quinta-feira, 5 de janeiro de 2012

Homens ilustres






Há reportagens que têm o mérito de transcender a época em que foram publicadas e passam a ser um capítulo importante da História. No Brasil, foi assim com as reportagens que Euclides da Cunha (1866-1909) fez no interior da Bahia sobre a Guerra de Canudos, em 1897, depois reunidas no emblemático "Os Sertões" (1902). Também fizeram História, entre outras, a série de matérias e fotografias sobre a fome no Nordeste brasileiro, publicadas a partir da década de 1940, na revista "O Cruzeiro", pelo repórter David Nasser e pelo fotógrafo Jean Manzon – ou ainda a célebre entrevista que Samuel Wainer fez com Getúlio Vargas para os "Diários Associados", durante a campanha eleitoral de 1950.
Fora do Brasil, um dos trabalhos jornalísticos que marcaram época e entraram para a história do século 20 foi realizado por dois norte-americanos: o fotógrafo Walker Evans (1903-1975) e o jornalista James Rufus Agee (1909-1955). A série memorável e pioneira de reportagens produzidas por Evans e Agee na década de 1930 retratou a vida dura das famílias de agricultores no sul e no sudeste dos Estados Unidos, levadas à miséria pelos reflexos econômicos do "crash" de 1929 da Bolsa de Valores de Nova York.
Foi o início da época depois chamada de "Grande Depressão". As reportagens da dupla, comoventes, foram publicadas primeiro pela revista "Fortune" e depois reproduzidas no mundo inteiro, inclusive pela revista "O Cruzeiro". Em 1941, o trabalho de Evans e Agee foi reunido em um livro que se tornou lendário – "Elogiemos os Homens Ilustres", lançado pela primeira vez no Brasil pela Companhia das Letras.



Homens ilustres: no alto, Warren Beatty
e Faye Dunaway em Bonnie & Clyde
- Uma Rajada de Balas, filme de 1967
de Arthur Penn. Acima, a fotografia
reproduzida na capa da edição nacional
do livro Elogiemos os Homens Ilustres:
Floyd Burroughs e uma de suas filhas,
Lucille, fotografados por Walker Evans
no Alabama, em 1936. Abaixo, a família
Burroughs reunida e uma seleção das
célebres fotografias que Walker Evans
fez no interior do Alabama: realismo
brutal, mas pontuado de poesia














A série que a dupla Walker Evans e James Agee registrou viajando pelo Sul dos EUA, entre 1935 e 1936, foi na verdade um trabalho contratado pelo governo do presidente norte-americano Franklin Delano Roosevelt, na época interessado em criar um arquivo de imagens sobre a pobreza na região para fundamentar o trabalho de uma agência estatal. Teoricamente, o arquivo serviria ao programa social do governo para a erradicação da pobreza e a construção de uma identidade nacional – o chamado New Deal, destinado a atender segmentos menos favorecidos que ficaram ainda mais pobres com os desdobramentos do “crash” de 1929, entre eles os plantadores de algodão do Alabama.
Considerando a radical transformação da agência estatal (um serviço de assistência aos agricultores convertido poucos anos depois no Office for War Information), fica a dúvida se as fotos e reportagens da dupla não serviriam a outro propósito – em especial o controle ideológico da população local por parte do Estado, por exemplo. Para além do uso político da pesquisa, entretanto, as imagens de Evans e os textos de Agee, desde a primeira publicação na "Fortune" foram transformados em parâmetro para o conceito do que fosse a "objetividade jornalística".

Amor em tempos de penúria

Durante quatro semanas, fotógrafo e repórter conviveram com três famílias de meeiros pobres do Alabama, numa relação tão próxima que chegaram a dormir nas choupanas miseráveis e, diz a lenda, se apaixonaram por duas das garotas pobres do lugar. O resultado final da experiência fez história e mudou os rumos do jornalismo e da fotografia, extrapolando ao extremo os limites do que era conhecido como qualidade nas matérias publicadas na imprensa e emplacando como rotina o trabalho jornalístico a quatro mãos de repórteres e fotógrafos – prática que perdura em todo o mundo nos principais veículos de imprensa até os nossos dias.
















