terça-feira, 27 de dezembro de 2011

O conto da Privataria







"O Brasil será melhor quando
o ímpeto investigativo atingir
a todos de maneira simétrica"


(Vladimir Safatle)





O acontecimento político mais explosivo da última década foi um livro escrito pelo jornalista Amaury Ribeiro Jr.. Resultado de mais de 12 anos de investigações, “A Privataria Tucana” (Geração Editorial) foi lançado no dia 9 de dezembro de 2011 e, depois de esgotar a primeira edição e as sucessivas reimpressões, já alcançou um recorde impressionante, segundo o editor Luiz Fernando Emediato: mais de 100 mil exemplares vendidos em apenas duas semanas. Mas "A Privataria Tucana" também impressiona porque provocou o silêncio mais constrangedor de que se tem notícia nos principais veículos de comunicação do Brasil.
O livro só aconteceu por causa da internet, das redes sociais e dos blogueiros independentes. Mas o importante é que conseguimos furar o bloqueio da mídia tradicional, boa parte dela comprometida com as autoridades denunciadas pelos documentos apresentados no livro”, admite Amaury, que concedeu esta entrevista no dia 21 de dezembro, em Belo Horizonte, na redação do jornal “Hoje em Dia”, antes de embarcar para uma série de debates e entrevistas em São Paulo.
Enquanto Amaury concedia a entrevista, no mesmo horário, também no dia 21 de dezembro, o deputado Protógenes Queiroz (PCdoB-SP) protocolava na Mesa Diretora da Câmara dos Deputados um requerimento pedindo a abertura de uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para investigar as acusações feitas pelo livro. Para abrir uma CPI na Câmara são necessárias pelo menos 171 assinaturas. O requerimento superou este número mínimo e conseguiu em pouco tempo o apoio de 185 parlamentares. Segundo declarou à Agência Brasil o presidente da Câmara, Marco Maia (PT-RS), a CPI deverá mesmo ser instalada no início de 2012 para esclarecer os fatos e ouvir os acusados.
A casa vai cair para muita gente poderosa com essa CPI”, aponta o autor do livro “A Privataria Tucana”. Amaury reconhece ainda que as centenas de documentos que apresenta no livro são apenas uma ponta do iceberg que envolve as várias “negociatas” das privatizações conduzidas no governo do ex-presidente Fernando Henrique, no período entre 1995 e 2002. 





O trabalho investigativo e minucioso de Amaury enumera no livro a intrincada trama de lavagem de dinheiro e os principais envolvidos no processo. Também consegue mapear o esquema de corrupção e propinas montado em torno do político tucano José Serra, ex-ministro de FHC, ex-deputado, ex-senador, ex-governador e ex-prefeito de São Paulo e candidato duas vezes derrotado em eleições para a Presidência da República.



Denúncias explosivas e ainda sem respostas
 


São grandes negociatas que envolveram um valor incalculável de muitos milhões em corrupção e propina no processo de privatização de grandes empresas nacionais. Negociatas que ainda não foram nem investigadas nem punidas e muito menos divulgadas pela conivência dos grandes veículos de mídia. Foi o maior golpe da história do Brasil e atingiu os setores de telecomunicações, de energia e de mineração”, destaca Amaury Ribeiro Jr., que compara o grande escândalo revelado no livro "A Privataria Tucana" – também abafado na época das privatizações de Fernando Henrique pelos mesmos grandes veículos de mídia que agora boicotam sua divulgação nos noticiários – à queda de um grande avião com muitas autoridades entre os passageiros.
O livro traz denúncias explosivas, mas a CPI poderá ir mais a fundo para incriminar os envolvidos e propor punições, propor um ressarcimento ao patrimônio público do Brasil e um maior controle sobre a entrada de capital estrangeiro, mais controle sobre a operação de papéis na Bolsa de Valores e sobre a lavagem de dinheiro para que este grande escândalo não se repita nunca mais”, alerta.
Os denunciados por Amaury no esquema que operou bilhões de dólares durante as privatizações no governo Fernando Henrique vêm respondendo às acusações do livro com um silêncio implacável ou com ameaças de processos na Justiça – quando não definem de “lixo” o trabalho do jornalista, como fez o ex-governador Serra, pressionado pelos repórteres em um evento recente do PSDB realizado em São Paulo.




