sexta-feira, 30 de setembro de 2011

Páginas de Realidade








Uma revista investigativa, irreverente, iconoclasta, corajosa, revolucionou o mundo do jornalismo brasileiro em plena época da ditadura militar. Lançada em 1966 pela editora Abril, “Realidade” circulou provocando impacto até janeiro de 1976 e trouxe parâmetros de qualidade poucas vezes vista na imprensa brasileira: pautas ousadas em abordagens criativas, matérias mais elaboradas, escritas em primeira pessoa, com fotografias, ilustrações e projeto gráfico surpreendentes que fizeram história.

A trajetória da revista e de suas principais reportagens – que marcaram o jornalismo produzido no Brasil e influenciaram as mudanças que levariam ao fim do regime militar – acaba de receber um tributo de primeira linha: o livro “Realidade Re-vista”, lançamento da Realejo Edições. Escrito em parceria por José Hamilton Ribeiro e José Carlos Marão, que integraram a extraordinária equipe de jornalistas que criou a revista, o livro reconstitui a história de “Realidade”, publicação que ainda hoje permanece como exemplo e lição de jornalismo transformador
– um autêntico contraponto à triste atualidade da imprensa no Brasil, cada vez mais questionável e mais distante das normas da ética e da honestidade que deveriam ser balizas e condições essenciais para sua existência.







Páginas de Realidade: no alto,
Glauce Rocha, Paulo César Pereio
e Jardel Filho em cena do polêmico
Terra em Transe (1967), uma das
obras-primas de Glauber Rocha
 (acima), destaque nas primeiras
edições da revista Realidade.
Abaixo, Glauber durante as
filmagens, em 1966, com Lauro
Escorel, Dib Luft e Luiz Carlos
Barreto; e em fotografia
de Luiz Carlos Barreto








Jovens, mas com experiência profissional de qualidade inquestionável, José Hamilton Ribeiro e José Carlos Marão vinham de passagens em veículos na época importantes como a revista “O Cruzeiro” e o jornal “Folha de S.Paulo”. Nascidos no interior de São Paulo, no novo livro os veteranos Ribeiro, nascido em agosto de 1935, e Marão, em janeiro de 1941, se definem como “caipiras, com muito orgulho” e fazem questão de destacar, cada um a seu modo, que a história de "Realidade" permanece como lição de jornalismo transformador.

"Os estudantes que hoje procuram os profissionais de 'Realidade' como fonte para seus trabalhos acadêmicos não se dão conta de que muito do comportamento atual, como a liberdade para namorar ou 'ficar', o desprezo pelo tabu da virgindade, a igualdade de direitos da mulher, a possibilidade de casar, descasar, casar de novo; começou a despontar como mudança de comportamento naquele período", destaca Marão.







"O lugar de Realidade é entre os inovadores, assim como o 'Jornal do Brasil' na época de sua reforma, na década de 1950, e sem dúvida o 'Jornal da Tarde', de São Paulo, mas feito por mineiros", aponta Marão, lembrando que durante décadas esses três projetos gráficos e editoriais determinaram a qualidade da imprensa no Brasil.

"Só recentemente é que houve um ou outro projeto inovador, mesmo assim nenhum deles com o impacto que Realidade provocou”, reconhece M
arão. Ele confessa nostalgia pelos tempos do que ele chama de "jornalismo de heróis" e diz que agora se aposentou. A única vantagem de sua nova condição, ele confessa, é que conseguiu realizar o velho sonho de voltar a morar no interior. José Hamilton Ribeiro, por sua vez, continua na ativa e reconhecido pelo público, por conta de seu trabalho como repórter de TV, atualmente na equipe do "Globo Rural".








O projeto do livro, explica José Carlos Marão, começou a partir das muitas conversas entre ele, José Hamilton e outros veteranos de Realidade. "Acabei lembrando que as matérias selecionadas para publicação no livro deveriam ser situadas dentro de seu contexto histórico, social e político. Do contrário, o leitor jovem não ia entender nada. Então surgiu o caminho de mostrar em detalhes como a revista era feita, naquela época, naquela situação política e econômica", completa.

