segunda-feira, 5 de março de 2012

Heleno e outros craques








A história é antiga: jogador de futebol de origem humilde consegue fama e fortuna em muito pouco tempo e passa a ser um "craque problema" que ruma a passos largos para a decadência e o fundo do poço depois de se envolver em sucessivos escândalos e casos de polícia. Da ascensão vertiginosa ao martírio galopante, a história do jogador de futebol que levou ao delírio tantos torcedores e tem um final dos mais trágicos se repete no Brasil desde as primeiras décadas do século 20 – conforme destaca a biografia "Nunca Houve um Jogador como Heleno" (Ediouro/Geração Conteúdo), do jornalista carioca Marcos Eduardo Novaes.

O livro de Novaes serve de inspiração ao filme de José Henrique Fonseca, com lançamento nacional previsto para a última semana de março, que tem roteiro de Felipe Bragança e Fernando Castets. “Heleno – O príncipe maldito” traz Rodrigo Santoro na pele do gênio temperamental e boêmio. Com cenários da década de 1940 e fotografado em preto e branco, o filme de José Henrique, que é filho do escritor Rubem Fonseca, apresenta a trajetória dramática do craque galã e mulherengo na era de ouro do Rio de Janeiro, trazendo no elenco, entre outros, Alinne Moraes, Angie Cepeda, Erom Cordeiro, Othon Bastos e Herson Capri.

Mineiro de São João Nepomuceno, Heleno de Freitas (1920-1959) é um dos personagens inaugurais na galeria brasileira dos craques problemáticos, segundo Novaes. O título do livro, ele explica, faz uma referência ao slogan de lançamento de filme “Gilda” (1946), com Rita Hayworth – “nunca houve uma mulher como Gilda”. Gilda, recorda o biógrafo, foi um apelido nefasto que tirava do sério o jogador: Heleno partia para a briga sempre que era provocado. 





 
Bonito, charmoso e presença refinada nos salões elegantes, o mais mítico centroavante que já passou pelo Botafogo e pela Seleção Brasileira é tido por muitos como um dos maiores craques de todos os tempos. Foi o protagonista de uma trajetória marcada por grandes vitórias, mas também por muitos escândalos. O final de Heleno é melancólico: endividado, viciado em lança-perfume e diagnosticado com sífilis em seu grau mais avançado (quando a doença atinge o cérebro), abandonou o futebol e passou o resto da vida internado em um sanatório em Barbacena, Minas Gerais.

"Certamente, houve outros antes do Heleno de Freitas. Apenas a imprensa brasileira, que não tinha tradição de reportagem, não cobriu nem registrou os primeiros dramas do nosso futebol" – avalia em entrevista por telefone o jornalista e escritor Ruy Castro, que recebeu alta hospitalar no final de fevereiro, depois de sofrer uma crise convulsiva. "Mas um craque problema", destaca Ruy Castro, “não é mais frequente no Brasil do que em outros países”.






A ficção e a vida real: no alto,
Rodrigo Santoro em cena do
filme Heleno; acima e abaixo, o
craque fotografado nas ruas do
Rio de Janeiro e no treino com o
Botafogo, na década de 1940










"Será que temos tantos craques-problema aqui? Não sei não. A Inglaterra teve, por exemplo, o George Best, que foi o Garrincha deles, lembra? Também morreu de birita. Mas, realmente, no Brasil, a coisa está passando dos limites", aponta Castro. "O inacreditável dinheiro que entra hoje no bolso de certos jogadores e o estilo de vida que eles passam a levar tendem a criar os tais problemas. Acho que nem o Renato Gaúcho e o Romário, nos anos 1990, tinham tanto acesso a mulheres como os jogadores de hoje".

Ruy Castro, mineiro de Caratinga e autor de biografias especialíssimas como "Estrela Solitária: Um Brasileiro Chamado Garrincha", lançada em 1995 (além de "O Anjo Pornográfico", sobre o dramaturgo e cronista esportivo Nelson Rodrigues, "Carmen", sobre Carmen Miranda, e livros de reconstituição histórica como "Chega de Saudade", sobre a Bossa Nova, entre outros), também considera que as origens humildes, assim como a infância e a juventude marcadas pela pobreza, podem sim ser apontadas como causas determinantes para atitudes de escândalo e até mesmo casos de polícia.





