltavam poucos dias para que ele completasse 60 anos.


por José Antônio Orlando.


Para comprar os CDs Ataulfo 100 Anos, clique aqui.

Para comprar o livro Ataulfo Alves - Vida e Obra, clique aqui.  
 









8 comentários:

  1. Celso de Almeida Malafaia7 de maio de 2012 15:12

    Parabéns pela excelente matéria sobre o Ataulfo, José. De novo, seu blog é um show. Mas quero registrar que o Sérgio Cabral pode estar equivocado. Meu pai sempre dizia que o Ataulfo foi o maior cabo eleitoral do Brigadeiro Eduardo Gomes e que ele, Ataulfo, só elogiou o Getúlio em público para escapar da perseguição da censura e da polícia getulista.
    Acho que o Cabral pode ter comprado a versão oficial e não foi a fundo na investigação. Ainda assim, sua reportagem está um primor e seu blog está na lista dos melhores. Invejo seu trabalho.

    Celso de Almeida Malafaia

    ResponderExcluir
  2. Ataulfo é um dos pilares sobre os quais se ergueu a música popular brasileira. Sobre isso não há nenhuma dúvida. Parabéns, José Antonio Orlando. Seu blog Semióticas continua excelente, cada vez melhor. Você tem um toque de mestre!
    Rubem Vegas

    ResponderExcluir
  3. Alice Telles Figueiras9 de maio de 2012 10:31

    Adorei conhecer o seu blog e amei esta página e todas as outras. Também amo as canções do Ataulfo e concordo com seu comentário de que as versões do Itamar Assumpção são as melhores já feitas. Virei fã de carteirinha deste Semióticas. Parabéns, parabéns!

    ResponderExcluir
  4. Obrigado, José Orlando! Gosto muito do blog Semióticas! Você sempre nos presenteia com textos belíssimos! Beijo!

    ResponderExcluir
  5. Engraçado como esta sua página me fez pensar nas coisas da memória e na cultura popular. Todas as canções que você citou do Ataulfo Alves eu sei de cor e nunca tinha prestado atenção na importância que ele tem para a música no Brasil. Seu blog é genial, José Orlando. Parabéns pela qualidade dos textos e pelas edições fantásticas.

    ResponderExcluir
  6. Parabéns pela bela matéria sobre este homem genial que é um dos principais mestres do nosso cancioneiro popular. Nunca tinha encontrado uma reportagem tão abrangente sobre o grande Ataulfo. Seu texto impecável e muito bem fundamentado, além de trazer esta belíssima retrospectiva de imagens. Parabéns pra você, José Antônio Orlando. Seu blog é um primor.
    Carlos Eduardo de Carvalho

    ResponderExcluir
  7. David Henrique dos Santos11 de outubro de 2013 11:05

    Seu blog Semióticas merece todos os elogios. Todas as páginas que visitei aqui são excelentes. Essa aqui, sinceramente, me deixou emocionado. Virei fã de Semióticas. Muitos parabéns para você.

    David Henrique dos Santos

    ResponderExcluir
  8. Parabens pelo Blog e pelo que escreveu sobre meu pai, fico muito feliz.
    Na verdade foi lamentavel o centenario nao ter acontecido como nos esperavamos,
    O governador na epoca nao ajudou em nada, o coordenador do centenario prometeu e não cumpriu em assunto de cultura com ele ! era um otimo professor de capoeira.
    Mas foi um aprendizado, bola pra frente.
    Abraços
    ATAULPHO ALVES JUNIOR

    ResponderExcluir

( comentários anônimos não serão publicados )

Todas as páginas de Semioticas têm conteúdo protegido.

REPRODUÇÃO EXPRESSAMENTE PROIBIDA.

Contato: semioticas@hotmail.com

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Páginas recentes