O jornalista Amaury Ribeiro Jr.,
repórter especial da Rede Record
e autor do dossiê transformado
no livro A Privataria Tucana:
"As privatizações do governo FHC
foram grandes negociatas que
envolveram bilhões de dólares
em corrupção"





Amaury reconhece que esta também era uma situação prevista por ele e pelo editor do livro, o também jornalista Luiz Fernando Emediato. “Todos os fatos que apresento no livro estão fundamentados em documentos oficiais, obtidos em juntas comerciais, em cartórios, no Ministério Público e nas várias instâncias da Justiça”, aponta Amaury, que já recebeu por três vezes o Prêmio Esso e outras quatro vezes o Prêmio Wladimir Herzog de Jornalismo. Também repórter especial da Rede Record, o autor de "A Privataria Tucana" faz questão de destacar que não tem qualquer filiação partidária.
Não tenho compromisso com nenhum partido político. Sou militante do jornalismo”, afirma, com orgulho. Por conta do sucesso extraordinário de vendas do livro e de seus prováveis desdobramento, na agenda do jornalista para 2012 já estão mais de 200 convites para o lançamento do livro em universidades e entidades sindicais, além de novos projetos que prometem muito mais polêmica em revelações impressionantes. Entre os projetos, outros livros já em fase de conclusão.
Serão dois novos livros”, explica Amaury. “Um será a continuação deste primeiro. Já batizei de Privataria Tucana 2, porque nele vou alinhavar os documentos que ficaram de fora do primeiro livro e contar sobre o bloqueio dos grandes meios de comunicação, sobre os desdobramentos das denúncias e o passo a passo sobre a CPI que será instalada no Congresso Nacional. O outro será um inventário sobre corrupção e pedofilia no Brasil, para revelar que autoridades que deveriam defender o povo e principalmente as crianças são, muitas vezes, os seus maiores inimigos”.



Confira alguns trechos da entrevista


Analistas da política já apontam que seu livro “A Privataria Tucana” marca o desfecho de uma era, ao decretar o fim político de José Serra, uma vez que a falta de respostas de Serra ao livro – o ex-governador limitou-se a taxá-lo de “lixo” – foi a comprovação final de que não havia como responder às denúncias ali levantadas. Você concorda com esta análise?
Amaury Ribeiro Jr. – As denúncias da imprensa mais recentes sobre irregularidades e corrupção, que chegaram a derrubar ministros de Estado, são fichinha perto das negociatas e licitações forjadas que estão por trás das privatizações do governo Fernando Henrique, que tinha Serra como ministro. Mas o povo não é bobo. Os sinais de desvio de conduta não podem ser tratados como futrica de adversários. O silêncio ensurdecedor dos acusados e a resistência dos grandes veículos de comunicação é um indício muito revelador de um estado de coisas que não só confirma as denúncias e documentos que registro no livro. É também revelador sobre a arrogância dos poderosos diante da lei e da Justiça no Brasil.



Uma CPI ainda pode ser instalada no Congresso Nacional para investigar estas denúncias? Podem gerar algum fato novo ou resultar em punições de fato para os envolvidos no grande esquema de corrupção e propina mapeado por seu livro?
Todos nós esperamos que isso aconteça. Acho que você percebeu que o livro também aponta que o sistema de doleiros, de paraísos fiscais e de offshores, foram abundantemente usados pelo PSDB e também por outros partidos políticos. Com a instalação de uma CPI, a casa vai cair. Na verdade, posso comparar a situação do livro e da CPI da Privataria com a queda de um grande avião com muitas autoridades importantes a bordo. Depois da queda do avião é preciso investigar as causas e acompanhar as consequências, para que o erro, o crime contra o país, não aconteça nunca mais.