Heleno e outros craques: acima,
outro herói do Botafogo na pátria
do futebol, Mané Garrincha (1933-1983).
Abaixo, Garrincha, Alegria do Povo,
filme de 1962 dirigido por Joaquim Pedro
de Andrade, e Garrincha em campo
pela Seleção Brasileira em 1962












"Sim, é possível apontar essas causas determinantes. Mas não se esqueça de que há muito mais corrupção entre os ricos que entre os pobres", alerta Ruy Castro, antes de acrescentar que o caso policial envolvendo o goleiro Bruno do Flamengo pode ser considerado um dos casos mais graves, já registrados no Brasil, envolvendo um craque do futebol. "Sem nenhuma dúvida, é um dos mais graves. Mas, se Bruno fosse goleiro do Arapiraca, do Botucatu ou do Cascavel, e não do Flamengo, teria tido tanto destaque e seria capa da 'Veja'?", questiona.



Recados da bola



Para o também jornalista e escritor Jorge Vasconcellos, autor do livro "Recados da Bola" (Cosac Naify), que reúne depoimentos de 12 mestres do futebol brasileiro: Sócrates, Rivelino, o goleiro Barbosa, Didi, Zito, Nilton Santos, Djalma Santos, Zizinho, Jair Rosa Pinto, Ademir Menezes, Domingos da Guia e Bellini), casos de craques como Heleno de Freitas e Bruno do Flamengo, entre tantos outros no Brasil e em outros países, talvez possam ser considerados paradigmas.

"São exemplos famosos em suas épocas", analisa Vasconcellos. "Na década de 1930, por exemplo, vários jogadores já desfrutavam de grande fama e prestígio, e não deixavam de 'aprontar', como Leônidas da Silva, que, jogando no Peñarol do Uruguai, era criticado pela torcida por gostar de frequentar os cabarés e as atrações da noite local. Mas Leônidas nunca foi considerado um exemplo clássico de 'craque problema'. Ao contrário, é sempre lembrado sempre como um gigante do futebol brasileiro, o que de fato ele foi".






Dois heróis da velha guarda: no alto,
Leônidas da Silva (1913-2004), na época
conhecido por Diamante Negro, tricampeão
 pelo Botafogo e inventor do "gol de bicicleta";
acima, Didi (1928-2001), o Mister Football,
inventor da jogada que ficaria conhecida
como folha seca. Didi foi eleito
"o melhor do mundo" na Copa de 1958


Emoldurado por dois grandes traumas nacionais, as derrotas nas Copas de 1950 e 1982, o livro de Jorge Vasconcellos traz conversas com alguns dos craques que fizeram história no futebol brasileiro. Nos depoimentos, comandados por Jorge Vasconcellos e por Claudiney Ferreira, o leitor fica sabendo como Didi inventou a folha-seca; o porquê de Zizinho preferir passar a bola em vez de fazer o gol e acompanha os bastidores do trágico dia da final da Copa do Mundo do Brasil, em pleno Maracanã, contra o Uruguai em 1950.

Vasconcellos também apresenta em detalhes no livro histórias saborosas sobre as aventuras italianas de Sócrates; Jair Rosa Pinto ensinando Pelé a se defender dos zagueiros violentos e a criação da Democracia Corintiana, entre outros casos e escândalos pontuais que marcaram época no decorrer do século 20 e construíram a mítica do esporte das multidões em todo o Brasil.




Comoção nacional em 1950: o gol
do adversário silenciou o Maracanã 
na final da Copa do Mundo. Abaixo, 
a seleção brasileira na Copa de 1950,
fotografada minutos antes da final
dramática contra a seleção do Uruguai 







Sobre a trajetória dramática de vitórias e derrotas de Heleno de Freitas e de outros "craques problema", Vasconcellos considera que, diante da enorme população mundial que pratica o futebol, de modo amador ou profissionalmente, esse tipo de escândalo é, na verdade, uma minoria absoluta. "Está longe de ser privilégio nosso. Fiquemos somente com alguns exemplos recentes encontrados no exterior: Maradona, o inglês Paul Gascoigne e o irlandês George Best, entre muitos outros".

As origens humildes e a infância pobre podem ser apontadas como causa determinante para um ou outro escândalo que vem com a fama, mas Vasconcellos é enfático em destacar que pobreza não é sinônimo de desvio de caráter ou de psicopatia. "Com a riqueza, de certa forma, acontece a mesma coisa. Não é a classe social que determina a conduta ética e moral de ninguém. Da mesma forma, deslumbramento não é privilégio de nenhuma categoria social. Acredito que são menores as chances de um jogador dar passos errados quanto mais educado ele for", avalia. 