"Estávamos deitados de costas separados por cerca de meio metro, calados, olhos abertos, ouvindo", relata James Agee em "Elogiemos os Homens Ilustres", traduzindo em um texto sofisticado, na fronteira entre o jornalismo e a melhor literatura, uma das muitas noites em que ele e o fotógrafo Walker Evans dormiram alojados com simplicidade e gentileza pelas famílias que retratavam, com um tom característico de brutal realismo, mas pontuado de poesia. 
"Seres humanos, com a ajuda de mulas, trabalhavam essa terra para que pudessem viver. A esfera de poder de uma só família humana e uma mula é pequena; e dentro dos limites de cada uma dessas pequenas esferas a essencial fragilidade humana, a chaga finalmente morta que é viver e a força indignada para não perecer, ergueram contra suas circunstâncias hostis esta casca de ferida, este abrigo para uma família e seus animais", registrou Agee. 
Se a qualidade literária dos textos foge do estilo frio e trivial das notícias tradicionais, as imagens de Evans não deixam por menos. Cada fotograma, por mais simples que pareça, à primeira vista, está carregado de emoções: cenas do trabalho no campo, casebres de madeira, rostos magros e sofridos, crianças tristes, talheres entortados guardados em buracos na parede, botinas gastas esquecidas em um canto, mães maltrapilhas, pés descalços, moscas pousadas no prato de comida.








A edição brasileira inclui 60 fotos impressionantes, em matizes de preto e branco, encartadas, antecedendo a íntegra do texto de Agee – que também pode ser lido como um ensaio brilhante sobre os limites da objetividade jornalística naquelas situações em que o repórter tem ou cria uma relação afetiva muito próxima com suas fontes. Nos anos e décadas seguintes, as reportagens de Evans e Agee sobre as vítimas da "grande depressão" provocariam revoluções no jornalismo.


Entre tigres e cavalos


 
De certa forma, a pobreza que se seguiu ao "crash" da Bolsa de Nova York deu origem a um vigoroso movimento intelectual e artístico, que se engajou em revelar e denunciar as novas e terríveis condições de vida dos agricultores da região sudeste dos Estados Unidos, que pela primeira vez eram reveladas em palavras e imagens que retratavam muita penúria. Na trilha desbravada por Evans e Agee, muitos outros escritores, fotógrafos, pesquisadores das ciências sociais e da antropologia, dramaturgos e cineastas puseram o pé na estrada para desvendar a "verdadeira América". 








Era como se as políticas assistencialistas batizadas de "New Deal", adotadas por Franklin Roosevelt (que presidiu os Estados Unidos entre 1933 e 1945, em três mandatos completos e nos meses iniciais do quarto, quando morreu), transbordassem de forma inesperada para a esfera da arte e da cultura. Produzidas no início da primeira gestão de Roosevelt, as fotos de Walker Evans e os textos de James Agee publicados na revista "Fortune" foram e ainda são fonte de inspiração para muitos. 

Além de divisor de águas para o "novo jornalismo", é possível perceber a influência das reportagens pioneiras de Evans e Agee em outros trabalhos que também se tornariam clássicos norte-americanos imbatíveis, caso da obra-prima do escritor John Steinbeck, “As Vinhas da Ira” (1939), que transporta à literatura a trágica odisseia de uma família de agricultores liderada por um herói idealista, Tom Joad, e a exploração cruel a que estavam submetidos os trabalhadores rurais. As reportagens de Evans e Agee e o romance de Steinbeck, por sua vez, também dariam origem ao filme memorável que o cineasta John Ford realizaria em 1940.







