sexta-feira, 15 de julho de 2011

A arte do grafite




Os ícones de bonequinhos das obras de Keith Haring (1958-1990) se transformaram em sua marca registrada: tanto faz se em pinturas, desenhos, gravuras, silk-screens, camisetas, bótons ou publicidade de tudo. As imagens do artista norte-americano tomaram de assalto a cultura pop assim que surgiu na mídia, nos anos 1980, o interesse por aquele sujeito que desenhava com giz e tinta nas ruas e metrôs de Nova York. Haring ficou popular em pouco tempo e sua obra influencia artistas até hoje no mundo inteiro. Para ele, a arte deveria ser acessível para todos e deveria ser feita a partir da linguagem visual só na aparência simples, colorida, infantil.

Grafites personalíssimos e desenhos em murais e nas ruas de Nova York com seus bonequinhos dançando em traços sintéticos, provocantes, de cores gritantes, viraram marca registrada de seu estilo, também imortalizado em célebres pinturas, esculturas, colagens nos acervos dos grandes museus e em milhares de ilustrações para livros, discos, fachadas, filmes, revistas, jornais. Alguns dos trabalhos mais expressivos da arte genial de Haring foram reunidos em duas publicações que chegaram às livrarias brasileiras pela primeira vez, mais de duas décadas depois da morte do artista: "O Livro de Nina para Guardar Pequenas Coisas" e "Ah, Se a Gente não Precisasse Dormir", os dois lançados pela Cosac Naify.







A história do antológico "O Livro da Nina para Guardar Pequenas Coisas" (Cosac Naify, 72 páginas ilustradas) começou em 1988, no Brasil, no aniversário de sete anos da pequena Nina, filha do pintor italiano Francesco Clemente, grande amigo de Haring. É um livro dos mais surpreendentes que já foram imaginados, na fronteira da palavra livro,  incomum, que mistura catálogo de arte e diário infantojuvenil, todo feito a mão livre. Trata-se, na verdade, de um objeto pessoal para desenhar, pintar, colar adesivos, folhas, fotos dos amigos, lembranças de um dia no circo e até pensamentos - desde que sejam pequenas coisas, já que as grandes, ele recomenda, devem ser guardadas em caixas.


O Livro de Nina...” de Keith Haring recebeu um tratamento caprichado na edição brasileira, que manteve o formato alongado em capa dura dos antigos cadernos de fotos e lembranças. Para preservar o aspecto artesanal do objeto-livro inventado pelo artista, a letra de Haring foi mimetizada no projeto gráfico - com tradução assinada por Alípio Correia de Franca Neto.

Um purismo curioso: o nome do autor não aparece na capa e nem na folha de rosto, que já se apresenta como dedicatória. Um sol amarelo e sorridente, típico das imagens festivas celebrizadas por Keith Haring, saúda: "Para Nina, em seu sétimo aniversário - 15 de julho de 1988. Com amor, Keith". A edição nacional do livro - que foi publicado pela primeira vez nos Estados Unidos e em países da Europa em 1994 e tornou-se um clássico instantâneo - traz ainda um depoimento inédito da própria protagonista, Nina Clemente.














O livro e a cozinha de Nina



A pequena Nina cresceu e hoje, aos 30 anos, ela trabalha como chefe de cozinha e estilista na Califórnia, EUA, onde também apresenta o programa de culinária "Cucina de Nina", exibido pela Plum TV (para assistir na Internet, clique aqui). "Ele tinha uma capacidade inata de transcender a vida adulta e foi meu melhor companheiro de infância, para além de nossa diferença de idade. Nunca o enxerguei como gente grande - todas as memórias que tenho dele são repletas de desenhos, risadas e alegria", explica Nina, em entrevista concedida por telefone.

"Ah, Se a Gente não Precisasse Dormir" (Editora Cosac Naify, 40 páginas ilustradas) não é menos precioso que “O Livro de Nina para Guardar Pequenas Coisas”. Produzido originalmente pela Keith Haring Foundation em 1997, “Ah, Se a Gente...” ganha na edição brasileira uma reportagem exclusiva do jornalista Mario Cesar Carvalho sobre Haring e sua relação com o Brasil, chegando a uma abordagem inédita sobre a arte do grafite.