Será preciso mudar a lei?
Sim, será preciso, porque a lei para os crimes do sistema financeiro, a lei do colarinho branco, é de 1985. Está ultrapassada e não dá conta da realidade de hoje. Você pode reunir um arsenal de documentos para provar o crime e ainda assim a lei permite brechas que favorecem a corrupção e a propina. Os próprios parlamentares sabem que é preciso proibir a entrada de capital estrangeiro nas transações de empresas nacionais, é preciso um controle maior sobre as operações de papéis nas bolsas de valores, assim como é urgente criar mecanismos para combater a lavagem de dinheiro. A questão da quebra de sigilo também precisa ser revista em muitos casos.

Você diz que seu livro é apenas a ponta do iceberg. Ainda há mais corrupção e propina no processo das privatizações do governo Fernando Henrique? Mais, além do que seu livro denuncia?
Sim, muito mais. Quando a “Privataria” virar CPI, com o trabalho de gente séria e competente que há entre os parlamentares, as negociatas de José Serra, da família de Serra, de banqueiros e seus amigos tucanos serão apenas o começo. Até agora eles tinham sido blindados pela aura da honestidade e pelo inaceitável silêncio da imprensa.

Quais são os seus próximos projetos no jornalismo?
Sou militante do jornalismo, você sabe. Vou continuar fazendo meu trabalho de jornalista na Rede Record e vou tentar concluir uns projetos que estavam parados. Primeiro, vou publicar outros livros. Serão dois livros. Um será o Privataria Tucana 2, alinhavando documentos que ficaram de fora do primeiro livro e contando os desdobramentos das denúncias e da CPI que será instalada no Congresso Nacional. O outro será um inventário sobre corrupção e pedofilia no Brasil, para revelar que autoridades que deveriam defender o povo e principalmente as crianças são, muitas vezes, o seu maior inimigo. Tem também um disco, que estou gravando e produzindo com artistas daqui de Belo Horizonte e do interior de Minas. Um disco mesmo, de música. Quero fazer como a antropofagia dos modernistas. Altas literaturas.

por José Antônio Orlando.


(P.S. - A íntegra da reportagem e da
entrevista com Amaury Ribeiro Jr.
foram publicados pelo jornal
"Hoje em Dia", de Belo Horizonte,
na primeira página e na página 3,
no dia 26 de dezembro de 2011,
com os seguintes título e subtítulo:
"Silêncio dos envolvidos é confissão
–– Autor de 'A Privataria Tucana' acredita
que publicação terá desdobramentos
significativos na política nacional")





Trechos extraídos do livro:

Após relatar o assalto ao patrimônio público do país por meio das privatizações, este livro pretende desnudar as muitas e imaginativas maneiras de ganhar dinheiro que se sucederam. Entre elas, os processos de internação de valores de origem suspeita.
São operações realizadas pelo clã Serra – sua filha Verônica Serra, seu genro Alexandre Bourgeois, seu primo político Gregório Marín Preciado, seus muitos sócios, seus amigos e seus colaboradores. E outros tucanos de altos poleiros. Em muitos casos, são transações envolvendo empresas brasileiras e empresas offshore no paraíso fiscal das Ilhas Virgens Britânicas, escoradas no anonimato.
Fiquei pasmado com a voracidade de alguns grupos e sua disposição de levar vantagem a qualquer custo (…). Será gratificante se, depois da última página, o leitor mantiver seus olhos bem abertos. É uma boa maneira de impedir que aqueles que já transformaram o público em privado para seu próprio proveito tentem reprisar algum dia o que foi feito na era da privataria.”

("A Privataria Tucana", páginas 30 e 31)

Depois desta jornada pelos pântano0s da política em que todos são vilões e o Brasil é a vítima, acho importante encerrar a narrativa com algumas observações. A primeira delas é que o país e suas instituições não têm o direito de continuar fazendo de conta que não viram a rapinagem organizada que devastou os bens do Estado nos anos 1990 e começo da década seguinte. E que serviu para tornar os ricos mais ricos.
Varrer a sujeira para baixo do tapete, como se fez tantas vezes, não é mais possível. Não há tapete suficiente para acobertar tanto lixo. O Brasil, que escondeu a escravidão e ainda oculta a barbárie de suas ditaduras, não pode negar aos brasileiros a evisceração da privataria. Quem for inocente que seja inocentado, quem for culpado que expie sua culpa.
Se isso não acontecer, isto é, se a memória do saque não se tornar um patrimônio dos brasileiros, o país poderá repetir esta história, mais cedo ou mais tarde.”  

