domingo, 9 de outubro de 2011

Vida de artista







Nas últimas décadas, o grafite deixou de ser simplesmente uma arte improvisada nas ruas, registrada em muros e fachadas, para ganhar cada vez mais prestígio em grandes galerias e museus. Às vezes confundida pelos leigos com pichações e vandalismo, a arte do grafite não tem necessariamente nenhuma relação com poluição, sujeira e agressão. O artista plástico Rui Santana, morto em 2008, aos 48 anos, vítima de câncer, que dedicou anos de esforço à arte do grafite, costumava dizer que o grafite não vai mudar o mundo.

Não vai mudar o mundo, mas pode mudar as pessoas, a atitude que elas têm diante da vida e do mundo ao redor”, dizia. Artista plástico, fotógrafo, designer, professor e agitador cultural, Rui Santana deixou sua marca de inconformismo e de educação pela arte em todos aqueles que conviveram com ele – em Juiz de Fora, sua terra-natal, mas também em Belo Horizonte, que ele escolheu para morar e trabalhar, e outras tantas cidades do Brasil e do mundo que ele visitou a trabalho ou pelo simples prazer da descoberta.





Vida de artista: acima e abaixo,
Rui Santana fotografado no ateliê
em Belo Horizonte, em 2008. No alto,
uma das obras produzidas na Serraria
Souza Pinto, durante a Bienal
Internacional do Grafite, realizada
em Belo Horizonte em setembro de 2008







A empolgação de Rui no trato da arte impressionava – como atentam os depoimentos dos que conheceram seu trabalho intenso e inquieto em pintura, fotografia, desenho e grafite. "As pessoas costumam cobrar uma fidelidade a essa ou aquela escola, um respeito a determinada técnica. E o que eu quero é buscar uma linguagem própria, criando a minha visão de mundo. Procuro uma comunicação com o mundo e comigo mesmo", registrou o artista, com sua fé inabalável nas qualidades da intuição.



O livro-tributo


Uma amostra das ideias, textos e obras realizadas pelo artista está agora reunida em uma publicação de qualidade – transcritos no livro-tributo “Rui Santana”, 47° volume da coleção Circuito Atelier, produzida pela Editora C/Arte e coordenada por Fernando Pedro e Marília Andrés. O livro em homenagem a Rui Santana contou com apoio da família e amigos do artista.

 





Organizado pelo jornalista Mateus Santana, filho de Rui, em parceria com o poeta Luiz Edmundo Alves, a edição traz em 96 páginas uma seleção de depoimentos, entrevistas, breves comentários sobre a trajetória do artista, reproduções coloridas de uma seleção de suas obras mais importantes e fotografias inéditas. "Rui foi um artista plural e antenado com seu tempo. Por sorte, também acompanhou o planejamento do livro", aponta Mateus Santana.

O lançamento do livro, numa manhã de sábado, na Alameda dos Jacarandás, Condomínio Canto das Águas, em Rio Acima, onde o artista mantinha seu atelier – contou com uma programação para emocionar: música ao vivo, muitos artistas convidados e exibição de um vídeo sobre Rui, sob a coordenação da jornalista e apresentadora da Rede Minas Mariana Tavares. 
 






Para homenagear a arte de Rui Santana, o diretor do vídeo, Paulo Henrique Rocha, realizou entrevistas com os amigos e familiares e traça um perfil alegre e descontraído. Também houve uma grande mostra dos trabalhos de Rui no próprio atelier, a maior reunião já organizada de suas obras, e inauguração de exposição virtual no site www.comarte.com. 



Grafite e responsabilidade social
 


"Fui educado pela Imaginação/ Viajei pela mão dela sempre/ Amei, odiei, falei, pensei sempre por isso/ E todos os dias têm essa janela por diante/ E todas as horas parecem minhas dessa maneira" – aponta a epígrafe de Álvaro de Campos, um dos heterônimos de Fernando Pessoa, que abre o livro-tributo sobre Rui Santana.