Traduzida em livro, a arte de Keith Haring traz uma surpresa a cada página, independente da idade do leitor, ainda que tenha endereço certo para pesquisadores, arte-educadores e para toda a nova geração de grafiteiros. Entre os incontáveis fãs estão os irmãos grafiteiros Otávio e Gustavo Pandolfo, mais conhecidos como OsGêmeos, que declaram na contracapa da edição brasileira:

“Keith Haring foi sem dúvida um dos artistas da arte pop mais consagrados internacionalmente. Com seu trabalho, atravessou barreiras, superou várias dificuldades e conquistou o mundo. Uma arte alegre, questionadora e divertida, com traços fortes e linguagem direta, que somou muito para a cena do grafite".







Temporadas de Keith Haring
no Brasil: o amigo Kenny Scharf
registrou passagens do artista
por Ilhéus, na Bahia (acima) e
na Bienal de São Paulo, em
1983 (fotos no alto e abaixo).
Homenageado pela Bienal, ele
produziu ao vivo um painel no
pavilhão do evento, com suas
impressões sobre o Brasil.
O painel foi fotografado, mas
terminou destruído, assim como
outras obras que Keith Haring
produziu em paredes, muros
e praças de São Paulo



 
No ensaio-reportagem incluído na edição nacional de "Ah, Se a Gente não Precisasse Dormir", Mario Cesar Carvalho destaca que a dupla paulistana OsGemeos foi convidada a homenagear Keith Haring no Lower East Side, em Nova York. "Keith fez o famoso mural na esquina da rua Houston com a Bowery, e após alguns meses o mural foi apagado. Anos depois, nós fomos convidados a pintar o mesmo espaço pela Deitch Project e Tony Goldman", contam os irmãos, confessando que foi uma honra participar da homenagem.



Keith Haring e os brasileiros



Em busca de Keith Haring e sua relação com o Brasil, país que ele visitou diversas vezes, Mario Cesar Carvalho produziu uma autêntica reportagem investigativa. Pesquisou arquivos, foi aos álbuns de família dos amigos e colheu depoimentos importantes, e até então inéditos, de pioneiros do grafite, entre eles Ivo Mesquita, Rui Amaral e Fabiana de Barros.

No breve relato de sua pesquisa à procura da influência de Keith Haring sobre os brasileiros e sobre o destino das obras que ele pintou por aqui, Carvalho, na verdade, reconstitui a história do grafite no Brasil. Entre as preciosidades, enumera o muro pintado por Haring próximo à avenida Sumaré, em São Paulo, que hoje não existe mais. Carvalho também resgata outras imagens raras de Haring em solo brasileiro, incluindo a confecção do painel que figurou na Bienal de 1983 e outros inspirados na capoeira ou em nossas florestas.








Retratos do artista imerso em sua
criação: acima e abaixo, Keith Haring
em Nova York, em ação na Factory de
Andy Warhol, em uma instalação que
realizou em 1984. Nas fotos a seguir,
abaixo, o artista em 1983, em sua viagem
ao Brasil, em frente a um cartaz feito
por Ziraldo, e apresentando uma de
suas performances como homenageado
durante a Bienal de São Paulo











"Quase todos os primeiros grafiteiros dos anos 1980 trabalhavam com moldes em papel para desenhar, e a passagem de Haring pela cidade ajudou a disseminar o grafite a mão livre, estilo pouco praticado na época, segundo Rui Amaral, um dos lendários pioneiros que continua na ativa", destaca Mario Cesar Carvalho.

Repleto de leveza e ironia, com inventividade que estimula a percepção visual e lida com a arte moderna de uma maneira contemporânea, “Ah, Se a Gente não Precisasse Dormir” tira proveito dos ícones dançantes multicoloridos de Keith Haring, criador intuitivo que começou a desenhar ainda criança, quando inventava histórias em quadrinhos com o pai. Depois fez sucesso meteórico com seus trabalhos, que passaram das ruas e estações de metrô para as maiores galerias e museus do mundo. 





Um cara de óculos



É um daqueles livros que começam com uma pergunta e vão direto ao assunto. "Está vendo esse cara de óculos aí do lado?" - questiona o autor, logo na primeira linha da primeira página. "Ele é o Keith Haring. Daqui a pouco vamos olhar com atenção as obras de arte dele e várias coisas relacionadas a elas. Também vamos saber o que outras crianças pensam quando veem esses trabalhos. Mas, antes, uma perguntinha rápida: qual é, na sua opinião, a coisa mais importante para Keith Haring nessa foto? Claro! É o tênis que está calçando, um tênis do qual ele gostava ainda mais à medida que ia ficando velho e gasto! Keith sempre aparecia com esse tênis, seja quando usava camiseta e jeans, seja ao vestir um terno azul".

