sexta-feira, 13 de abril de 2012

Nu perante a câmera




A atitude de nudez diante das câmeras teve início quase dois séculos antes da popularização da internet e das webcams e muito antes da indústria da pornografia transformar o corpo e o sexo em mercadoria para consumo compulsivo, como destaca entre trocadilhos saborosos o breve texto que apresenta “Naked before the Camera”, exposição inédita que vai permanecer em cartaz em Nova York até 9 de setembro no The Metropolitan Museum of Art. São imagens belíssimas, todas em preto e branco e em matizes de sépia, que impressionam e apresentam um resumo da história da fotografia.

A exposição, que esta semana gerou protestos na imprensa dos EUA e manifestações em frente ao Metropolitan por chocar os juízos mais conservadores, reúne 60 obras de nomes célebres e também de autores anônimos que abarcam desde as primeiras experiências de registro das imagens fotográficas, nas primeiras décadas do século 19, até experiências mais recentes como “Double Index”, intervenções de Robert Flynt com impressão sobre papel, datadas de 2009.






Fotografias reunidas na exposição Naked
before the Camerano alto, "Two Standing
Female Nudes" (1850), de Félix-Jacques
Antoine Moulin. Acima, 16 quadros do
"Album d'Études-Poses" (1880), de Louis Igout,
e uma sequência de "Boys Playing Leap Frog",
estudo de 1887 de Eadweard Muybridge.
Abaixo, "Double Index", fotografia de 2009,
de Robert Flynt; "Folded Up" (1995), de
Jennifer Johnson, e “Teenage Lust” (1973),
um dos ensaios polêmicos de Larry Clark






Observando a cronologia das obras em exposição, é interessante constatar que há muito mais semelhanças que diferenças entre os primeiros fotógrafos e os contemporâneos. Um olhar mais atento pode perceber, inclusive, que as imagens mais recentes – como é o caso de Robert Flynt e do registro de Jennifer Johnson intitulado “Folded Up”, de 1995 – curiosamente lembram muito, nos enquadramentos, nas texturas e nos tons esmaecidos, os trabalhos de pioneiros da fotografia também presentes na mostra, como os franceses Felix Nadar (1820-1910) e Julien Vallou de Villeneuve (1795–1866).

Entre os fotógrafos contemporâneos, também há trabalhos de Robert Mapplethorpe, Diane Arbus, Garry Winogrand e Larry Clark, entre outros. De Larry Clark, também cineasta, a curadoria incluiu na mostra uma imagem sem título que integra “Teenage Lust”, série que ele realizou entre 1972-1973. A imagem de Clark, que está entre as mais recentes apresentadas na mostra, antecipava as cenas fortes e a temática de seu filme mais polêmico, “Kids”, de 1995, que também provocou a ira dos mais moralistas ao abordar sem subterfúgios o avanço da aids e a sexualidade de adolescentes e pré-adolescentes em Nova York. 









"Desde o início da história da arte, retratar o corpo humano tem sido um dos maiores desafios dos artistas e resultou em realizações supremas, como pode ser comprovado nas galerias de estatuária grega e romana ou nas pinturas de mestres renascentistas”, aponta o diretor do museu nova-iorquino, Thomas Campbell, no texto que apresenta a exposição. As 60 fotografias reunidas vêm do extenso acervo do próprio museu e de universidades norte-americanas, onde integram coleções de antropologia e de história da fotografia.



Daguerreótipos e outros suportes



Há desde os antigos daguerreótipos em vidro a ampliações em suportes diversos, com cenas que remetem a aspectos que vão da história à sociologia, à etnologia e até à mitologia. Mas o que se destaca em primeiro plano na exposição é a mesma questão que as representações do nu sempre provocaram na maior parte das culturas: discussões apaixonadas sobre a moral, a censura, o pecado e a sexualidade. Acompanhando a cronologia das imagens, desde o século 19, também sobressaem questões de identidade e as alterações que cada época impõe aos padrões da arte e aos cânones de beleza.