Tributo a Rui Santana como artista
e arte-educador nas ruas de BH: grafite
assinado por Gnomo Sabão. Abaixo,
Guga Baygon, participante da primeira
e única BIG, Bienal Internacional
do Grafite de Belo Horizonte


"Sempre atento, Rui observou a arte com o olhar de um pássaro, conhecendo um universo amplo que o levou a reconhecer e a incluir o outro, como nos projetos coordenados com os grafiteiros, que tiveram a oportunidade de ter recuperado sua autoestima através do trabalho artístico. Essa preocupação social sempre esteve presente nas ações de Rui Santana”, destaca Fernando Pedro.

O mentor da editora C/Arte lembra que o artista Rui Santana fez valer sua responsabilidade social promovendo e orientando o trabalho dos grafiteiros e organizando eventos importantes como a BIG-BH, Bienal Internacional do Grafite em Belo Horizonte. A bienal, primeira e única, aconteceu entre os dias 30 de Agosto e 7 de Setembro de 2008, na Serraria Souza Pinto. 
 



      
Coordenada por Rui Santana, a bienal foi o primeiro evento do gênero no mundo, e trouxe a BH uma extensa e bem-sucedida programação seminários, oficinas, exposições e intervenções urbanas. Com atrações vindas dos quatro cantos do mundo, que incluíam países como Inglaterra, Holanda, Japão, Alemanha, Chile, Porto Rico e Estados Unidos, o evento mostrou o que vem sendo produzido nos cenários nacional e mundial do grafite. 



A cena do grafite
 


A ideia é transformar o local em uma grande galeria, com desenhos, pinturas, estêncils e stickers”, declarou Rui Santana na abertura da BIG-BH. “Belo Horizonte é uma grande geradora de talentos. Nas artes plásticas temos uma grande tradição, e a cena do grafite – que é fortíssima na capital – cresce em ética e estética com diversos projetos, grande parte deles beneficiado comunidades”.









Vida de artista: grafites dos irmãos
Otávio e Gustavo Pandolfo, conhecidos
como Osgêmeos, com participação de
Nina Pandolfo (esposa de Otávio), no
 Castelo de Kelburn, na Escócia,
 concluído em junho de 2007. No alto,
arte de Osgêmeos apresentada em
um prédio em São Paulo


Com uma vida artística fértil, Rui foi idealizador e coordenador de vários projetos de sucesso. Além da Bienal Internacional de Grafite, foi o mentor de projetos que fizeram história como o “Muros do Jardim Teresópolis”, em Betim, vinculado o programa “Árvore da Vida”, da Fiat; e de vários projetos de arte-educação, como o “Arena da Cultura”, da Fundação Municipal de Cultura, que buscava a democratização dos acessos à produção e apreciação artísticas.

Faço questão de manter uma produção artística, porque sou um apaixonado pela pintura e também porque, como educador, tenho que estar sempre dinamizando a arte”, diz Rui Santana em um dos textos selecionados para a publicação da C/Arte. Para o filho, Mateus Santana, a obra de Rui aponta para o futuro. Segundo Mateus, há ainda um acervo de trabalhos inéditos que serão apresentados ao público em eventos futuros. 
 





Vida de artista: acima, Rui Santana
homenageado no grafite de Gabriel Dias.
Abaixo, amostras da arte de Rui Santana em
pinturas apresentadas em óleo sobre tela










"Vamos planejar exposições para apresentar as últimas obras inéditas de Rui, incluindo seus três últimos quadros em grandes formatos", explica Mateus. Ele também destaca a disposição de Rui para os novos projetos e os enfrentamentos cotidianos da vida de artista. "Rui participava de tudo e acompanhava tudo. O livro é uma homenagem merecida por tudo aquilo que ele fez", completa. 