Com pequenos textos tão breves quanto saborosos, mais transcrição de depoimentos e análises feitas por crianças de escolas públicas de Nova York sobre o trabalho de Haring, desenhos, pinturas, uma reportagem sobre as temporadas do artista no Brasil, fotos do artista trabalhando e grafites, muitos grafites: assim é "Ah, Se a Gente não Precisasse Dormir". Cada desenho grafitado inspira milhares de interpretações e, no livro, as frases das crianças intercalam a sequência de imagens, mistura de curiosidade e senso de humor inteligente, para além da aparência de ingênuo, exatamente como a arte de Keith Haring.





De maneira despretensiosa, meninos e meninas de 5 a 15 anos dão a sua interpretação para alguns dos trabalhos mais representativos do artista. Diante do “Grafite 84”, com mãos que perfuram cérebro e peito, em fundo azul, os pequenos leitores de Nova York interpretam e buscam significados:

Parece uma cobra”, diz o primeiro. “Ele está enfiando a mão por dentro do corpo, talvez para agarrar o cérebro”, completa o segundo. “Ele não quer ser inteligente”, diz o outro. “Ele não gosta mais de si mesmo e está jogando fora o cérebro e o coração”, propõe o outro pequeno intérprete, ao que um terceiro menino reponde: “Acho que é uma pessoa que está muito confusa, com as emoções atrapalhadas. Alguém machucou o cara emocionalmente, bateram na cabeça dele e ele não é muito bom em matemática”. O outro conclui: “Talvez ele esteja tentando encontrar um pouco de amor”. Você também já se sentiu desse jeito? – interroga o autor... 


Além de didático, sedutor em seus traços multicoloridos e poético ao extremo, "Ah, Se a Gente não Precisasse Dormir" também é, acima de tudo, uma homenagem à grande arte de um jovem sonhador que rompeu barreiras e levou para galerias, museus e as mais importantes bienais do planeta Terra a efervescência pop da cultura de rua.

"Nos jantares e festas chiques, Keith era o único adulto com lugar garantido na mesas das crianças", recorda Nina Clemente ao comentar a importância e o afeto que tem pelo artista, pelo livro que ganhou de presente aos sete anos e pela edição brasileira de "O Livro da Nina para Guardar Pequenas Coisas". Na época em que recebeu o incrível presente feito a mão por Keith Haring, Nina morava no Brasil com a família. Logo depois, mudaram-se para Nova York, onde Nina cresceu e, muito tempo depois, entendeu que o amigo que sempre visitava sua família era um artista importante.





Sintonia com a grande arte



"Morei algum tempo no Rio de Janeiro e sei que Keith ficaria contente também com a edição brasileira): a energia, as cores intensas, o ritmo e a vibração deste país estão em sintonia com sua arte e seu modo de vida. Espero que todas as crianças brasileiras, especialmente as Ninas, divirtam-se com este livro tanto quanto eu", confessa a protagonista.

Nos Estados Unidos e na Europa, biografias, documentários, exposições, livros inéditos, reedições e antologias sobre Keith Haring também trazem o artista de volta à mídia, mais de 20 anos depois de sua morte precoce. Entre os lançamentos, um dos títulos mais aguardados é “Keith Haring Journals" (editora Penguin), que trazem em edições fac-símiles os diários inéditos do artista grafiteiro que era amigo da então estreante Madonna e do Midas todo-poderoso do pop Andy Warhol, entre outras celebridades e estrelas de grandezas variadas.






Keith Haring, referência mundial na
cultura pop, posa para fotos com
amigos: acima, com Andy Warhol,
que homenageou com Andy Mouse
em vários grafites. Abaixo, com
Warhol e Grace Jones, diva da Dance
Music, no lendário Studio 54; com
a estreante Madonna; em ação,
produzindo uma performance de
Grace Jones; e beijado por um de
seus grandes amigos e parceiros,
outra das lendas do grafite nas ruas
de Nova York, Jean-Michel Basquiat






Também para relembrar a arte de Keith Haring, está em cartaz desde dezembro de 2010 a mais completa retrospectiva de sua carreira, na Galeria Tony Shafrazi, em Nova York. A mostra reúne suas obras mais célebres e séries completas de ilustrações e desenhos - entre elas as que Haring produziu para ilustrar "Apocalypse", ensaio do poeta beatnik William Burroughs (1914-1997), além de seus desenhos contra o "apartheid" e dos principais trabalhos engajados em prol dos direitos civis.