Hideraldo Luiz Bellini, que entrou
para a história como capitão do
primeiro título em Copas do Mundo
 da seleção brasileira. Em 1958, na Suécia,
Bellini ergueu a Taça Jules Rimet após a
final e criou um gesto que se transformaria
em um ritual universal para o esporte


Para Vasconcellos, é importante considerar também que adquirir fama e fortuna rapidamente não é uma experiência muito fácil para a maior parte das pessoas, sendo ou não atletas de origem humilde. "É preciso aprender a lidar com a nova situação. Mas ninguém está condenado a fazer bobagem por ficar rico e famoso de uma hora para outra, isso não está não. Isso é gravíssimo. Acredito mesmo que o caso do goleiro do Flamengo seja o mais grave registrado no Brasil envolvendo um jogador".



Memórias de craques



Carioca de 1956 e torcedor do Flamengo, Jorge Vasconcellos vem reunindo desde 1994 depoimentos de craques de todos os tempos da Seleção Brasileira – de Domingos da Guia a Rivelino e Sócrates. Às entrevistas, algumas feitas em parceria com Claudiney Ferreira para a BBC de Londres, ele acrescentou bela pesquisa fotográfica, privilegiando imagens de bastidores que os jornais raramente publicavam na época. Na entrevista abaixo, concedida por telefone, Vasconcellos fala sobre o acervo reunido no livro e sobre alguns dos personagens que fizeram a história do futebol no Brasil.




Há quem diga que o futebol é uma das mais complexas formações que a cultura e a sociedade brasileira foram capazes de produzir. Você concorda?

Jorge Vasconcellos – O futebol, de fato, está arraigado na alma brasileira. Só esse aspecto já exige boa dose de complexidade analítica para quem deseja entender a razão de ter evoluído dessa forma por aqui. Quanto à cultura, foram produzidas expressões de grande gabarito no campo das artes com foco no futebol, em diferentes linguagens: filmes, artes visuais, literatura, museus etc. Contudo, muitas iniciativas que ambicionaram chegar ao estado de arte por meio do futebol não foram bem-sucedidas.

Seu livro "Recados da Bola" começa com depoimento de Barbosa, goleiro na Copa de 1950, e fecha com Sócrates, personagem em outra derrota, a de 1982. Por que destacar no livro os heróis que ficaram marcados por derrotas históricas?

Na verdade, o grande trauma de Sócrates (foto abaixo) foi com a Seleção de 1982, na Copa da Espanha. Salvo melhor juízo, as derrotas em 1950 e 1982 foram os momentos mais difíceis vividos pelos brasileiros no que diz respeito ao futebol. No caso de 1950, é muito complexo e extenso o baque que o “Maracanazo” causou nos brasileiros. Jogadores, como Barbosa, nunca mais se recuperaram. Imagine dezenas e dezenas de milhares de pessoas calando-se "estrepitosamente" num mesmo lugar, atônitas com o que estão vendo. 


 

Vem desse episódio no Maracanã o que Nelson Rodrigues chamava de “complexo de vira-lata”?

Isso mesmo. O famoso complexo de vira-lata, tão bem vislumbrado por Nelson Rodrigues como uma "vocação natural" dos brasileiros, tem sua matriz na débâcle sofrida pela seleção no Maracanã em 1950. Já em 1982 a seleção assombrou o mundo com um futebol alegre, vistoso, mas que sucumbiu diante da Itália, campeã daquele ano. Sócrates era o capitão daquele time. Ele simboliza, no livro e para quem reflete sobre futebol, a perda de status do futebol-arte como um recurso de jogo vencedor. Infelizmente, a primazia do futebol jogado em grande estilo, pelo menos entre nós, foi mandada para a linha de fundo, ainda que tenhamos craques desfilando nos gramados daqui e do exterior.

Mas o trauma da derrota do Brasil para o Uruguai, no Maracanã, na Copa de 1950, foi o combustível para a sequência de vitórias espetaculares da Seleção nas décadas seguintes?

Há uma espécie de consenso indicando a derrota na final da Copa de 1950 como fator essencial para a posterior sequência de vitórias da Seleção Brasileira. O fato é que o trauma que aquela derrota causou nos brasileiros foi de tal ordem que sua reparação se tornou algo próximo a uma obsessão no Brasil.

O que tem sido mais marcante na trajetória do futebol brasileiro: as vitórias ou as derrotas?

Sem dúvida, as vitórias. Salvo melhor avaliação, somos a maior potência do futebol mundial. Ganhamos cinco Copas do Mundo e centenas de nossos jogadores são objeto de desejo de clubes mais e menos importantes do futebol internacional. Eles são até mesmo titulares em seleções de outros países.