Um resgate histórico



O resgate histórico de “Realidade” não é o primeiro trabalho conjunto dos dois autores. Em 1988, Ribeiro escreveu o livro “Jornalistas (1937-1997)”, que contava a história de 60 anos de imprensa no Brasil e foi editado por Marão. Ribeiro recorda que os dois ficaram anos sem se ver, mas a cada reencontro retomavam a conversa da vírgula onde tinham parado. Das conversas, nasceu o projeto do novo livro. 
 



Um momento memorável no
jornalismo brasileiro: Realidade,
em sua edição número 1.
Abaixo, a capa da edição número 3 



José Hamilton Ribeiro e José Carlos Marão, mantendo o estado de espírito das redações de outras épocas e da amizade que dura mais de 50 anos, até hoje discordam e brigam muito – conforme revela e reconhece Ribeiro na entrevista, contando que ele e o amigo discutiram até o limite durante o processo de elaboração e edição do livro “Realidade Re-vista”.

No livro, a dupla de veteranos resgata através de fac-símiles duas dúzias de reportagens históricas, republicando-as com saborosos e surpreendentes comentários de bastidores. O relato de Ribeiro e Marão também brinda o leitor com uma abordagem inédita sobre a criação, os percalços da vida e da morte da publicação que ainda hoje muitos pesquisadores apontam como uma das maiores e mais importantes utopias que o jornalismo no Brasil já realizou.
 








O resgate histórico aponta uma seleção de abordagens surpreendente, ainda mais se considerado o contexto de censura e repressão imposto pelo regime militar. Um perfil pioneiro de Chico Xavier, uma matéria escrita a quatro mãos com Chico Buarque, o cinema de Glauber Rocha, denúncias, erros grosseiros de políticos e das autoridades, eleições desencontradas, a aventura dos jangadeiros e da gente simples do interior, a gritaria e os aplausos do auge dos concursos de miss, o movimento silenciado de estudantes e operários, os exilados, o olhar brasileiro na apuração do que acontecia pelo mundo afora.

"Realidade" renovou a arte da reportagem, questionou e derrubou tabus, provocou e revelou um país praticamente desconhecido e entrou para a história. Como lembra o relato emocionado e emocionante de Ribeiro e Marão, criatividade na pauta, liberdade na apuração e ousadia na edição marcaram a presença de “Realidade” no imaginário nacional.




Realidade, número 8, pela primeira vez
usou a expressão MPB e trazia na capa
uma fotografia de David Drew Zingg:
de pé, Rubinho do Zimbo Trio, Jair
Rodrigues, Nara Leão e Paulinho
da Viola; sentados, Chico Buarque,
Gilberto Gil, Toquinho e Magro do
MPB4;  no chão, Caetano Veloso


Em 436 páginas, os dois autores e testemunhas oculares da história desvendam os métodos revolucionários utilizados pela equipe de redação da revista. Ribeiro e Marão não apenas descrevem, mas também analisam as técnicas de cada expediente a partir de uma privilegiada visão dos bastidores de algumas das principais matérias, incluindo casos saborosos no "off" de muitas reportagens e edições.

A emoção que caracterizava cada número da revista – em oposição à maior parte das notícias tradicionais, baseadas no senso comum, tão comuns naquelas época e também no jornalismo atual – pode ser traduzida à perfeição com o episódio da Guerra do Vietnã. Hoje reconhecido como 'príncipe dos repórteres', José Hamilton Ribeiro foi correspondente de guerra, em 1968, e em uma de suas reportagens durante essa cobertura, perdeu uma perna, despedaçada na explosão de uma mina. O episódio ele transformou em livro, "O Gosto da Guerra", publicado em 1969. Mas o acidente no Vietnã não deteve o repórter e ele continua ainda hoje a exercer seu notório talento de jornalista.