Três nus no Oitocentos: no alto, "Standing Female Nude"
(1860), de Félix Nadar; ao centro, "Standing Male Nude"
(1855), atribuído a Charles Alphonse Marlé. Acima,
"Male Musculature Study" (1890), de Albert Londe


A maior parte das imagens pode ser descrita como “estudos sobre o corpo humano” – uma vez que algumas lembram as investigações científicas promovidas em laboratórios de anatomia ou os desenhos de observação sobre o corpo humano que há séculos são exercitados nas escolas de artes plásticas. Desde as primeiras experiências, na década de 1820, a produção de fotografias provou ser um substituto barato e fácil para o modelo vivo e um convite inquestionável às fantasias de sugestões eróticas.

Muitas das fotos mais antigas trazem a indicação de que foram produzidas para facilitar o trabalho dos pintores, mas com o passar do tempo se transformaram em obras de arte por si mesmas. O texto de apresentação de Thomas Campbell destaca que algumas das imagens da exposição têm uma semelhança tão grande com pinturas conhecidas que, provavelmente, serviram mesmo de modelos para artistas célebres. 




No alto, "Reclining Female Nude" (1853), fotografia
de Julien Vallou de Villeneuve; acima, a pintura
"Femme avec un Parrot" (1866), de Gustave 
Courbet. Abaixo, "Turkish Woman" (1881), 
de Charles-Albert Arnoux Bertall; e "Female
Nude" (1853), de Julien Vallou de Villeneuve


Entre as fotos em exposição no Metropolitan, há exemplos facilmente perceptíveis de que a fotografia serviu mesmo de base para o traço figurativo de gravuras e pinturas. Um dos casos mais evidentes de “apropriação” é a fotografia intitulada “Nu feminino reclinado” (1853), de Julien de Villeneuve, que “inspirou” um quadro célebre: Mulher com um papagaio” (1866), do pintor realista francês Gustave Courbet (1819-1877).

Entre tantas belas imagens, impressionam o erotismo e a sensualidade explícita de fotografias de meados de século 19 do francês Charles-Albert Arnoux Bertall (1820–1882), além de Nadar, Villeneuve, Moulin, Marlé e Thomas Eakins, entre vários outros, que somente sobreviveram aos rígidos códigos de censura da época porque foram adquiridas por colecionadores – como se vê em “Turkish Woman”, série que Bertall realizou em 1881, durante uma viagem ao Império Otomano, ou das jovens prostitutas francesas e mulheres nativas da Indonésia retratadas por volta de 1850 pelo também francês Félix-Jacques-Antoine Moulin (1800–1875).






Propostas libertárias


A exposição também reúne imagens do final do século 19 e início do século 20 produzidas com fins medicinais e para analisar distorções de anatomia, mas que também unem o erotismo e a sensualidade. Mais tarde, no decorrer do século 20, artistas como o húngaro George Brassai (1899-1984), o americano Man Ray (1890-1976) e o alemão Hans Bellmer (1902-1975) utilizam o nu como propostas libertárias na arte, investindo na exposição do corpo humano como veículo perfeito para jogos visuais e para distorções com objetivos estéticos de experimentação e de prospecção psicossexual.

As imagens reunidas na exposição do Metropolitan, todas disponíveis no portal do museu na internet, também podem ser admiradas como uma trajetória dos nomes mais célebres entre os pioneiros na história universal da fotografia, em que rivalizam uma maioria de franceses, seguidos por norte-americanos – entre eles o destaque de pioneiros como Eadweard Muybridge (1830–1904) – e os húngaros como André Kertész (1894–1944) e o citado Brassai, entre outros. 







Nus fotografados em fragmentos: no alto,
 "Arm" (1935), de Man Ray; ao centro,
"Nude" (1931), de Brassaï. Acima,
"Nude" (1928), de Germaine Krull


Entre os principais representantes da fotografia nos movimentos de vanguarda que agitaram Paris e outras capitais de países da Europa nas primeiras décadas do século 20, além de Man Ray e Kertész há ainda uma artista e importante ativista política que também viveu durante alguns anos no Brasil: a francesa de ascendência polonesa Germaine Krull (1897–1985), que também transformou a nudez do corpo humano em veículo para a manipulação surreal da beleza.

Depois da Segunda Guerra, como apontam as imagens ousadas de Edward Weston ou Emmet Gowin – que realizam autorretratos para comunicar uma conexão íntima com seus corpos – o uso da fotografia, e mais especificamente a nudez, começa a surgir como instrumentos de denúncia contra o preconceito, a segregação ou os extremos: dos aspectos mais naturais aos mais doentios do comportamento psicossexual.