("A Privataria Tucana", página 339)









No alto, imagens da repercussão do livro
de Amaury Ribeiro Jr. publicadas em
blogs independentes. Na foto acima, o
deputado Protógenes Queiroz, autor do
requerimento para instalação da CPI da
Privataria, e o então presidente da Câmara
dos Deputados, Marco Maia, fotografados
pela revista "Carta Capital"; nas imagens
abaixo, o ex-governador de São Paulo, José
Serra, fotografado pela revista "Piauí"; Serra
e o senador e ex-governador de Minas Gerais,
Aécio Neves, com quem o tucano paulista
rivalizou em 2010 na disputa interna do PSDB
para alcançar o posto de candidato do partido
à sucessão do presidente Lula; e um flagrante
da Agência Brasil em 7 de setembro de 2011,
dia das comemorações da Independência, no
protesto contra a corrupção realizado na
Esplanada dos Ministérios em Brasília
 

O silêncio revelador sobre o livro-bomba 


Semanas depois do lançamento do livro, o silêncio nos chamados “grandes” veículos de imprensa do Brasil permanece constrangedor, ainda que revelador de um certo estado de coisas e de “conivência” com o malfeito. Dos “grandes”, apenas uma matéria de capa da “Carta Capital”, que fez a revista esgotar nas bancas.
Entre os fatos mais graves está a “manipulação” das sempre discutíveis listas dos “mais vendidos” da revista “Veja” e do jornal "O Globo", que omitiram o livro, apesar dele ser um recordista de vendas com 150 mil exemplares vendidos desde seu lançamento em 9 de dezembro. Houve também uma “matéria”, que não merece ser nomeada de “reportagem”, na “Folha de S. Paulo”, publicada em 15 de dezembro. O texto, não assinado (porque o autor não assinou um texto de opinião declarada? pergunta o leitor atento), não ouviu sequer o autor do livro, mas apresenta em destaque uma “defesa intransigente” de Serra e dos tucanos envolvidos no "esquema" denunciado no livro "A Privataria Tucana".
De tão questionável, a “matéria” publicada na "Folha" foi classificada de “jornalismo ruim” pela própria Ombudsman do jornal, Suzana Singer, em e-mail interno do jornal, datado de 15 de dezembro de 2011, que vazou “por acidente” na internet e foi publicado por muitos blogs, entre eles o “Blog da Cidadania”, de Eduardo Guimarães. Confira abaixo a íntegra da crítica isenta da Ombudsman da "Folha":


ANTES TARDE DO QUE NUNCA



por Suzana Singer.

Ainda bem que a “Folha” deu a notícia sobre o livro “A Privataria Tucana” (A11). Mas o jornal deveria continuar no assunto, porque há mais pautas no livro.

Exemplo: por que Verônica Serra e o marido têm offshores? Não deveríamos investigar e questioná-los? É já publicamos que Alexandre Bourgeois, marido de Verônica, foi condenado por dever ao INSS? É verdade que as declarações que ela deu na época das eleições, sobre a sociedade com a irmã de Daniel Dantas, eram mentirosas? Fomos muito rigorosos com o caso Lulinha, por exemplo.

Outra frente é a o tal QG de dossiês anti-Serra na época da eleição presidencial, que a Folha deu com bastante destaque. O livro conta coisas de arrepiar a respeito de Rui Falcão. Ao mesmo tempo, sua versão de roubo dos seus arquivos parece inverossímil. Seria bom investigar, já que ele faz acusações graves contra a imprensa, especialmente “Veja” e “Folha”.

Teria sido bom editar um “acervo Folha conta a história da privatização” para lembrar ao leitor que o jornal foi muito duro com o governo FHC. É um erro subestimar a capacidade da internet -e da Record- de disseminar a tese do “PIG”. E também seria bom esclarecer, com mais detalhes, o que é novidade no livro sobre esse período.