Homens ilustres: Henry Fonda vive
Tom Joad, o herói idealista que lidera
a família de agricultores durante uma
sofrida jornada em busca de sobrevivência
e trabalho no filme As Vinhas da Ira, de
1940, um clássico do cinema, adaptação
de John Ford para a obra-prima
do escritor John Steinbeck







O sucesso comercial e político alcançado pelo primeiro trabalho da dupla Evans e Agee, com seu tom emocional e dramático, a despeito da pobreza dos retratados, levaria o fotógrafo e o jornalista para outros caminhos, distantes do Alabama, na década seguinte.Walker Evans e suas fotografias em claro-escuro passariam a integrar o acervo de grandes museus, como o Museum of Modern Art (MoMa) e o Metropolitan Museum, de Nova York. Agee, por sua vez, iria tornar-se poeta, romancista premiado e roteirista de sucesso disputado pelos grandes estúdios em Hollywood. 

Levam a assinatura personalíssima de James Rufus Agee o roteiro de clássicos do cinema como "Uma Aventura na África" ("The African Queen"), que John Huston filmaria com Katharine Hepburn e Humphrey Bogart em 1951, entre outros grandes filmes. Agee também seria celebrado por seus pares como um dos mais influentes críticos de cinema que atuaram na América no século 20. Uma das várias e saborosas máximas atribuídas a ele é por certo ainda hoje exemplar: "os tigres da ira são mais sábios que os cavalos da instrução".







A dupla que marcou época com a
reportagem histórica que seria depois
transformada no livro Elogiemos os
Homens Ilustres. No alto, o fotógrafo
Walker Evans (1903-1975). Acima,
o jornalista, escritor e roteirista
James Rufus Agee (1909-1955).
Abaixo, "Trabalhadores anônimos",
reportagem com texto de James Agee
e fotografias de Walker Evans na
revista Fortune em 1946






A primeira edição de "Elogiemos os Homens Ilustres" no Brasil coincide com o lançamento de várias outras três publicações que por outros caminhos abordam o mesmo tema. Entre elas, pelo menos três merecem destaque – o terceiro número da revista "Serrote", editada pelo Instituto Moreira Salles; o livro "A Grande Depressão - Política e Economia na Década de 1930 na Europa, Américas, África e Ásia" (editora Civilização Brasileira), organizado por Flávio Limoncic e Carlos Palomanes; e "Bonnie & Clyde – A Vida por Trás da Lenda" (editora Larousse do Brasil), de Paul Schneider, best-seller internacional que conta a vida atribulada de Bonnie Parker e Clyde Barrow, o casal de criminosos mais famoso dos Estados Unidos na década de 1930. 
Na seções da revista "Serrote", as fotografias de Walker Evans dividem o destaque com uma seleção invejável de ensaios de e sobre nomes de primeira grandeza – Julio Cortázar, Roland Barthes, Fred Astaire, Henry James e Virginia Woolf, entre outros. Na revista, Evans aparece em outro ensaio fotográfico monumental que marcou época e que também virou parâmetro de qualidade, mas que permanecia inédito no Brasil: a edição de “Serrote” traz encartada uma seleção de 16 fotos da série que Evans produziu com passageiros do metrô e intitulada "Muitos São Chamados". A série saiu em livro pela primeira vez em 1966: homens, mulheres, jovens, crianças, casais, pessoas elegantes e imigrantes pobres surgem em imagens monocromáticas e emblemáticas da mais variada expressão.















Homens ilustres: personagens anônimas
em viagem no metrô de Nova York.
As fotografias, feitas às escondidas por
Walker Evans, seriam publicadas
posteriormente em um livro
antológico: Many Are Called.
Abaixo, "Hitchhiker's near Vicksburg"
(Mochileiros perto de Vicksburg),

fotografia de 1936 Walker Evans
da época da temporada com
James Agee no Mississippi





Entre fevereiro de 1938 e janeiro de 1941, Walker Evans viajava com frequência no metrô de Nova York, vestindo um sobretudo sob o qual ocultava uma câmera Contax de 35mm. Produziu 89 retratos impressionantes de pessoas anônimas que, na quase totalidade dos casos, estavam tão absortas na vida que sequer percebiam que naquele momento estavam sendo fotografadas.