Páginas de Realidade: o repórter
José Hamilton Ribeiro em 1968,
fotografado no local do acidente
por Kei Shimamoto e no hospital
militar da base dos EUA durante sua
cobertura na Guerra do Vietnã



Segundo os autores José Hamilton Ribeiro e José Carlos Marão revelam, na apresentação ao livro, o fim do projeto “Realidade” veio em função de divergências internas entre a equipe e algumas disposições da empresa, que tolhiam, de alguma forma, a autonomia que a equipe vinha tendo até dezembro de 1968. Mas e a imprensa brasileira da atualidade? Está melhor ou pior do que há tempos passados?

Acredito que em muitos aspectos a imprensa brasileira nos dias de hoje está melhor, mas sempre tem aquelas exceções que envergonham a gente e provocam irritação em quem tem um mínimo de bom-senso”, reconhece Marão. “É preciso sim reconhecer que a imprensa hoje está mais profissionalizada. No entanto, não tem dado muito espaço para a criatividade e a inovação, o que é uma pena e sinal de o atual modelo consagrado como grande imprensa vai ficar esgotado, mais dia, menos dia”.







Páginas de Realidade: a dupla de
veteranos José Carlos Marão e
José Hamilton Ribeiro reunida
em uma livraria em São Paulo, em
agosto de 2011, na primeira sessão
de autógrafos e lançamento do livro



Confira alguns trechos da entrevista que fiz por telefone com o jornalista José Hamilton Ribeiro. 

Qual o lugar da revista “Realidade” na história da imprensa e do jornalismo no Brasil?

José Hamilton Ribeiro – A 'Realidade' foi resultado de um conjunto de circunstâncias históricas que inclui a revolução comportamental de jovens, mulheres, padres, Beatles, hippies, estudantes, tudo a nível mundial, na década de 1960. No plano local, um governo militar ditatorial, mas ainda sem censura à imprensa e Ato-5. Havia um anseio de mudanças generalizado e uma editora (Abril) que estava bancando a aposta de se tornar uma grande editora jornalística e uma equipe com boa experiência jornalística, mas ainda jovem (média de idade, 30 anos) com muita energia e ambição. Aí desembocou no que deu, difícil apartar uma peculiaridade.

Na sua avaliação, 'Realidade' teve outros veículos de imprensa como antecedentes? Penso na revista 'O Cruzeiro', nos melhores tempos do 'Jornal do Brasil', no final dos anos 1950...

Foram capítulos importantes, sem dúvida, mas a 'Realidade' era outra coisa. No começo dos anos 1960, a Editora Abril era ainda “um escritório” que coordenava a publicação de revistas traduzidas que incluía títulos de quadrinhos, fotonovelas, corte e costura, cama, mesa e banho... Com 'Cláudia', entre as femininas (dirigida por Luís Carta), e '4 Rodas', masculina (dirigida por Mino Carta, irmão de Luís), a Editora Abril passava a ter redação de jornalistas e não mais só de tradutores. E '4 Rodas', sob a direção de Mino, foi o laboratório de texto e de exercício jornalístico que iria desembocar em 'Realidade', primeiro, e a seguir em 'Veja' e depois em revistas que se contam hoje quase às centenas. É importante também você destacar que 'Realidade' não se baseou em outra publicação do exterior, como era praxe na Abril, então. E até o nome foi uma busca errática, muita gente pensando e dizendo: mas isso é nome de revista? 






Foi um período muito breve e intenso... É possível destacar uma fase, ou uma sequência de edições, como o auge de 'Realidade'? 

Há um período de ouro, sim, que é o tempo da revista que vai do seu nascimento, em abril de 1966, ao AI-5, em dezembro de 1968... não tendo obrigatoriamente de uma coisa ter a ver com a outra, ou só com essa outra... (risos) Um sucesso editorial que marcou época e fez história, sem dúvida, mas 'Realidade' deu lucro financeiro? 'Realidade' foi um 'case' de sucesso editorial. Nas contas da Abril, se ela vendesse 80 mil exemplares, estava muito bom. Vendeu 500 mil em menos de 6 meses. Por certo, foi uma coisa que chamou atenção dos jornalistas brasileiros, principalmente, a meu ver, por causa da qualidade do texto. 