O Painel do Leitor só deu hoje uma carta cobrando a cobertura do livro. Eu recebi 141 mensagens. Quem escreveu hoje criticou a matéria publicada por:

1) ter um viés de defesa dos tucanos;

2) não ter apresentado Amaury Ribeiro Jr. devidamente e não tê-lo ouvido;

3) exigir provas que são impossíveis (ligação das transações financeiras entre Dantas e Ricardo Sérgio e as privatizações);

4) não ter esse grau de exigência em outras denúncias, entre as mais recentes, as que derrubaram o ministro do Esporte (cadê o vídeo que mostra dinheiro sendo entregue na garagem?);

5) não ter citado que o livro está sendo bem vendido.






O detalhe significativo do editorial

Outro texto da mesma "Folha" sobre o mesmo assunto, o "livro-bomba", merece ser lido com muita atenção, apesar do detalhe significativo (para bom entendedor) de não citar o título do livro de Amaury Ribeiro Jr. Surpreendente também que seja um editorial, assinado por Vladimir Safatle. O texto foi publicado pela "Folha de S.Paulo" na página 2, no dia 20 de dezembro de 2011:

O INIMIGO DA MORAL



por Vladimir Safatle.

O maior inimigo da moralidade não é a imoralidade, mas a parcialidade.

O primeiro atributo dos julgamentos morais é a universalidade. Pois espera-se de tais julgamentos que sejam simétricos, que tratem casos semelhantes de forma equivalente. Quando tal simetria se quebra, então os gritos moralizadores começam a soar como astúcia estratégica submetida à lógica do "para os amigos, tudo, para os inimigos, a lei".

Devemos ter isso em mente quando a questão é pensar as relações entre moral e política no Brasil. Muitas vezes, a imprensa desempenhou um papel importante na revelação de práticas de corrupção arraigadas em vários estratos dos governos. No entanto houve momentos em que seu silêncio foi inaceitável.

Por exemplo, no auge do dito caso do mensalão, descobriu-se que o esquema de corrupção que gerou o escândalo fora montado pelo presidente do maior partido de oposição. Esquema criado não só para financiar sua campanha como senador mas (como o próprio afirmou em entrevista à Folha) também para arrecadar fundos para a campanha presidencial de seu candidato. Em qualquer lugar do mundo, uma informação dessa natureza seria uma notícia espetacular. No Brasil, alguns importantes veículos da imprensa simplesmente omitiram essa informação a seus leitores durante meses.

Outro exemplo ilustrativo acontece com o metrô de São Paulo. Não bastasse ser uma obra construída a passos inacreditavelmente lentos, marcada por adiamentos reiterados, com direito a acidentes mortais resultantes de parcerias público-privadas lesivas aos interesses públicos, temos um histórico de denúncias de corrupção (caso Alstom), licitações forjadas e afastamento de seu presidente pela Justiça, que justificariam que nossos melhores jornalistas investigativos se voltassem ao subsolo de São Paulo.

Agora volta a discussão sobre o processo de privatização do governo FHC. Na época, as denúncias de malversações se avolumaram, algumas apresentadas por esta Folha. Mas vimos um festival de "engavetamento" de pedidos de investigação pela Procuradoria-Geral da União, assim como CPIs abortadas por manobras regimentais ou sufocadas em seu nascedouro. Ou seja, nada foi, de fato, investigado.

O povo brasileiro tem o direito de saber o que realmente aconteceu na venda de algumas de suas empresas mais importantes. Não é mais possível vermos essa situação na qual uma exigência de investigação concreta de corrupção é imediatamente vista por alguns como expressão de interesses partidários. O Brasil será melhor quando o ímpeto investigativo atingir a todos de maneira simétrica.

...










Para comprar o livro A Privataria Tucana, clique aqui.






Para comprar o livro O Príncipe da Privataria, clique aqui.









20 comentários:

  1. Parabéns de novo, Zé. Maravilha de página e de texto! Sem contar a gravidade das denúncias e a importância de se divulgar um livro deste calibre. Concordo contigo que o silêncio da "grande mídia" é revelador de uma conivência culpada. Aliás, a edição de segunda-feira, dia 26 de dezembro do jornal HOJE EM DIA foi genial, com aquela chamada "Casa vai cair" na primeira página e o título da sua matéria, apontando que "Silêncio dos envolvidos é confissão". Parabéns, parabéns por mais essa aula de jornalismo!