Acompanha a seleção de fotos de "Serrote" um ensaio inspirado de Samuel Titan Jr. que defende uma tese ainda mais surpreendente. Segundo o tradutor e professor da USP, os retratos reunidos em "Muitos São Chamados" anteciparam a maioria dos traços estilísticos que ficariam conhecidos nos anos seguintes, no cinema e na literatura, como gênero "noir".

Vargas e percalços de Bonnie & Clyde


Mais de 80 anos depois da crise econômica que abalou o mundo e tornou os pobres ainda mais pobres, o "crash" da Bolsa de Valores de Nova York e seus reflexos dramáticos pelos cinco continentes também ganham uma reflexão brasileira na série de artigos inéditos organizados por Flavio Limoncic e Francisco Carlos Palomanes Martinho. Em "A Grande Depressão", Limoncic e Palomanes reúnem extratos de teses para mostrar, tanto ao leitor comum como aos estudiosos da questão, que a perplexidade provocada pela atual crise financeira internacional não é maior que aquela deflagrada a partir de 1929. 



Até as circunstâncias históricas e o status das personalidades envolvidas têm estranhas simetrias. Basta lembrar cenas pitorescas dos presidentes do Brasil e dos Estados Unidos, na década de 1930 como na atualidade. Em 1936, em visita ao Rio de Janeiro, Franklin D. Roosevelt referia-se a Getúlo Vargas, então conhecido como "pai dos pobres", com altos elogios, afirmando que Vargas era o verdadeiro inventor do "New Deal" programa criado por Roosevelt para tentar buscar uma solução para reduzir a pobreza e aplacar a crise agrícola dos Estados Unidos, durante o período da Grande Depressão, e que tornou-se um baluarte de recuperação da economia norte-americana.
Duas pessoas inventaram o New Deal: o presidente do Brasil e o presidente dos Estados Unidos”, declarou Roosevelt. Ironias do destino: em abril de 2009, ao encontrar o presidente Lula em um evento diplomático na Europa, o presidente Barack Obama declarou: "That's my man!" – palavras que estranhamente lembram o elogio polido e político declamado por Roosevelt para Vargas.



Homens ilustres: o encontro entre os
presidentes Getúlio Vargas e Franklin
Roosevelt (dos EUA) na base área norte-
americana que foi instalada em Natal (RN),
na Segunda Guerra Mundial, em 1943

Os tempos são outros e a crise também, mas os passos dos atuais governantes seguem caminhos parecidos com os daquela época, conforme destacam Limoncic e Palomanes e demais autores reunidos em "A Grande Depressão", empenhados em desvendar as origens daquela crise que se espalhou pelo mundo afora, seu impacto nas economias nacionais e na própria teoria econômica. Ontem, como hoje, a dimensão econômica dos episódios históricos não pode nunca ser dissociada da dimensão política alertam os autores.
Também abordando os reflexos imediatos da crise de 1929, "Bonnie & Clyde - A Vida por Trás da Lenda" traz minúcias da trajetória do casal de criminosos da década de 1930 que também marcaram época em Hollywood – desde que o sucesso do filme de 1967 (no Brasil, lançado como “Uma Rajada de Balas”), dirigido por Arthur Penn e com interpretações memoráveis de Faye Dunaway e Warren Beatty, mudou a forma como o cinema mostrava sexo e violência.