Um epitáfio do artista

 

Existir é ser possível haver ser – poderia ser o epitáfio do artista, parodiando Fernando Pessoa e seus heterônimos. Ou, como registrou no poema "Passagem das horas" Álvaro de Campos, heterônimo de Fernando Pessoa, preferido de Rui Santana:


Ah, perante esta única realidade, que é o mistério,
Perante esta única realidade terrível — a de haver uma realidade,
Perante este horrível ser que é haver ser,
Perante este abismo de existir um abismo,
Este abismo de a existência de tudo ser um abismo,
Ser um abismo por simplesmente ser,
Por poder ser,
Por haver ser!
— Perante isto tudo como tudo o que os homens fazem,
Tudo o que os homens dizem,
Tudo quanto constroem, desfazem ou se constrói ou desfaz através deles, Se empequena!
Não, não se empequena... se transforma em outra coisa —
Numa só coisa tremenda e negra e impossível,
Uma coisa que está para além dos deuses, de Deus, do Destino
— Aquilo que faz que haja deuses e Deus e Destino,
Aquilo que faz que haja ser para que possa haver seres,
Aquilo que subsiste através de todas as formas,
De todas as vidas, abstratas ou concretas”...


por José Antônio Orlando. 

 




14 comentários:

  1. Muito bacana esse post sobre o Rui, ele foi uma grande perda com toda certeza.

    ResponderExcluir
  2. Marcos Antonio de Aguiar2 de dezembro de 2011 20:29

    Zé Orlando: fiquei emocionado com este seu blog e quando descobri esta homenagem à arte de Rui Santana, quase chorei de alegria e felicidade e saudades.

    Que beleza, que textos fantásticos, que edição de primeira! Tem coisas que dão a impressão de que sempre existiram, ou que já conhecíamos de longa data. É o caso deste seu blog chamado Semióticas.

    Fui seu aluno por um semestre, Zé Orlando, em 2005, quando eu estava no último período do Jornalismo e fui fazer sua matéria lá na Escola de Engenharia.

    Não sei se você vai lembrar de mim, mas garanto para você que aqueles poucos meses com suas aulas valeram muito mais do que os muitos semestres na outra escola com aqueles professores tão limitados e/ou incompetentes.

    Parabéns, mestre e vá em frente. Seu trabalho é nota 10, como sempre. Saiba que virei leitor de carteirinha deste seu blog e que estou enviando o link para meus melhores amigos (e para os piores também, quem sabe eles não mergulham aqui e melhoram de nivel? kkkkkk....).

    Forte abraço para você e toda a boa sorte do mundo!


    Marcos Antonio de Aguiar

    ResponderExcluir
  3. Eu não tinha visto esse post. Ficou lindo!.. Me emocionei. Eu era(e ainda sou) uma grande admiradora do Rui Santana. Foi uma honra ter ele como professor, aprendi muito mais do que o cronograma previsto para as matérias. Ele realmente dinamizava a arte.
    Ia em exposições dele e me inscrevi na monitoria dele, pq ele me convidou para dar monitoria, porém infelizmente no mesmo mês ele precisou sair da Fumec para tentar reverter o câncer. Fiquei abalada com a morte dele. Tudo que ele deixou é valioso. Gostaria de ter dito mais a ele sobre o quanto eu o admirava.

    E isso vale pra vc tb, José Orlando, eu te admiro muito, aprendi muito com vc, muito mais do que a matéria passada, aprendi lições de vida mesmo, e de arte, cinema, semiótica(que é tudo, hehe).. enfim, tb sou uma grande admiradora sua.

    Beijos

    ResponderExcluir
  4. Emocionante , recordos vivos na mente , o ser so morre quando o esquecimento toma conta , e Rui foi e sempre estara vivo naqueles que o conheceram . Marcante pessoa , linda homenagem , e de uma coisa podemos ter certeza , um dia nos encontraremos todos uma outra vez , vivamos a vida !!!

    Davi de Melo Santos

    " DMS "

    ResponderExcluir
  5. Roberto Fernandez25 de julho de 2012 10:19

    Seu blog é um espetáculo em todas as páginas. Escolhi esta do grafite para registrar um comentário porque você tocou em pontos políticos da maior importância dentro da cultura do Hip Hop e da Arte nas Ruas. O grafite, como você destacou muito bem, representa uma luta social por reconhecimento identitário e moral. Trata-se de uma prática de resistência social e de reivindicação por melhores condições de auto-realização e integração social.

    Em Belo Horizonte, em São Paulo, no Rio de Janeiro como em Nova York e Berlim ou no mundo inteiro, a cultura do grafite pode ser entendida como uma fonte de recursos simbólicos que preenchem lutas morais identitárias. Em todos os contextos, o que está em jogo não é o reconhecimento de talentos e habilidades especificas, mas melhores condições de integração social. Rui Santana, pelo que você registra, teve um papel-chave na promoção destes valores.