Dos depoimentos de craques reunidos no livro, qual foi o mais complicado ou mais emocionante?

Por incrível que pareça, não houve nenhuma complicação na realização dos depoimentos. Ao contrário, diria que o time dos 12 caracterizou-se pela gentileza e generosidade em lembrar detalhes de suas vidas esportiva e pessoal. Uma das passagens inesquecíveis foi o momento em que Bellini relatou a criação do gesto imortal de vitória, segurando a Taça Jules Rimet sobre a própria cabeça com as duas mãos. Nos momentos efusivos de comemoração, ele lembrava da saúde debilitada do pai e do que estaria se passando, àquela altura, com o povo brasileiro.

Por que o depoimento de Pelé ficou de fora do livro?

Pelé, se não é o maior, é um dos principais protagonistas do futebol em todos os tempos. Tentamos diversas vezes agendar com ele uma entrevista. Mas não foi possível.


por José Antônio Orlando.



Para comprar o livro "Recados da Bola", clique aqui.


Para comprar o filme "Heleno" em DVD, clique aqui. 


Para comprar o livro "Nunca houve um homem como Heleno", clique aqui.









7 comentários:

  1. Show de bola... Engraçado que tem aquele ditado que diz que não se deve discutir religião, política e futebol, porque são assuntos que mobilizam interesse e emoção intensos com muita paixão e pouca racionalidade. Seu blog está provando o contrário, José, porque estes três assuntos, quando aparecem por aqui nas suas páginas e entrevistas, são tratados com uma racionalidade de alto nível, como autênticas questões de Semiótica que são, ainda mais num país como o Brasil...
    Parabéns outra vez. Seu blog é o máximo!

    João Vargas

    ResponderExcluir
  2. Parabéns José Antônio pela qualidade e conteúdo do texto. O futebol, essa paixão nacional, trás muitas histórias e exemplos como os que você, brilhantemente, expôs acima, no blog.
    Parabéns! Grande abraço.

    ResponderExcluir
  3. José, a cada página que encontro no seu blog me vem a certeza de que o jornalismo é uma arte. Parabéns por esta matéria fantástica sobre o futebol no Brasil e por todas, afinal me parece que cada uma é melhor que outra. Abri várias, agora, para decidir qual comentar e fiquei numa dúvida permanente, que só cresce a cada nova postagem que aparece...
    Lembrei de uma frase do Verissimo que comprova que este seu Semióticas é um antídoto contra o mau jornalismo que se pratica por aí, ainda mais nos jornais terríveis que sobrevivem em BH copiando sites e releases: "Às vezes, a única coisa verdadeira num jornal é a data"...
    Vida longa e properidade para você e para o Semióticas. Grato pela gentileza de compartilhar sabedoria!
    Beijos e beijos.
    Aline Magalhães

    ResponderExcluir
  4. Show de bola mesmo... Ah, José, se eu tivesse encontrado esse seu texto no final de 2011, minha monografia de conclusão de curso teria sido tão melhor... Parabéns. Inveja de você e de seu blog fantástico chamado Semióticas!

    ResponderExcluir
  5. Zé, super pertinentes os comentários do Ruy Castro - que tem uma ótima coluna na Band News FM. Heleno foi certamente a versão mais antiga de Mané Garrincha, Serginho Chulapa, Éder ou Edmundo. Mais um gênio com um parafuso a menos. Merecia um fim menos trágico. Ps. Falar da qualidade do texto é "chover no molhado. Brilahnte.

    ResponderExcluir
  6. Concordo com todos os elogios registrados aqui pelos visitantes. Seu blog é o melhor que encontrei nos últimos tempos. Parabéns, José Antônio Orlando. Este Semióticas é brilhante em todas as páginas e em todas as entrevistas, além de trazer uma edição de imagens de dar inveja aos portais profissionais de jornais e revistas. Boa sorte e vida longa!...

    ResponderExcluir
  7. Não tinha ouvido falar desse Heleno de Freitas, mas achei o máximo esta sua página sobre o futebol no Brasil... Alto nível. Parabéns, mestre!
    Beijos.
    Regina Amorim

    ResponderExcluir

( comentários anônimos não serão publicados )

Todas as páginas de Semioticas têm conteúdo protegido.

REPRODUÇÃO EXPRESSAMENTE PROIBIDA.

Contato: semioticas@hotmail.com

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Páginas recentes