A revolução trazida pela "Realidade" foi mais importante que a reforma dos jornais na década de 1950, liderada pela gestão da condessa Pereira Carneiro no "Jornal do Brasil"?

Pergunta difícil... Mas, de certo modo, é possível afirmar que sim. Digo, simplificando, que a reforma dos jornais brasileiros, capitaneada por jornalistas cariocas, no fim dos anos 1940 e nos anos de 1950, repetiu-se, agora no campo das revistas, com 'Realidade'. A reforma dos jornais cariocas criou e implantou o “copy-desk” – que reescrevia eventuais textos ruins dos repórteres. "Realidade" criou (a benção, Sérgio de Souza!) o editor de texto, um profissional mais refinado, mais sensível, e que é capaz de melhorar o texto do repórter sem desfigurá-lo.




Páginas de Realidade: as mandingas
do futebol na edição número 4.
Abaixo, uma amostra da publicidade
em Realidade: lances de humor
e uma revolução nos costumes


Na mesma época de 'Realidade' estava surgindo nos Estados Unidos o 'new journalism', mais literário, mais elaborado. 'Realidade' foi então precursora também dessa qualidade do texto, além do design inovador e do conteúdo em reportagens?

Num certo sentido, o texto de Realidade tinha sim esta 'qualidade literária', assim mesmo, entre aspas, quer dizer, era um texto que dava prazer de ler, como um bom texto de literatura. Deve-se isso, em boa medida, ao exercício da edição de texto criada pelo Sérgio de Souza, com riqueza de imagens e de vocabulário e a busca da palavra apropriada. No raciocínio jornalístico, ou literário, chega uma hora que o texto pede uma palavra, e tem de ser aquela palavra. Qualquer outra, soaria chocho...






Além da qualidade literária, 'Realidade' também oferecia jornalismo de primeira...

Isso mesmo. 'Realidade' fazia a 'grande reportagem', que você sabe, pouco tem a ver com reportagem grande. Pesquisa, pensamento, trabalho e vivência na busca de um pouco de profundidade e compromisso, até onde sabe Deus, com a verdade. Enfim, jornalismo investigativo, de longo curso, sério. Quando é que o Brasil deixou de ter isso? Será que deixou?

O senhor acredita que o livro conseguiu traduzir a história toda? Espero que o senhor tome meu comentário como elogio, porque quando li, tive a impressão de que estava lendo uma reportagem muito bem feita sobre a 'Realidade'... 

Ah, então é porque você é um leitor atento... (risos). Boa definição, esta, de ser uma reportagem... metalinguagem, não é? Em 'Realidade', fui repórter. Em certo momento, virei redator-chefe, mas como coisa provisória que acabou sendo definitiva. Depois da revista, voltei a ser repórter. O livro “Realidade Re-Vista”, além de ser bom livro em si – e digo isso com tranquilidade, na medida em que seu autor principal não sou eu, mas sim José Carlos Marão – nasceu de uma certa demanda. De tempos em tempos, nem sei por que, os remanescentes de 'Realidade' são procurados por jovens jornalistas, estudantes de jornalismo e de História, sociólogos iniciantes, em busca de informações da revista. Agora estão à mão, no livro. 








Retrospectiva da 'Realidade'
em reportagem especial publicada
na edição número 20 da revista



E a imprensa brasileira hoje? Está melhor ou pior do que há tempos passados? 
 