    ResponderExcluir
  2. Ana Carolina Soares27 de dezembro de 2011 15:45

    Estou aqui pasmada, professor! Que história de terror, hein? Tô boba! Já tinha ouvido falar desse livro, mas achei que fosse uma denúncia vazia, dessas sem fundamento que aparecem todo dia só para fazer oposição ao governo do PT. Seu blog me fez ver que a coisa é séria...
    Será que depois dessa alguém ainda vai ter coragem de acreditar no discurso vendido dos tucanos ou em uma linha da Veja, da Folha, do Globo, da Globo, do Estadão? Meu Deus!...
    Agradeço de novo. Deus te guie sempre e ilumine, mestre. Beijos de gratidão eterna pela qualidade de seu trabalho e por esse blog fantástico. Só por essa página, já merecia um prêmio. Se for contar as outras então... Semióticas deve estar deixando envergonhados muitos "jornalistas" que não merecem esse título. Parabéns, sempre!

    Ana Carolina Soares

    ResponderExcluir
  3. Olá, José Orlando, parabéns pelo maravilhoso texto e também pelo blog, fantástico!!!

    ResponderExcluir
  4. Grato pelo elogio, caríssimo anônimo. Mas da próxima seria melhor se você assinasse seu nome no final da mensagem, combinado?

    ResponderExcluir
  5. Aquele anúncio no alto da página dizendo que o blog Semióticas tem o objetivo de abordar sistemas de signos em Artes Visuais, Música, Fotografia, Cinema, Literatura, Ciência, Mitologia, Publicidade, Jornalismo, Design, Ecologia, Política etc... não tem nenhum exagero, José Antônio Orlando. Seu blog é o máximo, com tudo isso e muito mais. Parabéns pelo alto nível e pela beleza das escolhas. Nós, leitores, só temos a agradecer. Toda a boa sorte do mundo para você!
    Aline Maria Mendes

    ResponderExcluir
  6. Seu blog é inteligente, corajoso e diferente, José. Sem ser panfletário, apresentou uma aula de jornalismo e de política. Parabéns, meu caro. Ah se todos fossem iguais a você...

    Ricardo Martins

    ResponderExcluir
  7. Oi professor! Estou adorando o blog! Vc podia postar sobre Carmem Miranda e Aleijadinho. Sempre me lembro de suas aulas maravilhosas falando sobre dois brasileiros q nos enchem d orgulho! Abraços
    Carla

    ResponderExcluir
  8. Olá, José. Parabéns pelo blog e por essa página em especial. Já enviei o link do seu blog Semióticas para muitos amigos para ver se eles caem na real.
    Concordo com o comentário de que o livro do Amaury marca o fim de uma era. E deixa eu confessar uma coisa: tenho vergonha de ter votado nos tucanos nos anos 90. Ah, se eu pudesse voltar no tempo... Mas antes tarde do que nunca, não é mesmo?
    Seu blog é um show. Você está demonstrando que é um jornalista de primeira. De novo, parabéns, e obrigado pela generosidade em compartilhar conosco textos tão inspirados. Beijo para ti.
    Preciso conhecer você pessoalmente. Estou enviando meu e-mail e telefone para o seu endereço semioticas@hotmail.com
    Aguardo seu retorno.

    Daniela de Souza

    ResponderExcluir
  9. "Anônimo" diz: desculpe-me por não ter me identificado, mas é que tentei postar o comentário selecionando o perfil "wordpress", onde está hospedado o blog que venho editando, mas o sistema "não reconheceu" o endereço do blog, então, na pressa, acabei postando-o como "anônimo" mesmo e, quando vi, não havia me identificado... aqui é Carolina Brauer, do Blog da Brauer, quem inclusive acaba de se subscrever para receber em "primeira mão" todas as posteriores postagens... parabéns pela maravilha de blog, mais uma vez!!!