    Só esta página já merecia todos os parabéns para este blog Semióticas. Mas aqui tem tantas outras que os elogios precisam ser multiplicados. José Antônio Orlando, virei seu fã incondicional. Valeu!

    Roberto Fernandez

    ResponderExcluir
  6. Saudades do professor RUI!
    Simplicidade, genialidade e intuição refinada... um ídolo, um artista e uma inspiração.
    Excelente matéria professor José Antonio Orlando.
    Por essa matéria fiz uma pesquisa e estou fazendo a compra do livro diretamente da editora. Exemplar obrigatório na minha coleção.
    Beto Falci

    ResponderExcluir
  7. Paulo Rogério Lopes26 de julho de 2012 23:37

    Seu blog tem um alto nível que é inegável. Todas as páginas, todos os textos. Mas registro aqui este comentário porque tenho uma dúvida sobre a qual ainda não tinha encontrado uma certeza. Será mesmo que todo grafite é arte? Que grafitar, seja lá o quê, é um ato político? Como pode uma forma de expressão conter em si, assim, apenas existindo, tais características?
    Mesmo não tendo o hábito de fazer análises tão cartesianas, resolvi usar um pouco desse método. Assim, dizer que política é simplesmente estar vivo entre outros seres humanos, que basta se mexer para termos um ato político, que, por consequência, quando alguém risca uma parede para que outros vejam, essa pessoa está fazendo política, tudo isso acaba englobando muito e explicando pouco. Seria interessante, então, começar definindo política. E eu arrisco o seguinte: fazer política é atuar intencionalmente de maneira a manter ou transformar uma sociedade.
    Pois então. Resumindo: esta sua página e a outra, chamada “A arte do grafite” (sobre o grande Keith Haring) fizeram com que eu pensasse muito sobre esta questão do grafite e seus parentes próximos, a pichação, o estêncil e o lambe. E acho que comecei a vislumbrar as primeiras respostas, não sei se definitivas.
    (Vi que você citou o Julio Cortázar na página deste Semióticas “Louis entre os cronópios”, sobre o mestre do jazz Louis Armstrong. Tem um conto do Cortázar sobre grafite que está no livro “Orientação dos Gatos”, você conhece?)
    Sou muito agradecido a você, José Antônio Orlando. Seu blog é impressionante...

    Paulo Rogério Lopes

    ResponderExcluir
  8. Pô gran finale com Itamar Assumpção,valeu demais,assisti um show dele aqui em Brasilía no finado Projeto Pixinguinha da Funarte,no Teatro da Escola Parque,308 Sul,inesquecível,grande figura,e o Rui Santana um conterrâneo que merece a homenagem,pena ter nos deixado tão moço,a vida é bela mas sabe às vezes ser ingrata,e como sabe,abraço,Ronaldo Derly.

    ResponderExcluir
  9. Este site é o máximo. Tudo lindo e inteligente. E emocionante para mim, que fui vizinha de Rui Santana há muitos anos, em Juiz de Fora. Só posso agradecer, meu querido José Antônio Orlando. Pelo site percebo que você é uma pessoa muito especial. Mil beijos!!! (Aline Hauck)

    ResponderExcluir
  10. Joana Evangelista16 de abril de 2014 20:06

    Amo grafite e amo BH. Parabéns pelo site.

    ResponderExcluir
  11. Nossa, professor! Só agora vi esta linda homenagem que você fez ao Rui Santana e fiquei com lágrimas nos olhos. Que saudades do Rui e que saudades também de você, de suas aulas maravilhosas. Parabéns por este blog Semióticas. É um espetáculo. Abração e beijos.

    Flávia Moreira

    ResponderExcluir
  12. Belo trabalho, interativo...arte, artista e o admirador...

    ResponderExcluir

( comentários anônimos não serão publicados )

Todas as páginas de Semioticas têm conteúdo protegido.

REPRODUÇÃO EXPRESSAMENTE PROIBIDA.

Contato: semioticas@hotmail.com

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Páginas recentes