Pergunta difícil de responder... No Brasil há espaço para uma revista de reportagens bem feitas, com texto cuidado, com pauta criativa? O que a gente vê é que tem cada uma por aí... Será que ainda haverá espaço para uma revista com “qualidade literária”, que dê prazer na leitura? Em matéria de jornalismo, e não só de jornalismo, o Brasil de hoje em dia está acostumado com coisa ruim. Estamos vivendo talvez uma das épocas mais medíocres deste país. Assim, quando surgir, no jornalismo, uma coisa boa, vai ser fácil o povo acostumar. Se está acostumado com o que é ruim, na hora que surgir o bom o povo vai correndo.



por José Antônio Orlando. 



Para comprar o livro Realidade Re-vista,  clique aqui.









Páginas de Realidade: no alto,
Leila Diniz na capa em uma
entrevista que fez história, na edição
número 61 de Realidade, publicada
em 1971. Acima, fotografia publicada
em junho de 1968 mostra as atrizes
Tônia Carrero, Eva Wilma, Odete
Lara, Norma Bengell e Ruth Escobar
na linha de frente da Passeata dos Cem
Mil, que parou o Rio de Janeiro em plena
ditadura militar. Organizada pelo movimento
estudantil, a passeata desafiou o regime
militar e contou com a participação de
artistas e intelectuais que levavam faixas
e gritavam as palavras de ordem 
Abaixo a Ditadura. O Povo no poder


20 comentários:

  1. Adorei o texto e a entrevista... As fotos das capas, então nem se fala: ótimas!! Concordo com Marão, quando diz que a imprensa atual não dá tanto espaço a criatividade e inovação, de fato, grande parte dos jornais e das revistas são bem informativas, mas pecam neste quesito.
    Adorei Zé!!! Aliás, adoro o blog inteiro...

    ResponderExcluir
  2. Que ótima essa matéria sobre a revista Realidade, uma publicação que, quando olhamos retrospectivamente, parece algo absurdo no jornalismo brasileiro - ainda mais se pensamos que se tratava da mesma editora que hoje banca uma revista Veja, sem nenhuma ética e com um projeto gráfico brega, americanóide. Que loucura, né? A ditadura acabou, a editora virou uma coisa gigante, mas uma proposta como a da Realidade não coube lá. Triste realidade!...
    Enfim, gostei muito do seu texto e da entrevista com os autores, Zé Antônio - como outros posts deste blog. Parabéns pela iniciativa!

    ResponderExcluir
  3. Se bem me lembro, a capa da primeira revista era uma foto do Pelé com aquele chapéu de pele de urso da guarda do Palácio de Buckingham.

    ResponderExcluir
  4. Daniel M Nachmanowicz1 de fevereiro de 2012 11:17

    A revista Veja para mim é ilegível. Bem, eu concordo com Marão, é realmente raro encontrar na mídia um assunto que não seja abordado superficialmente e com claras incoerências argumentativas.

    Me dá tristeza por exemplo as revistas "científicas" como super interessante. Sim, possuem funcionários competentes e se destaca com seus infográficos, igualmente como Hollywood com seus excelentes funcionários e equipamentos, mas peca no conteúdo e profundidade, no caso da revista falta até mesmo o raciocínio científico.

    Acho que dei voltas demais. Não conhecia a revista Realidade, me interessei muito pelo livro, já está na minha lista.

    Excelente matéria José Orlando, novamente felicito-me de ter sido seu aluno.

    Já que escrevi demais, uma ressalva. Revista que aborda política que acompanho é a Carta Capital, encontro um trabalho mais sincero nela e investigativo.

    ResponderExcluir
  5. Acho que nunca vi uma abordagem tão completa e que considerasse tantos aspectos que confirmam a importância da revista Realidade na trajetória da imprensa e na história do Brasil contemporâneo, sem contar a entrevista com o José Hamilton Ribeiro, inteligente e corajosa. Parabéns, José Antonio Orlando. Estou recomendando esta página e todas as outras do Semióticas para todos os meus amigos e alunos. Seu blog é um dos melhores que já encontrei!