    ResponderExcluir
  10. Salve, salve, Carolina Brauer. Não identifiquei mesmo seu comentário anterior mas mantive a mensagem, pelo que ela trouxe de alto astral. Já disse antes e repito: ter leitores como você já faz todo o esforço para criar o manter o blog ter valido a pena. Seja muito bem-vinda e estou muito grato pelos elogios. Seu blog também é o máximo, tanto que inclui na lista de postagens de outros blogs aqui na página. Beijo para ti e que o Ano Novo seja dos melhores!

    ResponderExcluir
  11. Puxa vida, José Antônio!!!

    Muito obrigada por tudo!!!

    E sobre a Privataria Tucana, preciso dizer que ela faz o mensalão parecer brinquedo de criança (ei, Jefferson, ponha-se no seu devido lugar, Amaury Jr é o nosso legítimo “garganta profunda”!)...

    mas, pior do que o mensalão e até mesmo do que a roubalheira empreendida pelos próprios “privatas do Caribe” é a parcialidade da nossa mídia, autorreferenciada e dotada de uma moralidade seletiva, que é movida por mesquinharias e pequenas de alma (o que acaba estimulando as pequenezas de alma das pessoas: preconceitos de cor, de classe, etc).

    O Brasil merece saber da sua história e se confrontar com sua própria verdade. Descobrir, “de maneira chocante e até decepcionante, a dura realidade dos bastidores da política e do empresariado brasileiro, em conluio para roubar dinheiro público”, como nos lembra a contracapa do livro do Amaury. Deparar-se com o fato de que a mídia constrói realidades e molda muito do que somos, do que pensamos, das nossas opiniões - o livro do Amaury é uma excelente oportunidade para isso (e nem é preciso ser especialista em semiótica para se perceber isso!). Confrontar-se, por exemplo, com as atrocidades que fizemos com nosso próprio povo, que somos nós, também negros e índios, mas não só isso: confrontar-se com todas as situações que são fruto da nossa arrogância, do nosso egoísmo, da fossa falta de empatia e alteridade.

    Outras nações assim o fizeram, como o povo alemão, que foi obrigado a acarear os horrores do Holocausto, sendo posto a enterrar corpos dos milhões de judeus mortos; como no processo de reconciliação do regime de apartheid da África do Sul, onde foi preciso haver as comissões da verdade, para que a grande maioria dos habitantes daquela nação, negros, vítimas da segregação racial institucionalizada pela minoria branca, pudessem simplesmente externalizar a sua dor (a esses tribunais da verdade não cabia punir, só "fazer ouvir"). Essas nações, decerto, ainda que sigam possuindo muitos problemas, subiram um degrau a mais em seus processos de desenvolvimento, crescimento e aprimoramento.

    O “conhece-te a ti mesmo” socrático, o maior de todos os enigmas, e a busca do autoconhecimento não são "balela de gente à toa e/ou considerada 'esotérica'", assim como a Privataria Tucana não é somente “invenção que serve à pauta petista”. Conhecer a si próprio e saber dos processos históricos, dialéticos, que moldaram sua própria nação são ferramentas fundamentais a um povo que pretenda se desenvolver.

    Até quando permaneceremos uma nação com medo da própria história, da própria verdade?

    Anseio por esse dia, mas, até lá, iniciativas como a sua (e a minha por que não?), de produzir um blog que dissemine esse tipo de informação, que com certeza fazem-no gastar muito tempo e energia (que poderiam ser utilizados para suas demandas particulares), serão fundamentais.

    Abraço,
    Carolina.

    ResponderExcluir
  12. "A privataria tucana" é um fato editorial de graves consequências. Não apenas por sua vendagem estrondosa - demonstração cabal de que, felizmente, hoje no Brasil, os grupos midiáticos tradicionais não detêm mais o monopólio da informação, uma vez que, cada vez mais, blogs e páginas pessoais passam a contribuir com a democratização da informação e do conhecimento, produzindo e fazendo circular conteúdos que são interditados pela "velha mídia" - mas, sobretudo, pelos desdobramentos políticos que podem ser desencadeados a partir dessa publicação. Repercutir "A privataria tucana" é, não apenas um gesto de coragem, mas, sobretudo, um ato de cidadania. Parabéns a este "Semióticas" por também romper com a constrangedora barreira de silêncio que os grandes veículos de comunicação deste país impuseram ao livro do jornalista Amaury Ribeiro Jr. Reitero: "A privataria tucana" não é apenas um fenômeno editorial. É, antes de tudo, um fato político. Talvez, o mais importante fato político dos últimos anos, pois, a partir de seu lançamento, está reaberta toda a discussão sobre as ilegalidades cometidas pelo governo FHC quando das privatizações que dilapidaram o patrimônio nacional. Que os desdobramentos dessas revelações fartamente documentadas ensejem as consequências que a sociedade brasileira espera: a responsabilização dos criminosos que integraram essa quadrilha que assaltou o Brasil durante a década de 1990.