O mundo real e o imaginado: no alto,
Faye Dunaway e Warren Beatty 
posam para fotos durante as filmagens
de Bonnie & Clyde. Acima, o temido
casal fora-da-lei em fotografia de 1934.
Abaixo, a melancólica imagem do
massacre que encerra o filme
de 1967 de Arthur Penn



O livro de Paul Schneider busca uma certa estratégia de concentrar várias versões dos fatos em uma só narrativa – mesma técnica inaugurada no cinema pelo “Rashomon” de Akira Kurosawa em 1951 e repetida em grande estilo por Oliver Stone em "JFK", de 1991. Poesia e drama se misturam ano após ano na trilha de crimes e tiroteios de Bonnie & Clyde até o desfecho cruel, numa manhã ensolarada de maio de 1934. 

No relato biográfico de Schneider, como no filme de Arthur Penn, a cena final da trajetória de Bonnie & Clyde é melancólica. E até mesmo neste momento eles são capazes de trocar olhares apaixonados, como se estivessem mesmo satisfeitos por terem chegado ao fim juntos. "Centenas de balas", escreve Schneider, comovido e comovente.

"Mas depois que eles param de atirar o carro simplesmente desliza devagar. Como uma pantera, dizem os tiras. Eles não sabem nada sobre ela. E, claro, há o carro em si, parecendo uma peneira de tantos buracos". Como cada personagem das fotos de Walker Evans e dos textos do "novo jornalismo" inventado por James Rufus Agee, o terrível casal de foras-da-lei da década de 1930 que caiu nas graças do público e conquistou status de estrelas de cinema resume uma época.


por José Antônio Orlando.



Para comprar o livro 'Elogiemos os Homens Ilustres',  clique aqui.





Para comprar o filme em DVD "Bonnie & Clyde, Uma rajada de balas",  clique aqui.






23 comentários:

  1. MUITO BOM! Algumas fotos me lembraram do filme "As vinhas da ira". Abraços
    Fatima Bella

    ResponderExcluir
  2. Anna Maria Nascimento5 de janeiro de 2012 22:00

    Estou encantada com as fotos e com seu texto. Isto não é uma reportagem. Parece mais uma monografia (risos) aprovada com conceito A sobre o que é o jornalismo, o que é uma boa foto, a importância dos pioneiros Walker Evans e James Agee e ainda sobre o que foi a Grande Depressão e seus reflexos na crise financeira atual...
    Sem contar o charme de Bonnie & Clyde...
    Parabéns, José Orlando. Seu blog é um show!

    Anna Maria Nascimento

    ResponderExcluir
  3. Estava aqui lendo seu texto, viajando nas imagens e pensando: não é que o governo Lula e agora o governo Dilma estão tentando repetir o New Deal do Roosevelt com estas campanhas para erradicar a pobreza, bolsa família, cotas para as minorias etc? Vale a intenção, afinal, porque desde os tempos do Vargas nenhum governo foi ao xis da questão...
    Seu blog Semióticas provoca pensamentos da maior importância, José Orlando. Parabéns de novo!
    Fernando Dalcin

    ResponderExcluir
  4. Cássio da Silva Mafra7 de janeiro de 2012 09:37

    Meu caro José Antônio Orlando. Seu blog é fantástico. Encontrei o Semióticas por acaso, selecionando através do Google umas imagens do Walker Evans para minha monografia de conclusão de curso na Cásper Líbero.
    Seu blog é uma aula, ou melhor, são muitas aulas. Aprendi muito sobre o Walker Evans, e olha que eu achava que já conhecia a importância dele. Estou aqui com um catálogo da exposição de fotografias dele que aconteceu no Masp no final de 2009. Você viu a exposição? Conhece o catálogo?
    Foi a primeira retrospectiva dele no Brasil, mas o texto do catálogo não chega aos pés deste belo ensaio que você apresenta aqui. O que faltou no catálogo, esta sua postagem completa. No catálogo, o diretor-geral do Instituto de Cultura da Espanha, Pablo Jiménez Burillo, diz que a intenção da mostra é "oferecer uma esperança ao mundo, que ainda enfrenta os efeitos da recente crise econômica, situação que remete aos anos da Grande Depressão".
    Mas esta sua página vai além e contextualiza o Crash de 1929 com desdobramentos através de ideias e imagens fantásticas.
    Achei genial você partir das lendárias reportagens do Walker Evans e do James Agee para chegar a “Vinhas da Ira” e a “Bonnie & Clyde”. É uma relação que nunca tinha visto antes, mas que tem sim tudo a ver.
    Você reuniu a arte da fotografia e a alta literatura com o gênero “noir” com a maior coerência e com um senso estético invejável na edição de fotos.
    Invejo tanto seu trabalho que peço autorização para incluir o link desta página como anexo em minha monografia. Já enviei meus contatos para seu e-mail semioticas@hotmail.com.
    Estou no aguardo do seu retorno, se for possível.
    Parabéns e muito obrigado pela aula (risos).
    Acabo de virar leitor de carteirinha do seu blog. Valeu!