A meta número um para Keith Haring pode ser traduzida por seu empenho para que suas obras alcançassem o grande público. "Para quê pintar se não se é transformado por seu próprio trabalho?", questiona Haring, em breve depoimento transcrito no perfil publicado na última página de "O Livro de Nina..."











Nesse empenho para que sua obra chegasse de graça ao maior número possível de pessoas ele também foi pioneiro: preferia expor nas ruas, em galerias do metrô, em lojas e casas noturnas "alternativas". Depois de sua morte prematura em 1990, vítima de Aids, sua obra libertária foi alçada à categoria de grande arte e levada para os grandes museus e galerias sofisticadas.



Brincadeiras visuais



Keith Haring viajou com frequência ao Brasil, onde visitava amigos no Rio de Janeiro, São Paulo e Bahia e produziu murais, telas e esculturas com referências à cultura brasileira. Na primeira vez que esteve em terras brasileiras, em 1983, foi homenageado pela Bienal de São Paulo. Pintou murais e grafites em praças e avenidas, entre eles um painel imenso no pavilhão da Bienal. Todos foram fotografados, mas ficaram no passado: nenhum dos trabalhos existe atualmente.












O humor característico das imagens criadas por Haring está intacto em “Ah, Se a Gente não Precisasse Dormir” e em "O Livro de Nina para Guardar Pequenas Coisas", entre trocadilhos e brincadeiras visuais típicos do universo infantil. Depois de uma página em branco, ele avisa: "Não use está página!!!". Mas avisa, na margem inferior: "Brincadeirinha! Rá rá!". Na página seguinte, com traços coloridos e sugestivos, ele propõe: "Página da pequena bagunça. Eu comecei uma bagunça. Você termina. Tente transformar minha bagunça numa pequena história".

Nascido no estado da Pensilvânia, Estados Unidos, Keith Haring interrompeu o curso de design gráfico numa escola de arte em Pittsburgh para ir morar em Nova York, onde iria descobrir a arte do grafite, que começava a tomar as ruas. Começou a ganhar notoriedade em 1980, ao desenhar a giz nas estações de metrô. Logo depois, foi convidado para expor seus trabalhos e fazer performances ao vivo de grafite nos famosos Studio 54 e Club 57, redutos vanguardistas da cidade, onde ficaria amigo e consultor para cenários, figurinos e videoclipes de vários artistas, entre eles Grace Jones, Laurie Anderson, Lou Reed, Iggy Pop, David Bowie e David Byrne, líder dos Talking Heads.







A arte do grafite: acima,
Keith Haring em ação em
Nova York, em 1986, em
fotografias de Vladimir Sichov.
Abaixo, uma seleção de suas
criações em personalíssimos
ícones multicoloridos 







Em uma década de trabalho ininterrupto, participou de bienais no mundo inteiro e pintou diversos murais na Austrália e no Japão, além da Europa e Estados Unidos. Sua última obra pública - um grande mural intitulado "Tuttomondo" - foi instalada na Itália e dedicada à paz universal. Ele queria um tipo de arte que fosse pública. Para Keith Haring, era inconcebível pensar a arte em separado da vida real. Seus desenhos, que têm na primazia da linha sua maior força, sobrevivem até hoje e são imitados por muitos, com objetivos os mais diversos.

Nas últimas viagens que fez ao Brasil, no final da década de 1980, Keith Haring costumava se hospedar em Ilhéus (BA), na casa do amigo e também artista Kenny Scharf, onde pintou murais e produziu telas e esculturas inspiradas na arte brasileira. Sempre rodeado pelas crianças, o artista deixou um registro em seus diários, em outubro de 1987, sobre sua relação com a pequena Nina Clemente:

"Alguns dias antes de deixar o Brasil e voltar a Nova York, visitei Nina e Chiara Clemente, e ficamos desenhando juntos nas paredes de sua casa. Acho que esse foi um dos momentos mais marcantes da minha vida. Tenho certeza de que fui um bom companheiro para muitas crianças e talvez tenha marcado suas vidas de forma duradoura, e lhes ensinado um pouco sobre o que é compartilhar e cuidar". Nina certamente concorda com todas as palavras de Keith Haring.


por José Antônio Orlando.