No alto, "Distortion # 6" (1932), fotografia experimental
de André Kertész; no centro, "Nude on Sand, Ocean"
(1936), de Edward Weston, e "A Naked Man being a
Woman, N.Y.C" (1968), de Diane Arbus; acima,
"Edith, Danville, Virginia" (1967), de Emmet Gowin




A partir da década de 1960, os registros apresentados na exposição avançam em direção à política, incluindo fotografias que registram protestos em praça pública ou a reclusão de ambientes distintos, seja em cenas de prostíbulos, seja em casais e famílias inteiras em acampamentos e praias de nudismo – como se vê em duas fotos da norte-americana Diane Arbus, "Homem aposentado e sua mulher em casa um amanhã em um acampamento nudista" (1963) e "Um homem nu sendo uma mulher, N.E.C" (1968).

A revolução sexual e seu contraponto, estabelecido com a crise gerada pelo avanço da aids nas últimas décadas do século 20, também são perceptíveis na cronologia que a exposição enumera. Nas imagens mais recentes, de Mapplethorpe, Diane Arbus e Larry Clark, é quando a nudez e sua representação assumem novos significados, como provocações ou declarações de liberdade frente às restrições sociais. E também como afirmações de identidade individual, de sexualidade e de gênero fora dos padrões de uma certa normalidade.



   
 



No alto, "Nude N° 57" (1950), de Irving Penn, seguida
por "Patti Smith" (1976), de Robert Mapplethorpe, e
"Two Man in Silhouett" (1987), de Mark Morrisroe.
Abaixo, "Cavorting by the Pool at Garsington" (1916),
de Lady Ottoline Anne Cavendish-Bentinck Morrell,
e o autorretrato "Thomas Eakins & John Laurie Wallace
on a Beach" (1883), de Thomas Eakins



Ao apresentar um resumo da história da fotografia através das representações da nudez, “Naked before the Camera” provoca para além dos domínios da arte e das fantasias de erotismo. Cada uma das imagens em exposição – mesmo aquelas que sob a distinção de "estudo de artista" enganaram os censores para dar início ao que se tornaria o comércio da pornografia – tem um apelo tão forte que pode levar o espectador a examinar as motivações e os significados sobre o que há de mais humano e que deveria ser o estado mais natural em nossa civilização: a nudez de nossos próprios corpos.


por José Antônio Orlando.


Para uma visita virtual à exposição Metropolitan Museum of Art, clique aqui. 










13 comentários:

  1. Uau! Adorei o texto Zé Orlando, me deu o que pensar, como sempre deu... Como pode ser isso de alguém confundir nudez artística com pornografia? Mesmo em fotos antigas de bordéis encontramos arte em abundância e, convenhamos: São só os nossos corpos! Tinha em casa alguns daguerreótipos em vidro da minha avó, mandados fazer por meu avô. Eram fotos cheias de glamour, que infelizmente foram sumindo do vidro, provavelmente pela ação da luz e do tempo, guardadas felizmente em papel.
    Há, entretanto uma distância enorme entre o obsceno e o natural, o resto está na mente daqueles que se vestem de puritanismo e frustração para tirar do planeta o que ele tem de belo e natural.
    Beijos meu amigo, adorei e não me espanta que os estadunidenses tenham ficado horrorizados, pois não são eles, entre outros, os que se acreditam guardiões da virtude?

    ResponderExcluir
  2. Que linda postagem! E que exposição maravilhosa! O Metropolitam não é careta. Achei particularmente bacana vc abrir e fechar o texto lembrando que a exposição propaga, necessariamente, a necessidade de uma discussão ou ao menos sugere a reflexão sobre os limites do que é pesquisa do corpo e estética ou mesmo erotismo nesse tipo de registro fotográfico do nu, mas na distinção exata do que pertence ao plano da mera pornografia. Ao menos para mim essa reflexão é de primeira grandeza: diferenciar essa necessidade da exposição do nu natural na direção de um sentido, de algum sentido suplementar e não da perda absoluta dos sentidos tão somente... Fiquei um pouco comovido lendo a postagem e vendo as fotos, porque já fui modelo nu quando jovem e reconheço na pele que há uma profundidade nessa experiência do despir-se para a arte! ;-)