    ResponderExcluir
  13. Genial esta entrevista, José. O seu blog conseguiu fazer a melhor abordagem que vi até agora sobre A Privataria Tucana, contextualizando o livro do Amaury e a peleja que foi furar o bloqueio da "grande" imprensa. Agora só falta o Congresso Nacional abrir a CPI e os bandidos tucanos pagarem por suas falcatruas. Parabéns, meu caro. Seu trabalho é nota DEZ!...
    Emmanuel Pessini

    ResponderExcluir
  14. Quando li sobre a pesquisa absurda da Folha que coloca o Serra em primeiro lembrei do livro, PRIVATARIA TUCANA, que até hoje ele não respondeu, e dessa página fantástica entre outras de seu blog, José. Será que políticos vendidos como ele acham que nós, eleitores, somos idiotas? Parabéns de novo pelo blog e pela isenção das matérias e entrevistas. Até esta página, sobre as falcatruas do tucano-vampiro, conseguem ser equilibradas e jornalísticas - coisa que a maioria dos jornais e revistas e da imprensa em geral cada vez menos consegue. Parabéns, parabéns, José!

    ResponderExcluir
  15. Esta sua página sobre A Privataria Tucana deveria ser impressa e distribuída hoje a todos os eleitores em todas as zonas eleitorais de São Paulo. Trabalho de alto nível. Parabéns, José. O futuro agradece.

    Elizabeth Barra

    ResponderExcluir
  16. Novamente uma matéria de peso,sobre esse excelente livro que narra o escandaloso esquema de privatizações ocorridas,tirando do povo e os deixando as favas,Parabéns novamente José Antônio Orlando

    ResponderExcluir
  17. Cláudio Dias Torres23 de outubro de 2012 13:17

    Achei que fosse mais uma propaganda eleitoral, mas eu estava enganado. Ainda bem que vim conferir o link. Seu trabalho merece ser chamado pelo nome, meu querido José Antônio Orlando: trata-se de jornalismo, no seu nível mais sofisticado, ético e rigorosamente técnico, se é que posso dizer isso. Invejo seu talento. Seu blog é o máximo!

    Cláudio Dias Torres

    ResponderExcluir
  18. Estou impressionado com esta reportagem. Hoje impera em jornais e revistas duas maiorias: uma é superficial e cor de rosa e ligeira e repetida ao infinito. Outra é virulenta, tendenciosa, mais propaganda que jornalismo. Seu trabalho aqui foge das duas e constrói um artigo que é o melhor que já encontrei sobre este assunto tão polêmico e tão urgente de apuração. Vontade de começar uma campanha para a punição destes bandidos. Forte abraço e parabéns!

    ResponderExcluir
  19. João Marcelo da Silveira14 de novembro de 2013 11:33


    Bela reportagem, José. Mas fico perguntando, sem encontrar uma resposta: com tantas provas concretas, cadê a punição para pilantras como Serra e seus caciques tucanos?

    ResponderExcluir
  20. Este estudo é magnífico, precisarei de alguns dias para assimilar tudo a que ele se reporta. Agora compreendo melhor o porquè de tanta celeuma em cima de temas como parada gay, por exemplo. Tudo tentativa de desviar as atenções do que realmente importa. Grata, Professor José Antonio. Grande abraço, sou sua fã e admiradora eterna.

    ResponderExcluir

( comentários anônimos não serão publicados )

Todas as páginas de Semioticas têm conteúdo protegido.

REPRODUÇÃO EXPRESSAMENTE PROIBIDA.

Contato: semioticas@hotmail.com

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Páginas recentes