Para comprar O livro de Nina para guardar pequenas coisas,  clique aqui.






Para comprar o livro Ah, Se a gente não precisasse dormir!  clique aqui.











17 comentários:

  1. Sensacional, Zé! Nova Iorque nos anos 80 sem Keith Haring não é Nova Iorque. Abração

    ResponderExcluir
  2. É incrível um artista manter a mesma linha de criação/arte por algum tempo e continuar sendo fonte de inspiração e tendência. Os trabalhos dele passeiam pelo lado comercial e pelas ruas. Muito bom o post! Parabéns! Já assinei o feed!

    ResponderExcluir
  3. Penso que no íntimo toda artista é bem lúdico só que somente a alguns foi designado o dom e a coragem de se mostrar ao mundo assim. São esses que rompem barreiras e nos inspiram. Inspiram novas gerações que para também deixar sua marca no mundo, reinventam a invenção, mantendo a chama criativa acesa. Parabéns Zé!

    ResponderExcluir
  4. Amei!!!
    Brincadeiras visuais que provocam inquietações e uma vontade enorme de deixar o lado dionisíaco falar bem mais alto que o lado apolíneo.
    Atualmente, a primeiridade (o sentir) quer sobrepor e impor à terceiridade (a lei). Vou apropriar de uma das bagunças do Haring, especialmente a “brincadeira” da tesoura humana, só pra ver no que dá. Forte abraço.

    ResponderExcluir
  5. Orlando. Vou me juntar a estes tantos elogios de famosos e de anônimos que encontrei por aqui: seu blog é uma das mais gratas surpresas que encontro nos últimos meses. Só este artigo sobre a arte do Keith Haring já teria valido a visita. Mas não. Você é exagerado. E generoso. Tem páginas aqui para muitas e muitas visitas com o melhor prazer. Você lembrou bem que o mestre do grafite influenciou grande parte da cultura pop atual e o seu legado continua a fascinar – coisa rara – tanto crianças como adultos, tanto leigos como entendidos nos negócios da grande arte. De resto, Keith Haring definiu toda a sua criatividade numa única frase, que vale também para homenagear este blog brilhante chamado Semióticas: “não acho que a arte é propaganda, mas deve ser algo que liberta a alma, provoca a imaginação e encoraja as pessoas a ir mais longe. Ela celebra a humanidade em vez de manipular as pessoas”. Parabéns, então...

    Marcelo Vidal

    ResponderExcluir
  6. Se fosse só por este post fantástico sobre a magia do Keith Haring seu blog já valeria muitas visitas, José Antônio Orlando. Mas com a arte do grafite e tantas outras artes que você coloca no cardápio, a visita tem que ser diária, e com dedicação e tempo para saborear seus belos textos e suas imagens de encanto completo. Parabéns, Semióticas! Vida longa e prosperidade!

    ResponderExcluir
  7. Ganhei de presente um catálogo de exposição do Keith Haring nos anos 1990 e desde então tenho encontrado as imagens dele nos lugares mais inesperados, de camisetas e cartazes a anúncios de publicidade e videoclipes, exatamente como você escreve nesta página maravilhosa, José. Que blog mais bacana esse Semióticas, meu amigo. Já passei por todas as páginas mais de uma vez e estou esperando as próximas. Muito obrigado pelo prazer que você tem revelado para seus leitores e visitantes. Mandei para seu e-mail um texto meu sobre o grafite e o Keith Haring. Foi publicado na Revista da Unicamp em 2010. Mas reconheço que sua abordagem vai muito além. Perto da sua página, meu texto parece um trabalho de menino de escola, kkkkkkkk.
    Parabéns, viu? Se você responder ao e-mail, ficarei muito feliz e agradecido pela eternidade. Abração!

    ResponderExcluir
  8. Que beleza de página, de texto, de blog. Parabéns, professor Zé Orlando. Tudo nota 10 (risos). Fiquei encantada com tudo isso sobre o Keith Haring. Conhecia os bonequinhos dos grafites, mas não sabia do autor. E lembrei de uma aula sua sobre ele e o livro de Nina, acredita? Era uma aula de Teoria da Comunicação sobre as revolução culturais dos anos 1960 (rock, contracultura, pop art) e você falava do grafite, que começou com as pichações de protesto e acabou como arte com Andy Warhol, Basquiat e... Keith Haring. Lembro até que você falou do livro de Nina. Beijão pra você, Mestre. Muitas saudades. Estou em Palmas. Mandei os contatos para seu e-mail semioticas@hotmail.com e um pedido de amizade para o Facebook. Me aceita? Por favor! (risos)
    Já passei pelas outras páginas do blog (não todas, ainda) e minha vontade é sair comentando tudo, mas prometo me conter...
    Beijão de novo e parabéns.