    Cássio da Silva Mafra

    ResponderExcluir
  5. Walker Evans. Um dos, senão o mais importante e competente fotógrafo documental. A estética nas suas fotos sobre a pobreza é absolutamente emocionante e os seus retratos roubados de gente anônima, geniais.

    ResponderExcluir
  6. Exelente!Walker Evans encantou com a sensibilidade do seu trabalho, e fez de cenas tristes algo maravilhoso. Assim como o blog se transforma em um meio gostoso de se informar e aprender.

    Um grande beijo, Thamyres Vilar

    ResponderExcluir
  7. Olá José,
    Será que poderíamos reproduzir sua resenha no site Opera Mundi (www.operamundi.com.br)?
    Um abraço
    Marina
    Editora
    (011) 9670-4737
    marinatmr@gmail.com

    ResponderExcluir
  8. Este é um espaço absolutamente genial! Das melhores coisas que essa antiga e velha garimpeira da web já encontrou. Gracias, gracias, gracias...

    ResponderExcluir
  9. Regina Célia de Azevedo25 de abril de 2012 10:37

    É impressionante quando constatamos o talento de uma pessoa quando encontramos uma prova que registra as qualidades que ela tem. Com este seu blog Semióticas é sempre assim, José Antonio Orlando. São personagens e entrevistas muito inteligentes que apresentam perfis e que fazem a gente pensar e entender melhor certas coisas. Parece o trabalho de grandes fotógrafos, como o Walker Evans, nestas imagens maravilhosas que capturam e registram a presença humana por meio de certas ações e do caráter daquilo que suas máquinas observam.
    Parabéns. Tudo aqui neste seu blog é encantamento puro.

    Regina Célia de Azevedo

    ResponderExcluir
  10. Adoré! La selección de fotografías es una exposición en si misma. Te agradezco por compartir este trabajo de investigación.
    Así es un placer leer un blog!
    parabéns!!

    ResponderExcluir
  11. Ernestine-Marie Bertrand27 de abril de 2012 19:37

    Mon cher José Antonio Orlando. Votre blog est magnifique et cette page sur Walker Evans va pour une belle présentation des meilleurs dossiers que ce photographe et professeur nous a laissés. Mille félicitations. Je me suis tourné fan de votre blog, l'un des meilleurs que j'ai jamais rencontré sur l'Internet.

    Ernestine-Marie Bertrand

    ResponderExcluir
  12. Letícia Andrade Garcia22 de julho de 2012 10:27

    Quando vi o link do seu blog, achei que fosse um texto sobre o filme Bonnie And Clyde, mas eu estava completamente enganada. Você está brincando comigo? Isto aqui não é um post, meu querido. Isto é uma tese que reúne, de forma brilhante e sem qualquer cacoete acadêmico, os trabalhos pioneiros do jornalismo de Walker Evans e James Agee, momentos revolucionários da fotografia no século 20, ações políticas na época da Grande Depressão e também um estudo comparativo sobre o filme e os verdadeiros bandidos Bonnie e Clyde. Que tese! E não é a única. As outras páginas que estou visitando agora também reúnem muita complexidade e beleza. José Antônio Orlando, seu blog é impressionante...