    ResponderExcluir
  3. ótimo post! Toda nudez NÃO será castigada * ou não deveria. De Weston a Terry Richardson...O absurdo é atribuir tanto *poder* a simples partes do corpo. A ünica coisa que eu vejo imoral de verdade é nosso cerebro.... FELIZMENTE!!
    Zé ese post pede uma sequencia com Modos de Ver...
    Ale

    ResponderExcluir
  4. Como sempre Zé Orlando, vc surpreende com um texto claro, bem alinhavado, cheio de conteúdo do mais alto nível. Ler sobre fotografia me agrada demais, mas ler sobre fotografia através do seus textos não tem preço !!!
    Muito obrigada
    Kika

    ResponderExcluir
  5. Texto bacanérrimo! R. M. é o meu predileto. O trabalho com corpos e separadamente com flores é de movimento e excelência na fotografia. http://www.mapplethorpe.org/portfolios/flowers/

    ResponderExcluir
  6. William Santanna8 de maio de 2012 19:02

    Fiquei impressionado com seu texto, com as imagens da página e com a qualidade do seu blog, José.
    Que maravilha, em todos os posts tem algo de novo e uma beleza que encanta. Bom demais da conta, meu caro. PARABÉNS!... Virei fã de carteirinha!

    ResponderExcluir
  7. Maria Helena Santiago23 de maio de 2012 12:08

    Que beleza de blog, que imagens inacreditáveis e que texto inteligente, professor José Antonio Orlando.
    Acredito que nada na vida é mais excitante e gratificante do que encontrar algo assim, que nos faz pensar e, ao mesmo tempo, seja sedutor e deslumbrante para olhar.
    Este seu blog Semióticas é sempre inesperado e tenho a sensação de que, a cada visita que faço, viro uma pessoa modificada - não apenas mudada, como também melhor. Só posso agradecer.
    Boa sorte e um milhão de beijos para você, mestre!!

    ResponderExcluir
  8. Inacreditável este post, um dos melhores que encontrei na internet em todos os tempos. Parabéns pra você, José Antônio Orlando. Se este blog Semióticas não tivesse outros 70 posts tão geniais, só esse aqui já justificaria o Prêmio Peixe Grande. Votei agora e com orgulho de contribuir para o seu reconhecimento, mais do que merecido. Parabéns, parabéns!!!

    Euler de Sousa

    ResponderExcluir
  9. Conheci seu blog ontem e meu voto (Prêmio Peixe Grande) é seu -- gostei do texto -- informativo, questionador, denso mas sem ser solene. Parabés!

    Sílvia

    ResponderExcluir
  10. Parabenssssss!!!!!!!! Sou fã de carteirinha ! Adoroooooo!

    ResponderExcluir
  11. Meu querido José Antônio Orlando. Escrevo esta mensagem para dizer que seu blog é maravilhoso. Tudo de uma beleza, de uma inteligência, de uma poesia que normalmente não cabe nos blogs, na maioria mal elaborados, repetidos, superficiais. Este ensaio sobre o nu na história da fotografia é para ser obrigatório para qualquer um que se interesse por fotografia e história da arte e antropologia. Parabéns. Repito: seu blog é simplesmente maravilhoso.

    Elaine Nogueira

    ResponderExcluir
  12. Que coisa mais sensacional este Semióticas! Impecável e lindo. Esta página sobre nudez na arte, desde o princípio, é até sufocante. Também repito, feito a Elaine Nogueira: seu blog é simplesmente maravilhoso!

    ResponderExcluir
  13. Selma Maria de Paiva4 de setembro de 2015 19:16

    Parabéns! Tocou em um assunto delicado e deu um show de sabedoria! Sou sua fã. Descobri aqui cada matéria melhor que a outra. Quero morar neste site de Semióticas. Adoro.

    ResponderExcluir

( comentários anônimos não serão publicados )

Todas as páginas de Semioticas têm conteúdo protegido.

REPRODUÇÃO EXPRESSAMENTE PROIBIDA.

Contato: semioticas@hotmail.com

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Páginas recentes