    Gilberto de Abreu

    ResponderExcluir
  6. Parabéns pela postagem! Adorei.
    Aliás, eu era leitora entusiasta da revita Realidade. Vou procurar o livro aqui no Rio.
    Eliete Ferrer

    ResponderExcluir
  7. Paulo Emílio de Albuquerque19 de abril de 2012 13:36

    Nunca tinha visto uma reportagem tão completa e tão bonita sobre a época de ouro da imprensa brasileira com a revista Realidade. Sua página sobre a Realidade está tão excelente que estou passou a ser uma leitura obrigatória de meus alunos de jornalismo.
    Aliás, José Antônio Orlando, seu blog é uma coisa de outro mundo. Tudo completo, inteligente, bem editado e de uma beleza rara de encontrar, na internet ou fora dela.
    Parabéns! Virei leitor de carteirinha!...

    ResponderExcluir
  8. Parabéns, mais uma vez, José Antônio Orlando. Seu texto é impecável, suas abordagens precisas e seus temas fascinantes. A "Realidade" realmente foi tudo de bom para o jornalismo e o leitor da época. Era ainda jovem, mas me lembro muito bem da revista, que lia sempre que podia. Com certeza, deve ter influenciado na minha formação. Aliás, sou muito mais leitora de reportagens do que de literatura, devo confessar. Comecei com "Seleções" - vc não deve se lembrar dela naquela época. Era muito texto, pouca ilustração e - hoje, fazendo uma análise sobre minhas lembranças - tinha um tom americanizado que certamente não gostaria rever. Meus pais assinavam a revista. O "O Cruzeiro" também era leitura obrigatória, pois tinha tios que trabalhavam na empresa (não como jornalistas) e traziam sempre exemplares pra suas casas, no Rio. Quenao ia passar férias por lá, eu o devorava - lia de tudo, desde Carlos Heitor Coni até o Amigo da Onça....Mas "Realidade" realmente era um veículo mais sério, transformador. Pena que um dos autores do livro dependurou as chuteiras, mas o grande José Hamilton Ribeiro econtrou um lugar ideal para continuar fazendo suas belas reportagens, pois o "Globo Rural" é um dos melhores produtos da emissora. Grande abraço e um ótimo dia pra você.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito grato pelo elogio, Ana Goulart.
      Também tenho uma história de família tanto com a Realidade como com a Cruzeiro. Um tio meu tinha coleções das duas revistas e confesso que meu gosto pelo jornalismo veio das belas matérias que eu encontrava naquelas páginas. No caso da Editora Abril, que editava a Realidade, é triste ver que o projeto foi descartado para dar lugar à Veja, que se tornou um veículo tão reacionário e negativo, verdadeiro "jornalixo"...
      Bom contar com você como leitora e interlocutora. Aguardo as novas visitas e novos comentários. Beijos!

      Excluir
  9. Janice Almeida Telles31 de maio de 2012 23:22

    Vi o link de sua reportagem sobre a Revista Realidade lá no Facebook, no grupo Jornalistas, e cliquei meio sem saber o que iria encontrar. Primeiro pensei que fosse um desses blogs muito superficiais com uma fotinha e um textinho de nada, depois pensei que, pelo nome, Semióticas, fosse um texto muito cifrado de conceitos e de teorias acadêmicas as mais difícieis. Não foi nem tão superficial, nem tão cifrado.
    O que encontrei aqui foi uma blog belíssimo, com textos inteligentes, entrevistas precisas e edição primorosa.
    Arristo dizer, por esta matéria e pelas outras que acabo de visitar, que seu blog é um dos melhores que encontrei nos últimos tempos, isso se não for mesmo o melhor de todos.
    Parabéns, José. Virei leitora de carteirinha desde a primeira visita.

    Janice Almeida Telles

    ResponderExcluir
  10. Adorei o texto, José Antonio! Obrigada por me informar sobre o jornalismo do passado que é o melhor e mais verdadeiro! Só conheci bem por cima sobre a revista "Realidade" durante algumas aulas da minha pós-graduação em Jornalismo Cultural, na FAAP.
    Seu texto elucidou muito mais...parabéns pela entrevista, por tudo...já virei fã do seu blog!
    Ainda me considero uma jornalista em aprendizado contante, criei um blog recentemente, onde tento transpor minhas ideias sobre jornalismo cultural: http://cultiemcena.blogspot.com.br/

    Com este seu post, mostrarei novamente um texto meu sobre o filme "Terra em Transe"...se tiver a oportunidade de lê-lo, ficaria contente!