    Letícia Andrade Garcia

    ResponderExcluir
  13. A sensibilidade de Walker Evans e James Agee retratando o cotidiano dos pobres agricultores,que perderam tudo na grande depressão,propulsores do verdadeiro jornalismo,extraordinário,o Blog está de parabéns,uma amiga já tinha me falado do semióticas,matérias simplesmente geniais.Parabéns José Antônio Orlando....

    ResponderExcluir
  14. a despeito da pobreza dos retratados,
    caminhos romanceados,
    comerciais e políticos,
    emocionais e dramáticos,
    pela pobreza retratada premiados,
    a despeito da pobreza dos maltratados.

    Adaptam-se a situações extremas as pessoas, não é?
    Impecável, Zé, como sempre!

    ResponderExcluir
  15. Wilson Carlos de Camargos14 de novembro de 2012 20:49

    Totalmente impressionado com seu blog, José Antônio. Nunca encontrei na internet um trabalho independente e com tanto fôlego como este Semióticas. Fui passeando de página em página e minha surpresa só foi crescendo, porque cada página é melhor que outra. Só textos incríveis e uma edição do fotos que é encanto puro.

    Tem uma frase que cabe como uma luva para descrever este Semióticas. Tenho anotada, mas não sei quem é o autor: ter talento é quando um atirador atinge o alvo que os outros não conseguem atingir, mas o talento torna-se genial quando este atirador atinge o alvo que os outros competidores sequer vêem.

    Parabéns, parabéns, parabéns. Show total, Semióticas!

    ResponderExcluir
  16. Obrigada por mais uma pesquisa brilhante!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sou muito grato pelos elogios, mas as mensagens devem vir assinadas, caso contrário elas são automaticamente excluídas. Aguardo sua assinatura na próxima. Seja sempre bem-vindo(a).

      Excluir
  17. Cleonice de Almeida Magalhães15 de março de 2013 11:59

    Uau, José! Que beleza e que sério! Nunca vi nada igual em um blog independente e nem em lugar nenhum com imagens tão lindas, edição tão sofisticada e textos tão gostosos de ler, esclarecedores. Só esta página sobre a Grande Depressão de 1930 já merecia todos os prêmios e aplauso. Mas há muitas e muitas outras, que estou descobrindo agora, aos poucos. Muitos parabéns para você. Posso pedir para ser aceita sem restrições para muitas visitas diárias? Amei. Virei fã.

    Cleonice de Almeida Magalhães

    ResponderExcluir
  18. Gosto muito do blog, como eu poderia receber newsletter? Obrigada

    ResponderExcluir
  19. Wilson Carlos Ribeiro22 de dezembro de 2013 08:47

    Foi através do Facebook que descobri esta maravilha que é o blog Semióticas. Quando cheguei aqui fiquei surpreso com a qualidade de tudo e com a variedade de assuntos. Estou impressionado e também virei fã. Agradeço muito por tanta beleza e sabedoria compartilhada e deixo muitos parabéns, parabéns!

    ResponderExcluir
  20. Carlos Santos Leal1 de novembro de 2014 22:15

    Muito bom mesmo em todas as páginas e assuntos. Parabéns pelo alto nível. Este blog Semióticas é um espetáculo. Conseguiu me fazer viajar no tempo e na alma!
    Carlos Santos Leal

    ResponderExcluir
  21. Este blog Semióticas é a melhor página que já encontrei na Internet. E olha que eu navego... Parabéns, José Antonio Orlando. Seu trabalho compartilhado é uma bênção, um oásis maravilhoso neste deserto lamentável que se tornou a imprensa brasileira.

    ResponderExcluir

( comentários anônimos não serão publicados )

Todas as páginas de Semioticas têm conteúdo protegido.

REPRODUÇÃO EXPRESSAMENTE PROIBIDA.

Contato: semioticas@hotmail.com

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Páginas recentes