    Nina

    ResponderExcluir
  9. Meu querido José. Conhecer você e seu blog maravilhoso foram das melhores coisas que me aconteceram em 2011.
    Para mim, este ano vai ficar marcado no caderninho como o ano de Semióticas.
    Parabéns e muito obrigado por tanta generosidade e inteligência compartilhada.
    Que o ano novo traga a realização de todos os seus sonhos.
    Um beijo no seu coração iluminado.

    Ludmilla de Assis

    ResponderExcluir
  10. Querido professor.
    Nunca tinha lido sobre a vida do Keith Haring, ainda bem que descobri tudo aqui no seu blog... Que delícia de texto!
    Adorei.
    Aliás os seus textos são sempre incríveis. Dá uma saudade das aulas...

    Beijos com carinho!

    ResponderExcluir
  11. Meu querido professor: seu blog é um show. Só esta página sobre o gênio de Keith Haring já faria com que seu blog entrasse para a minha lista de favoritos. Mas não são os grafites do Haring: tudo o que encontrei aqui, em todas as páginas, é um deleite e um convite à reflexão. Parabéns, do fundo do coração. Eu te amo!
    Grace de Oliveira

    ResponderExcluir
  12. Meu querido José Antônio Orlando,

    ao ler uma das mensagens registradas acima, me lembrei que foi também em uma aula sua que ouvi falar da arte do Keith Haring pela primeira vez. Como sempre aconteceu, cada aula sua foi um acontecimento marcante para mim e para muitos. Tanto que encontrei um pôster com uma frase dele que até hoje está na parede do meu quarto, para manter a inspiração. A frase é assim:

    Não pense que a arte é propaganda. A arte deve ser algo que liberta a alma, que provoca a imaginação e que encoraja as pessoas a ir mais longe. A arte celebra o que temos de mais humano, ao invés de tentar manipular nosso pensamento e nossas escolhas.

    Este post é maravilhoso, como todos os outros deste seu blog Semióticas. Só posso agradecer, meu mestre querido. Muitas saudades. Beijos!...

    ResponderExcluir
  13. Precioso e bem realizado. Estou há horas passeando pelas páginas do seu blog. Claro que assusta e incomoda quem está acostumado às bobagens de outros blogs e ao lixo que se multiplica nas páginas de jornais e revistas. Estou impressionado. Cheguei aqui por indicação da Carol, que foi sua aluna no Design. Ela disse que eu iria ficar encantado e fiquei mesmo. Incrível. Textos, ideias, imagens, tudo. Já conhecia o trabalho do Keith Haring e agora sou fã do Semióticas também. Ganhei o dia – e a semana, o mês, o ano de 2012... Parabéns!!!

    Lucas Jordão

    ResponderExcluir
  14. Marisa Campos Cardoso16 de agosto de 2013 19:06

    Parabéns pela bela matéria e por este blog que é show. Adoro. Fã desde a primeira visita. Agradeço a Deus e a você por ter encontrado tanta sabedoria e por tanta beleza.

    ResponderExcluir
  15. Cada visita que faço a este site de Semióticas me deixa mais feliz e impressionada. Ainda não li todos os artigos, mas cada página aqui parece melhor que a outra. Hoje cheguei neste Keith Haring e estou encantada. Descobri um mundo. Emocionante! Muito obrigada por disponibilizar essa preciosidade!

    Raquel Teixeira

    ResponderExcluir
  16. Sempre vejo as obras de keith mas não conhecia a sua história. Gostei muito de conhecê-la! Parabéns por mais um excelente post, Zé!

    ResponderExcluir
  17. Este blog Semióticas é a melhor página que já encontrei na Internet. E eu navego! Parabéns demais. Também agradeço por você compartilhar tanta beleza e sabedoria. Virei fã.

    Beatriz Galeno

    ResponderExcluir

( comentários anônimos não serão publicados )

Todas as páginas de Semioticas têm conteúdo protegido.

REPRODUÇÃO EXPRESSAMENTE PROIBIDA.

Contato: semioticas@hotmail.com

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Páginas recentes