    Um abraço,

    Gaby Guimarães

    ResponderExcluir
  11. Muito bom. Parabéns pelo alto nível da página e da entrevista. É a melhor reportagem que já vi sobre a "Realidade". Seu blog é realmente um espetáculo.

    ResponderExcluir
  12. Antônio Sérgio Dias Torres9 de março de 2013 09:23

    Fiquei terrivelmente impressionado com este seu relato sobre a Realidade. Já tinha ouvido falar, mas nunca soube que era coisa tão séria. E estas duas entrevistas com o Marão e com o Zé Hamilton Ribeiro deveriam ser leitura obrigatória nas escolas, em todas as escolas, e não só nas de jornalismo.
    Se o livro deles é bom ainda não posso garantir, vou conferir. Mas esta sua página e este seu blog Semióticas... Parece que vêm de outro mundo. Agradeço e você e aos deuses que regem este sábado pelo passaporte. Parabéns!!!

    Antônio Sérgio Dias Torres

    ResponderExcluir
  13. Lembro-me de todas as capas da revista realidade. Fazia coleção. A foto do Chico com Nara Leão e a turma toda...O jornalista Jose Hamilton, ferido no Vietnã, a Leila Dinis, fabulosa e a primeira foto de um parto. A foto ficava no meio da revista. Foi um escândalo. Fantástica! Jornalismo mesmo, de primeira. Bela lembrança Semiotica, bela lembrança ! <3

    ResponderExcluir
  14. Uau!... Que aula, José!... Que maravilha. Só posso agradecer por encontrar você e este Semióticas que é fantástico. Vale mesmo por um curso inteiro. Ou muitos cursos, nem sei...

    ResponderExcluir
  15. Fiquei ansioso para ter acesso ao livro "Realidade Re-vista"; vou procurar nas livrarias(encontro-me em João Pessoa). Se não, vou comprar pela internet quando estiver em Campinas-SP(onde moro atualmente).Foi um tempo especial da minha vida.O primeiro contato com a revista me deixou pasmado(imagino que tenha sido o nº 2); uma mulher nua...Havia saído da Escola Técnica de Comércio de Campina Grande(PB), em um intervalo de aula, ai... vi aquela capa na banca de jornais.Inacreditável(pensei: os militares vão prender este povo que está publicando esta revista).O problema pessoal é que não dispunha de dinheiro para comprar nada...(fiquei lendo uma vez ou outra, quando algum colega comprava).

    ResponderExcluir
  16. Seu blog é um dos melhores que conheço. Esta matéria sobre a Realidade, que meu avô adorava, me deixou com lágrimas nos olhos. Neste Semióticas é assim: tudo inteligente e lindo. Só posso agradecer.

    Nice Camargo

    ResponderExcluir
  17. Faço minhas as palavras da Nice Camargo: tudo inteligente e lindo. Só posso agradecer. Parabéns!!! - Anderson Diniz

    ResponderExcluir
  18. Fábio Albuquerque18 de janeiro de 2015 23:34

    Muito bom. Parabéns pela qualidade impecável.

    Fábio Albuquerque

    ResponderExcluir
  19. Sensacional. Uma aula de jornalismo e de como produzir um blog brilhante em tudo. Parabéns, José! Sou sua fã deste a primeira visita que fiz a este maravilhoso blog Semióticas.

    Juliana Chaves

    ResponderExcluir

( comentários anônimos não serão publicados )

Todas as páginas de Semioticas têm conteúdo protegido.

REPRODUÇÃO EXPRESSAMENTE PROIBIDA.

Contato: semioticas@hotmail.com

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Páginas recentes